ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Resultado da Busca

A busca para o autor ou co-autor encontrou: 81 resultado(s)


A fisiatría na formação do médico generalista

Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.1996;3(3):5-6


Palavras-chave:

A medicina física e reabilitação: uma visão crítica

Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.1995;2(3):31-32


Palavras-chave:

A terapia de restrição como forma de aprimoramento da função do membro superior em pacientes com hemiplegia

Constraint-induced therapy as an approach to the improvement of upper limb in stroke patients

Marcelo Riberto1; Heloisa Moreira Monroy2; Harumi Nemoto Kaihami3; Priscilla Pereira dos Santos Otsubo4; Linamara Rizzo Battistella5

Acta Fisiátr.2005;12(1):15-19

A terapia de restrição consiste na imobilização do membro superior não comprometido de pacientes hemiplégicos em decorrência de acidente vascular cerebral (AVC) como forma de estímulo ao uso do membro superior que teve a sua força reduzida. Experimentos realizados em algumas amostras específicas de pacientes mostram resultados promissores com essa abordagem. Este estudo teve o objetivo verificar seu efeito numa amostra de pacientes hemiplégicos em processo de reabilitação. Foram selecionados pacientes com AVC há mais de 6 meses que se encontravam em processo de reabilitação e possuíssem força para extensão da mão e dedos de pelo menos 10º de forma voluntária. A aplicação da restrição foi associada a 6 horas de terapia multidisciplinar diariamente em dias de semana e orientada a manutenção das atividades nos finais de semana. Para avaliação dos resultados foram usados os seguintes instrumentos: medida de independência funcional (MIF), teste motor de Wolf (TMW), escala de avaliação das deficiências do AVC (EADAVC) e dinamometria de preensão. Observou-se ganho estatisticamente significante na MIF (108,5 ± 6,4 versus 113 ± 7,3, p = 0,02) e TMW (10,5 ± 6,4s versus 6,5 ± 3,7s, p = 0,006), mas não na EADAVC (56,7 ± 4,4 versus 59,4 ± 8,4, p = 0,16) ou Dinamometria de pressão (16,2 ± 4,5 kgf versus 16,3 ± 5,4 kgf, p = 0,98). A conclusão deste estudo é que a aplicação da técnica de restrição do membro superior em pacientes hemiplégicos pode resultar em ganhos agudamente, indicando um caminho alternativo na abordagem das suas incapacidades.


Palavras-chave: hemiplegia, reabilitação, terapia de restrição, avaliação funcional, incapacidade, neuroplasticidade

Acidente vascular cerebral crônico: reabilitação

Chronic cerebral vascular accident: rehabilitation

Thaís Tavares Terranova; Fabiola Olea Albieri; Munique Dias de Almeida; Denise Vianna Machado Ayres; Sissi Farrardo da Cruz; Mariana Vita Milazzotto; Denise Rodrigues Tsukimoto; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):50-59


Palavras-chave:

Acidente vascular encefálico agudo: reabilitação

Acute encephalic vascular accident: rehabilitation

Igor Kaoru Naki; Thais Amanda Rodrigues; Tatiana Simões de Andrade; Ana Paula de Carvalho Andrade Esotico; Daniella Heyn; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):60-65


Palavras-chave:

Alterações eletrocardiográficas e cardiovasculares em pacientes com infarto do miocárdio pregresso submetidos a programa de reabilitação cardíaca supervisionado

Cilene Abreu Cardoso-Costa1; Paulo Yazbek Júnior1; Livia Maria dos Santos Sabbag1; Maristela Palácios Dourados2; Gilson Tanaka Shinzato3; Claudio Costa3; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.1997;4(2):82-89

A reabilitação cardíaca é o processo de desenvolvimento e manutenção de nível desejável de atividade física, social e psicológica após o início da doença coronária sintomática, sendo uma terapêutica multiprofissional para a patologia, que é multifatorial. Assim, nas últimas décadas, a prática de exercícios físicos tem sido estimulada entre indivíduos sadios e cardiopatas. Os principais objetivos são: evitar os efeitos negativos do repouso prolongado no leito em pacientes convalescentes de infarto agudo do miocárdio pós-cirurgia cardiovascular, com o retorno mais breve às atividades cotidianas, evitar complicações pulmonares, melhora da capacidade funcional e da qualidade de vida, mudanças de hábitos com modificação de fatores de risco e redução dos índices de morbi-mortalidade.


Palavras-chave:

Análise da qualidade de vida em pacientes de Escola de Postura

Analysis of quality of life in Back School patients

Sofia Helena Kuckartz Cesar1; Carlos Alexandrino de Brito Júnior2; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.2004;11(1):17-21

Qualidade de vida é a percepção individual de um bem estar físico, mental e social, podendo ser influenciada pelo aparecimento de várias condições de saúde. Entre elas, destaca-se a lombalgia, devido ao elevado número de casos encontrados na população, com seu padrão característico de alterações neurológicas e biomecânicas. Através do questionário SF-36 (Short Form Health Survey) composto por 8 domínios, permite-se mensurar o quanto uma doença consegue interferir sobre a qualidade de vida do indivíduo. O trabalho foi desenvolvido através de estudo retrospectivo, com o objetivo de avaliar a evolução dos parâmetros do questionário SF- 36. Foram acompanhados 154 pacientes da Escola de Postura da DMR-USP, portadores de lombalgia, em um seguimento de 4 meses, no período de Setembro de 2001 a Setembro de 2003. Os domínios dor, estado geral de saúde, vitalidade, limitação dos aspectos físicos e saúde mental apresentaram tendência favorável quando confrontados os resultados da avaliação inicial em relação aquelas obtidas nas reavaliações de 1 mês e/ou 4 meses.


Palavras-chave: Qualidade de vida. Dor lombar. Escola de postura.

Análise do ritmo lombar e pélvico durante a flexoextensão da coluna vertebral em duas condições de simulação de levantamento de carga em policiais militares saudáveis

Analysis of the lumbar and pelvic rhythm during trunk flexion-extension in two load lifting conditions simulated in healthy policemen

Claudia de Oliveira e Silva1; Linamara Rizzo Battistella2; Christiane Akie Kavamoto3; José Augusto Fernandes Lopes4; Jeane Cintra Peixoto de Vasconcelos5

Acta Fisiátr.2004;11(3):117-124

O objetivo deste estudo foi correlacionar a atividade muscular e cinemática do movimento lombar e pélvico durante a flexo-extensão da coluna lombar em duas condições diferentes: com joelhos estendidos e flexionados (durante o agachamento).
CASUÍSTICA E MÉTODOS: trinta e seis policiais militares jovens do sexo masculino do Regimento de Cavalaria da Policia Militar de São Paulo foram recrutados, porém apenas dezenove voluntários (22,9 ± 2,3 anos) preenchiam os critérios de inclusão de ausência de história de dor lombar e ou deformidades na coluna vertebral. Foram realizadas análises tridimensionais com marcadores retro-refletivos nas apófises espinhosas de L1, L3 e S1, espinhas ilíacas ântero-superiores, trocânteres maiores, fulcros laterais dos joelhos e maléolos laterais, de ambos os movimentos acima combinados, além da eletromiografia dinâmica de superfície dos músculos extensores lombares, isquiotibiais, retos abdominais e retos anteriores da coxa.
RESULTADOS: durante os movimentos com os joelhos estendidos, a atividade dos músculos extensores lombares foi sincronizada com os isquiotibiais e alternou com os retos abdominais. Ocorreu contração dos músculos reto abdominal em 15 indivíduos durante o final da flexão do tronco, enquanto que em quatro não houve atividade destes músculos. A atividade dos extensores lombares decresceu até cessar antes do término da flexão total. O agachamento revelou a substituição do padrão de ativação de dupla onda pela atividade contínua dos músculos extensores lombares.
DISCUSSÃO: variações intra e interindivíduos foram observadas e podem influenciar nos exames. Nossos resultados refletiram as diferenças no padrão de ativação muscular no ritmo lombar pélvico nas 2 diferentes condições estudadas.
CONCLUSÃO: o ritmo lombar-pélvico esteve presente nos dois movimentos estudados com participação ativa dos músculos isquiotibiais e paraespinhais


Palavras-chave: biomecânica; cinemática; coluna vertebral; eletromiografia; região lombossacra.

Aplicação das escalas <em>Fugl-Meyer Assessment</em> (FMA) e <em>Wolf Motor Function Test</em> (WMFT) na recuperaçãofuncional do membro superior em pacientespós-acidente vascular encefálico crônico: revisão de literatura

Application of the Fugl-Meyer Assessment (FMA) and the Wolf Motor Function Test (WMFT) in the recovery of upper limb function in patients after chronic stroke: a literature review

Cauê Padovani1; Cristhiane Valério Garabello Pires2; Fernanda Pretti Chalet Ferreira3; Gabriela Borin4; Thais Raquel Martins Filippo5; Marta Imamura5; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa5; Linamara Rizzo Battistella6

Acta Fisiátr.2013;20(1):42-49

Estima-se que de 45 a 75% dos adultos que sofreram um Acidente Vascular Encefálico (AVE) têm dificuldade de utilizar o membro superior (MS) hemiparético nas atividades de vida diária (AVD's) na fase crônica. Escalas funcionais são utilizadas na prática da reabilitação e em pesquisas para diagnósticos, prognósticos e resposta a tratamentos. As escalas Wolf Motor Function Test (WMFT) e Fugl-Meyer Assessment (FMA) são instrumentos muito citados na literatura.
OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi verificar a aplicação das escalas WMFT e FMA na recuperação funcional do membro superior em pacientes pós AVE crônico.
MÉTODO: Foi realizada uma revisão de literatura com busca nas bases de dados do MedLine (PubMed) de artigos publicados de 2000 a 2013. Adotou-se como estratégia de pesquisa o método (P.I.C.O.). Os descritores utilizados para a pesquisa foram: (stroke OR cerebrovascular disorders OR intracranial arteriosclerosis OR intracranial embolism and thrombosis) AND (fugl-meyer assessment OR wolf motor function test). Foi utilizado therapy narrow como filtro de busca.
RESULTADOS: Foram encontrados 181 estudos, 89 foram eliminados por não preencherem os critérios de inclusão ou por não apresentarem tema relevante à pesquisa. Após a seleção por título e resumo, 92 artigos foram lidos na íntegra. Destes, 47 foram excluídos por não contemplarem o objetivo da presente pesquisa. No total, 45 artigos foram revisados. Houve predomínio da utilização da ferramenta FMA e verificou-se que 80% dos estudos aplicaram esta escala para avaliar respostas a diferentes tipos de terapias. Nestes estudos, a intervenção mais utilizada foi a Terapia de Contensão Induzida (TCI) (25%), seguida pela Terapia Robótica (22,2%). Apesar do WMFT ter sido inicialmente desenvolvido para avaliar os efeitos da TCI, nos dias de hoje verifica-se sua utilização para avaliar a recuperação funcional de pacientes com sequelas de AVE após aplicação de outras técnicas. Em nossa pesquisa, 44,4% dos estudos utilizaram o WMFT, destes, 35% avaliaram os efeitos da TCI, 15% da terapia robótica de MS e 65% usaram diferentes terapias.
CONCLUSÃO: Em estudos controlados randomizados, a FMA foi a escala mais utilizada para avaliar a recuperação funcional do MS em pacientes com AVE crônico, inclusive após aplicação de terapia robótica. Porém, verificamos que ela não é a escala mais indicada para avaliar os mesmos desfechos após utilização da TCI. Entretanto, a WMFT foi a escala mais utilizada para avaliação funcional após aplicação da TCI e mostrou-se mais sensível que a FMA na terapia bilateral, além de alta aplicabilidade na terapia de realidade virtual.


Palavras-chave: Acidente Vascular Encefálico, Extremidade Superior, Reabilitação, Questionários, Literatura de Revisão como Assunto

Avaliação da dor no ombro em paciente com acidente vascular cerebral

Shoulder pain evaluation in stroke patients

Cláudia de Oliveira e Silva1; Marcelo Riberto2; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.2000;7(2):78-83

O objetivo desse estudo preliminar é avaliar as causas de dor no ombro de pacientes hemiplégicos, bem como verificar a ocorrência e a evolução do tratamento da síndrome dolorosa miofascial (SDMF). Para isso, seis pacientes hemiplégicos (cinco espásticos grau II, segundo Ashworth e um flácido) com idade: 55, 85 +/- 1, 50 anos, tempo de AVC de 6, 85 +/- 2, 54 meses, e queixas de dor no ombro paralisado há 13, 33 +/- 1, 69 semanas, foram submetidos a um protocolo de avaliação qualitativa (questionário de MacGuill simplificado e quantitativa por meio da escala visual analógica - EVA e dolorimetria de pressão), além da avaliação goniométrica ativa e passiva do ombro. Todos os pacientes apresentaram à palpação muscular, SDMF associada e foram infiltrados com lidocaína a 1% em pontos-gatilho (PGs) intramusculares. As queixas predominantes foram dor em queimor em quatro, peso em três e incaracterística em dois. Nenhum paciente referiu queixas de formigamento, choque, adormecimento e agulhadas. Quatro pacientes foram infiltrados em PGs na musculatura posterior do ombro, um em bíceps e outro em peitoral maior. Não houve melhora significativa na evolução dolorimétrica de pressão e na goniometria após a infiltração desses PGs (p > 0,05). Nesse estudo, diagnosticamos por meios clínicos e/ou radiológicos (RX e USG): um paciente com capsulite adesiva, um com tendinite bicipital e outro com tendinite no supra-espinhal. Não se diagnosticou subluxação na articulação glenoumeral, nem sinais clínicos de lesão nervosa periférica.


Palavras-chave: Dor. Ombro. Hemiplegia. Cintura escapular. Acidente vascular cerebral.

Avaliação da utilização da tipóia de bobath na subluxação de ombro do paciente hemiplégico<sup>*</sup>

Margarida Harumi Miyazaki1; Maria Inês Paes Lourenção2; José Brenha Ribeiro Sobrinho2; Gracindo Rodrigues Tsukimoto3; Linamara Rizzo Battistella4

Acta Fisiátr.1995;2(3):12-14

Uma das complicações mais graves do paciente hemiplégico pós AVC é a subluxação do ombro decorrente do desequilíbrio muscular, e que está freqüentemente associado à dor. Apesar das várias modalidades de tipóias1 para contenção da subluxação, há poucos estudos referentes ao uso delas. Optamos pela avaliação da tipóia de Bobath, analisando-as nos aspectos referentes à melhora da dor, dificuldades de colocação, conforto durante o uso e aderência. Verificamos que dentre os pacientes analisados, apenas 25% obtiveram melhora significativa da dor, todos eram dependentes na sua colocação e a grande maioria teve queixas quanto ao desconforto durante o uso. Houve uma porcentagem significativa de abandono e erro de utilização. Concluímos que a tipóia de Bobath, apesar de permitir redução visual da subluxação de ombro do paciente hemiplégico, não é um recurso ortésico adequado para a reabilitação do mesmo.


Palavras-chave: Tipóias de Bobath. Subluxação de ombro. Hemiplegia.

Avaliação longitudinal da Escola de Postura para dor lombar crônica através da aplicação dos questionários Roland Morris e Short Form Health Survey (SF-36)

Longitudinal evaluation of Posture School for low back pain by the questionnaires Rolland Morris and Short Form Health Survey (SF-36)

Gracinda Rodrigues Tsukimoto1; Marcelo Riberto2; Carlos Alexandrino de Brito2, Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.2006;13(2):63-69

O objetivo desse trabalho foi analisar quantitativamente a resposta ao tratamento dos pacientes com dor lombar crônica atendidos pela "Escola de Postura" da DMR-HCFMUSP no período de outubro de 2001 a julho de 2004, usando os questionários Roland-Morris (RM) e Short Form Health Survey (SF-36). A intensidade da queixa dolorosa foi avaliada pela Escala Visual Analógica (EVA). A amostra inicial foi composta por 244 prontuários de pacientes encaminhados e avaliados para a Escola de Postura no período de outubro de 2001 a julho de 2004, tendo completado o programa 110 pacientes desse total. Algum dados referentes a estes pacientes foram coletados, tais como: diagnósticos etiológico, tempo de evolução da doença e origem do encaminhamento; dados sócio-demográficos como sexo, idade, escolaridade, estado civil, ocupação; e, também, o comparecimento aos retornos após o primeiro mês, quarto mês, e um ano a contar da avaliação inicial. Observou-se que os indivíduos que concluíram a Escola de Postura apresentaram melhora significativa nos domínios do SF-36 para Capacidade Funcional, Aspectos Físicos, Dor, Estado Geral de Saúde, Vitalidade, bem como na avaliação pela EVA e questionário RM. Não foram observados ganhos estatisticamente significantes nos domínios Aspectos Sociais, Emocionais e Saúde Mental. Cabendo ressaltar que o período de alcance da Escola de Postura, não possibilita afirmar mudanças significativas quanto a aspectos afetivo-emocionais e novas posturas em seu relacionamento social. Novos estudos, quantitativos e qualitativos devem ser realizados de maneira a oferecer subsídios á equipe multiprofissional da Escola de Postura que permitam operar mudanças e ampliar recursos terapêuticos se necessário.


Palavras-chave: avaliação funcional, lombalgia, qualidade de vida, questionários, reabilitação, escola de postura.

Avaliação sintomática subjetiva e cardiovascular dos pacientes lesados medulares com trabalho cicloergométrico passivo (Reck Moto Med)

Linamara Rizzo Battistella1; Paulo Yazbek Jr.2; Gilson Tanaka Shinzato3; Neuza Sayuri Habu3; Andrea B. Rosa4; Maria Cecília dos S. Moreira4; Luciane E. B. Castor4

Acta Fisiátr.1996;3(2):23-26


Palavras-chave:

Benefício da terapia de ondas de choque no tratamento de úlceras cutâneas: uma revisão da literatura

Benefits of extracorporeal shockwave in the treatment of skin ulcers: a literature review

Marcus Yu Bin Pai1; Juliana Takiguti Toma1; Danielle Bianchini Rampim2; Marta Imamura3; Linamara Rizzo Battistella4

Acta Fisiátr.2016;23(1):35-41

A terapia de ondas de choque (TOC) extracorpórea possui ação analgésica e anti-inflamatória. Com a evolução e compreensão de seus mecanismos físicos e biológicos, foi se estudando a sua aplicação em outras patologias, principalmente em afecções ósseas e musculo-tendíneas. Recentemente, estudos em modelos animais demonstraram a sua capacidade angiogênica e maior taxa de re-epitelização local. Estas pesquisas levaram ao início do uso de TOC radial de baixa energia no tratamento e manejo de diversas lesões de pele de difícil tratamento. As úlceras cutâneas possuem diversas etiologias, variando desde úlceras de pressão, queimaduras, úlceras venosas ou arteriais e também úlceras diabéticas. Seu tratamento é um desafio, devido ao seu tempo prolongado de tratamento (resultando em dificuldades quanto ao seguimento clínico) e também elevados custos. Objetivo: Avaliar a eficácia da TOC na cicatrização de úlceras de diversas etiologias: diabéticas, por pressão, queimaduras, pós-traumáticas, vasculares venosas e arteriais, por meio de uma revisão da literatura. Métodos: Foi realizada uma revisão da literatura, sendo incluídos estudos clínicos em humanos Resultados: 9 artigos preencheram os critérios de inclusão. Os estudos inclusos compreenderam 788 pacientes. Os manuscritos trouxeram uma variedade de padrão de intervenções diferentes. Houve heterogeneidade no tempo de intervenção, número de pulsos e na frequência de sessões, bem como na quantidade de sessões, densidade de energia aplicada, e também no tipo de ondas de choque utilizados nas terapias. Alguns dos trabalhos descritos encontraram uma maior taxa na cicatrização e fechamento completo de lesões em pacientes com lesões crônicas, que não responderam ao tratamento conservador. Porém, há poucos estudos na literatura com qualidade metodológica adequada. Conclusão: A TOC surge como uma alternativa promissora para pacientes que não respondem bem à terapia conservadora. Os resultados são promissores porém com evidências limitadas quanto a diminuição do tempo de cicatrização e na aceleração do fechamento de lesões. Os estudos selecionados não relataram efeitos colaterais significativos, sendo uma terapia segura.


Palavras-chave: Ondas de Choque de Alta Energia, Resultado do Tratamento, Terapêutica

Benefícios da marcha com assistência robótica na lesão medular: uma revisão sistemática

Benefits of robotic-assisted gait in spinal cord injury: a systematic review

Francine Bertolais do Valle Souza1; Pedro Cláudio Gonsales de Castro2; Denise Vianna Machado Ayres3; Maria Cecilia dos Santos Moreira4; Linamara Rizzo Battistella5

Acta Fisiátr.2013;20(3):142-146

OBJETIVO: Avaliar a qualidade atual de evidências quanto à eficácia da marcha robótica com suspensão de peso corporal em indivíduos com lesão medular, com ênfase no desempenho da marcha.
MÉTODO: O levantamento bibliográfico foi realizado nas bases de dados PubMed, LILACS e EMBASE referentes às publicações de ensaios clínicos dos últimos doze anos (2000-2012), utilizando-se a relação entre as palavras chave Spinal cord injury AND (gait OR walking OR deambulation) reahbilitation AND robotic AND (lokomat OR ReoAmbulator OR Formador Gait).
RESULTADOS: Dos oito estudos selecionados, apenas um não observou melhora no padrão de desempenho da marcha. Dos estudos que encontraram melhora, 6 encontraram melhora estatisticamente significativa e um não encontraram nenhuma diferença significativa, apesar de uma tendência de melhora ter sido observada. As conclusões destes estudos foram obtidas por meio de ferramentas de avaliação como o teste de caminhada de 6 minutos e de 10 metros, MIF (medida de independência funcional, WISCI II (Índice de caminhada de Lesão Medular), entre outros. Alguns estudos apontam uma diminuição na necessidade de órteses e dispositivos auxiliares nesse grupo. Quanto à qualidade metodológica, seis artigos apresentaram escores inferiores a 3 pontos e apenas um artigo teve a pontuação máxima de 5 na escala JADAD (baixa qualidade pontuação inferior a 3) Implicação/Impacto na reabilitação.
CONCLUSÃO: Apesar da pequena quantidade de artigos encontrados, da baixa qualidade metodológica e o fato desta ser uma intervenção nova e de alto custo, os resultados são significativos quando comparados com a terapia física convencional e outras técnicas bem estabelecidas na fisioterapia.


Palavras-chave: Traumatismos da Medula Espinal, Marcha, Robótica, Reabilitação

Câncer de mama: reabilitação

Breast cancer: rehabilitation

Christina May Moran Brito; Maria Inês Paes Lourenção; Maíra Saul; Mellik Bazan; Priscilla Pereira Santos Otsubo; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):66-72


Palavras-chave:

Câncer de pulmão: reabilitação

Lung neoplasms: rehabilitation

Rebeca Boltes Cecatto; Elisangela Marinho Pinto Almeida; Maíra Saul; Christina May Moran de Brito; Rodrigo Guimarães Andrade; Marta Imamura; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa; Wanderley Marques Bernardo; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2013;20(2):63-67


Palavras-chave:

Cervicalgia: reabilitação

Neck pain: rehabilitation

Paula Domingues Delfino; Danielle Bianchini Rampim; Fabio Marcon Alfieri; Luis Carlos Onoda Tomikawa; Gustavo Fadel; Patrick Raymond Nicolas Andre Ghislain Stump; Satiko Tomikawa Imamura; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):73-81


Palavras-chave:

Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF)

International Classification of Functioning Disability and Health (ICF)

Linamara Rizzo Battistella1; Christina May Moran de Brito2

Acta Fisiátr.2002;9(2):98-101

O presente artigo tem por objetivo a atualização e a familiarização de profissionais envolvidos com a reabilitação daClassificação Internacional de Funcionalidade (CIF) desenvolvida pela Organização Mundial de Saúde. São abordados seu histórico, finalidade e perspectivas de aplicação na área de reabilitação.


Palavras-chave: Classificação Internacional de Funcionalidade. Reabilitação. Organização Mundial de Saúde.

Competência em medicina física e reabilitação

Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.1994;1(1):3-6


Palavras-chave:

Conceito Halliwick inclusão e participação através das atividades aquáticas funcionais

The Halliwick Concept, inclusion and participation through aquatic functional activities

Mauricio Koprowski Garcia1; Edenilson Cordeiro Joares2; Marcelo Alves Silva2; Renato Rocha Bissolotti2; Suzana Oliveira2; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.2012;19(3):142-150

Este trabalho apresenta os resultados qualitativos e quantitativos de um grupo 674 usuários que por 12 meses participaram do Projeto Halliwick - atividades aquáticas funcionais - do Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas FMUSP e suas amplas repercussões na vida da pessoa com deficiência. O conceito Halliwick foi desenvolvido em 1949 por James McMillan na Inglaterra e está fundamentado em princípios da hidrostática, hidrodinâmica e na mecânica dos corpos na água.
OBJETIVO: O Programa dos 10 Pontos do conceito Halliwick é a aplicação prática e fornece estrutura aos processos de ensinar e aprender com segurança, lógica e progressivamente.
MÉTODO: O trabalho se desenvolve em grupos que motivam e favorecem a interação social, ao mesmo tempo que otimizam o aprendizado. O Halliwick introduz a água como um novo fator ambiental para se trabalhar estratégias do movimento e controle motor de forma diferente. Os atributos da piscina, especificamente as propriedades físicas de água, promovem o bem estar de estruturas físicas e função corporal, independência funcional, novos padrões de movimentos, entendimento de diferentes conceitos sobre motricidade, processamento sensorial, aprendizado cognitivo, organização de padrões de movimentos e controle de atividades diversas. A fisiologia da imersão responde pela ativação de orgãos e sistemas do corpo melhorando seus desempenhos.
RESULTADOS: Com apoio da Associação Halliwick Internacional e Associação Brasil Halliwick o projeto, pioneiro no país, possibilitou atendimento a milhares de usuários garantindo acesso igualitário, pois foca a inclusão e participação da pessoa com e sem deficiência.
CONCLUSÃO: A característica holística do Halliwick influenciou sobre maneira o tradicional ensino de natação e trouxe uma série de refinamentos às técnicas de hidroterapia, demonstrando que programas terapêuticos e recreativos combinados oferecem uma reabilitação contínua para todas as pessoas. Ainda permite o alcance do máximo potencial, trazendo benefícios físicos, psicológicos e social.


Palavras-chave: hidroterapia, imersão, pessoas com deficiência, reabilitação, terapia por exercício

Controle postural no envelhecimento: um estudo comparativo entre Brasil e Espanha

Postural control in aging: a comparative study among Brazil and Spain

Fábio Marcon Alfieri1; Marcelo Riberto2; Carla Paschoal Corsi Ribeiro3; Maria Àngels Abril Carreres4; Linamara Rizzo Battistella6; Roser Garreta Figuera5

Acta Fisiátr.2009;16(4):203-205

O envelhecimento traz consigo alterações nos sistemas sensoriais e músculo-esquelético, que juntos alteram o controle postural dos idosos. O objetivo deste estudo foi o de verificar e comparar o controle postural de idosos da cidade de São Paulo - Brasil, com idosos que vivem em Terrassa (Barcelona)- Espanha. Participaram da pesquisa, 36 idosos brasileiros (69,61±5,3 anos) e 33 idosos espanhóis (69,72±4,6 anos) considerados saudáveis, recrutados a partir de dois serviços de reabilitação. Os voluntários realizaram avaliações pertinentes ao controle postural por meio do teste Timed up and go e bateria de testes de Guralnik. Os dados foram analisados por meio do teste t e os resultados mostram que os grupos são semelhantes quanto a idade e a composição corporal, porém o grupo do Brasil apresentou melhores resultados nas duas avaliações realizadas quando comparado com o grupo da Espanha. Concluise que os indivíduos brasileiros deste estudo apresentaram melhor desempenho na realização dos testes sobre controle postural.


Palavras-chave: Equilíbrio Postural, Envelhecimento da População, Grupos Étnicos

Densidade mineral óssea após lesão medular

Bone mineral status after spinal cord injury

Christina May Moran de Brito1; Linamara Rizzo Battistella2; Hatsue Sakamoto1; Elizabete Tsubomi Saito1

Acta Fisiátr.2002;9(3):127-133

A osteoporose é uma das reconhecidas complicações da lesão medular, mas na prática clínica muitas vezes tem sido deixada para segundo plano quando comparada às outras complicações decorrentes da lesão. Grande parte da perda óssea ocorre nos primeiros quatro a seis meses após a lesão e se estabiliza doze a dezesseis meses após. Ocorre em todos os segmentos, mas é mais acentuada nos segmentos paralisados, situando-se em torno de 4% ao mês em áreas ricas em osso trabecular e 2% ao mês em áreas com predomínio de osso cortical no primeiro ano após a lesão. A incidência de fraturas se situa entre 1% a 7% e estas são muitas vezes decorrentes de traumas mínimos. Os mecanismos envolvidos na perda óssea não estão totalmente esclarecidos. Trabalhos com ortostatismo e cinesioterapia não demonstraram benefício significativo no que diz respeito à redução da perda de massa óssea e trabalhos com estimulação elétrica funcional apresentam resultados divergentes, parecendo resultar em algum benefício local. O uso de medicação anti-reabsortiva parece constituir opção promissora, juntamente com a ingesta diária adequada de cálcio, mas estudos são ainda necessários para este fim. Este estudo teve como objetivo avaliar o impacto da lesão medular na densidade mineral óssea de 20 pacientes lesados medulares crônicos em acompanhamento ambulatorial na Divisão de Medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e possíveis fatores de influência sobre o padrão de perda óssea. Os métodos utilizados incluíram exames clínico e laboratorial e densitometria óssea de corpo inteiro. Foram incluídos nesse estudo 15 homens e 5 mulheres, entre 17 e 50 anos (mulheres até 35 anos), sendo 8 com tetraplegia e 12 com paraplegia, e o tempo de lesão variou de 10 meses a 10 anos. A avaliação densitométrica não evidenciou diferença significativa entre pacientes com e sem espasticidade. Também não houve correlação entre a porcentagem de massa magra e a densidade mineral óssea. A dissociação da densidade mineral óssea entre a coluna lombar e a pelve, com maior perda óssea em nível da pelve, foi um achado comum. A maior perda foi evidenciada em membros inferiores com média de -3,3 desvios-padrão em comparação ao pico de massa óssea do adulto jovem. Conclui-se então que tanto pacientes tetraplégicos quanto paraplégicos apresentam perda óssea significativa, particularmente em pelve e membros inferiores, sem influência do grau de espasticidade.


Palavras-chave: Lesão medular. Osteoporose. Densidade óssea. Paraplegia. Tetraplegia.

Distonias: reabilitação

Dystonias: rehabilitation

Tatiane Lopes Teixeira Almeida; Lilian Falkenburg; Maria Angela de Campos Gianni; Maria Inês Paes Lourenção; Maria Inês Nacarato; Tatiana Domingues Pedroso; Thaís Tavares Terranova; Lucas Martins de Exel Nunes; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2013;20(2):68-74


Palavras-chave:

Editorial

Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.1999;6(1):0-0


Palavras-chave:

Efeitos do treinamento físico específico nas respostas cardiorrespiratórias e metabólicas em repouso e no exercício máximo em jogadores de futebol profissional

Paulo Roberto Santos Silva1; Angela Romano1; Paulo Yazbek Jr.2; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.1997;4(2):56-64

O objetivo deste estudo foi analisar as alterações provocadas pelo treinamento físico específico (TFE) nas respostas cardiorrespiratórias e metabólicas de 16 jogadores de futebol profissional, com média de idade de 24,2 ± 3,6 anos. Todos os atletas foram avaliados antes e depois de quinze semanas de um programa de TFE, durante período competitivo. Os futebolistas foram submetidos a teste máximo em esteira rolante, utilizando-se o protocolo de Ellestad. A resposta de freqüência cardíaca (FC) foi registrada por meio de um eletrocardiógrafo de 3 derivações simultâneas e a pressão arterial (PA), por meio de método auscultatório. A ventilação pulmonar (VE), o consumo de oxigênio (VO2), a produção de dióxido de carbono (VCO2) e a razão de troca respiratória (RER) foram calculados a partir de valores medidos por um sistema espirométrico computadorizado (BECKMAN) e a capacidade anaeróbia máxima, por meio da concentração sanguínea de ácido lático, utilizando-se analisador automático. O TFE não modificou significativamente a FC máxima (192 ± 8 versus 186 ± 6 bpm) e a PA sistólica máxima (196 ± 10 versus 198 ± 8 mmHg). A resposta ventilatória máxima foi significativamente aumentada (129 ± 19 versus 140 ± 16 L .min-1 [p< 0.05]), enquanto a capacidade aeróbia máxima não foi significativamente modificada (50,0 ± 6,0 vs 53,0 ± 5,0 ml.kg.-1min-1) por esse treinamento. Ao contrário, a capacidade anaeróbia máxima aumentou significativamente (8,3 ± 0,2 versus 9,8 ± 2,4 mmol. L-1 [p< 0,05]).
CONCLUIU-SE: 1) O TFE não modificou as respostas de FC e PA no repouso e no exercício máximo; 2) A maior VE no exercício máximo associada a elevada concentração sanguínea de ácido lático demonstraram que o TFE utilizado nesse estudo foi caracterizado por exercícios predominantemente intensos e 3) O TFE não representou estímulo adequado para aumentar a capacidade aeróbia máxima dos futebolistas.


Palavras-chave: Treinamento físico. Capacidade aeróbia. Capacidade anaeróbia. Freqüência cardíaca. Pressão arterial. Jogador de futebol.

Espiritualidade baseada em evidências

Marcelo Saad1; Danilo Masiero2; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.2001;8(3):107-112

Espiritualidade pode ser definida como um sistema de crenças que enfoca elementos intangíveis, que transmite vitalidade e significado a eventos da vida. Tal crença pode mobilizar energias e iniciativas extremamente positivas, com potencial ilimitado para melhorar a qualidade de vida da pessoa. As implicações da espiritualidade na saúde vêm sendo estudadas cientificamente e documentadas em centenas de artigos. Há relação entre envolvimento espiritualista e vários aspectos da saúde mental, sendo que pessoas vivenciam melhor saúde mental e se adaptam com mais sucesso ao estresse se são religiosas. Pessoas religiosas são fisicamente mais saudáveis, têm estilos de vida mais salutares e requerem menos assistência de saúde. Existe uma associação entre espiritualidade e saúde que provavelmente é válida, e possivelmente causal. É plenamente reconhecido que a saúde de indivíduos é determinada pela interação de fatores físicos, mentais, sociais e espirituais. Os profissionais da saúde já contam com indicações científicas do benefício da exploração da espiritualidade na programação terapêutica de virtualmente qualquer doença. O presente artigo cita os trabalhos mais relevantes sobre o assunto.


Palavras-chave: Religião e ciência. Espiritualismo. Reabilitação. Saúde.

Estamos na Internet

Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.1997;4(1):5-5


Palavras-chave:

Estudo da interferência dos déficits motor e sensitivo na função manual de pacientes hemiplégicos submetidos à estimulação elétrica funcional (FES)<sup>*</sup>

Margarida Harumi Miyazaki1; Maria Inês Lourenção2; José Brenha Ribeiro Sobrinho3; Claudete Lourenço4; Linamara Rizzo Battistella5

Acta Fisiátr.1995;2(3):24-26

O presente estudo procura identificar os aspectos fisiopatológicos que condicionam um mau prognóstico na aplicação da Estimulação Elétrica Funcional1 (FES), sendo pareados os bons e maus resultados com os déficits motor e sensitivo. Foram avaliados 17 pacientes hemiplégicos, com praxia e gnosia preservados, submetidos às técnicas convencionais da Terapia Ocupacional e Estimulação Elétrica Funcional. Os eletrodos foram ajustados, de modo a obter dorsiflexão de punho e dedos e abdução de polegar, quando possível. Foram realizadas avaliações das sensibilidades superficial (táctil e dolorosa) e profunda (reconhecimento de diferentes posições do membro acometido), das preensões tipo cilindro, esfera, gancho e pinças lateral, polpa a polpa e 03 pontos, antes e logo após 06 meses de FES. Resultados mostraram que 13 pacientes obtiveram melhora da movimentação ativa manual. Os pacientes que melhoraram tinham sensibilidade superficial e profunda normal ou alterada, mas apresentavam algum tipo de movimentação manual espontânea. Os pacientes, que não melhoraram, tinham alterações das sensibilidades superficial e/ou profunda, mas não tinham qualquer movimentação manual ativa. Conclui-se que a associação da Estimulação Elétrica Funcional às técnicas convencionais de Terapia Ocupacional é um meio eficaz de melhorar a função manual de pacientes hemiplégicos com movimentação voluntária parcialmente preservada.


Palavras-chave: FES. Déficit motor. Déficit Sensitivo. Função Manual. Hemiplegia.

Estudo do tratamento da lombalgia crônica por meio da Escola de Postura

Study of chronic low back pain treatment using the Back School

Andrea Tobo1; Marcelo El Khouri2; Quirino Cordeiro3; Moisés da Cunha Lima4; Carlos Alexandrino de Brito Junior5; Linamara Rizzo Battistella6

Acta Fisiátr.2010;17(3):112-116

O objetivo do presente trabalho foi analisar a resposta ao tratamento dos pacientes com dor lombar crônica, atendidos pela "Escola de Postura" do IMREA-HCFMUSP. Os questionários utilizados para avaliação da resposta terapêutica foram a escala "Oswestry Low Back Pain Disability Questionnaire", a Escala Visual Analógica (EVA), e um diagrama corporal de dor. A amostra foi composta por 43 pacientes com lombalgia crônica encaminhados, avaliados e tratados pela Escola de Postura. Observou-se que os indivíduos que concluíram a Escola apresentaram melhora significativa com relação às três escalas de avaliação aplicadas. Cabe ressaltar que o período de estudo de avaliação da Escola de Postura foi de dois meses, sendo que os resultados não possibilitam afirmar que tal método terapêutico também é eficaz em longo prazo. Mais estudos, quantitativos e qualitativos, devem ser realizados de modo a oferecer subsídios à equipe multiprofissional da Escola que permitam operar mudanças e ampliar recursos terapêuticos no tratamento de pacientes com lombalgia crônica.


Palavras-chave: Dor Lombar, Qualidade de Vida, Questionários, Resultado de Tratamento

Estudo ergométrico comparativo entre indivíduos portadores de fibromialgia primária e indivíduos normais sedentários

Lívia Maria dos Santos Sabbag1; Maristela Palácios Dourado2; Paulo Yazbek Jr.1; Cilene Abreu Cardoso Costa1; Gilson Tanaka Shinzato3; Margarida Harurni Miyazaki3; Helena Kaziyama4; Linamara Rizzo Battistella5

Acta Fisiátr.1997;4(3):125-128

A fibromialgia (FM) é uma síndrome dolorosa crônica caracterizada por dor músculo-esquelética generalizada1,2,3,4,5 podendo resultar em imobilidade e inatividade física 6.
O presente estudo tem por objetivo comparar a resposta de pacientes sedentárias com fibromialgia primária e indivíduos sem patologias frente aos parâmetros do teste ergométrico (TE).
Submeteram-se a TE em esteira rolante, protocolo de Ellestad, dois grupos de pacientes sedentárias do sexo feminino: Grupo A (n = 12, média de idade 53,2 anos, portadoras de fibromialgia primária), Grupo B (n = 20, média de idade 51,6 anos, sem patologias). Os critérios de interrupção de TE foram: freqüência cardíaca máxima atingida, cansaço físico, dor e tontura. Não houve referência de precordialgia; não foram observadas alterações isquêmicas ou arritrnias durante o exame. O tratamento estatístico foi teste t de Student. Os resultados comparativos entre os grupos A e B mostraram que quanto à carga máxima comum e freqüência cardíaca final do teste não houve diferença significante entre ambos os grupos. O grupo A realizou menor tempo de exercício (2,1 %) e portanto, menor trabalho total (21,2%), reserva cronotrópica (11,2%), capacidade funcional (15,6%) e DPAS (15,8%).
Concluímos que ambos os grupos avaliados sob o aspecto de resposta cardiovascular e eletrocardiográfica ao esforço não mostraram evidências de isquemia ou deficiência da função ventricular esquerda. As pacientes do grupo A apresentaram capacidade funcional significantemente inferior as do grupo B. Os resultados sugerem que as limitações observadas são decorrentes do sistema músculo-esquelético.


Palavras-chave: Fibromialgia, Teste ergométrico.

Estudo ergométrico evolutivo de portadoras de fibromialgia primária em programa de treinamento cardiovascular supervisionado

Lívia Maria dos Santos Sabbag1; Maristela Palácios Dourado2; Paulo Yasbek Júnior1; Neil F. Novo3; Helena Hideko Seguchi Kaziyama4; Margarida Harumi Miyazaki4; Linamara Rizzo Battistella5

Acta Fisiátr.2000;7(1):29-34

Fibromialgia é uma síndrome dolorosa crônica caracterizada por dor musculoesquelética generalizada1,2,3,4,5. Na última década, o exercício físico tornou-se promissor como opção terapêutica da síndrome6,7,8,9,10,11,12,13,14.
OBJETIVO: avaliação ergométrica prospectiva de portadoras de fibromialgia primária (FP) em programa de treinamento cardiovascular supervisionado (TCS).
Treze mulheres, média de idade de 48,9 anos, portadoras de FP, submeteram-se a teste ergométrico (TE) em esteira rolante, protocolo de Ellestad, no tempo zero, 3º e 6º meses de TCS. Os critérios de interrupção do TE foram cansaço e dor. Para o TCS, foi estabelecida uma faixa de 60% a 70% da freqüência cardíaca (FC) máxima, calculada pelo método de Karvonen. A assiduidade foi superior a 80% de 72 sessões, 3 vezes por semana, com duração de 60 minutos. Realizada a avaliação subjetiva da dor muscular e analisadas as variáveis do TE. Análise estatística: variância dos postos de Friedman e teste de comparações múltiplas15.
RESULTADOS: no 3º mês, houve aumento significativo da resposta cronotrópica. No 3º e 6º meses, foram significativos: aumento do tempo de exercício, capacidade funcional, trabalho total e diminuição da FC carga máxima comum. Não houve diferença significante da ΔPAS, duplo produto (DP), DP carga máxima comum e %FC máxima. Comparadas com o final do TE do tempo zero, a maior porcentagem de pacientes atingiu cargas mais elevadas e a mesma intensidade de dor no 3º e 6º meses de TCS.
CONCLUSÃO: a partir do 3º mês de TCS, as portadoras de FP apresentaram maior tolerância à dor muscular e ao esforço, melhora da capacidade funcional cardiovascular e muscular periférica.


Palavras-chave: Fibromialgia. Teste ergométrico. Exercício físico.

Exercício em pacientes oncológicos: reabilitação

Exercise for oncological patients: rehabilitation

Elisangela Marinho Pinto Almeida; Rodrigo Guimarães Andrade; Rebeca Boltes Cecatto; Christina May Moran Brito; Fernanda Pereira de Camargo; Cesar Antonio Pinto; Wellington Pereira dos Santos Yamaguti; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):82-89


Palavras-chave:

Hemartroses recidivantes do tornozelo em hemofílicos - "Diagnóstico funcional pela podobarometria dinâmica computadorizada e uso profilático de órteses para os pés - Relato de um caso"

Linamara Rizzo Battistella1; Claudete Lourenço2; Donaldo Jorge Filho3

Acta Fisiátr.2001;8(1):34-44

Devido ao grande número depacientes hemofílicos, com hemartroses de repetição no tornozelo, que se apresentavam freqüentemente para tratamento no Ambulatório de Reabilitação de Hemofílicos da (DMR) - Divisão de Medicina de Reabilitação do (HCFMUSP) Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, os autores decidiram avaliá-los mediante um protocolo em que, além do exame físico de rotina e de algumas medidas radiológicas, se procedesse à podoscopia estática e à podobarometria dinâmica computadorizada. Os resultados obtidos serviram de base para a elaboração de palmilhas ortopédicas e/ou para a prescrição de órteses para a estabilização do tornozelo todas as vezes que uma instabilidade médio-lateral do tornozelo e/ou uma discrepância no comprimento dos membros inferiores eram observadas.
O uso continuado dessas órteses vem impedindo, nos últimos seis meses, a ocorrência de novos episódios de hemartrose no tornozelo dos pacientes avaliados. Essa constatação levou os autores a acreditar que os desvios articulares nas atividades repetitivas, como a marcha, é que predispõem à ocorrência das hemartroses. Desse modo, a estabilização das articulações, pelo uso das órteses para os pés, seria a melhor maneira de evitar as hemartroses de repetição nos tornozelos.
Os bons resultados obtidos até agora, nos pacientes avaliados e reavaliados após seis meses, animaram os autores a desenvolver duas diferentes linhas de pesquisa: para hemofílicos com tornozelos instáveis e para hemofílicos com joelhos instáveis.


Palavras-chave: Hemofilia. Hemartroses de repetição nos tornozelos. Profilaxia das hemartroses com órteses para os pés.

Hérnia de disco lombar: tratamento

Lumbar disc herniation: treatment

Lilian Braighi Carvalho, Aline Oyakawa; Renato Silva Martins; Pedro Claudio Gonsales de Castro; Luísa Moares Nunes Ferreira; Julia Santos Assis de Melo; Tays Rodrigues Dilda; Fábio Marcon Alfieri; Marta Imamura; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa; Wanderley Marques Bernardo; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2013;20(2):75-82


Palavras-chave:

Independência funcional de pacientes com lesão medular

Funcitional Independence of spinal cord injured patients

Marcelo Riberto1; Paulo Potiguara Novazzi Pinto1; Hatsue Sakamoto1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.2005;12(2):61-66

Conhecer a apresentação dos pacientes com lesão medular em termos de independência funcional permite aos serviços de reabilitação estruturarem-se para atenderem às demandas dessa população de forma mais eficiente. Com o objetivo de descrever tal padrão de funcionalidade, 150 relatórios de alta de pacientes com lesão medular de dois centros de reabilitação no período de 2000 a 2003 foram consultados para obtenção de dados clínicos, demográficos e da medida de independência funcional. Homens corresponderam a 72% da amostra, com média de idade de 33,8 ± 14,2 anos, sendo 21,3% dos casos devido a lesões não-traumáticas. Entre as lesões traumáticas, 30,5% em nível cervical, 52,5% torácicas e 17% lombares. O período médio de lesão foi de 22,6 ± 46,7 meses. No início do programa de reabilitação, Escadas (11,2%) e Vestir a metade inferior do corpo (24%) foram as tarefas nas quais menos pacientes apresentavam independência funcional, enquanto Alimentação (68,4%) e Higiene pessoal (51,6%) apresentaram maior independência. O período decorrido desde a instalação da lesão esteve diretamente associado a ao valor da MIF motora no início da reabilitação, confirmando a impressão clinica de que mesmo sem a orientação profissional os pacientes com lesão medular desenvolvem algum grau de independência funcional em virtude das necessidades enfrentadas no dia-a-dia. O atendimento de reabilitação ao paciente com lesão medular deve ser o mais precoce possível a fim de propiciar a aquisição de melhor desempenho em menor tempo e de formas mais apropriadas, pois por vezes a independência atingida faz-se às custas de comprometimento de segurança ou maior custo energético.


Palavras-chave: Lesão medular, incapacidade, independência funcional, reabilitação, atividades de vida diária.

Independência funcional em pessoas com lesões encefálicas adquiridas sob reabilitação ambulatorial

Functional independence in individuals with acquired brain injuries submitted to rehabilitation on an outpatient basis

Marcelo Riberto1; Margarida Harumi Miyazaki1; Sueli Satie Hamada Jucá1; Claudete Lourenço1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.2007;14(2):87-94

A lesão encefálica adquirida (LEA) pode provocar numa gama variada de deficiências e, questiona-se o resultado da reabilitação ambulatorial quando efetuada num longo período após sua instalação. O objetivo deste estudo foi avaliar os ganhos obtidos pelos pacientes com LEA sob reabilitação ambulatorial. Foram revisados os relatórios de alta de 118 pacientes atendidos na Divisão de Medicina de Reabilitação entre 1999 e 2001, nos quais a funcionalidade é sistematicamente registrada segundo a Medida de Independência Funcional (MIF), no momento da avaliação inicial, retornos médicos e alta. Foram comparados os valores médios de cada um dos itens da MIF no início e final do tratamento. O tempo mediano desde a instalação da lesão foi de 9 meses. Houve aumento da proporção de indivíduos independentes em todas os itens da MIF ao final do tratamento, bem como aumento significativo dos seus valores médios. Os resultados apresentados diferem daqueles observados em outros países nos quais a reabilitação ocorre na fase mais aguda. Isso pode decorrer de abordagens efetuadas antes da chegada do paciente ao centro de reabilitação cujo foco é maior em aspectos da deficiência física, sem levar em conta a importância da independência funcional. Os dados apresentados permitem concluir que, em nosso meio, os pacientes com LEA podem obter ganhos funcionais com a reabilitação, mesmo que ela seja iniciada tardiamente.


Palavras-chave: independência funcional, centros de reabilitação, acidente cerebrovascular, hemiplegia, cuidados ambulatoriais, prognóstico

Influência do tratamento por ondas de choque sobre a dor em mulheres portadoras de osteoartrite de joelho

Influence of shockwave therapy on pain in women with knee osteoarthritis

Marta Imamura1; Fabio Marcon Alfieri2; Pérola Grinberg Plapler3; Wu Tu Hsing4; Linamara Rizzo Battistella5

Acta Fisiátr.2015;22(2):83-86

A osteoartrite é a doença articular mais comum causando dores em seus portadores. Diversos tratamentos podem ser usados, dentre eles o de ondas de choque. Objetivo: Observar a influência do tratamento por ondas de choque na intensidade da dor em mulheres idosas com AO de joelho. Método: Participaram do estudo, 40 idosas (69,57 ± 6,42 anos) submetidos a tratamento semanalmente por ondas de choque com 2000 impulsos à de 2,5 a 4,0 bar, na frequência de 8Hz, no local mais doloroso à palpação da interlinha articular medial do joelho, durante três semanas consecutivas. O efeito da aplicação sobre a dor foi avaliado pela escala visual analógica antes e depois do tratamento. Resultados: Houve diminuição significante (p < 0,0001) da intensidade da dor das voluntárias, passando de 7,86 ± 1,07 cm para 5,32 ± 2,26 cm. Conclusão: A aplicação de ondas de choque mostrou-se benéfica para redução da dor em idosas portadoras de osteoatrite.


Palavras-chave: Osteoartrite do Joelho, Artralgia, Reabilitação

LER-DORT em membros superiores: reabilitação

Cumulative trauma disorders in upper limbs: rehabilitation

Gustavo Fadel; Viviane Duarte Correia; Arlete Camargo de Melo Salimene; Fábio Marcon Alfieri; Marta Imamura; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa; Wanderley Marques Bernardo; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2013;20(2):83-88


Palavras-chave:

Lesão medular: reabilitação

Spinal Cord injury: rehabilitation

Marina da Paz Takami; Carmem Silvia Figliolia; Gracinda Rodrigues Tsukimoto; Maria Cecilia dos Santos Moreira; Simone Ferraz; Sofia Bonna Boschetti Barbosa; Tatiana Amadeo Tuacek; Thiago de Oliveira Ramos; Wagner Lopes da Silva; Daniel Rubio de Souza; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):90-98


Palavras-chave:

Lombalgia inespecífica crônica: reabilitação

Chronic lumbar pain: rehabilitation

Roberto Del Valhe Abi Rached; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa; Fabio Marcon Alfieri; Silvia Maria Camillo Amaro; Bruno Nogueira; Luciana Dotta; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):99-113


Palavras-chave:

Modelo de reabilitação hospitalar após acidente vascular cerebral em país em desenvolvimento

Intensive hospital rehabilitation model for patients with stroke in a developing country

Thais Raquel Martins Filippo1; Fabio Marcon Alfieri1; Christiane Riedi Daniel2; Daniel Rubio de Souza3; Linamara Rizzo Battistella4

Acta Fisiátr.2017;24(1):44-47

Os serviços de reabilitação intensiva para os sobreviventes de acidente vascular cerebral (AVC) com tratamento padronizado são desejáveis porque esses programas de reabilitação contribuem para a melhoria funcional em contextos com menos recursos. Objetivo: Verificar se o programa de reabilitação hospitalar contribui para a melhora da funcionalidade em indivíduos com sequela de AVC. Método: Trata-se de um estudo transversal retrospectivo dos primeiros (2009-2010) e últimos 100 (2014-2015) pacientes neurológicos consecutivos admitidos na Rede de Reabilitação Lucy Montoro (Unidade Morumbi). Para esta análise, os pacientes foram analisados no dia da admissão e no dia de alta, utilizando a Escala de Rankin modificada (mRS). Para a comparação dos resultados foi utilizado o teste t para amostras independentes. A análise intragrupal com base no mRS foi realizada com o teste não paramétrico de Wilcoxon. Por outro lado, a análise intergrupos utilizou o teste não paramétrico de MannWhitney. O nível de significância para todos os testes estatísticos foi p <0,05. Os resultados funcionais < 3 na alta foram considerados favoráveis. Resultados: As Pontuações de Rankin modificadas (mRS) foram avaliadas imediatamente antes do início das terapias e na alta dos pacientes. O escore mRS mediano na admissão foi de 4 e 3 no momento da alta (p=0,0001), após 4 a 6 semanas no programa de AVC para ambos os grupos. Conclusão: O modelo de admissão em um serviço de reabilitação hospitalar que inclui terapias multidisciplinares promove ganhos funcionais em indivíduos com sequelas de AVC e ressaltase que esses ganhos são obtidos em um curto espaço de tempo.


Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral, Serviços de Reabilitação, Pacientes Internados, Avaliação de Resultados (Cuidados de Saúde)

Modelo intensivo de reabilitação na síndrome de Guillain-Barré: um relato de caso

Intensive rehabilitation model in Guillain-Barre syndrome: a case report

Flavio Tanouye Montini1; Daniel Rubio de Souza2; Fernando de Quadros Ribeiro3; Linamara Rizzo Battistella4

Acta Fisiátr.2016;23(1):42-45

Existem poucas informações na literatura médica sobre a reabilitação de pacientes com a Síndrome de Guillain-Barré (SGB). Há estudos clínicos que demonstram a eficácia do programa de reabilitação por meio de uma equipe interdisciplinar, porém sem protocolos bem definidos e apenas realizados em regime ambulatorial. Este relato de caso tem como objetivo descrever a evolução de um paciente com SGB, durante o programa de reabilitação multiprofissional intensivo em regime de internação, discutindo as possibilidades terapêuticas para reabilitação da doença.


Palavras-chave: Síndrome de Guillain-Barré/reabilitação, Paresia, Quadriplegia, Robótica

Neuropatias - Síndrome de Guillain-Barré: reabilitação

Neuropathies - Guillain-Barré syndrome: rehabilitation

Tatiana Amadeo Tuacek; Gracinda Rodrigues Tsukimoto; Carmen Silvia Figliolia; Maiara Celina de Carvalho Cardoso; Denise Rodrigues Tsukimoto; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2013;20(2):89-95


Palavras-chave:

Neuroplasticidade e recuperação funcional na reabilitação pós-acidente vascular encefálico

Neuroplasticity and functional recovery in rehabilitation after stroke

Thais Raquel Martins Filippo1; Fabio Marcon Alfieri1; Flavio Rodrigo Cichon1; Marta Imamura1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.2015;22(2):93-96

O conceito de reabilitação no acidente vascular encefálico (AVE) atualmente é baseado em evidências da neuroplasticidade, considerada responsável pela recuperação após AVE. A escassez de informações na literatura e, principalmente, de métodos que avaliem especificamente a neuroplasticidade não condiz com a sua importância funcional. A literatura aborda, geralmente, as avaliações funcionais dos membros após o AVE e poucos estudos se concentram no comprometimento cerebral. Objetivo: Revisar a literatura para avaliar os programas de reabilitação atuais em AVE e seu potencial para promover melhorias funcionais e plasticidade neuronal. Método: Foi realizada uma revisão de literatura com busca na base de dados do PubMed de artigos publicados de 2000 a 2015. Os descritores utilizados para a pesquisa foram: "Stroke/rehabilitation" OR "Stroke/therapy" AND "Neuronal Plasticity". Resultados: Foram encontrados 86 estudos, 36 foram classificados como Therapy/Narrow, sendo 17 artigos excluídos por não preencherem os critérios de inclusão ou por não apresentarem tema relevante à pesquisa. Após a seleção por título e resumo, 19 artigos foram lidos na íntegra. Destes, 6 foram excluídos por não contemplarem o objetivo da presente pesquisa. No total, 13 artigos foram revisados. Dentre estes 13 artigos, os instrumentos de avaliação variaram entre a ressonância magnética funcional, estimulação magnética transcraniana e tomografia computadorizada por emissão de fóton único (SPECT). As intervenções utilizadas foram específicas para os membros superiores, exceto por um artigo que teve a intervenção através da terapia de oxigênio hiperbárica. Conclusão: Poucos estudos avaliam a plasticidade neuronal na reabilitação do AVE, e a maioria dos artigos apresentou melhorias tanto funcionais quanto na neuroplasticidade. Entretanto, maiores estudos devem investigar e correlacionar ambos os aspectos na reabilitação dos pacientes com AVE.


Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral, Plasticidade Neuronal, Reabilitação

O impacto de dois diferentes programas de exercício físico na performance física e na fadiga relacionada ao câncer

Impact of two different exercise programs on persistent cancer-related fatigue and physical fitness

Fabiana Reis1; Rebeca Boltes Cecatto2; Christina May Moran de Brito3; Paulo Marcelo Gehm Hoff4; Linamara Rizzo Battistella5

Acta Fisiátr.2012;19(4):198-202

A fadiga relacionada ao câncer é um dos sintomas mais comuns entre pacientes com câncer, relatada em 70% a 100% desses pacientes resultando em uma redução significativa da qualidade de vida, funcionalidade e independência. O exercício físico tem sido identificado como um elemento central de reabilitação de muitas doenças crônicas como câncer, e cada vez mais evidências apoiam a tese de que a atividade física é uma intervenção útil, que pode ser utilizada em conjunto com terapias convencionais durante o tratamento da fadiga relacionada ao câncer.
OBJETIVO: O objetivo deste estudo é avaliar o impacto de dois programas de exercício físico sobre os níveis de fadiga e desempenho físico de pacientes com câncer.
MÉTODO: Relato de uma série consecutiva de 44 doentes adultos com doença neoplásica (sólido ou hematológicas), e diagnóstico médico de fadiga, submetidos a dois diferentes programas de exercício físico. Todos os doentes foram avaliados quanto a desempenho físico com o uso do teste de caminhada de 6 minutos e avaliados quanto aos níveis de fadiga com o teste de Piper, antes e depois de 4 meses de atividade física supervisionada (exercícios aeróbicos isolados e treino de resistência combinado ao exercícios aeróbicos).
RESULTADOS: Após 16 semanas, os doentes que participaram do programa de exercícios aeróbicos ou que participaram do protocolo de exercício aeróbico combinado com anaeróbio, relataram níveis significativamente mais elevados do desempenho físico (6 minutos teste de caminhada, p = 0,0009 e p = 0,001, respectivamente) e níveis de fadiga significativamente menor (PFS- R, p = 0,003 e p = 0,002, respectivamente) do que no início do programa de exercícios.
CONCLUSÃO: Estes resultados demonstram que tanto um protocolo de exercício aeróbico quanto de exercício aeróbico combinado com exercício anaeróbio apresentam melhora significativa do desempenho físico e dos níveis de fadiga de doentes oncológicos. Os dados deste estudo corroboram a literatura mostrando que a atividade física é uma estratégia eficaz para o tratamento da fadiga. Os resultados deste estudo confirmam que o exercício físico pode ser útil na reabilitação de sobreviventes de câncer, especialmente para pacientes com fadiga oncológica.


Palavras-chave: aptidão física, exercício, fadiga, neoplasias, reabilitação

O uso da estimulação elétrica computadorizada associada à cicloergometria em indivíduos com lesão medular é benéfico para os parâmetros musculares?

Is the use of computerized electrical stimulation associated with cycloergometrics in individuals with medullary lesion beneficial for the muscular parameters?

Igor Kaoru Naki1; Marcelo Riberto2; Maria Cecília dos Santos Moreira3; Linamara Rizzo Battistella4

Acta Fisiátr.2011;18(4):211-216

Este artigo tem como objetivo revisar a literatura sobre o uso do Computerized Functional Electrical Stimulation (CFES) com desfechos musculares para os indivíduos com lesão medular.
MÉTODO: Foi realizada revisão bibliográfica sistemática nas bases eletrônicas de dados MEDLINE, PubMed, LILACS e Portal SciELO, sem delimitação de tempo ou idioma. Utilizou-se da estratégia PICO para pesquisa, as palavras-chave foram selecionadas a partir dos descritores em ciências de saúde e relacionaram-se com lesão medular, estimulação elétrica e parâmetros musculares.
RESULTADOS: Foram encontrados 554 artigos. Desses, 432 foram excluídos pelo título, resultando em 122 artigos. Destes, foram excluídas as duplicidades, resultando num total de 73 artigos; 36 foram excluídos pelo resumo e 33 após a leitura do estudo. Quatro estudos foram selecionados. Dois artigos incluíram homens e mulheres em seus estudos, dois apenas homens. Três estudos incluíram tetraplégicos e paraplégicos no mesmo estudo, um incluiu apenas tetraplégicos. Um dos estudos utilizou frequência de treinamento maior, sete vezes por semana, três fizeram uso de uma frequência de treinamento de três vezes por semana. A duração dos estudos teve grande variação, de seis semanas até um ano. As medidas de resultado para a avaliação de força e resistência foram realizadas de diversas maneiras, por medida de área de secção transversal dos músculos, circunferência do membro e a biópsia muscular; contudo, todos os estudos apresentavam ao menos uma das medidas fornecidas pelo equipamento, a avaliação de potência gerada (power output) ou do trabalho realizado (work output). Em todos os estudos, houve melhora da potência gerada ou do trabalho realizado. Apesar da heterogeneidade encontrada nestes estudos, os desfechos dos estudos avaliados indicam aumento significativo de potência gerada e trabalho realizado após os períodos de treinamentos, com ganhos a partir de seis semanas e treinamentos a partir de três vezes por semana.
CONCLUSÃO: Estudos futuros são necessários para avaliar as respostas em diferentes grupos de sujeitos, paraplégicos e tetraplégicos, em diferentes frequências de treinamento e em diferentes períodos de treinamento, proporcionando, assim, a elaboração de protocolos de treinamento cada vez mais direcionados.


Palavras-chave: estimulação elétrica, exercício, paraplegia, quadriplegia, traumatismos da medula espinal

Osteoporose - imperativos diagnósticos e terapêuticos

Silvia Mazzali Jorge de Souza1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.1994;1(1):13-18

Osteoporose constitui uma desordem metabólica do osso muito mais do que uma doença estabelecida. Leva a enfraquecimento da estrutura mineral óssea, com predisposição para fraturas do osso trabecular e cortical principalmente dos corpos vertebrais, punhos e fémur. Pacientes com predisposição ao desenvolvimento de osteoporose devem ser identificados precocemente nos consultórios dos diversos especialistas e orientados precocemente para garantir uma massa óssea de ótima densidade mineral ao longo de toda vida. O objetivo deste trabalho é reunir o que existe de mais novo em diagnóstico e tratamento de osteoporose.


Palavras-chave: Osteoporose. Diagnóstico. Tratamento.

Osteoporose em lesão medular: reabilitação

Osteoporosis in spinal cord injury: rehabilitation

Marta Imamura; Marina da Paz Takami; Sofia Bonna Boschetti Barbosa; Alyne Rangifo da Silva; Carolina Mendes Pinheiro; Leda Maria de Campos Guerra; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa; Wanderley Marques Bernardo; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2013;20(2):112-117


Palavras-chave:

Osteoporose regional

Neuza Sayuri Habu1; Lin Tchia Yeng2; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.1997;4 (Supl.1)(2):139-141


Palavras-chave:

Osteoporose: abordagem reabilitativa

Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.1997;4 (Supl.1)(2):142-147


Palavras-chave:

Osteoporose: um desafio da vida moderna

Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.1997;4 (Supl.1)(2):117-118


Palavras-chave:

Palavra do editor

Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2003;10(3):121-121


Palavras-chave:

Paralisia cerebral - membros inferiores: reabilitação

Cerebral palsy - lower limbs: rehabilitation

Patrícia Yuri Capucho; Sarah Almeida Del Cid Carnier; Priscila de Souza; Débora Ciotek de Castro; Ana Paula Finocchio; Danieli Morais de Oliveira, Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):114-122


Palavras-chave:

Paralisia cerebral - membros superiores: reabilitação

Cerebral palsy- upperlimbs: rehabilitation

Vanessa Cristina Arakaki; Maiara Celina de Carvalho Cardoso; Natalia Cristina Thinen; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):123-129


Palavras-chave:

Pensando em você

Linamara Rizzo Battistella; Armando Carneiro

Acta Fisiátr.1994;1(1):1-2


Palavras-chave:

Perfil de aptidão cardiorrespiratória e metabólica em bailarinos profissionais

Paulo Roberto Santos Silva1; Angela Romano1; Nilo Sérgio Gava2; Maristela Palácios Dourado3; Paulo Yazbek Jr.4; Gilson Tanaka Shinzato5; Maurício A. Cardoso6; Noeli Carnevali7; Linamara Rizzo Battistella8

Acta Fisiátr.1998;5(3):148-153

O principal objetivo deste estudo foi analisar aspectos cardiorrespiratórios e metabólicos e as alterações provocadas pelo treinamento específico de dança em umgrupo de 16 bailarinos de balé profissional, modalidade clássico, sendo 8 mulheres e 8 homens, com média de idade de 18,2 ± 3,8 anos e 26,2 ± 4,5 anos, respectivamente. Todos foram submetidos a teste máximo em esteira rolante, utilizando-se o protocolo de Bruce. Foi utilizado, na análise das respostas respiratórias e metabólicas, um sistema computadorizado Metabolic Measurement Cart da Beckman. Os seguintes resultados foram obtidos entre o grupo de balé vs o grupo-controle (masculino): VO2 max. (46 ± 4 vs 43 ± 6 mLO2. kg-1. min-1). FC máx.(194 ± 12 vs 202 ± 11 bpm); VE máx. (112 ± 16 vs 123 ± 181.min-1); VO2-LA (35 ± 4 vs 26 ± 4 mLO2.kg-1.min-1 [p < 0,01]); FC-LA (169 ± 18 vs 163 ± 15 bpm). Grupo de balé vs grupo-controle (feminino): VO2 máx. (39 ± 6 vs 35 ± 6 mLO2. kg-1-.min-1); FC máx. (197 ± 10 vs 201 ± 6 bpm); VE máx. (72 ± 9 vs 81 ± 61.min-1); VO2 -LA (26 ± 4 vs 27 ± 4 mLO2.kg-1.min-1); FC-LA (164 ± 10 vs 176 ± 17 bpm).
CONCLUSÕES: 1) a rotina específica de dança parece não gerar estímulo suficiente para aprimorar a aptidão cardiorrespiratória e metabólica dos bailarinos, e 2) sugere-se condicionamento físico adicional ao treinamento de balé.


Palavras-chave: Capacidade aeróbia. Balé profissional. Respostas fisiológicas.

Perspectivas diagnósticas e terapêuticas da osteoporose após lesão medular

Diagnostic and therapeutic perspectives in osteoporosis after spinal cord injury

Christina May Moran de Brito1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.2004;11(1):28-33

A osteoporose é uma das reconhecidas complicações da lesão medular, mas restam dúvidas quanto à totalidade de mecanismos fisiopatológicos envolvidos e tratamento efetivo. Grande parte da perda óssea ocorre na fase aguda, com estabilização cerca de doze a dezesseis meses após. A perda óssea afeta todos os segmentos, mas é mais intensa naqueles paralisados e em áreas ricas em osso trabecular. Mecanismos envolvidos não são totalmente esclarecidos, mas englobam não só a perda da tensão mecânica, mas também fatores neurovasculares e alterações estruturais do colágeno. Tanto marcadores bioquímicos quanto estudos com o uso da histomorfometria óssea evidenciam aumento da reabsorção óssea em detrimento da formação óssea. Estudos com o uso da densitometria óssea evidenciam dissociação entre a perda a nível da coluna e quadril, com maior perda a nível do quadril e de membros inferiores, achado considerado típico e marcante deste grupo de pacientes. Como conseqüência, o aumento da incidência de fraturas que se situa entre 1 e 7%, sendo muitas vezes decorrentes de traumas mínimos. Trabalhos com ortostatismo e cinesioterapia não demonstraram benefício significativo no que diz respeito à redução da perda de massa óssea e trabalhos com estimulação elétrica funcional apresentam resultados divergentes, parecendo resultar em algum benefício local. O uso de medicação anti-reabsortiva parece constituir opção promissora, sobretudo na fase aguda, mas estudos são ainda necessários para avaliar a sua efetividade, ou seja, a redução da incidência de fraturas.


Palavras-chave: lesão medular, osteoporose, densidade mineral óssea, paraplegia, tetraplegia

Pés reumatóides: avaliação pela podobarometria dinâmica computadorizada e restauração funcional com órteses plantares

Rheumatoid feet: evaluation with computerized dynamic pedobarography and functional restauration with foot orthosis

Eduardo de Paiva Magalhães1; Donaldo Jorge Filho2; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.2003;10(2):78-82

Os pés são comumente acometidos na artrite reumatóide (AR), contribuindo em muito na dor e incapacidade observadas nessa doença. Este artigo descreve uma paciente com pés reumatóides, tratada com órteses para os pés. Foram discutidas as alterações mais freqüentes observadas nessa patologia, o tratamento com palmilhas e o uso da podobarometria dinâmica computadorizada (F-Scan) como método auxiliar diagnóstico e de acompanhamento.


Palavras-chave: Artrite reumatóide. Pé reumatóide. Aparelhos ortopédicos. Palmilhas. Análise da marcha. Podobarometria computadorizada.

Proposta de um método de avaliação quantitativa da postura deitada baseado em fotografia

A proposal of photography-based quantitative evaluation of layed posture

Marcelo Saad1; Danilo Masiero1; Alexandre Francisco de Lourenço1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.2004;11(2):60-66

Atualmente, não são encontráveis referências na literatura em saúde sobre critérios objetivos e práticos para a prescrição e adequação de colchões.
OBJETIVO: propor um método quantitativo de avaliação da postura deitada baseado em fotografia digital e validá-lo.
MATERIAL E MÉTODOS: Foram avaliados 25 voluntários normais. Os voluntários receberam marcadores adesivos, e colocaram-se em decúbito dorsal e lateral sobre 2 colchões de diferentes densidades. Foram feitas fotografias digitais, que foram analisadas em um programa de computador. Dois observadores obtiveram o valor das inclinações dos segmentos corporais, e estes valores foram comparados aos valores fornecidos por um padrão ouro.
RESULTADOS: A análise dos dados mostrou que a validade, a reprodutibilidade intra-observador, a reprodutibilidade inter-observadores e a responsividade do método proposto foram estatisticamente significantes, com excelentes valores de concordância (acima de 0,9). Houve duas excessões, em situações específicas, que não invalidam o método como um todo.
CONCLUSÃO: O método proposto tem caracterísitcas metodológicas adequadas para ser usado clinicamente e em pesquisa.
RELEVÂNCIA: O sistema descrito pode ser usado em pesquisas futuras sobre o alinhamento da postura deitada a fim de orientar grupos populacionais sobre qual tipo de colchão lhes é mais adequado.


Palavras-chave: biomecânica; postura; colchões

Protocolo de cuidado à saúde da pessoa com síndrome de Down - IMREA/HCFMUSP

Down syndrome health care protocol - IMREA/HCFMUSP

Patricia Zen Tempski1; Kátia Lina Miyahara2; Munique Dias Almeida3; Ricardo Bocatto de Oliveira4; Aline Oyakawa4; Linamara Rizzo Battistella5

Acta Fisiátr.2011;18(4):175-186

A síndrome de Down (SD) ou trissomia do cromossomo 21 é a cromossomopatia mais comum no ser humano, acontece independente de sexo, etnia ou classe social. No Brasil, nasce aproximadamente uma criança com SD para cada 700 nascimentos. Sabe-se que as pessoas com síndrome de Down, quando bem atendidas e estimuladas, têm potencial para plena inclusão social. Este protocolo foi elaborado pela equipe multiprofissional de Cuidado à Saúde da Pessoa com síndrome de Down do Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
OBJETIVO: Oferecer orientações para o cuidado à saúde da pessoa com Síndrome de Down, nos diferentes níveis de atenção a saúde, em todo o seu ciclo vital.
MÉTODO: A elaboração do protocolo de cuidado integral à saúde da pessoa com síndrome de Down baseou-se em buscas no sistema PubMed, SciELO e no Cochrane Database of Systematic Reviews utilizando como palavras chaves: "Down Syndrome" e "Síndrome de Down"; "Trisomy 21", "Trisomíadel Cromosoma 21" e "Trissomia do Cromossomo 21" e "Growth", "Desarollo" e "Crescimento".
RESULTADOS: Os artigos revistos foram publicados no período de 1972 a 2011 e limitados às línguas: inglesa, espanhola e portuguesa. Priorizamos revisões sistemáticas e metanálises. Foram incluídos também registros prévios a 1972 considerados históricos.
CONCLUSÃO: Os dados foram analisados por um grupo de especialistas que discutiu os resultados e elaborou este protocolo.


Palavras-chave: centros de reabilitação, equipe interdisciplinar de saúde, síndrome de down

Quantificação do equilíbrio pelo videogame: estudo piloto

Balance quantification with videogame: pilot study

Alessandra Ferreira Barbosa1; Thais Delamuta Ayres da Costa1; Maria Fernanda Pauletti Oliveira1; Pedro Claudio Gonsales de Castro2; Maria Cecília dos Santos Moreira3; Daniel Gustavo Goroso4; José Augusto Fernandes Lopes5; Denise Vianna Machado Ayres6; Linamara Rizzo Battistella7

Acta Fisiátr.2014;21(1):21-25

Os videogames (VG) de sétima geração propõe uma avaliação física que inclui diversos testes de equilíbrio. Porém não são reportados na literatura os parâmetros utilizados para fornecer a pontuação destes testes e se estes podem ser relacionados a prática clínica e funcionalidade do usuário.
OBJETIVO: O objetivo do presente estudo foi de correlacionar as pontuações obtidas pelos testes da plataforma de equilíbrio do VG Wii® com as variáveis cinéticas fornecidas pela plataforma de força, a qual estava integrada a plataforma de equilíbrio do VG.
MÉTODO: Participaram deste estudo piloto, dois indivíduos com diagnóstico de acidente vascular encefálico (AVE) e dois de traumatismo craniano (TCE). As variáveis cinéticas analisadas foram área, velocidade de deslocamento e valor quadrático médio da posição média (RMS) nos eixos médio-lateral (x) e antero-posterior (y) do deslocamento do centro de pressão (COP) que foram processadas pelo software Matlab 7.0 e correlacionadas com a pontuação do console pelo coeficiente de Pearson e Spearman, ambos com (p < 0,05).
RESULTADOS: Os resultados apresentaram correlação significativa apenas para o SL e RMSy, porém moderada (r = 0,5839). Quando comparada a pontuação do ST com as variáveis Área (r = 0,8164), RMSx (r = -0,6418) e RMSy (r = -0,8094) a correlação foi moderada a forte.
CONCLUSÃO: Não encontrou-se correlação com nenhum dos testes do console quando comparados com a velocidade de deslocamento do centro de pressão medido na plataforma de força. Conclui-se que a pontuação do VG apresentou correlação significativa com as variáveis cinéticas, porém o método é pouco prático para ser empregado na avaliação clínica.


Palavras-chave: Jogos de Vídeo, Equilíbrio Postural, Acidente Vascular Cerebral, Reabilitação

Reabilitação na osteoporose: princípios básicos

Claudete Lourenço1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.1994;1(1):7-12

A osteoporose entendida como uma síndrome, vem sendo alvo de muitas pesquisas terapêuticas. Suas manifestações secundárias devem ser valorizadas, pois são causas importantes de incapacidades. Reabilitar o paciente com osteoporose deve portanto abranger a limitação de perda óssea e o tratamento de dor, contratura, espasmo muscular e vícios posturais.
Neste artigo são abordadas as principais manifestações da osteoporose e sua abordagem terapêutica do ponto de vista reabilitativo. Discute-se a analgesia, o uso de órteses, o equilíbrio muscular e a manutenção postural.
Com este roteiro pretende-se dar um subsídio aos especialistas no segmento desta importante patologia.


Palavras-chave: Osteoporose. Reabilitação. Analgesia.

Relação entre a Medida de Independência Funcional e o Core Set da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde para acidente vascular encefálico

The Relationship between the Functional Independence Measure and the International Classification of Functioning, Disability, and Health Core Set for stroke

Andersom Ricardo Fréz1; Bruna Antinori Passeggio Vignola2; Helena Hideko Seguchi Kaziyama2; Luisa Carmen Spezzano2; Thais Raquel Martins Filippo3; Marta Imamura3; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa3; Linamara Rizzo Battistella4

Acta Fisiátr.2013;20(1):24-28

Para a avaliação da funcionalidade do paciente com acidente vascular encefálico (AVE) existem diversos instrumentos, entre eles a Medida de Independência Funcional (MIF). A partir da aprovação da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) foi desenvolvido o Core Set para indivíduos com AVE, o qual passou a considerar os componentes da CIF para o entendimento da funcionalidade e da incapacidade física destas pessoas.
OBJETIVO: Foi estabelecer uma relação entre a MIF e o Core Set da CIF para pacientes com sequelas de AVE.
MÉTODO: Considerando as descrições das atividades da MIF e as definições das categorias da CIF, foram selecionadas as categorias do Core Set da CIF para pessoas com AVE relacionados às tarefas avaliadas pela MIF. Foi considerado o que contemplava cada atividade da MIF, a descrição detalhada e as definições de cada categoria da CIF. Foi proposta uma relação entre os indicadores quantitativos e qualitativos da CIF e as escalas e níveis de função da MIF. Estabeleceu-se uma relação inversa entre a escala da MIF e os qualificadores da CIF, pois quanto menor a escala da MIF maior o comprometimento, já para a CIF, quanto menor o qualificador menor o comprometimento.
RESULTADOS: Das 130 categorias de segundo nível utilizadas no Core Set 27 (20,8%) foram relacionadas às atividades da MIF, sendo oito (29,6%) dos componentes das funções do corpo, 17 (63%) das atividades e participação e dois (7,4%) dos fatores ambientais. Para as 10 categorias que fazem parte da versão abreviada deste Core Set, apenas cinco foram relacionadas às atividades da MIF.
CONCLUSÃO: O presente estudo evidenciou que a escala MIF está centrada no indivíduo, não correlacionando fatores externos que influenciam na realização das atividades. A escala CIF possui parâmetros adequados e permite uma visão biopsicossocial do indivíduo, abrangendo desde as disfunções e deficiências dos indivíduos acometidos com por AVE até a influência destes fatores nas atividades sociais e no meio ambiente.


Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral, Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, Reabilitação

Reprodutibilidade da versão brasileira da Medida de Independência Funcional

Marcelo Riberto1; Margarida H. Miyazaki1; Donaldo Jorge Filho2; Hatsue Sakamoto1; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.2001;8(1):45-52

A versão brasileira da Medida de Independência Funcional (MIF) foi desenvolvida por meio de um processo de tradução para o português do Brasil por equipe médica bilíngüe familiarizada com o instrumento e tradutor profissional, seguido de tradução reversa para o inglês por tradutor independente. Não foram identificados problemas de equivalência cultural quando a versão obtida foi apresentada a um conjunto de 25 profissionais de saúde treinados no seu uso. Oito centros de reabilitação participaram da captação de dados para a obtenção de medidas de reprodutibilidade. Todos os pacientes adultos com história de pelo menos 4 meses de acidente vascular cerebral, consultados no período entre dezembro de 1999 e janeiro de 2000, foram avaliados por dois avaliadores treinados na aplicação da MIF, de forma independente, e reavaliados por apenas um desses examinadores após uma semana (teste/reteste). Uma amostra de 164 pacientes foi examinada e os valores de kappa para concordância em cada um dos itens da MIF variaram entre dois observadores de 0,50 (alimentação) a 0,64 (controle da urina) e no teste/ reteste entre 0,61 (vestir abaixo da cintura) a 0,77 (transferência para o vaso sanitário). As subescalas da MIF apresentaram no teste/reteste boa correlação (Pearson: 0,91 - 0,98; ICC: 0,91 - 0,98); a reprodutibilidade interobservadores também foi boa (Pearson: 0,87 - 0,98; ICC: 0,87 - 0,98). Análise de variância mostra boa concordância entre as médias dos resultados de dois avaliadores na primeira avaliação e na medida após uma semana. Concluímos que a versão brasileira da MIF tem boa equivalência cultural e boa reprodutibilidade.


Palavras-chave: Medida de independência funcional; reprodutibilidade; equivalência cultural; avaliação funcional; tradução.

Resultados do core set da CIF de dor crônica generalizada em mulheres com fibromialgia no Brasil

Results of the ICF core sets for chronic widespread pain in women with fibromyalgia in Brazil

Marcelo Riberto1; Thais Rodrigues Pato Saron1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.2008;15(1):6-12

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) foi desenvolvida pela Organização Mundial de Saúde para uniformizar a terminologia usada para descrever as situações incapacitantes. O core set da CIF para dor crônica generalizada (DCG) é um recurso derivado da CIF que sistematiza e agiliza a descrição da funcionalidade das pessoas com DCG, com o objetivo de fornecer informações para relatórios de saúde pública e para orientação de intervenções de reabilitação. Este estudo objetivou a descrição dos resultados da aplicação do core set da CIF para DCG em uma amostra de 29 pacientes com fibromialgia que terminaram o programa de reabilitação multidisciplinar. As categorias do core set nas quais 30% ou mais dos pacientes fossem considerados sem problema foram classificadas como "não relevantes" para a descrição da funcionalidade das pessoas com essa condição de saúde. Ao todo, 58,2% das categorias do core set foram classificadas como "não relevantes", correspondendo a 43,5% das funções corpóreas, 51,8% das atividades e participações e 68,8% dos fatores ambientais. Esses achados podem ter sido fortemente influenciados pelo fato de os pacientes serem pré-selecionados para a participação em atividades em grupo, o que pressupõe melhores condições emocionais e de relacionamento interpessoal. O fato de estarem ao final de um programa terapêutico com atividades de psicoterapia em grupo e condicionamento físico também pode ter favorecido o desempenho nas funções e atividades psicológicas e de relacionamento, assim como em várias atividades físicas. Apesar desses achados apontarem desfavoravelmente para a validação do core set da CIF para DCG, as características da amostra estudada não permitem a sua generalização.


Palavras-chave: Classificação Internacional de Funcionalidades, Incapacidades e Saúde, fibromialgia, dor, mulheres, Brasil

Reumatismo de partes moles: abordagem terapêutica<sup>*</sup>

Linamara Rizzo Battistella1; Lais Lage Furtado de Mendonça2; Plínio Augusto Balthazar2; Wilson Cossermelli3

Acta Fisiátr.1994;1(1):19-22

Foram abordados métodos convencionais no tratamento do reumatismo de partes moles, no qual o sintoma dor pode apresentar diferenças individualizadas em suas características (intensidade, duração, localização etc), dependendo inclusive do quadro clínico de base. O sucesso terapêutico, pode ser obtido pela escolha de técnicas preferencialmente simples, seguras e bem recebidas pelo paciente.


Palavras-chave: Tratamento do reumatismo de partes moles. Manuseio do reumatismo não articular.

Roteiro de exercícios para pacientes com osteoporose

Neuza Sayuri Habu1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.1997;4 (Supl.1)(2):153-161


Palavras-chave:

Síndrome do manguito rotador: reabilitação

Rotator cuff syndrome: rehabilitation

Roberto Abi Rached; Danielle Bianchini Rampim; Rafael Hossamu Yamauti; Meyre Sato Azeka; Renata Moraes dos Santos; Beatriz Guidolin; Pericles Tey Otani; Ricardo Bocatto Oliveira; Carolina Pastorin Castineira; Fernanda Martins; Fábio Marcon Alfieri; Sandra Alamino Felix de Moraes; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella; Wanderley Marques Bernardo

Acta Fisiátr.2013;20(2):96-105


Palavras-chave:

Sobre o processo de triagem em centros de reabilitação

The triage process in rehabilitation centers

Marcelo Riberto1; Sueli Satie Hamada Jucá2; Margarida Harumi Miyazaki3; Linamara Rizzo Battistella4

Acta Fisiátr.2010;17(3):130-133

O processo de triagem em centros de reabilitação consiste numa avaliação das condições do paciente potencial usuário dos serviços prestados nessas unidades do sistema de saúde. Em geral ela ocorre no primeiro contato com a equipe clínica. Por meio de agendamento, o paciente é submetido a entrevista com um médico, um assistente social e um psicólogo num só momento, onde são verificadas as condições clínicas, aspectos de dinâmica de relacionamento e psicopatológicos, bem como requisitos sociais para participação regular e supervisionada nas atividades propostas. O objetivo do processo de triagem não é obstruir o acesso de qualquer pessoa aos serviços disponíveis, mas sim direcionar o potencial usuário para a forma mais ágil de atendimento ou mais apropriada às suas necessidades. Ao final do processo de triagem o paciente pode ser eleito para intervenção multiprofissional em vários dias da semana, outras alternativas de intervenção, seja terapêuticas ou de orientação, com recrutamento de número diferente de profissionais ou contatos semanais. Considerando a realidade de reabilitação no Brasil, que não contempla a internação, pode-se esperar um aproveitamento integral do programa de reabilitação somente em condições otimizadas. Os recursos para reabilitação não são ilimitados, assim, a sua otimização é necessária e o processo de triagem viabiliza o melhor aproveitamento desses recursos, e uma distribuição mais justa e ética dos mesmos.


Palavras-chave: Centros de Reabilitação, Administração em Saúde, Triagem, Pessoas com Deficiência/reabilitação

Técnicas de análise de marcha

Marcelo Saad1; Linamara Rizzo Battistella2; Danilo Masiero3

Acta Fisiátr.1996;3(2):23-26

A análise de marcha oferece dados importantes para a compreensão e tratamento de distúrbios da locomoção. Sua importância é tal que justificou a criação dos chamados Laboratórios de Movimento. Este campo tem se desenvolvido muito nas últimas décadas. Este artigo mostra esta evolução, e a situação atual da análise de marcha no Brasil e no mundo. Expõe também os termos técnicos usados neste tipo de estudo.


Palavras-chave: Marcha. Análise.

Terapia de ultrassom e estimulação elétrica transcutânea neuromuscular para a tratamento do linfedema de membro superior pós-mastectomia

Ultrasound therapy and transcutaneous electrical neuromuscular stimulation for management of post-mastectomy upper limb lymphedema

Marisa Augusta Gomes de Sousa1; Rebeca Boltes Cecatto2; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa3; Christina May Moran de Brito2; Linamara Rizzo Battistella4

Acta Fisiátr.2014;21(4):189-194

Objetivo: Avaliar o efeito da estimulação elétrica transcutânea ou terapia de ultra-som no tratamento de pós-mastectomia linfedema do membro superior. Método: revisão sistemática da literatura foi realizada 1980-2012 do MedLine, Cochrane Library, LILACS e SciELO. Os termos utilizados na pesquisa foram (neoplasia de mama ou câncer de mama ou de linfedema) e (hipertermia, induzido ou diatermia ou terapia de ultra-som ou ultra-som ou a estimulação elétrica nervosa transcutânea ou dezenas). As seleções dos estudos eram de pacientes mulheres com linfedema pós-mastectomia membro superior que foram submetidos a diatermia por terapia de ultra-som e estimulação elétrica nervosa transcutânea. Só randomizado (RCT) e projetos quase randomizados do estudo foram incluídos (ambos estreita e Broad Therapy). Somente estudos publicados no formato de artigo completo foram incluídos. Depois de analisar os 2.158 resumos resultantes da pesquisa, foram selecionados apenas dois artigos. Dois pesquisadores analisaram os dois artigos, usando o Van Tulder e JADAD escalas para avaliação da qualidade. Resultados: Ambos os trabalhos avaliaram o uso da terapia de ultra-som e estimulação elétrica para o tratamento do linfedema pós-mastectomia. Um total de 132 indivíduos foram incluídos em ambos os estudos, e pouca melhora foi observada em redução ou a qualidade de vida da dor. Somente o estudo usando a terapia de ultra-som identificada uma pequena redução nos sintomas de linfedema. No entanto evidências que suportam a aplicação deste método está faltando. Conclusão: Mais estudos são necessários para avaliar o uso da terapia de ultra-som ou eletroterapia para o tratamento de linfedema pós-mastectomia e para avaliar o efeito potencial dessas terapias no desenvolvimento posterior da doença metastática.


Palavras-chave: Neoplasias da Mama, Linfedema, Reabilitação, Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea

Tipóia de gaylord adaptada: uso na subluxação do ombro do paciente hemipíégico<sup>*</sup>

Maria Inês Paes Lourenção1; Margarida Harumi Miyazaki2; José Brenha Ribeiro Sobrinho2; Gracindo Rodrigues Tsukimoto3; Linamara Rizzo Battistella4; Andrea D. Furlan5

Acta Fisiátr.1995;2(3):15-17

O presente estudo tem por objetivo avaliar os benefícios do uso da tipóia de Gaylord1 adaptada em 30 pacientes hemiplégicos com subluxação de ombro associado à dor. Analisamos aspectos referentes à melhora da dor, grau de dependência dificuldade na sua colocação e conforto durante seu uso. Consideramos melhora expressiva da dor quando esta ocorreu em pelo menos 75%.
Resultados, após pelo menos 2 meses de uso, mostraram que 66,7% dos pacientes obtiveram melhora expressiva da dor, 93,3% eram dependentes na sua colocação, 83,3% referem que esta era fácil de ser colocada e 100% que ela era confortável. Frente aos resultados obtidos, verificamos que a tipóia de Gaylord pode ser um recurso ortésico benéfico na subluxação de ombro dos pacientes hemiplégicos.


Palavras-chave: Subluxação de ombro. Hemiplegia. Tipóia de Gaylord.

Traumatismo cranioencefálico: reabilitação

Traumatic brain injury: rehabilitation

Tatiane Lopes Teixeira Almeida; Lilian Falkenburg; Roberta Zanardi Ruiz Nascimento; Cristina Arruda Reis; Viviane Carolina Sales; Tatiana Domingues Pedroso; Rebeca Boltes Ceccato; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2012;19(2):130-137


Palavras-chave:

Ulceras por pressão: tratamento

Pressure ulcer: treatment

Talita Justino dos Santos Rosa; Lisley Keller Liidtke Cintra; Karla Barbosa de Freitas; Priscila Ferreira Dourado Laurindo de Alcântara; Fernando Spacassassi; Chennyfer Dobbins Paes da Rosa; Marta Imamura; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2013;20(2):106-111


Palavras-chave:

Unidade de quedas: uma possibilidade de prevenção de quedas em idosos

Unit of falls: a possibility of prevention falls in elderly

Linamara Rizzo Battistella1; Fábio Marcon Alfieri2

Acta Fisiátr.2011;18(1):45-48

As quedas são um problema de saúde pública entre os idosos. Como o envelhecimento populacional está ocorrendo rapidamente, são desejáveis intervenções nesta questão. O objetivo desta reflexão foi o de relatar um exemplo de uma Unidade de Quedas do Hospital Universitário Mútua de Terrassa/Barcelona/Espanha. Esta unidade possui atividades de avaliação e orientação dos fatores de risco de quedas e programa de exercícios para indivíduos com história de quedas, bem como para aqueles que possuem riscos de quedas. Acreditamos que programas como este que apresentam viabilidade operacional são necessários e devem ser incorporados por hospitais e centros de saúde para que haja diminuição das quedas e suas conseqüências.


Palavras-chave: Idoso, Equilíbrio Postural, Acidentes por Quedas, Prevenção de Acidentes

Uso da toxina botulínica tipo A no manejo dos membros inferiores espásticos em crianças com paralisia cerebral. Relato de 4 casos

Neuza Sayuri Habu1; Tae Mo Chung1; Linamara Rizzo Battistella2; Carlos Alberto Santos3; Jeane Cintra Peixoto de Vasconcelos4; Carla Paschoal Corsi Ribeiro4; Cristiane Araújo Lima6; Fátima Aparecida de Lima6; Nilza Cecília M. Madureira7

Acta Fisiátr.1997;4(1):17-25

Para o uso da toxina botulínica tipo A, foram selecionadas quatro crianças com paralisia cerebral, com idades entre 4 a 7 anos, apresentando diparesia espástica de membros inferiores dinâmicos, com deformidades redutíveis e sem comprometimento ortopédico. De acordo com o protocolo, após a injeção, todas foram submetidas a fisioterapia diária, que consistiu no alongamento dos músculos injetados, fortalecimento dos antagonistas, treino de marcha e uso de órtese noturno. Uma das crianças foi submetida ao gesso seriado.
Durante três meses, houve avaliação mensal, verificando-se a amplitude articular, tônus muscular, comprimento da passada e da largura durante a deambulação e o ortostatismo.
RESULTADO: ganho significativo na amplitude articular em todos os pacientes, redução de tônus e uma melhora no padrão de marcha e ortostatismo.


Palavras-chave: Espasticidade. Toxina Botulínica tipo A. Paralisia Cerebral.

Uso de testes clínicos para verificação do controle postural em idosos saudáveis submetidos a programas de exercícios físicos

Use of clinical tests for verification of postural control in healthy elderly submitted to physical exercise programs

Fábio Marcon Alfieri1; Marcelo Riberto2; Lucila Silveira Gatz3; Carla Paschoal Corsi Ribeiro4; Linamara Rizzo Battistella5

Acta Fisiátr.2010;17(4):153-158

O controle postural no envelhecimento diminui e a prática de exercícios físicos pode melhorar esta importante função. A fim de medir estas possíveis melhoras, podem ser usados diversos testes. O objetivo deste estudo foi o de analisar o uso de testes clínicos de medidas indiretas para verificar as alterações sobre o controle postural de idosos saudáveis submetidos a programas de exercícios físicos. O desenho do estudo foi um ensaio clínico simples-cego e aleatorizado com braços paralelos. Participaram da pesquisa 46 idosos divididos aleatoriamente em dois grupos de exercícios: multissensoriais (GMS, n=23, 68,8±5,9 anos) e de fortalecimento (treino resistido) (GR, n=23, 70,18±4,8). Ambos os grupos realizaram 12 semanas (2dias/semana, 50m/dia) de exercícios. Para avaliação do controle postural foram utilizados os testes: Timed up and go (TUG), teste de apoio unipodal, bateria de testes de Guralnik e escala de equilíbrio funcional de Berg. Os indivíduos do GMS apresentaram melhora significativa nos testes TUG e bateria de testes de Guralnik e o GR não apresentou melhora em nenhum dos testes. A melhora no tempo de execução do teste TUG do GMS que foi de 9,1±8,04 para 8,0±1,0 segundos após a intervenção, foi estatisticamente superior ao resultado do GR. Acreditamos que o teste TUG e a bateria de testes de Guralnik são boas opções para avaliar o controle postural de idosos submetidos a programas de intervenção. Embora o TUG não possa ter seu tempo diminuído indefinidamente, permite verificar até mesmo dentro de um tempo de normalidade, alterações promovidas por exercícios físicos.


Palavras-chave: Envelhecimento, Exercício, Equilíbrio Postural, Avaliação

Uso do teste de caminhada de seis minutos para avaliar a capacidade de deambulação em pacientes com acidente vascular cerebral

Using the six minute walk test to evaluate walking capacity in patients with stroke

Christiane Riedi Daniel1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.2014;21(4):195-200

O teste de caminhada de 6 minutos (TC6) mede a distância máxima que uma pessoa pode caminhar em 6 minutos. O teste está ganhando popularidade porque avalia a capacidade do estado funcional dos pacientes com diferentes patologias e é considerando simples, seguro, válido, barato e não invasivo. Objetivo: O objetivo desta revisão foi investigar a aplicabilidade do teste de caminhada de seis minutos em sobreviventes de AVC. Método: A pesquisa bibliográfica foi realizada na base de dados MedLine (PubMed) de 1 de Janeiro de 2000 a Abril, 16 2013 Os termos de pesquisa utilizados foram AVC (acidente vascular cerebral e/ou hemiplegia) e caminhada (limitação da mobilidade). O primeiro autor revisou os títulos e/ou resumos de artigos encontrados e determinou relevância para a revisão. Cópias de texto completo de artigos relevantes foram obtidas. Após a leitura foram selecionados os artigos mais relevantes. Apenas artigos escritos em Inglês foram incluídos nesta revisão. Resultados: Os 31 estudos incluídos foram divididos em 9 estudos de ensaio clinico randomizado, 2 estudos caso-controle, 5 estudos prospectivos e 15 estudos transversais e envolveu 1.824 pacientes sobreviventes de AVC, 146 controles saudáveis e 38 pacientes com Esclerose Múltipla. Conclusão: O TC6 é útil para avaliar a capacidade de funcional em pacientes com acidente vascular cerebral, no entanto deve ser usado em conjunto outras ferramentas de avaliação para determinar o perfil geral desses pacientes. Mais estudos são necessários para verificar os fatores que influenciam o resultado do teste e a forma de complementá-lo.


Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral, Hemiplegia, Limitação da Mobilidade, Caminhada

Validação da acelerometria para medida do gasto energético: revisão sistemática

Validation of accelerometry for measuring energy expenditure: a systematic review

Christiane Riedi Daniel1; Linamara Rizzo Battistella2

Acta Fisiátr.2014;21(2):87-92

OBJETIVO: Examinar a qualidade dos estudos de validação da acelerometria comparados com o consumo máximo de oxigênio (VO2máx) e como objetivo secundário apresentar as principais características dos estudos inseridos e os principais modelos de acelerômetros testados.
MÉTODO: Após pesquisa na base de dados MedLine, LILACS, Embase e CLINAHL com os descritores "Oxygen Consumption" OR "Energy Metabolism" AND "Accelerometry" AND "Validation Studies" , os dois autores realizaram a seleção dos artigos de acordo com título, leitura do resumo e do texto completo. Após a inclusão dos artigos, estes tiveram sua qualidade avaliada pela ferramenta QUADAS-2 que avalia o risco de viés e a preocupação com a aplicabilidade do teste.
RESULTADOS: Foram selecionados 11 trabalhos que se ajustaram aos critérios de inclusão. A análise QUADAS-2 mostrou que para o risco de viés houve problemas com a sua identificação principalmente no que diz respeito ao teste proposto e o padrão-ouro, em relação à aplicabilidade na maioria dos estudos o risco foi baixo. O acelerômetro mais utilizado foi o Actgraph e SenseWear Armband Pro3 que foi testado em 3 estudos.
CONCLUSÃO: Conclui-se através desta revisão sistemática que são necessárias mais informações a respeito da metodologia proposta nos estudos para classificação da qualidade dos mesmos e que a acelerometria é uma alternativa válida para medida do gasto energético em condições de atividades livres e controladas independente do tipo de acelerômetro.


Palavras-chave: Acelerometria, Consumo de Energia, Estudos de Validação

Validação da Versão Brasileira da Medida de Independência Funcional

Validation of the Brazilian version of Functional Independence Measure

Marcelo Riberto1; Margarida H Miyazaki1; Sueli S H Jucá2; Hatsue Sakamoto1; Paulo Potiguara Novazzi Pinto2; Linamara Rizzo Battistella3

Acta Fisiátr.2004;11(2):72-76

A versão brasileira de Medida de Independência Funcional (MIF) foi desenvolvida em 2000. Estudos de sua validade ainda são necessários como forma de corroborar seu uso na avaliação da reabilitação de brasileiros incapacitados, uma vez que peculiaridades socioculturais nacionais podem determinar um comportamento diverso dos dados fornecidos pelo instrumento.
OBJETIVOS: O objetivo deste estudo é testar a validade de construto da MIF ao checar a validade convergente em grupos de pacientes com deficiências nas quais se esperam estar presentes graus específicos de incapacidade.
MÉTODO: Prontuários médicos de 150 pacientes com lesão medular (LM) e 103 pacientes com lesões encefálicas (LE) de dois centros de reabilitação da cidade de São Paulo forneceram dados a respeito de características biodemográficas, clínicas e funcionais. O grau de incapacidade foi avaliado pela MIF. Os pacientes com LM foram classificados de acordo com o nível de acometimento medular, como cervicais, torácicos ou lombares e abaixo. Pacientes com LE foram classificados conforme o dimídio mais comprometido como direito, esquerdo ou bilaterais. A sensibilidade da MIF foi testada em 93 pacientes com LE e 59 com LM por meio da comparação dos valores da MIF total, cognitiva e motora de admissão e alta.
RESULTADOS: entre os pacientes com LM pudemos demonstrar uma clara associação entre o nível de incapacidade e a MIF motora (cervical = 34.4 ± 25.2, torácica = 51.6 ± 19.5, lombar = 67.5 ± 18.6; p < 0.001). A MIF cognitiva apresentou um efeito teto entre os pacientes com lesão medular (85% dos pacientes tinham MIFc no valor mais alto possível), por outro lado, entre os pacientes com LE, isso não pode ser observado e houve uma associação entre o valor obtido na MIFc e o lado envolvido, sendo os pacientes com envolvimento do hemicorpo esquerdo aqueles menos dependente em termos cognitivos. Houve mudança estatisticamente significante durante o tratamento, como pode ser observado pela variação da MIFm em pacientes com LM e LE (44.5 ± 24.1x 61.0 ± 23.8; p < 0.001 e 54.1 ± 23.0 x 64.7 ± 21.3; p <0.001). O mesmo pode ser observado em pacientes com LE com comprometimento a esquerda e à direita, mas não quando o comprometimento era bilateral.
CONCLUSÃO: a validade convergente da versão brasileira da MIF pode ser observada para as tarefas motoras tanto em pacientes com LM como LE. A MIFc mostrou-se de pouca utilidade entre os pacientes com LM crônico sob reabilitação ambulatorial, apesar de a associação com melhores performances em pacientes com LE e comprometimento à esquerda também colaborar para a sua validade. A versão brasileira da MIF mostrou-se sensível a alterações e clinicamente útil para a avaliação de resultados de reabilitação em pacientes ambulatoriais subagudos e crônicos no Brasil.


Palavras-chave: validade, sensibilidade, avaliação da incapacidade, medida de independência funcional

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1