ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Março 2010 - Volume 17  - Número 1

EDITORIAL

1 - Classificação dos periódicos no Sistema QUALIS da CAPES - a mudança dos critérios é urgente!

Classificação dos periódicos no Sistema QUALIS da CAPES - a mudança dos critérios é urgente!

Adagmar Andriolo; Aécio Flávio Meireles Souza; Alberto Queiroz Farias; Alfredo José Afonso Barbosa; Antonio Spina França Netto; Arnaldo José Hernandez, et al.

Acta Fisiátr.2010;17(1):1-2



Palavras-chave:

ARTIGO ORIGINAL

2 - Avaliação da confiabilidade interobservadores da volumetria das mãos em indivíduos sem alterações em membros superiores

Inter-tester reliability assessment of the volumetric measurement of the hand in subjects without any changes in their upper extremities

Renata Cristina Boffi Ribeiro; Simone Maria Puresa Fonseca Lima; Ana Cláudia Gomes Carreira; Danilo Masiero; Therezinha Rosane Chamlian

Acta Fisiátr.2010;17(1):3-7

Os objetivos do presente estudo foram avaliar a confiabilidade interobservador do instrumento volúmetro e determinar o índice normativo em indivíduos adultos do sexo feminino e sexo masculino sem alterações em membros superiores. A amostra foi composta por cem indivíduos (200 membros), sendo 50 do sexo feminino e 50 do sexo masculino, com idades entre 21 e 50 anos, sem comprometimento em membros superiores. O volume das mãos de cada indivíduo foi avaliado por meio da volumetria e o instrumento de avaliação utilizado foi o volúmetro. Este método foi aplicado por duas examinadoras, de modo que cada participante foi avaliado duas vezes consecutivas. Nas comparações realizadas entre os membros, sexos e examinadoras pode-se observar que a média do membro direito foi sempre maior que a do membro esquerdo, a média do volume das mãos dos homens sempre maior que a das mulheres e a média da segunda examinadora sempre maior que a da primeira. A partir de análise realizada, considerando os valores obtidos por ambas examinadoras, pode-se notar que a média final foi significante (p<0,001) à diferença entre o membro direito e o membro esquerdo na população geral, no sexo feminino e sexo masculino. É possível concluir que os resultados estão coesos e com boa confiabilidade e foram estatisticamente significantes para as médias finais da volumetria no sexo feminino, membro direito 402,40ml e membro esquerdo 397,15ml; sexo masculino, membro direito 516,10ml e membro esquerdo 505,30ml; e na população geral, membro direito 459,25ml e membro esquerdo 451,23ml.

Palavras-chave: Edema, Extremidade Superior, Avaliação

3 - Correlação entre instrumentos para se avaliar independência funcional e nível de atividade física em crianças

Correlation among tools for the assessment of functional independence and physical activity levels in infants

Tatiana Beline de Freitas; Cristina dos Santos Cardoso de Sá; Emerson Fachin Martins

Acta Fisiátr.2010;17(1):8-12

Instrumentos de avaliação para quantificar a independência funcional e o nível de atividade física são particularmente úteis para a tomada de decisões e monitoramento em programas de reabilitação. Existem muitos instrumentos disponíveis para se avaliar independência em crianças. Contudo, tais instrumentos podem ser mais ou menos responsivos às condições de independência. Assim, o objetivo deste estudo foi verificar a correlação entre parâmetros de independência funcional e nível de atividade física quantificados por diferentes instrumentos de avaliação em crianças de 4 e 5 anos de idade. Para isso 20 crianças com desenvolvimento motor compatível com sua idade foram avaliadas pelos instrumentos: (1) Inventário da Avaliação Pediátrica da Incapacidade (PEDI), (2) Catálogo de Avaliação do Nível de Independência de Crianças de 4 a 8 anos nas Atividades de Vida Diária (Catálogo) e (3) Questionário sobre atividade física regular (PAQ-C). Utilizou-se delineamento de estudo transversal, sendo as medições feitas em um único momento descrevendo as variáveis e seu padrão de distribuição e associação. Nesta faixa etária, somente nas habilidades funcionais para o autocuidado avaliado pelo PEDI foi observada correlação significativa com a idade indicando que os valores de maior independência eram obtidos pelas crianças mais velhas. Em todas as demais categorias do PEDI e nos outros instrumentos utilizados neste estudo, essa correlação entre independência e idade não foi significativa. Apesar de não ter sido encontrada correlações entre independência e idade nas crianças mais independentes avaliadas pelo Catálogo, correlações significativas foram observadas entre os valores obtidos pelo Catálogo e os valores de algumas das categorias quantificadas pelo PEDI. Nenhuma correlação significativa foi observada entre valores do PAQ-C com os demais instrumentos. Conclui-se que algumas categorias quantificadas pelo PEDI não se correlacionam com alterações da independência funcional detectadas por outras categorias da mesma avaliação. Ainda, correlações com o Catálogo foram observadas somente com algumas categorias do PEDI. Finalmente, o PAC-Q não se correlacionou com qualquer um dos outros dois instrumentos, sugerindo a necessidade de uma melhor investigação da responsividade das medidas em estudos psicométricos.

Palavras-chave: Instrumentação, pediatria, fisioterapia, aptidão, avaliação de processos e resultados

4 - Estudo descritivo do desempenho ocupacional do sujeito com doença de Parkinson: o uso da CIF como ferramenta para classificação da atividade e participação

Descriptive study of occupational performance of subjects with Parkinson's disease: the use of ICF as a tool for the classification of activity and participation

Renato Nickel; Lauren Machado Pinto; Andressa Pereira Lima; Elaine Janeckzo Navarro; Helio Afonso Ghizoni Teive; Nilson Becker; Renato Puppy Munhoz

Acta Fisiátr.2010;17(1):13-17

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF), é uma proposta da Organização Mundial de Saúde (OMS), que surge como uma ferramenta para classificar e identificar fatores, que além da condição de saúde, estejam interferindo na funcionalidade de sujeitos na realização de atividades. Neste estudo transversal realizou-se a avaliação do desempenho ocupacional de 46 sujeitos diagnosticados com a Doença de Parkinson (DP), através da aplicação da Medida de Desempenho Ocupacional Canadense (MDOC) e classificação das mesma nos domínios da CIF. Sendo as atividades mais comprometidas a Vida Comunitária, Social e Cívica (32,6%); a Mobilidade (26,1%); o Cuidado Pessoal (27,1%); a Vida Doméstica (10,9%); e, Aprendizagem e Aplicação de Conhecimento (8,7%). Também foram levantadas informações sobre: sexo, estado civil, tipo de residência, necessidade ou não de assistência, Escala de Hoehn & Yahr, perfil de rigidez, estabilidade postural, idade e tempo de doença. Estas não apresentaram significância estatística (p< 0,05). Contudo na correlação entre variáveis levantadas, obteve-se, através do teste de correlação não-paramétrico de Spearman, que apenas a variável rigidez apresentou uma correlação média de "r-0,452" (p< 0,01) com os cinco domínios classificados na CIF. Os resultados evidenciam a importância da promoção e manutenção da Vida Comunitária, Social e Cívica para sujeitos com DP e a rigidez como componente importante de queixas em relação ao desempenho ocupacional. O Modelo de Saúde proposto pela CIF, em conjunto com a aplicação da MDOC, mostrou-se efetivo, permitindo a correlação quando a atividade é foco de avaliação, entre funções e estruturas do corpo, fatores ambientais e pessoais, com as dificuldades de desempenho na realização das atividades.

Palavras-chave: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, Doença de Parkinson, Terapia Ocupacional, Qualidade de Vida

5 - Ligação do King's Heath Questionário com a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, para avaliação de pacientes com incontinência urinária pós cirurgia oncológica ginecológica

Link between the King's Health Questionnaire and the International Classification of Functioning, Disability and Health, for the evaluation of patients with urinary incontinence after gynecological oncology surgery

Luciana Castaneda; Tiago Plácido

Acta Fisiátr.2010;17(1):18-21

O tumor de colo uterino é o segundo mais incidente entre as mulheres no mundo e no Brasil estimam-se para 2008, 18.680 casos novos. O tratamento de escolha para esta neoplasia envolve procedimentos cirúrgicos, quimioterápicos e radioterápicos, que possibilitam a cura, mas que de forma negativa permitem o surgimento de seqüelas, como incontinência urinária. A incontinência apresenta-se como uma complicação precoce e comum ao tratamento cirúrgico destas pacientes e envolve deterioração da qualidade de vida, gerando níveis de morbidade, afetando domínios psicológicos, ocupacionais, domésticos, físicos e sexuais. Para a avaliação de qualidade de vida em pacientes portadoras de incontinência existem vários questionários que são divulgados na literatura científica mundial, dentre estes, o King s Health questionário (KHQ) é o mais utilizado como instrumento de pesquisa. Além dos questionários de qualidade (QV), a OMS vem preconizando a utilização da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF), como ferramenta de estatística, pesquisa, clinica e política social, para proporcionar uma linguagem comum das condições relacionadas à saúde. O presente trabalho teve como objetivo estabelecer a ligação entre o KHQ e a CIF. O KHQ foi relacionado através de dois profissionais (individualmente), seguido de discussão e conclusão dos domínios codificados. Foram encontrados 12 categorias de funções corporais (b), 22 para atividades e participação (d) e 4 para fatores ambientais (e), no entanto, 7 conceitos significativos do questionário não puderam ser ligados com a CIF. O KHQ tem enfoque predominante nas questões referentes à atividade e participação. Trata-se de um estudo piloto que necessita de mais evidências para conclusão dos achados.

Palavras-chave: Incontinência Urinária, Qualidade de Vida, Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

ARTIGO DE REVISÃO

6 - Farmacologia de drogas vasoativas

Pharmacology of vasoactive drugs

Estela Maris Freitas Muri; Maria Matilde de Mello Sposito; Leonardo Metsavaht

Acta Fisiátr.2010;17(1):22-27

As doenças vasculares periféricas (DVPS) caracterizam-se como um problema de circulação nas veias, artérias e sistema linfático. O tratamento primordial para as DVPS é a mudança de hábitos de vida, alimentação e prática de atividade física. A terapia farmacológica inclui a utilização de drogas vasoativas, as quais são utilizadas nas arteriopatias e nas doenças veno-linfáticas. O objetivo deste estudo foi pesquisar em literatura científica sobre a utilização e farmacologia das drogas vasoativas, enfatizando a eficácia da administração e ação local dessas drogas.

Palavras-chave: Doenças Vasculares Periféricas, Farmacologia, Literatura de Revisão como Assunto

7 - Efeitos secundários potencialmente desejáveis dos anestésicos locais

Potentially desirable secondary effects of local anesthetics

Estela Maris Freitas Muri; Maria Matilde de Mello Sposito; Leonardo Metsavaht

Acta Fisiátr.2010;17(1):28-33

Apesar do uso dos anestésicos locais (ALs) ter a finalidade principal de produzir bloqueios nervosos pela inibição dos canais de Na+, a literatura tem mostrado que esses agentes podem ter ações farmacológicas adicionais, afetando também, os canais de potássio e de cálcio e agindo em mecanismos intracelulares. Os ALs podem, além de causar anestesia, agir diretamente sobre outros receptores e suas vias de sinalização que estão envolvidos nos processos de inflamação, ativação plaquetária, nocicepção, dor periférica e arritmias, dentre outras, buscando cada vez mais, uma melhor eficácia e segurança clínica, além de novas e potencialmente úteis propriedades para os ALs. Assim, o objetivo deste estudo foi pesquisar em literatura científica e descrever uma revisão da farmacologia e dos efeitos adicionais potencialmente desejáveis dos principais anestésicos locais usados na clínica médica.

Palavras-chave: Anestésicos Locais/farmacologia, Canais de Sódio, Literatura de Revisão como Assunto

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

8 - Lesões no judô: repercussão na prática esportiva

Judo injuries: their repercussions on the practice of the sport

Thiago de Sá Oliveira; Eduardo Monnerat; João Santos Pereira

Acta Fisiátr.2010;17(1):34-36

O objetivo deste estudo foi verificar a freqüência de lesões durante a pratica de judô, tempo de afastamento da atividade esportiva e tratamento utilizado em atletas federado praticantes de judô de academias e agremiações no Município do Rio de Janeiro.
MÉTODO: Participaram do estudo trinta e cinco atletas, sexo masculino, com idade entre 8 e 30 anos e atividade mínima no esporte de 12 meses. Utilizou-se para avaliação um questionário estruturado validado, composto de 18 perguntas abertas e fechadas.
RESULTADOS E DISCUSSÃO: Verificou-se que a maioria das lesões ocorreu durante os treinamentos (82,86%). A maioria permaneceu afastada da pratica esportiva em média entre 15 e 30 dias. Em relação à terapêutica, observou-se que medicamentos antiinflamatórios foram freqüentemente utilizados (71,4%), seguindo-se repouso (62,9%), imobilização (60%) e gelo local (crioterapia) com 51,4%, sendo esta conduta associada à fisioterapia em 40% das lesões. Necessitaram de intervenção cirúrgica 14,3% dos casos.
CONCLUSÃO: A ocorrência de lesões durante a prática de Judô predomina nos treinamentos, tendo a maioria dos atletas recuperação em tempo inferior a um mês, sendo a principal opção terapêutica o tratamento conservador.

Palavras-chave: Traumatismos em Atletas, Artes Marciais, Reabilitação

ARTIGO DE REVISÃO

9 - O planejamento da reabilitação na fase aguda após o acidente vascular encefálico

Rehabilitation planning in the acute phase after encephalic vascular accident

Rebeca Boltes Cecatto; Cristiane Isabela de Almeida

Acta Fisiátr.2010;17(1):37-43

A reabilitação de pacientes portadores de lesões encefálicas é um processo que visa a recuperação precoce dos déficits e a preparação para uma reintegração na vida em comunidade, com o melhor resultado funcional possível, independência e qualidade de vida. Este estudo tem por objetivo levar ao conhecimento do corpo assistencial brasileiro os pontoschave referentes aos programas de reabilitação especializados na fase aguda do Acidente Vascular Encefálico desde o evento inicial até a transição para a comunidade. Para isso, baseandose em sua expertise, os autores realizaram uma discussão de 58 artigos selecionados nas bases de dados MEDLINE e COCHRANE LIBRARY, usando como descritores "Stroke" and Rehabilitation", referentes a pacientes maiores de 18 anos, de ambos os sexos, no período de 1990 a 2008, nas línguas inglesa, portuguesa, francesa e espanhola. Mais estudos serão necessários no futuro para a discussão de questões como: medidas de qualidade de vida, prognóstico das deficiências, estratificação dos pacientes quanto à resposta à reabilitação, intensidade e duração da reabilitação à médio e longo prazo e medidas de qualidade dos serviços de reabilitação.

Palavras-chave: Centros de Reabilitação, Acidente Cerebral Vascular/reabilitação, Qualidade de Vida

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

10 - A medicina física e reabilitação no século XXI: desafio e oportunidades

Physical and rehabilitation medicine in the XXI century: challenges and opportunities

Filipa Faria

Acta Fisiátr.2010;17(1):44-48

Neste trabalho efetua-se uma reflexão sobre algumas das questões que estão a influenciar a reabilitação na atualidade. As alterações demográficas e a epidemiologia das doenças, o aumento das expectativas dos doentes, o crescimento dos custos dos cuidados de reabilitação, e também a dificuldade em estabelecer os limites entre a MFR, as outras especialidades médicas e outros profissionais de saúde, são alguns dos desafios da nossa prática diária. Por outro lado, as mudanças nos conceitos, mentalidades e políticas relacionadas com a deficiência tal como a evolução tecnológica, são oportunidades para alargar o campo de intervenção da Medicina de Reabilitação, confirmando o seu papel decisivo na promoção do entendimento social sobre a deficiência. Finalmente, abordam-se algumas novas perspectivas para a reabilitação no século XXI.

Palavras-chave: Pessoas com Deficiência, Medicina Física, Políticas Públicas

Número atual: Junho 2010 - Volume 17  - Número 2

ARTIGO ORIGINAL

1 - Avaliação da funcionalidade da criança com paralisia cerebral espástica

Functionality evaluation of children with spastic cerebral palsy

Maria Matilde de Mello Sposito; Marcelo Riberto

Acta Fisiátr.2010;17(2):50-61

A paralisia cerebral é resultante de uma lesão não progressiva sobre o sistema nervoso central em desenvolvimento e que pode levar a disfunções motoras, distúrbios no movimento, deficiências mentais e alterações funcionais. A espasticidade é a anormalidade motora e postural mais comumente vista na paralisia cerebral. Considerando as múltiplas repercussões da espasticidade sobre a funcionalidade do indivíduo com paralisia cerebral, torna-se claro que uma avaliação do quadro clínico deve ser precisa e direcionar-se aos aspectos específicos que exigem intervenção. Este texto tem como objetivo servir de guia aos médicos ou terapeutas na escolha de instrumentos de medição quantitativa e qualitativa.

Palavras-chave: Criança, Paralisia Cerebral, Espasticidade Muscular, Escalas

2 - Tratamento farmacológico da espasticidade na paralisia cerebral

Pharmacological spasticity treatment on cerebral palsy

Maria Matilde de Mello Sposito; Simone Bio Albertini

Acta Fisiátr.2010;17(2):62-67

A espasticidade é uma desordem motora caracterizada por aumento dos reflexos de estiramento tônicos (tônus muscular), velocidade dependente, resultado da hiper excitabilidade deste reflexo, como um componente da Síndrome do Neurônio Superior, extremamente comum a várias condições neuropáticas. Neste artigo faremos uma revisão da fisiopatologia da espasticidade e dos principios fármacos utilizados no seu tratamento.

Palavras-chave: Criança, Paralisia Cerebral, Espasticidade Muscular/ efeitos de drogas, Toxina Butulínica Tipo A

3 - Bloqueios químicos para o tratamento da espasticidade na paralisia cerebral

Chemical blockage for cerebral palsy spasticity treatment

Maria Matilde de Mello Sposito

Acta Fisiátr.2010;17(2):68-83



Palavras-chave: Criança, Paralisia Cerebral, Espasticidade Muscular/ efeitos de drogas, Toxina Butulínica Tipo A

ARTIGO DE REVISÃO

4 - Cirurgias e intervenções físicas no tratamento da espasticidade na paralisia cerebral

Surgeries and physical interventions in the treatment of cerebral palsy spasticity

Maria Matilde de Mello Sposito

Acta Fisiátr.2010;17(2):84-91

Apesar de tratamento da espasticidade em pacientes com paralisia cerebral fundamenta-se, essencialmente, na cinesioterapia e medicamentos administrados como infiltrações ou por via oral, ocorrem situações nas quais tais intervenções não surtem os efeitos desejados, seja em virtude da gravidade da espasticidade ou da contra-indicação e efeitos adversos ao uso da toxina butulínica. Também podem ocorrer distorções do aparelho locomotor resultantes do constante estímulo deformante da espasticidade e da alteração biomecânica que ela impõe ao posicionamento de membros durante a marcha, ortostatismo ou outras posições de repouso. Nestas últimas situações, estão indicados procedimentos cirúrgicos que visam a melhoria da condição biomecânica, adequação do posicionamento e maior eficiência da movimentações em geral. Este artigo de revisão tem por objetivo apresentar as formas alternativas de administração de drogas para o controle da espasticidade e de suas conseqüências como deformidades e alteração de função além de procedimentos fisioterapêuticos e uso de órteses sempre com o objetivo de redução dos quadros espásticos.

Palavras-chave: Espasticidade Muscular, Paralisia Cerebral, Toxina Botulínica Tipo A

Número atual: Setembro 2010 - Volume 17  - Número 3

EDITORIAL

1 - Mudança dos critérios Qualis!

Adagmar Andriolo; Alfredo José Afonso Barbosa; Arnaldo José Hernandez; Aroldo F. Camargos; Benedito Barraviera; Bogdana Victoria Kadunc; et al.

Acta Fisiátr.2010;17(3):92-93



Palavras-chave: Espasticidade Muscular, Paralisia Cerebral, Toxina Botulínica Tipo A

ARTIGO ORIGINAL

2 - Uma abordagem qualitativa das interações entre os domínios da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

A qualitative approach of interactions between the domains of the International Classification of Functionality, Disability, and Health

Alexandra de Lima; Carina Souza Viegas; Maria Elizarda Machado de Paula; Fabiana Caetano Martins Silva; Rosana Ferreira Sampaio

Acta Fisiátr.2010;17(3):94-102

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) baseia-se no modelo biopsicossocial e permite a compreensão dos processos de funcionalidade e incapacidade através da interação dos seus componentes. O objetivo deste estudo foi analisar as inter-relações entre os domínios da CIF, descrevendo o processo de funcionalidade e de incapacidade a partir da percepção do indivíduo. Utilizou-se abordagem qualitativa com realização de entrevistas e de grade de vida, construídas a partir dos domínios da CIF, aplicadas a 11 pacientes, seguida por preenchimento de um diário de atividades semanais. A maioria dos entrevistados fez ou faz uso de produtos e tecnologias como bengalas, prótese ou órteses, e não teve dificuldade na aquisição dos mesmos através do SUS. Os fatores pessoais que se destacaram foram as formas de enfrentamento da nova condição de saúde e a ressignificação de suas vidas. Durante as entrevistas, a importância do suporte social, sobretudo aquele oferecido pelos familiares e amigos, as barreiras encontradas na utilização do transporte público, além do acesso aos serviços de saúde e benefícios da Previdência Social foram ressaltados. A elaboração de estratégias foi um tema que aponta para a reorganização do cotidiano e que os entrevistados desenvolveram para minimizar as dificuldades vivenciadas em seu dia-a-dia. A análise das entrevistas permitiu confirmar a existência de interação entre os componentes da CIF. Este modelo mostrou-se uma ferramenta importante para compreender o processo de funcionalidade e incapacidade humana a partir da subjetividade e individualidade do paciente, bem como para elaborar intervenções e nortear políticas públicas e pesquisas na área de saúde.

Palavras-chave: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, Pessoas com Deficiência, Apoio Social, Políticas Públicas de Saúde

3 - Relações entre bem-estar subjetivo e mobilidade e independência funcional por função de grupo de faixas etárias e de gêneros em idosos

Relationships between subjective well-being, mobility, and independence as a function of age bracket and gender among the elderly

Giovana Sposito; Maria José D'Elboux Diogo; Fernanda Aparecida Cintra; Anita Liberalesso Neri; Maria Elena Guariento; Maria da Luz Rosário de Sousa

Acta Fisiátr.2010;17(3):103-108

Este estudo teve como objetivo investigar as associações de bemestar subjetivo, a independência nas atividades cotidianas e as medidas de mobilidade e flexibilidade de membros inferiores em idosos em acompanhamento ambulatorial, em relação a grupos etários e de gêneros. Foram avaliados 125 idosos de ambos os gêneros com idade igual ou superior a 60 anos. Os instrumentos utilizados foram: Medida da Independência Funcional (MIF) para avaliar as atividades cotidianas, Short Physical Performance Battery (SPPB) para o desempenho físico, Bem-estar Subjetivo (BES) para satisfação com a vida. Os resultados revelaram que mulheres têm pior desempenho físico e menor independência funcional do que os homens. Os idosos mais velhos tiveram pior pontuação no desempenho físico e são mais dependentes nas atividades de vida diária que os idosos mais jovens. Entretanto eles são mais satisfeitos com vida do que os demais. Os resultados sugerem que indivíduos mais velhos e mulheres têm maior limitação funcional. Entretanto os idosos mais velhos apresentam maior satisfação com a vida.

Palavras-chave: Idoso, Atividades Cotidianas, Qualidade de Vida

4 - Efeito da exposição cirúrgica de nervos e músculos no teste neurofisiológico em ratos

The effect of surgical exposure of nerves and muscles in neurophysiologic tests on rats

Elisangela Jeronymo Stipp-Brambilla; Adriana Maria Romão; José Antonio Garbino; Manoel Henrique Salgado; Fausto Viterboz

Acta Fisiátr.2010;17(3):109-111

O estudo neurofisiológico, na modalidade da eletroneuromiografia (ENMG), determina e quantifica a integridade de componentes da unidade motora. Os principais dados fornecidos pelo exame eletroneuromiográfico são os estudos de condução nervosa motora, sensitiva e eletromiografia. No entanto, vários fatores podem interferir sobre a resposta nervosa à eletroestimulação, tais como: idade, sexo, temperatura, umidade e outros. O objetivo deste trabalho foi verificar o efeito da exposição cirúrgica dos nervos ciático, fibular comum, tibial e do músculo tibial cranial no teste neurofisiológico em ratos. Foram utilizados 20 ratos, Wistar, machos com aproximadamente 80 dias, divididos em dois grupos. No grupo normal o exame foi realizado sem a exposição cirúrgica do nervo fibular. No grupo cirúrgico houve a exposição do nervo fibular comum. Com o modelo experimental utilizado, concluiu-se que o teste neurofisiológico realizado em animais com nervos e músculos expostos cirurgicamente é viável, uma vez que a alteração da temperatura do animal não interferiu significativamente nos valores dos parâmetros eletrofisiológicos observados. Além disso, a exposição de nervos e músculos permite estimular um ponto exato no nervo alvo.

Palavras-chave: Neurofisiologia, Eletromiografia, Nervo Ciático/cirurgia, Nervo Fibular/cirurgia, Ratos

5 - Estudo do tratamento da lombalgia crônica por meio da Escola de Postura

Study of chronic low back pain treatment using the Back School

Andrea Tobo; Marcelo El Khouri; Quirino Cordeiro; Moisés da Cunha Lima; Carlos Alexandrino de Brito Junior; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2010;17(3):112-116

O objetivo do presente trabalho foi analisar a resposta ao tratamento dos pacientes com dor lombar crônica, atendidos pela "Escola de Postura" do IMREA-HCFMUSP. Os questionários utilizados para avaliação da resposta terapêutica foram a escala "Oswestry Low Back Pain Disability Questionnaire", a Escala Visual Analógica (EVA), e um diagrama corporal de dor. A amostra foi composta por 43 pacientes com lombalgia crônica encaminhados, avaliados e tratados pela Escola de Postura. Observou-se que os indivíduos que concluíram a Escola apresentaram melhora significativa com relação às três escalas de avaliação aplicadas. Cabe ressaltar que o período de estudo de avaliação da Escola de Postura foi de dois meses, sendo que os resultados não possibilitam afirmar que tal método terapêutico também é eficaz em longo prazo. Mais estudos, quantitativos e qualitativos, devem ser realizados de modo a oferecer subsídios à equipe multiprofissional da Escola que permitam operar mudanças e ampliar recursos terapêuticos no tratamento de pacientes com lombalgia crônica.

Palavras-chave: Dor Lombar, Qualidade de Vida, Questionários, Resultado de Tratamento

6 - Medo do idoso em sofrer quedas recorrentes: a marcha como fator determinante da independência funcional

Fear among the elderly of suffering recurring falls: the gait as a determining factor of functional independence

Adriana Arruda Barbosa Rezende; Iris Lima e Silva; Fabrício Bruno Cardoso; Heron Beresford

Acta Fisiátr.2010;17(3):117-121

As quedas trazem repercussões psicológicas, como o medo de cair, podendo desencadear prejuízos consideráveis na autonomia do idoso. O objetivo deste estudo, efetuado com 60 idosas, sedentárias, com idades entre 68 e 70 anos, com relatos de quedas, cadastradas no Programa "Idoso Feliz" na cidade do Rio de Janeiro/RJ, foi identificar o medo de sofrer quedas recidivantes no relato de pessoas idosas. Inicialmente foi feito um questionamento acerca da ocorrência de quedas no grupo participante da pesquisa. Em seguida, uma entrevista por meio da Falls Efficacy Scale-International-Brasil para avaliar o grupo com relação à preocupação em cair durante a prática de 16 atividades diárias. Foi também avaliado o perfil da marcha dinâmica utilizando-se o teste de Índice de Marcha Dinâmica. O tratamento estatístico se concentrou na análise descritiva por meio da estimativa de medidas de localização (mínimo, máximo e média) e medidas percentuais e os resultados mostraram que a freqüência das quedas aumentou proporcionalmente com a idade. Em relação à preocupação das idosas em cair, 40,11% não referiu preocupação, 30% relatou um pouco de preocupação, 25,33% moderada preocupação e 4,6% muita preocupação. As atividades para as quais se mostraram mais preocupadas foram: tomar banho, andar em superfícies escorregadias ou irregulares, andar em um local onde haja multidão e sair para eventos sociais. Na avaliação do índice de marcha dinâmica a maioria da população teve um resultado considerado preditivo de quedas, já que todas as idosas perfizeram menos que 19 pontos. Pôde-se concluir que a maioria da população investigada apresentou preocupação, mesmo que pouca ou moderada, em sofrer quedas recorrentes na prática de atividades da vida diária, atividades físicas e atividades sociais, especialmente quando estas requerem força muscular e equilíbrio. Isto pode ser justificado, em parte, pelo insatisfatório índice da marcha dinâmica detectado, o que faz subentender-se a presença de anormalidades naquela função biomecânica.

Palavras-chave: Idoso, Acidentes por Quedas, Marcha, Atividades Cotidianas

7 - O olhar do usuário sobre o acolhimento em um serviço de reabilitação

The client's perspective regarding their welcoming at a rehabilitation clinic

Sirlaine Vieira da Cruz; Liliane Dias Ribeiro; Lúcia Helena de Assis Cabral; Rosana Ferreira Sampaio

Acta Fisiátr.2010;17(3):122-125

Dentre as novas medidas de atenção aos usuários propostos na Política Nacional de Humanização, destaca-se o acolhimento, que consiste na busca constante do reconhecimento das necessidades dos usuários e das formas possíveis de satisfazê-las. Estudos têm demonstrado a importância de um atendimento humanizado, onde a escuta do usuário torna-se um valioso instrumento para avaliar a efetividade do serviço oferecido à determinada população. O objetivo deste estudo foi descrever, a partir da perspectiva dos usuários, como é realizado o acolhimento em um serviço de reabilitação da mão e analisar os fatores mais relevantes. Foi adotada abordagem qualitativa e o recurso metodológico utilizado foi a entrevista semiestruturada onde os usuários foram questionados em relação ao acolhimento, considerando suas três dimensões: acesso, postura e técnica. A análise de conteúdo foi o método escolhido e consistiu em ordenação, classificação e análise final dos resultados. Participaram do estudo 12 usuários de um hospital público da cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. Os usuários consideraram que um bom acolhimento refere-se à forma mais humanizada de ser recebido, isto é, com atenção, educação e carinho. A comunicação entre terapeuta e usuário demonstrou ser importante para se criar um vínculo entre ambos, construindo uma relação de confiança, gerando a satisfação do usuário e favorecendo a evolução do tratamento. Evidenciouse que realizar um bom acolhimento é um valioso instrumento terapêutico para o profissional de reabilitação. Apresentar boa capacidade de escuta e mostrar-se sensível às necessidades do usuário ajuda na redução dos medos e ansiedades naturais no início da reabilitação, facilitando todo o processo.

Palavras-chave: Serviços de Reabilitação, Terapia Ocupacional, Traumatismos da Mão, Acolhimento

8 - Terapia com caixa de espelhos na síndrome dolorosa regional complexa tipo I

Mirror box therapy in the complex regional pain syndrome type I

Ana Teresa Gaspar; André Castro; Filipe Antunes

Acta Fisiátr.2010;17(3):126-129

A Síndrome dolorosa regional complexa (SDRC) tipo I é um quadro de dor neuropática, que afeta, sobretudo as extremidades dos membros após evento traumático e/ou período de imobilização, na ausência de lesão nervosa. Para além da dor, as características clínicas incluem alterações vasomotoras regionais e freqüentemente limitação da mobilidade da extremidade envolvida. Não está totalmente esclarecida a sua causa e existem poucos consensos em relação ao tratamento ideal. A caixa de espelhos é uma modalidade terapêutica baseada no feedback visual, como forma de construção de uma nova imagem mental do membro afetado, promovendo a reorganização cortical. Esta técnica tem sido utilizada na recuperação motora ou no controlo da dor em situações como o acidente vascular cerebral e o SDRC tipo I.

Palavras-chave: Síndromes da Dor Regional Complexa, Extremidade Superior, Terapêutica, Terapia

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

9 - Sobre o processo de triagem em centros de reabilitação

The triage process in rehabilitation centers

Marcelo Riberto; Sueli Satie Hamada Jucá; Margarida Harumi Miyazaki; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2010;17(3):130-133

O processo de triagem em centros de reabilitação consiste numa avaliação das condições do paciente potencial usuário dos serviços prestados nessas unidades do sistema de saúde. Em geral ela ocorre no primeiro contato com a equipe clínica. Por meio de agendamento, o paciente é submetido a entrevista com um médico, um assistente social e um psicólogo num só momento, onde são verificadas as condições clínicas, aspectos de dinâmica de relacionamento e psicopatológicos, bem como requisitos sociais para participação regular e supervisionada nas atividades propostas. O objetivo do processo de triagem não é obstruir o acesso de qualquer pessoa aos serviços disponíveis, mas sim direcionar o potencial usuário para a forma mais ágil de atendimento ou mais apropriada às suas necessidades. Ao final do processo de triagem o paciente pode ser eleito para intervenção multiprofissional em vários dias da semana, outras alternativas de intervenção, seja terapêuticas ou de orientação, com recrutamento de número diferente de profissionais ou contatos semanais. Considerando a realidade de reabilitação no Brasil, que não contempla a internação, pode-se esperar um aproveitamento integral do programa de reabilitação somente em condições otimizadas. Os recursos para reabilitação não são ilimitados, assim, a sua otimização é necessária e o processo de triagem viabiliza o melhor aproveitamento desses recursos, e uma distribuição mais justa e ética dos mesmos.

Palavras-chave: Centros de Reabilitação, Administração em Saúde, Triagem, Pessoas com Deficiência/reabilitação

ARTIGO DE REVISÃO

10 - Técnicas de avaliação proprioceptiva do ligamento cruzado anterior do joelho

Techniques of proprioceptive evaluation of the anterior cruciate knee ligament

Angélica Castilho Alonso; Guilherme Carlos Brech; Julia Maria D'Andréa Greve

Acta Fisiátr.2010;17(3):134-140

O joelho apresenta pouca estabilidade, em virtude de sua forma anatômica, ao mesmo tempo em que possui grande flexibilidade, e por essas razões, sua função depende das estruturas musculares e ligamentares. Uma lesão na articulação pode causar alterações nas informações sensoriais mantidas pelos mecanorreceptores. Com o aumento do interesse por atividades esportivas, bem como a vulnerabilidade e complexidade anatômica do joelho justificam um aumento crescente do número de pacientes com lesões ligamentares, principalmente do ligamento cruzado anterior (LCA). Entretanto qual é a melhor forma de avaliar a propriocepção do joelho?
OBJETIVO: Desta forma este estudo teve como objetivo identificar as técnicas de avaliação proprioceptivas do LCA do joelho, e se existe a melhor técnica.
MÉTODOS: Foi realizada uma revisão de literatura, tendo como critérios de inclusão os estudos publicados em revistas científicas indexadas, que se referiam a instrumentos de avaliação e/ou mensuração da propriocepção do joelho.
DISCUSSÃO: De acordo com a literatura revisada, existem diferentes técnicas de avaliação da propriocepção do LCA, dentre elas: estudos morfológicos anatômicos; avaliação neurofisiológica; e avaliação clínica que é dividida em três subtipos: a) sentido da posição estática; b) cinestesia; e c) equilíbrio postural. Ainda que a propriocepção seja importante no resultado final de um tratamento que envolva uma lesão ligamentar, sua avaliação ainda é uma dificuldade.
CONCLUSÃO: O método ideal deve ter alta sensibilidade e especificidade, além de boa reprodutibilidade e precisão. Porém não houve consenso na literatura referente à melhor técnica e os resultados são contraditórios, apesar da avaliação do equilíbrio ser uma técnica moderna e utilizada nos grandes centros de pesquisa, não é possível isolar o sistema proprioceptivo dos outros sistemas: visual e vestibular.

Palavras-chave: Propriocepção, Equilíbrio Postural, Ligamento Cruzado Anterior, Avaliação

Número atual: Dezembro 2010 - Volume 17  - Número 4

ARTIGO ORIGINAL

1 - Investigação dos efeitos do exercício terapêutico sobre a regeneração nervosa periférica

Investigation of therapeutic exercise effects on peripheral nerve regeneration

Fernanda Possamai; Cristiane Márcia Siepko; Edison Sanfelice André

Acta Fisiátr.2010;17(4):142-147

O sistema nervoso periférico apresenta relativa capacidade de regeneração após uma lesão. Após a axonotmese o nervo ciático produz respostas morfo-funcionais, no músculo alvo, no epicentro da lesão e alguns distritos neuronais retrógrados. Apesar dos avanços terapêuticos, a restauração funcional é incompleta na maioria dos casos. Neste contexto, nós testamos se o exercício (nado) é capaz de interferir na marcha funcional e reações de plasticidade nos motoneurônios da medula espinhal. Quarenta ratos foram divididos em quatro grupos (n=10 cada), submetidos a 30 min/dia de nado, iniciando no 1, 7, 14, 21 dias após lesão do nervo ciático. Todos os grupos apresentaram recuperação funcional, não observamos diferenças significantes nos números de motoneurônios da medula espinhal entre os diferentes grupos estudados. De acordo com a análise funcional e histológica, o exercício terapêutico, nas condições do presente estudo, foi incapaz de acelerar o processo regenerativo.

Palavras-chave: Sistema Nervoso Periférico, Regeneração Nervosa, Exercício, Ratos Wistar

2 - Prevalência de lombalgia em trabalhadores submetidos ao programa de reabilitação profissional do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), São Luís, MA

Prevalence of low back pain among employees undergoing the Occupational rehabilitation program at Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), São Luís, MA

Ana Teresa de Jesus Brito de Abreu; Camila Almeida Bezerra Ribeiro

Acta Fisiátr.2010;17(4):148-152

O presente estudo avalia a prevalência de lombalgia na população de trabalhadores inseridos no Programa de Reabilitação Profissional do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), na cidade de São Luís/ MA. Este programa apresenta como funções básicas a avaliação do potencial laborativo e a definição da real capacidade de retorno ao trabalho dos segurados atendendo aproximadamente 400 pessoas por mês. Através dos registros em prontuários, foi realizado um estudo de corte transversal retrospectivo em que foram separados 264 prontuários, válidos de 1995 a 2009, de trabalhadores afastados do trabalho e ainda com vínculo empregatício. Aqueles apresentados como desempregados foram excluídos do trabalho. Dessa amostra, selecionou-se somente os trabalhadores com diagnóstico de lombalgia, totalizando 88 prontuários, em que foram encontrados 83 casos do sexo masculino (94,3%), média de idade de 41 anos, variando de 24 a 53 anos. A prevalência de lombalgia foi de 33,3% em relação aos diagnósticos encontrados na amostra inicial. Observou-se que em sua maioria, a amostra era composta por trabalhadores casados, com baixa escolaridade, do sexo masculino, em idade produtiva e afastados do trabalho há mais de um ano, associada à realização de atividades profissionais às quais exigem postura estática, movimentos repetitivos e carregamento de peso.

Palavras-chave: Lombalgia, Prevalência, Trabalhadores, Reabilitação Profissional

3 - Uso de testes clínicos para verificação do controle postural em idosos saudáveis submetidos a programas de exercícios físicos

Use of clinical tests for verification of postural control in healthy elderly submitted to physical exercise programs

Fábio Marcon Alfieri; Marcelo Riberto; Lucila Silveira Gatz; Carla Paschoal Corsi Ribeiro; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2010;17(4):153-158

O controle postural no envelhecimento diminui e a prática de exercícios físicos pode melhorar esta importante função. A fim de medir estas possíveis melhoras, podem ser usados diversos testes. O objetivo deste estudo foi o de analisar o uso de testes clínicos de medidas indiretas para verificar as alterações sobre o controle postural de idosos saudáveis submetidos a programas de exercícios físicos. O desenho do estudo foi um ensaio clínico simples-cego e aleatorizado com braços paralelos. Participaram da pesquisa 46 idosos divididos aleatoriamente em dois grupos de exercícios: multissensoriais (GMS, n=23, 68,8±5,9 anos) e de fortalecimento (treino resistido) (GR, n=23, 70,18±4,8). Ambos os grupos realizaram 12 semanas (2dias/semana, 50m/dia) de exercícios. Para avaliação do controle postural foram utilizados os testes: Timed up and go (TUG), teste de apoio unipodal, bateria de testes de Guralnik e escala de equilíbrio funcional de Berg. Os indivíduos do GMS apresentaram melhora significativa nos testes TUG e bateria de testes de Guralnik e o GR não apresentou melhora em nenhum dos testes. A melhora no tempo de execução do teste TUG do GMS que foi de 9,1±8,04 para 8,0±1,0 segundos após a intervenção, foi estatisticamente superior ao resultado do GR. Acreditamos que o teste TUG e a bateria de testes de Guralnik são boas opções para avaliar o controle postural de idosos submetidos a programas de intervenção. Embora o TUG não possa ter seu tempo diminuído indefinidamente, permite verificar até mesmo dentro de um tempo de normalidade, alterações promovidas por exercícios físicos.

Palavras-chave: Envelhecimento, Exercício, Equilíbrio Postural, Avaliação

4 - Biofeedback eletromiográfico e parâmetros da dinamometria isocinética de joelho e tornozelo de jogadores de futebol amador

Electromyographic biofeedback and parameters of isokinetic dynamometry of knee and and ankle in amateur soccer players

Carina Elias Baron; Leonardo Luiz Barretti Secchi; Júlia Maria D´Andréa Greve; Vasthi Oliveira de Lima; Viviane Ribeiro Carvalho

Acta Fisiátr.2010;17(4):159-163

INTRODUÇÃO: A eletromiografia tem sido utilizada para avaliar o controle voluntário da atividade muscular. Dentre as técnicas destaca-se o biofeedback eletromiográfico como facilitador do aprendizado neuromotor, inclusive na prática esportiva.
OBJETIVO: Analisar o efeito do biofeedback eletromiográfico nos parâmetros isocinéticos dos flexores e extensores do joelho e inversores e eversores do tornozelo em jogadores de futebol amador.
CASUÍSTICA: 14 atletas de futebol amador do gênero masculino randomizados em dois grupos: Grupo Treino (GT) - sete atletas, idade de 23 ± 2 (22 e 28) anos, massa corpórea 75,7 ± 4,0(72 e 80) kg , estatura 182 ± 4 (176 e 188) cm e Grupo Controle (GC) - sete atletas com idade 24 ± 2 (21 e 28) anos, massa corpórea 72,3± 9,4 (59 e 79) kg, estatura 175± 5 (169 e 180) cm.
MÉTODO: Todos os atletas foram avaliados por um protocolo clínico: anamnese, incidência de lesões e escala visual análoga de dor e foram submetidos à dinamometria isocinética dos inversores e eversores do tornozelo e flexores e extensores do joelho. O GT realizou 12 sessões de biofeedback eletromiográfico, uma vez por semana. No final das sessões, todos os atletas foram reavaliados.
RESULTADOS: Na velocidade de 30º/ seg., o pico de torque 0,18 segundos (PT 0,18s) dos eversores do tornozelo foi maior no GT e no joelho, na velocidade de 60º/seg. o PT 0,18s dos flexores de joelho foram maiores no GT.
CONCLUSÃO: O biofeedback eletromiográfico melhorou os parâmetros isocinéticos dos jogadores de futebol amador.

Palavras-chave: Atletas, Eletromiografia, Amplitude de Movimento Articular, Joelho

5 - Adaptação da pessoa após acidente vascular encefálico e seu cuidador: ambiente domiciliar, cadeira de rodas e de banho

Adaptation of the person after stroke and their caregivers: home environment, wheelchair and bath chair

Márcia Regina Garanhani; Jaqueline Frazão Alves; Dirce Shizuko Fugisawa; Mara Lúcia Garanhani

Acta Fisiátr.2010;17(4):164-168

O acidente vascular encefálico causa incapacidade funcional. O envolvimento dos familiares influencia na recuperação dos pacientes e as barreiras arquitetônicas no domicílio dificultam a acessibilidade. O estudo qualitativo procurou identificar as dificuldades das pessoas após o acidente vascular encefálico em relação às barreiras arquitetônicas, ao manuseio da cadeira de rodas e de banho, por meio de entrevista semi-estruturada e roteiro de medidas de acessibilidade. Nove pacientes e seus cuidadores foram entrevistados e da análise dos discursos emergiram três categorias empíricas: acessibilidade andando, acessibilidade com a cadeira de rodas e de banho e o papel das orientações. As principais barreiras encontradas foram os corredores estreitos e circulação interna inadequada. As barreiras arquitetônicas dificultam o uso da cadeira de rodas e de banho no domicílio, sobrecarregando os cuidadores. O conhecimento da realidade destas pessoas facilita programas de orientações de atividades de vida diária centradas na realidade.

Palavras-chave: Acidente Cerebral Vascular, Atividades Cotidianas, Estruturas de Acesso, Cadeiras de Rodas

6 - Escala salsa e grau de incapacidades da Organização Mundial de Saúde: avaliação da limitação de atividades e deficiência na hanseníase

SALSA scale and disability grading system of the World Health Organization: evaluation of physical activity limitations and disability of individuals treated for leprosy

Eliyara Ikehara; Susilene Maria Tonelli Nardi; Iracema Serrat Vergotti Ferrigno; Heloisa da Silveira Paro Pedro; Vânia Del'Arco Paschoal

Acta Fisiátr.2010;17(4):169-174

Verificar o grau de incapacidades da OMS (GI-OMS) e a limitação de atividades avaliada pela escala Screening of Activity Limitation and Safety Awareness (SALSA) pós-alta medicamentosa dos pacientes que tiveram hanseníase. Estudo transversal que incluiu pacientes tratados entre 2007 a 2009, em São José do Rio Preto-SP, Brasil. Utilizouse protocolo próprio para coletar dados gerais e clínicos, construído com base no Check List da Classificação Internacional Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. A deficiência foi medida pelo GI-OMS e a limitação de atividades pelo SALSA que tem variação de 10 a 80 e ponto de corte > 25. De 84 pessoas tratadas no período, 54(64,3%) foram entrevistadas, sendo 31(57,4%) homens, idade 53,8(dp16,3) e 33(61,2 %) possuía até 6 anos de educação formal. A forma clinica dimorfa predominou 17(32,1%), 21(38,9%) considerou sua saúde física "boa". A analise dos escores SALSA e variáveis estudadas resultou em significância aos que relataram lesão significante (valor-p=0,04), baixa renda familiar (valor-p=0,04), baixa escolaridade (valor-p=0,00), formas clínicas multibacilares (valor-p=0,01) e deficiências avaliadas pelo GI-OMS (valor-p=0,01). As limitações de atividades são freqüentes (57,4%), assim como as deficiências medidas pelo GI-OMS (68,5%), atingem as formas multibacilares, pessoas que relataram lesão significante, de baixa renda e escolaridade.

Palavras-chave: Hanseníase, Atividades Cotidianas, Epidemiologia, Morbidade, Classificação Internacional de Funcionalidades; Incapacidades e Saúde

ARTIGO DE REVISÃO

7 - Benefícios do exercício físico para crianças e adolescentes com paralisia cerebral: uma revisão bibliográfica

Benefits of physical exercise for children and adolescents with cerebral palsy: a literature review

Marcel dos Santos Paiva; Marcia Galasso Nardi; Tatiana Galante Streiff; Terezinha Rosane Chamlian

Acta Fisiátr.2010;17(4):175-179

Existem fortes evidências demonstrando que a aptidão física e o estado de saúde das crianças e adolescentes são realçados substancialmente pela prática de atividade física freqüente e, por outro lado, há poucos estudos que evidenciam os benefícios desta prática em populações com deficiência ou mobilidade reduzida. Com objetivo de relatar as alterações geradas pela aplicação de programas de exercícios físicos em crianças e adolescentes com paralisia cerebral com GMFCS I a III, focando as variáveis de força, função motora, espasticidade e qualidade de vida, foi realizada esta revisão bibliográfica utilizando as bases de dados MEDLINE, PubMed e Lilacs. Além de utilizar palavras-chave em português e em inglês para busca de artigos, os trabalhos foram selecionados a partir de uma análise prévia obedecendo aos critérios de inclusão a partir do ano de publicação, análise de título e resumo, sendo excluídos os estudos de revisão e revisão sistemática. Dos 8 estudos incluídos, somente 3 são randomizados variando a quantidade da amostra estudada entre 8 e 65 indivíduos com paralisia cerebral com idades de 6 a 18 anos. Estes estudos contrariam o paradigma de que o exercício físico com carga para pessoas com desordens neurológicas pode causar aumento da espasticidade. O trabalho também retrata os benefícios gerados pelo aumento de força muscular principalmente em membros inferiores através de exercícios que utilizam o princípio da sobrecarga. Os resultados são favoráveis com relação a melhora da função motora grossa além da qualidade de vida expressa em diversos fatores como maior motivação, participação em atividades, socialização e auto percepção.

Palavras-chave: Paralisia Cerebral, Exercício, Aptidão Física, Revisão

8 - Terapia manipulativa ortopédica na dor vertebral crônica: uma revisão sistemática

Manipulative orthopedic therapy for chronic spinal pain: a systematic review

Freddy Beretta Marcondes; Samuel Satraceri Lodovichi; Milton Cera

Acta Fisiátr.2010;17(4):180-187

OBJETIVO: Analisar a eficácia da Terapia Manipulativa Ortopédica (TMO) nos casos de dores vertebrais crônicas.
MÉTODOS: Uma busca sistematizada foi realizada nas bases de dados PEDro, Medline e Science Direct no mês de junho de 2010, reunindo ensaios clínicos randomizados recentes que documentassem os efeitos da TMO na Dor Vertebral Crônica. Todos os trabalhos tiveram suas qualidades metodológicas avaliadas pela escala de PEDro e somente os estudos com notas acima de cinco foram revisados. Os dados foram extraídos de forma padronizada de cada estudo.
RESULTADOS: Foram revisados oito artigos sobre dor cervical crônica e onze sobre dor lombar crônica. Quanto a dor cervical crônica, seis estudos mostraram que a TMO associada a exercícios são eficazes, mantendo a melhora dos sintomas por até 24 meses. Um estudo mostrou que a TMO (sem exercícios) é superior à massagem e outro estudo mostrou que a TMO proporciona alívio imediato da dor. Quanto a dor lombar crônica, cinco ensaios clínicos mostraram que a TMO associada a exercícios são eficazes a curto e longo prazo; dois trabalhos mostraram que a TMO é mais eficaz do que analgésicos e anti-inflamatórios. Três estudos mostram que a TMO como único tratamento é eficaz, um estudo mostra que a manipulação não é mais eficaz que exercícios de extensão.
CONCLUSÃO: As técnicas de TMO (exceto osteopatia) são recursos eficazes nos casos de dores crônicas da coluna. Entretanto, seus efeitos de redução da dor ocorrem somente a curto prazo, sendo necessário a associação de exercícios terapêuticos para um resultado eficaz a longo prazo. Mais estudos devem ser feitos para comparar diferentes técnicas de TMO e diferentes técnicas de exercícios entre si nos casos de dores crônicas da coluna.

Palavras-chave: Manipulação Ortopédica, Manipulação da Coluna, Exercício, Revisão

9 - Eletroneuromiografia na avaliação das radiculopatias cervicais e lombossacrais

Electromyography in the evaluation of cervical and lumbosacral radiculopathy

Luciane Fachin Balbinot; José Antonio Garbino; Marcelo Riberto

Acta Fisiátr.2010;17(4):188-192

A eletroneuromiografia (ENMG) é empregada como método de diagnóstico complementar no diagnóstico de radiculopatia desde 1950, contribuindo com importantes informações para o esclarecimento diagnóstico, planejamento do tratamento e acompanhamento evolutivo dos pacientes. A presente revisão baseada em evidências buscou referências com ênfase na indicação, sensibilidade, especificidade, reprodutibilidade e limitações do uso desse exame na avaliação das radiculopatias cervicais e lombossacrais. As referências apontam a ENMG como um exame bastante útil tanto na triagem quanto no diagnóstico diferencial na suspeita de radiculopatia cervical ou lombossacra, bem como na avaliação do grau e extensão da lesão, quando respeitadas as limitações da técnica.

Palavras-chave: Radiculopatia, Eletromiografia, Deslocamento do Disco Intervertebral, Dor Lombar

TENDÊNCIAS E OPINIÕES

10 - O estresse na reabilitação: a síndrome da adaptação geral e a adaptação geral e a adaptação do indivíduo à realidade da deficiência

Stress in rehabilitation: the general adaptation syndrome and the adaptation of the individual to the reality of the disability

Maria Inês Orsoni Chagas

Acta Fisiátr.2010;17(4):193-199

O presente artigo explora a idéia de que o ser humano possui em seu DNA a capacidade para a adaptação às mudanças drásticas que ocorrem na vida, propiciando-lhe a sobrevivência em situações adversas, neste contexto, a aquisição de seqüelas incapacitantes. E se a isso estiver somada a resiliência, enquanto capacidade de transcender à crise com vantagens pode ocorrer uma retomada do desenvolvimento e uma melhora na qualidade de vida do indivíduo, a despeito das seqüelas.

Palavras-chave: Deficiência, Estresse, Resiliência Psicológica, Reabilitação, Adaptação

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1