ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Março 2007 - Volume 14  - Número 1

EDITORIAL

1 - Classificação neurofisiológica da Síndrome do Túnel do Carpo

Neurophysiological classification of the Carpal Tunnel Syndrome

Marcelo Riberto

Acta Fisiátr.2007;14(1):0



Palavras-chave:

ARTIGO ORIGINAL

2 - Avaliação computacional da impressão plantar.Valores de referência do índice do arco em amostra da população brasileira

Computational evaluation of the footprint: reference values of the plantar arch index in a sample of the Brazilian population

Margot Guarieiro Ramos; Fabrício Ramos Silvestre Pereira; Anamarli Nucci

Acta Fisiátr.2007;14(1):7-10

A presença do arco longitudinal medial (ALM) é característica dos pés humanos e através dele o pé tem sido classificado como normal, cavo e plano. A literatura permite escolher entre variados métodos e técnicas de mensuração do ALM, cada qual com vantagens e desvantagens. Optou-se pelo método da impressão plantar com medida do índice do arco (IA) para avaliar indiretamente a altura do ALM. A escolha foi motivada por ser a impressão plantar exeqüível com baixo custo e não invasiva. Seguiu-se o princípio básico do método de mensuração do IA proposto por Cavanagh & Rodgers, modificado pela introdução do escaneamento da impressão plantar e pelo cálculo do IA através de programa computacional elaborado por um dos autores. Foram avaliadas 100 impressões plantares de 25 homens e 25 mulheres sadios, não obesos, com média de idade de 34,7 anos, extremos de 10 a 59 anos. Obtiveram-se os valores de referência do IA de amostra da população brasileira: 0,21< IA < 0,25. A comparação estatística dos valores nacionais com os da amostra americana não mostrou diferença estatística significativa.

Palavras-chave: pé/anatomia & histologia, dermatoglifia, população, Brasil

3 - Levantamento de conteúdos para fundamentação do ensino dos efeitos psicocomportamentais da massagem para bebês

Study of the psychological and behavioral contents that are the foundation for the teaching of massage for babies

Cláudia Marchetti Vieira da Cruz; Fátima Aparecida Caromano

Acta Fisiátr.2007;14(1):11-16

Dentre os muitos efeitos produzidos pela massagem, esta pode ser utilizada como agente modificador de comportamento, por exemplo, servindo como fator de integração entre pais e filhos. Com objetivo de selecionar conteúdos para o ensino dos efeitos psico-comportamentais da massagem para bebês em uma população de mães leigas, foi realizada uma revisão bibliográfica dos últimos trinta anos. A seleção do material foi realizada considerando-se somente os textos escritos com base em estudos realizados com um mínimo de rigor científico e que ofereciam dados obtidos em populações humanas. Dentre os conteúdos encontrados, a melhora da interação e o fortalecimento do vínculo do bebê com quem realiza a massagem, é um fator reconhecido praticamente por todos os autores, seguido pela diminuição dos níveis de estresse da mãe e da criança. Outros efeitos são pouco conhecidos tanto em situação acadêmica quanto em situação informal, merecendo destaque na sua divulgação.

Palavras-chave: massagem, lactente, comportamento, relações mãe-filho.

4 - Efeito de um treinamento de equilíbrio em um grupo de mulheres idosas da comunidade: estudo piloto de uma abordagem específica, não sistematizada e breve

The effect of balance training in a group of community-dwelling elderly women: a pilot study of a specific, non-systematic and short-term approach

Pollyana Amaral Zambaldi; Thaís Aparecida Braga Nunes da Costa; Gisele do Carmo Leite Machado Diniz; Paula Luciana Scalzo

Acta Fisiátr.2007;14(1):17-24

OBJETIVO: Verificar o efeito de um programa de treinamento de equilíbrio, de curto período, com exercícios específicos e sem associação de treinamentos sistematizados de força muscular, em um grupo de mulheres idosas residentes na comunidade.
MÉTODOS: Trata-se de um estudo piloto com seis mulheres que participaram de uma intervenção visando o treinamento de equilíbrio. Os testes de campo utilizados foram: "Escala de Equilíbrio Funcional de Berg - Versão Brasileira", Timed Up & Go, Chair Stand, e Marcha Tandem. Entrevistas foram realizadas sobre percepção de saúde e medo de quedas. O treinamento consistiu em atividades realizadas em grupo, com tarefas isoladas e circuitos fechados. Foi realizado duas vezes por semana, com uma hora de duração em cada dia, por um período de oito semanas.
RESULTADOS: Verificou-se que houve melhora no equilíbrio a partir da análise dos resultados obtidos.
CONCLUSÃO: Um treinamento de equilíbrio específico, não sistematizado, breve e realizado em um grupo de mulheres idosas da comunidade mostrou ter um efeito na melhora das medidas de equilíbrio, porém ainda se faz necessário avaliar o impacto isolado do treino de força sistematizado sobre as medidas de equilíbrio.

Palavras-chave: idoso, equilíbrio musculosquelético, acidentes por quedas

5 - Efeitos da ginástica laboral em funcionários de teleatendimento

Effects of work gymnastics on teleassistance employees

Márcia Colamarco Ferreira Resende; Carolina Miranda Tedeschi; Fernanda Pinto Bethônico; Thiago Torres Machado Martins

Acta Fisiátr.2007;14(1):25-31

INTRODUÇÃO: A ginástica laboral (GL), definida como a prática orientada de exercícios físicos dentro do próprio local de trabalho, com duração de 15 a 20 minutos, visa a prevenção de dores corporais e vícios posturais, aumenta a disposição para o trabalho e promove uma maior integração no ambiente de trabalho. Sendo assim, o objetivo desse estudo foi avaliar os efeitos da GL sobre as queixas dos trabalhadores quando a mesma é aplicada por fisioterapeutas ou por monitores (funcionários).
MÉTODO: Para este estudo foram utilizados três instrumentos: Questionário de Topografia e Intensidade da dor; questionário de avaliação da GL junto aos trabalhadores e o de identificação formulado especificamente para este estudo. A amostra foi composta por 24 funcionários de um teleatendimento, divididos em dois grupos: turno manhã (n=10) e turno tarde (n=14). A prática orientada tinha duração de 15 minutos, 4 vezes semanais, em um período de 4 meses, perfazendo um total de 68 sessões de GL. Para análise estatística foi utilizado o Wilcoxon Signed Based Ranks e o Microsoft Excel.
RESULTADO: Foi constatada uma melhora significante na percepção de dor do grupo de funcionários orientados pelo fisioterapeuta (p=0,034), além da melhora da disposição para o trabalho, da interação com os colegas e satisfação com a empresa, diminuição do estresse e do cansaço.
CONCLUSÃO: O programa de GL pode ser visto como mais uma ferramenta para o beneficio da saúde e bem-estar dos trabalhadores atuando em um nível de prevenção primária.

Palavras-chave: saúde ocupacional, saúde do trabalhador, trabalho, riscos ocupacionais, ambiente de trabalho, ginástica.

6 - Instrumentos de avaliação funcional de idosos submetidos à cirurgia ortopédica: revisão integrativa da literatura

Instruments of functional assessment of elderly submitted to orthopedic surgery: an integrative review of literature

Márcia Regina Martins Alvarenga; Isabel Yovana Quispe Mendoza; Ana Cristina Mancussi e Faro

Acta Fisiátr.2007;14(1):32-40

Doenças musculoesqueléticas constituem causa de dano funcional no idoso, mas não são conseqüências inevitáveis da idade, portanto, todas as dimensões de saúde têm que ser contempladas na sua avaliação.
OBJETIVO: Analisar artigos científicos que avaliaram o estado funcional do idoso submetido à cirurgia ortopédica.
METODOLOGIA: Revisão bibliográfica de artigos on-line indexados nas bases: www. bireme.br, www.scopus.com, www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed e www.embase.com, durante o período de 1996 a 2006. Utilizou-se a terminologia DeCS/Bireme e MeSH/PubMed, com os descritores: idoso, atividades cotidianas, cirurgia ortopédica ou procedimentos ortopédicos, pós-operatório e reabilitação. A busca foi realizada em abril/2006.
CRITÉRIO DE INCLUSÃO: sujeitos com 60 anos ou mais, submetidos a qualquer procedimento cirúrgico ortopédico, e texto completo disponível on-line. Referências armazenadas e analisadas pelo Software Epilnfo versão 3.3.2.
VARIÁVEIS: título, ano e país de publicação do periódico; categoria profissional dos autores; país de origem do estudo; objetivos da pesquisa; número e tipos de instrumentos de avaliação e sítio da cirurgia.
RESULTADOS: Foram selecionados 44 resumos e acessados 29 textos na íntegra. O "Journal of the American Geriatric Society" foi o periódico com mais publicações e os Estados Unidos com mais estudos. A categoria médica publicou 75,0%; 79,3% dos estudos são descritivos; 69% das cirurgias foram no quadril e 27,6% das pesquisas utilizaram apenas um instrumento de avaliação. Das dimensões avaliadas destacam-se: funcional com 43,6% e mental com 30,8%.
CONSIDERAÇÕES FINAIS: A dimensão funcional foi a mais investigada e a social não foi contemplada. Apesar das publicações estarem aumentando nos últimos anos, faz-se necessário que os serviços de saúde especializados incorporem o paradigma da avaliação funcional da saúde do idoso.

Palavras-chave: idoso, ortopedia, estudos de avaliação, reabilitação

ARTIGO DE REVISÃO

7 - Documentação da síndrome dolorosa miofascial por imagem infravermelha

Documentation of myofascial pain syndrome with infrared imaging

Marcos Leal Brioschi; Lin Tchia Yeng; Elda Matilde Hirose Pastor; Daniel Colman; Francisco M. R. Moraes Silva; Manoel Jacobsen Teixeira

Acta Fisiátr.2007;14(1):41-48

Os pontos-gatilho (PG) miofasciais são encontrados em muitas lesões cervicais com hiperextensão/hiperflexão, discopatias e lesões/ desordens por esforço repetitivo. Desde o extremo da simulação, ao frustrante dilema na investigação objetiva da dor crônica, uma das indicações básicas e melhores da comprovação por imagem infravermelha (IR) é a de documentar afecções de tecidos moles, particularmente nos casos em que não são demonstradas por exames radiológicos, eletroneuromiográficos ou laboratoriais. Os autores revisaram a literatura sobre imagem IR na documentação da síndrome dolorosa miofascial. O exame por IR é complemento essencial do diagnóstico clínico mostrando objetivamente PG na forma de pontos aquecidos hiperradiantes. Estas áreas hiperradiantes, correspondem a PG dolorosos anotados no exame clínico. Estes são corroborados pela sensibilidade local e confirmação da dor pelos pacientes. As áreas dolorosas referidas se apresentam termicamente assimétricas com o lado oposto. Os PG latentes, não objetivamente queixados pelos pacientes durante o exame IR, também são descritos sob a forma de pontos hiperradiantes. A presença destes PG latentes pode ser confirmada pela algometria de pressão nestas áreas. Após infiltração/agulhamento há alteração do perfil térmico cutâneo demonstrando resposta neurovegetativa simpática imediata. As alterações de imagem IR se constituem, assim, em importante recurso objetivo na demonstração de PG miofasciais, correlatos com as queixas objetivas do paciente. A documentação dos PG por imagem IR é útil no direcionamento para causa da dor, orientação do tratamento adequado, assim como avaliação de sua resposta.

Palavras-chave: síndromes da dor miofascial, termografia, diagnóstico por imagem

8 - Métodos de avaliação dos movimentos escapulares durante a elevação dos membros superiores: uma revisão crítica da literatura

Methods of Assessment of Scapular Movements during Upper Limb Elevations: Literature Review

Cristina Danielli Coelho de Morais Faria; Helen Cristina Penido; Luci Fuscaldi Teixeira-Salmela

Acta Fisiátr.2007;14(1):49-55

OBJETIVO: Realizar uma revisão crítica da literatura sobre os métodos utilizados para avaliar os movimentos escapulares durante a elevação dos membros superiores (MMSS) e apontar as vantagens, desvantagens e limitações associadas a cada um deles.
MÉTODO: Foram realizadas buscas nas bases de dados MEDLINE, SCIELO, LILACS e PEDro com combinação de palavras-chave relacionadas ao assunto. Os critérios de inclusão para os estudos foram: estar publicado nos idiomas português/espanhol/inglês/francês até o último dia do ano de 2005 e realizar a avaliação dos movimentos escapulares durante a elevação dos MMSS. Foi considerado como critério de exclusão a avaliação dos movimentos escapulares na posição de decúbito.
RESULTADOS: Foram encontrados 181 estudos diferentes e, após a verificação dos critérios estabelecidos, selecionaram-se 29 para análise, os quais foram agrupados em 4 categorias distintas: medidas bidimensionais estáticas, bidimensionais dinâmicas, tridimensionais estáticas e tridimensionais dinâmicas. Apesar da diversidade de métodos empregados na avaliação dos movimentos escapulares, ainda não existe um que tenha aplicabilidade clínica e seja capaz de fornecer medidas relacionadas à real cinemática escapular. Outro problema encontrado foi a ausência de padronização na nomenclatura utilizada para descrever os movimentos, planos e eixos. Além disso, os métodos tridimensionais dinâmicos com aplicabilidade em estudos científicos ainda apresentam importantes limitações, como elevado custo, treinamento de pessoal e erros de medidas que podem ser significativos na determinação de alterações da cinemática escapular.
CONCLUSÃO: é essencial a padronização da nomenclatura dos movimentos e dos planos e eixos em que eles ocorrem e o desenvolvimento de métodos de análises funcionais completas com aplicabilidade clínica, confiáveis e válidos.

Palavras-chave: técnicas de diagnóstico e procedimentos, biomecânica, cinemática, membros superiores, ombro, escápula

9 - O "teste de destreza manual Minnesota adaptado" utilizado como avaliação do potencial de uso de membros superiores de pacientes hemiplégicos

The "Adapted Minnesota Manual Dexterity Test" as an assessment tool for the hemiplegic patients' upper extremity function

Maria Inês Paes Lourenção; Gracinda Rodrigues Tsukimoto; Linamara Rizzo Battistela

Acta Fisiátr.2007;14(1):56-61

O estudo mostra a adaptação do teste de destreza manual Minnesota, no seu subteste "de colocação", como um modo de avaliação da função do membro superior hemiplégico, desde os que apresentam movimentos totais com déficit na destreza, até os que apresentam movimento parcial ativo ou nenhuma capacidade de preensão. O quanto, de fato o membro superior hemiplégico pode ser utilizado pelo paciente durante a realização de atividades, é muitas vezes, difícil de se mensurar. Acreditamos que o uso deste teste seja uma forma de se medir essa possibilidade e também de se medir a modificação dessa condição durante o decorrer do tempo, permitindo que façamos comparações de medições e evoluções de função do membro superior. Estas medições são úteis como estímulo de constatação da melhora da função do membro superior pelo próprio paciente e também poderão ser úteis em abordagens científicas quando queremos quantificar a performance de um paciente durante um tratamento.

Palavras-chave: hemiplegia, reabilitação, membros superiores, função manual, destreza manual.

RELATO DE CASO

10 - Terapia de restrição para uma criança com paralisia cerebral com hemiparesia: estudo de caso

Constraint-induced movement therapy for a child with hemiplegic cerebral palsy: case report

Rodrigo Deamo Assis; Ayrton Roberto Massaro; Therezinha Rosane Chamlian; Milene Ferreira Silva; Sonia Mayumi Ota

Acta Fisiátr.2007;14(1):62-65

A Terapia de Restrição (TR) é uma técnica que tem sido aplicada com grande sucesso para reabilitação de membro superior de pacientes acometidos por um acidente vascular cerebral. O objetivo deste estudo foi relatar os efeitos terapêuticos da TR em uma criança de 11 anos de idade com o diagnóstico de paralisia cerebral hemiparesia espástica com diminuição da função no membro superior direito. A paciente foi submetida ao protocolo modificado de 2 semanas da TR, que consistia em sessões de 3 horas da prática das tarefas adaptadas, associado à prática domiciliar. Houve teve melhora nos valores dos testes de membro superior "Wolf Motor Function Test", "Action Research Arm Test" e "Motor Activity Log" imediatamente após o tratamento. Os resultados sugerem que a TR pode ser de grande ajuda no tratamento da função do membro superior na criança hemiparética. Os efeitos da duração e da intensidade da TR precisam ser melhor conhecidos.

Palavras-chave: paralisia cerebral, reabilitação, hemiplegia, criança.

Número atual: Junho 2007 - Volume 14  - Número 2

ARTIGO ORIGINAL

1 - Correlação do perfil de deambulação e velocidade da marcha em um grupo de pacientes hemiplégicos atendidos em um centro de reabilitação

Correlation between the ambulation profile and gait velocity in a group of hemiplegic patients treated at a rehabilitation center

Ana Cristina Franzoi; Nelson Shigueru Kagohara

Acta Fisiátr.2007;14(2):78-81

INTRODUÇÃO: a marcha de pacientes com hemiplegia é caracterizada por diminuição da velocidade e assimetria, trazendo limitações às atividades e restrições da participação social deste indivíduo. O objetivo deste estudo foi descrever o perfil funcional da deambulação deste grupo de pacientes, correlacionando-o à velocidade da marcha.
MÉTODOS: Foram avaliados 87 pacientes utilizando a Classificação Funcional da Marcha Modificada (CFMM), velocidade da marcha em 10 metros sendo identificada a necessidade de auxílio de terceiros e o uso de transporte público.
ANÁLISE ESTATÍSTICA: descritiva, comparação entre grupos e testes de correlações (p< 0,05). Resultados: 49 homens, idade média 54 anos, tempo médio de lesão 33 meses. Três pacientes realizavam marcha terapêutica, 10 marcha domiciliar, 29 comunitária restrita, 43 comunitária e 2 marcha normal.
EM RELAÇÃO A ASSISTÊNCIA À MARCHA: 38 pacientes necessitavam de auxílio de terceiros ou supervisão, 45 utilizavam transporte público, 59 não utilizavam apoio. A velocidade de marcha foi diferente entre os grupos divididos pelos tipos funcionais de marcha, necessidade de auxílio de terceiros e uso de transporte público, se correlacionando com idade, CFMM, assistência de terceiros e uso de transporte público.
CONCLUSÃO: 85% da amostra realizavam marcha comunitária, mas somente 55% o faziam de maneira independente. Houve correlação entre a velocidade e as categorias funcionais de marcha estudadas, sendo estabelecidos limiares de velocidades de marcha para os diferentes grupos.

Palavras-chave: hemiplegia, marcha, atividades cotidianas, centro de reabilitação

2 - Efeitos da estimulação elétrica funcional (FES) sobre o padrão de marcha de um paciente hemiparético

Effect of Functional Electrical Stimulation (FES) about the gait standard of a hemiparetic patient

Rodrigo Costa Schuster; Cíntia Ribeiro de Sant; Vania Dalbosco

Acta Fisiátr.2007;14(2):82-86

A doença vascular cerebral resulta da restrição da irrigação sangüínea ao cérebro, gerando lesões celulares e disfunções neurológicas, sejam referentes às funções motora, sensorial e cognitiva da percepção ou da linguagem. A disfunção motora é um dos problemas freqüentemente encontrado no acidente vascular cerebral, que refletirá em uma marcha cujos parâmetros mensuráveis, tais como, velocidade, cadência, simetrias, tempo e comprimento de passo e passada, serão deficitárias. Essas alterações não são apenas devido à fraqueza muscular, mas também a anormalidades complexas no controle motor. Este estudo propôs-se a verificar os efeitos da estimulação elétrica funcional (FES), quantificando força e tônus muscular, amplitude de movimento, parâmetros espaços-temporais da marcha e a pressão plantar antes e após intervenção, em um paciente hemiparético, utilizando a corrente do tipo FES no músculo tibial anterior por 30 min, com largura de pulso de 250 µs, freqüência de 50 Hz, Ton 06s e Toff 12s, num período de 45 dias, três vezes por semana, totalizando 20 sessões. A eletroestimulação foi considerada segura e efetiva no tratamento da atrofia de desuso, além de útil na manutenção da amplitude de movimento, na reeducação muscular evidenciada pela melhora dos parâmetros de marcha e da força muscular.

Palavras-chave: acidente cerebrovascular, estimulação elétrica, hemiparesia, marcha, fisioterapia

3 - Independência funcional em pessoas com lesões encefálicas adquiridas sob reabilitação ambulatorial

Functional independence in individuals with acquired brain injuries submitted to rehabilitation on an outpatient basis

Marcelo Riberto; Margarida Harumi Miyazaki; Sueli Satie Hamada Jucá; Claudete Lourenço; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2007;14(2):87-94

A lesão encefálica adquirida (LEA) pode provocar numa gama variada de deficiências e, questiona-se o resultado da reabilitação ambulatorial quando efetuada num longo período após sua instalação. O objetivo deste estudo foi avaliar os ganhos obtidos pelos pacientes com LEA sob reabilitação ambulatorial. Foram revisados os relatórios de alta de 118 pacientes atendidos na Divisão de Medicina de Reabilitação entre 1999 e 2001, nos quais a funcionalidade é sistematicamente registrada segundo a Medida de Independência Funcional (MIF), no momento da avaliação inicial, retornos médicos e alta. Foram comparados os valores médios de cada um dos itens da MIF no início e final do tratamento. O tempo mediano desde a instalação da lesão foi de 9 meses. Houve aumento da proporção de indivíduos independentes em todas os itens da MIF ao final do tratamento, bem como aumento significativo dos seus valores médios. Os resultados apresentados diferem daqueles observados em outros países nos quais a reabilitação ocorre na fase mais aguda. Isso pode decorrer de abordagens efetuadas antes da chegada do paciente ao centro de reabilitação cujo foco é maior em aspectos da deficiência física, sem levar em conta a importância da independência funcional. Os dados apresentados permitem concluir que, em nosso meio, os pacientes com LEA podem obter ganhos funcionais com a reabilitação, mesmo que ela seja iniciada tardiamente.

Palavras-chave: independência funcional, centros de reabilitação, acidente cerebrovascular, hemiplegia, cuidados ambulatoriais, prognóstico

4 - Medidas clínicas da coxa e da perna por meio de reparos anatômicos e correlação com o comprimento radiográfico em crianças entre 7 a 12 anos da cidade de Londrina/Paraná, Brasil

Clinical assessment of the thigh and leg with the use of anatomic repairs and correlation with the radiographic evaluation in children between 7 and 12 years of age in the city of Londrina, state of Parana, Brazil

Adriana Prueter Pazin, Ellen Mara Canesin Dal Molin, Paulo José Santana, Eden Dal Molin, Danilo Canesin Dal Molin, Roberto Guarniero

Acta Fisiátr.2007;14(2):95-99

INTRODUÇÃO: Assimetrias de comprimento dos MMII são comuns na população, porém apenas quando maiores que 1,5 cm deixam de ser um problema estético e podem levar a alterações funcionais.
OBJETIVO: Estabelecer uma correlação entre as medidas clínicas e radiográficas da coxa e da perna em crianças entre 7-12 anos, sendo esta obtida através da escanometria.
MATERIAL E MÉTODO: Avaliação prospectiva do comprimento da coxa e perna de 300 crianças entre 7-12 anos, de ambos os sexos, através da medida clínica com fita milimetrada e radiográfica pela escanometria. A correlação entre as medidas foi feita através da regressão linear simples.
RESULTADO E DISCUSSÃO: Através da análise estatística verificou-se que há diferença estatisticamente significativa entre as medidas clínicas e radiográficas de coxa e perna (p<0,05). Por este motivo foi feita a regressão linear simples entre os valores encontrados e verificou-se a existência de correlação entre elas e definiu-se uma equação de correlação. Com base nesta equação é possível que a medida radiográfica seja pressuposta a partir da medida clínica.
CONCLUSÃO: As medidas clínicas e radiográficas são estatisticamente diferentes, porém existe uma correlação entre elas, permitindo que seja estabelecida uma fórmula que possibilita a predição das medidas radiográficas a partir dos valores obtidos clinicamente.

Palavras-chave: extremidade inferior, medidas, criança

5 - Retorno ao trabalho em amputados dos membros inferiores

Return to work in lower limb amputees

Priscila Guarino; Therezinha Rosane Chamlian; Danilo Masiero

Acta Fisiátr.2007;14(2):100-103

INTRODUÇÃO: A reabilitação de um paciente amputado de membros inferiores tem como metas a aquisição de independência funcional para atividades da vida diária e locomoção e promoção de inclusão social integral. O retorno ao trabalho deve ser incentivado, pois proporciona bem estar, melhora da auto-estima e do convívio social, além de dar mais um sentido a vida.
OBJETIVO: Verificar a situação atual de trabalho e o uso de próteses de membros inferiores em amputados atendidos no Lar Escola São Francisco - Centro de Reabilitação - UNIFESP, São Paulo.
MATERIAL E MÉTODOS: Estudo retrospectivo dos pacientes atendidos de 1999 a 2005, com amputação de membros inferiores, com idade acima de 18 anos, que estivessem trabalhando ou estudando na época da amputação. A amostra foi composta por 78 amputados, 61 homens e 17 mulheres, com média de idade de 46,3 anos. Cinqüenta por cento eram transfemurais e 34,6% transtibiais. A vasculopatia foi a mais prevalente das causas de amputação (62,8%). Cinquenta e um pacientes (65,4%) tinham grau de instrução fundamental. Realizada entrevista, por telefone, no período de dezembro de 2006 e janeiro de 2007.
RESULTADOS: Sessenta e quatro por cento dos pacientes estavam em uso de prótese de membro inferior no momento da entrevista. A taxa de retorno ao trabalho foi de 10,2%, sendo todos para a mesma ocupação pré-amputação.
CONCLUSÃO: Baixa taxa de retorno ao trabalho de amputados de membros inferiores reabilitados com próteses. Alguns fatores, tais como, idade avançada na época da amputação e baixo nível de instrução podem ser responsáveis por estes resultados. Outros estudos precisam ser realizados para melhor análise desta situação.

Palavras-chave: amputação, membros inferiores, trabalho

ARTIGO DE REVISÃO

6 - Teste de força de preensão utilizando o dinamômetro Jamar

Test of grip strength using the Jamar dynamometer

Iêda Maria Figueiredo; Rosana Ferreira Sampaio; Marisa Cota Mancini; Fabiana Caetano Martins Silva; Mariana Angélica Peixoto Souza

Acta Fisiátr.2007;14(2):104-110

A mensuração da preensão é um importante componente da reabilitação da mão. Os testes de força de preensão são comumente usados para avaliar pacientes com desordens da extremidade superior, antes e após procedimentos terapêuticos. São testes simples de administrar e quando adequadamente realizados, podem fornecer informações objetivas que contribuem para análise da função da mão. Protocolo de teste deve ser desenvolvido e cuidadosamente seguido. Um dos instrumentos reconhecidos na literatura é o dinamômetro Jamar, que tem mostrado bons índices de validade e confiabilidade. Tem sido aceito como um instrumento padrão para mensuração da força de preensão e é muito utilizado na clínica por terapeutas ocupacionais e fisioterapeutas. Este artigo faz uma revisão sobre alguns aspectos envolvidos na mensuração da força de preensão utilizando o dinamômetro Jamar, tais como, confiabilidade e precisão do instrumento, protocolo sugerido para seu uso, principais aspectos que podem influenciar os resultados, o uso de dados normativos e os fatores que influenciam a força de preensão, incluindo sexo, idade, peso e altura do indivíduo. Recomendações são feitas em relação a estes aspectos para capacitar os clínicos a conduzir adequadamente avaliações de força de preensão.

Palavras-chave: avaliação, membro superior, força da mão, dinamômetro de força muscular

RELATO DE CASO

7 - Proposta de exercícios resistidos para pessoas com esclerose múltipla: um estudo de caso

Proposal of resistance exercise for people with multiple sclerosis: a case study

Otávio Luis Piva da Cunha Furtado; Maria da Consolação Gomes Cunha Fernandes Tavares

Acta Fisiátr.2007;14(2):111-116

A prática de exercícios resistidos é uma das formas mais comuns de exercitar-se na sociedade contemporânea. Nesse estudo, buscamos sistematizar, propor e aplicar um programa de exercícios resistidos adaptados para um grupo de pessoas com esclerose múltipla (EM). Foram convidadas 80 pessoas com a doença e cadastradas em uma entidade de pessoas com EM da cidade de Campinas e Região. Deficiência e incapacidade neurológica foram determinadas pela Expanded Disability Status Scale (EDSS). Para avaliar a capacidade funcional utilizou-se a Medida de Independência Funcional (MIF), a caminhada cronometrada de 7,62 metros, o Timed "Up and Go" test, Box and Block test, e o teste de alcance funcional. O programa com exercícios resistidos teve duração de 10 semanas consecutivas, com duas sessões semanais. Nove sujeitos apresentaram-se para o estudo, sendo seus resultados divididos em grupo 1 (4 pessoas sedentárias) e grupo 2 (5 pessoas que participavam ou haviam participado regularmente de outros programas com exercícios físicos). Um sujeito do grupo 1 completou o programa com alta taxa de adesão, tendo sua avaliação não apontado alteração nos valores do EDSS e do MIF. Observou-se redução no tempo para execução da caminhada cronometrada de 7,62 metros (-21%) e no Timed "Up and Go" test (-12,8%). Houve melhora na execução do teste Box and Block: membro direito (2,1%) e membro esquerdo (6,7%) e piora no teste de alcance funcional (-7,5%). Os resultados desse estudo estão de acordo com os dados publicados na literatura, destacando a adequação e segurança de um programa com exercícios resistidos para melhora de aspectos funcionais de pessoas com esclerose múltipla.

Palavras-chave: esclerose múltipla, exercício resistido, exercício físico

Número atual: Setembro 2007 - Volume 14  - Número 3

ARTIGO ORIGINAL

1 - Acompanhamento da locomoção de pacientes com mielomeningocele da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) em São Paulo - SP, Brasil

Ambulation follow-up in patients with myelomeningocele treated at the Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) in São Paulo, Brazil

Fernanda Moraes Rocco; Elizabete Tsubomi Saito; Antonio Carlos Fernandes

Acta Fisiátr.2007;14(3):126-129

INTRODUÇÃO: a Mielomeningocele (MMC) é um tipo de malformação congênita da coluna vertebral e medula espinhal, caracterizada por paraplegia flácida e alteração sensitiva abaixo do nível da lesão, acompanhada de comprometimento neurológico, urológico e ortopédico. Os pacientes podem ser classificados funcionalmente como torácicos (T), lombares altos (LA), lombares baixos (LB) e sacrais (S) ou assimétricos.
OBJETIVO: traçar o perfil dos pacientes atendidos na clínica de MMC da AACD - SP considerando variáveis relacionadas ao padrão de marcha.
MÉTODO: revisão dos prontuários de pacientes atendidos em avaliação inicial durante o ano de 2000, com idade inferior a um ano, e suas evoluções até última consulta na clínica no ano de 2004.
RESULTADO: no total passaram 230 pacientes em avaliação inicial na clínica de MMC da AACD - SP no ano de 2000. Destes, 64 (27%) apresentavam menos de 1 ano de idade na primeira consulta. Destes, 11% não retornaram em consulta médica na clínica após a avaliação inicial, e dois pacientes sabidamente evoluíram para óbito. A média de idade no último retorno na clínica foi de 3,5 anos. Ao analisarmos o nível neurológico no retorno encontramos 43% nível Torácico, 20% nível Lombar alto, 28% nível Lombar baixo, 2% nível Sacral e 6% Assimétrico. Ao analisarmos o padrão de marcha observamos que 57% são não deambuladores, 7% são deambuladores não funcionais, 25% são deambuladores domiciliares e 11% são deambuladores comunitários. Entre todos os pacientes deambuladores a idade de início da marcha foi em média 3 anos. Sabese que pacientes com níveis neurológicos mais baixos tendem a manter a marcha por mais tempo. Como esses pacientes tendem a se tornar menos ativos e perder a marcha com o passar dos anos (devidosobretudo à obesidade e deformidades ortopédicas), é fundamental estudar a idade de aquisição da marcha. Ao analisarmos a presença de deformidades ortopédicas em coluna observamos que 57% não apresentam deformidades, 9% apresentam escoliose toracolombar, 32% apresentam cifose e 1% apresenta hiperlordose. Medula presa ocorreu em 36%.
CONCLUSÃO: os níveis funcionais mais altos estão associados à aquisição mais tardia da marcha, bem como mais deformidades ortopédicas e maior necessidade de meios auxiliares.

Palavras-chave: criança, mielomeningocele, marcha, reabilitação, centros de reabilitação

2 - Perfil dos pacientes com mielomeningocele da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) em São Paulo - SP, Brasil

Profile of the patients with myelomeningocele from the Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) in São Paulo - SP, Brazil

Fernanda Moraes Rocco; Elizabete Tsubomi Saito; Antonio Carlos Fernandes

Acta Fisiátr.2007;14(3):130-133

INTRODUÇÃO: Dentre os defeitos de fechamento do tubo neural a Mielomeningocele (MMC) é a mais freqüente (85%). A etiologia é desconhecida, mas com características genéticas e ambientais. O diagnóstico pode ser feito no período pré-natal através de ultra-sonografia morfológica. Recomenda-se o fechamento da bolsa nas primeiras horas de vida e derivação ventrículo peritoneal (DVP) precoce.
OBJETIVO: Traçar o perfil dos pacientes atendidos na Clínica de MMC da AACD - SP e pontuar as condições em que estes chegam à instituição objetivando verificar se ocorre o diagnóstico precoce e aprimorar as condutas do tratamento.
MÉTODO: Revisão em prontuários de pacientes atendidos em avaliação inicial na Clínica de MMC da AACD - SP durante o ano de 2000, com idade inferior a um ano. As informações foram obtidas dos prontuários através de um protocolo de pesquisa. Entre as informações colhidas tem-se: dados pessoais, nível neurológico na primeira consulta, diagnóstico pré-natal, idade de fechamento da bolsa, presença ou não de DVP.
RESULTADOS: No total passaram 230 pacientes em avaliação inicial no ano de 2000. Destes, 64 (27%) apresentavam menos de 1 ano de idade na primeira consulta. A média de idade na avaliação inicial para estes pacientes foi de 5 meses. Destes, 44% eram do sexo feminino e 56% do sexo masculino. Em 37% dos pacientes o diagnóstico não foi feito no período pré-natal. Ao analisarmos a idade de fechamento da bolsa temos que em 51% dos pacientes isto ocorreu nas primeiras 24 horas de vida. Somente 17% dos pacientes não tinham sido submetidos à DVP até o momento da avaliação inicial. Ao analisarmos o nível neurológico na avaliação inicial observamos que 35% são do nível Torácico, 29% do nível Lombar Alto, 24% do nível Lombar Baixo, 11% do nível Assimétrico e nenhum paciente de nível sacral.
CONCLUSÃO: Por ser a AACD - SP centro de referência no tratamento de MMC pode ser explicado o fato de recebermos maior número de crianças com níveis funcionais mais altos. É importante tentar estimular tanto a prevenção como o diagnóstico e tratamento precoce desta patologia visando diminuir o impacto que esta causa na sociedade. Foi achado esperado o não diagnóstico ou o diagnóstico tardio de MMC em nosso estudo, pois em nosso país ainda não é realizado de forma rotineira nos postos de saúde o ultra-som morfológico durante o acompanhamento pré-natal da gestante. A sobrevida dos pacientes com MMC tem aumentado devido ao fechamento precoce da bolsa e controle da hidrocefalia com DVP, associado posteriormente ao controle da bexiga neurogênica.

Palavras-chave: criança, mielomeningocele, hidrocefalia, reabilitação, centros de reabilitação

3 - Avaliação do comprometimento neurológico e da prevalência da síndrome do túnel do carpo em pacientes portadores de diabetes mellitus tipo 2

Evaluation of the neurological involvement and prevalence of the carpal tunnel syndrome in patients with type-2 diabetes mellitus

Lucia Helana Camargo Marciano; Vilnei Mattioli Leite; Pola Maria Poli de Araújo; José Antonio Garbino

Acta Fisiátr.2007;14(3):134-141

OBJETIVO: Determinar a freqüência da síndrome do túnel do carpo (STC) em pacientes diabéticos tipo 2, verificar se está associada com a neuropatia diabética (ND) e identificar formas de evidenciar ambas com o exame dos membros superiores.
MÉTODO: Os pacientes foram submetidos à anamnese, levantamento das queixas, avaliação da sensibilidade tátil e vibratória, estudo da condução nervosa sensitiva e motora (ECSM) e teste de Phalen (TPH). Considerou-se como critério diagnóstico de STC isolada: presença de alterações no ECSM, queixas de parestesias na área do nervo mediano e ausência de alterações sensitivas ou motoras na área do nervo ulnar e nas extremidades inferiores.
RESULTADOS: Entre os 94 pacientes estudados, 60 apresentaram parestesias. O ECSM detectou alteração em 88 pacientes e foi o que apresentou maior sensibilidade. No teste de discriminação de dois pontos estáticos (D2PE) observou-se alteração em 47 pacientes e, com os monofilamentos de Semmes-Weinstein, em 11. Com o bioestesiômetro, detectou-se alteração em 72 pacientes e, com o diapasão, em 4. A positividade do TPH ocorreu em 33 pacientes. Na correlação dos resultados observou-se que 92/94 pacientes apresentaram alteração nervosa, 11 no nervo mediano e 81 combinada nos nervos mediano e ulnar. Somente quatro apresentaram STC sem neuropatia subjacente.
CONCLUSÃO: Os instrumentos mais sensíveis foram o bioestesiômetro e o D2PE. O exame neurofisiológico demonstrou a presença de neuropatia subjacente à STC. Apresentaram critérios clínicos e neurofisiológico para STC 31,91% dos pacientes: 27,66% com sinais de neuropatia subjacente e 4,25% sem neuropatia diabética. Os critérios clínicos devem ser considerados com preponderância sobre os demais testes e o neurofisiológico para se caracterizar a síndrome do carpo no paciente diabético.

Palavras-chave: diabetes mellitus tipo 2, síndrome do túnel carpal, neuropatias diabéticas, condução nervosa

4 - Efeito do movimento passivo contínuo isocinético na hemiplegia espástica

Effect of isokinetic continuous passive mobilization in spastic hemiplegia

Vanessa Pelegrino Minutoli; Marta Delfino; Sérgio Takeshi Tatsukawa de Freitas; Mário Oliveira Lima; Charli Tortoza; Carlos Alberto dos Santos

Acta Fisiátr.2007;14(3):142-148

O Acidente Vascular Encefálico (AVE), afeta freqüentemente a função do Sistema Nervoso Central (SNC). O objetivo principal da reabilitação física é a restauração da função motora para executar as atividades de vida diária tais como, agarrar, alcançar e realizar movimentos complexos. As funções motoras são dependentes do controle da força muscular que se torna comprometida com os danos do Sistema Nervoso Central e se manifesta com incoordenação, hiperreflexia, espasticidade e fraqueza muscular unilateral. Existem vários métodos para quantificar a espasticidade. Atualmente o dinamômetro isocinético demonstra ser um equipamento mais eficaz, pois favorece a padronização da angulação, velocidade de estiramento e posicionamento, podendo minimizar a subjetividade da avaliação. Desde modo, o objetivo desse trabalho foi analisar o efeito da mobilização passiva continua em duas velocidades (120º/s e 180º/s) em pacientes hemiplégicos com hipertonia espástica. Cinco pacientes entre 40 - 55 anos de ambos os sexos com história de AVE apresentando espasticidade, foram submetidos a mobilização passiva contínua por um dinamômetro isocinético por 30 repetições, em velocidades de 120º/s e 180º/s. Todos apresentaram grau 2 de espasticidade dos músculos extensores do joelho e graus 0, 1 e 1+ dos músculos flexores pela escala modificada de Ashworth. Os resultados mostraram uma redução significativa da resistência passiva a partir da 6ª repetição em ambas as velocidades angulares. Concluiu-se que o movimento passivo continuo realizado no dinamômetro isocinético é uma maneira eficaz para medir e reduzir a espasticidade.

Palavras-chave: acidente cerebrovascular, hemiplegia, espasticidade muscular, reabilitação, dinamômetro de força muscular, atividade motora

5 - Efeito da estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) no tratamento de dor póscirúrgica após amputação de membro inferior: estudo piloto

Effect of transcutaneous electrical nerve stimulation (TENS) for the management of postoperative surgical pain after lower extremity amputation: a pilot study

Aleksandar Djurovic; Dejan Ilic, Zorica Brdareski; Aleksandra Plavsic; Slavisa Djurdjevic; Gordana Lukovic

Acta Fisiátr.2007;14(3):149-153

INTRODUÇÃO: A estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) é uma modalidade não-médica e não-invasiva. Há muita controvérsia e atitudes contrárias em relação ao lugar que a TENS ocupa no tratamento da dor após amputação de membro inferior.
OBJETIVO: Avaliar o papel da TENS no tratamento de dor cirúrgica pós-operatória após amputação de membro inferior.
MATERIAL E MÉTODOS: Teste controlado randomizado, conduzido com 46 indivíduos submetidos à amputação de membro inferior, que foram aleatoriamente divididos em grupo controle e grupo tratado. O grupo controle recebeu cuidados-padrão no pós-operatório; o grupo tratado recebeu cuidados-padrão e aplicação de TENS. Quarenta indivíduos completaram efetivamente o estudo de acordo com o protocolo de estudo. A maior parte das amputações consistiu de amputação transtibial devido a complicações da diabete. Foram utilizados cinco dispositivos portáteis Ultima TENS XL-A1 com eletrodos auto-adesivos. Esta é a aplicação convencional da TENS, caracterizada pela aplicação de impulsos elétricos com a duração de 200 microssegundos, freqüência de 110 Hz e amplitude de 44 V. O tratamento foi administrado durante 10 dias, 2 horas por dia. A avaliação da eficácia da TENS foi feita utilizando-se a escala visual analógica (EVA) horizontal (0-100 mm). O teste Effect of transcutaneous electrical nerve stimulation (TENS) for the management of postoperative surgical pain after lower extremity amputation: a pilot study Efeito da estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) no tratamento de dor póscirúrgica após amputação de membro inferior: estudo piloto Aleksandar Djurovic1, Dejan Ilic, Zorica Brdareski1, Aleksandra Plavsic1, Slavisa Djurdjevic, Gordana Lukovic ARTIGO ORIGINAL t de Student foi usado na análise estatística.
RESULTADOS: A intensidade da dor estava significantemente diminuída em ambos os grupos no 10º dia em comparação ao 1º dia de pós-operatório. Não houve diferenças significantes entre o grupo controle (EVA = 4,18±1,48) e o grupo tratado (EVA= 3,59±1,44), de acordo com a intensidade média diária da dor (t = 1,25; df =38). A intensidade da dor no 10º dia de pós-operatório foi significantemente menor no grupo tratado (EVA = 1,65± 0,80 ) versus o grupo controle (EVA = 3,2± 1,15; t = 5; df = 38; p< 0,01 ).
CONCLUSÃO: A TENS convencional (dose: 200 microssegundos, 110 Hz, 44 V), administrada 2 horas por dia, durante 10 dias, significantemente reduziu a dor cirúrgica pós-operatória em 20 indivíduos com amputação de membro inferior.

Palavras-chave: transcutaneous electric nerve stimulation, amputation, pain, postoperative

6 - Hemorragia periventricular, intraventricular e mecanismos associados à lesão em recém-nascidos pré-termos

Intraventricular, periventricular hemorrhage and mechanisms associated to the lesion in preterm newborns

Rodineia da Silva Marinho; Leyne de Andrade Cardoso; Geísa Fernandes Idalgo; Sueli Satie Hamada Jucá

Acta Fisiátr.2007;14(3):154-158

Este trabalho aborda em seu contexto, a incidência da hemorragia periventricular e intraventricular (HPIV) e mecanismos associados como leucomalácia periventricular (LPV) e hidrocefalia pós-hemorrágica (HPH) em recém-nascidos pré-termos. Os dados da pesquisa foram obtidos no Centro de Reabilitação Umarizal, no período de janeiro de 2004 a julho de 2005 e comparados com a bibliografia de vários autores que descreveram esta incidência. Cada paciente foi analisado, sendo correlacionadas as seguintes variáveis: idade quando realizada a triagem, diagnóstico, idade gestacional, peso ao nascimento, etiologia e sexo. Após o estudo, os resultados foram significativos em algumas variáveis: por ocasião da triagem 46% (13) com idade entre 1 e 2 anos; diagnóstico- HPIV 14% (4); LPV- 46% (13); idade gestacional de 24 a 26 semanas 32% (9); peso ao nascimento entre 2000 a 3000g 36% (10); etiologia 30% (8) com sépse; 75% (21) dos prontuários analisados eram de crianças do sexo masculino. Considerando os dados coletados, é imprescindível que haja a atuação multidisciplinar através de ações preventivas proporcionando uma maior sobrevida ao recém-nascido considerado de risco ou portador de deficiência, com a estimulação adequada prevenindo ou impedindo danos mais graves, possibilitando a criança desenvolver o máximo do seu potencial.

Palavras-chave: hemorragia cerebral, leucomalácia periventricular, hidrocefalia, recém-nascido

7 - Treino de marcha com suporte parcial de peso em esteira ergométrica e estimulação elétrica funcional em hemiparéticos

Bodyweight supported treadmill training associated with functional electrical stimulation in hemiparetic patients

Fernanda Beinotti; Carla Prazeres Fonseca; Maria do Carmo Silva; Maria Izabel Fernandes de Arruda Serra Gaspar; Enio Walker Azevado Cacho; Telma Dagmar Oberg

Acta Fisiátr.2007;14(3):159-163

INTRODUÇÃO: A perda da habilidade locomotora em indivíduos com Acidente Vascular Encefálico (AVE) tem sido atribuída a hemiparesia, a mais comum causa de comprometimento pós AVE. Novas abordagens, como o treino de marcha utilizando o Suporte Parcial de Peso (SPP) em uma esteira ergométrica associada com a Estimulação Elétrica Funcional (FES) tem sido sugerido como um método de reabilitação da marcha em pacientes hemiparéticos. O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência do treinamento de marcha com SPP em esteira ergométrica associado ao FES em pacientes hemiparéticos.
MÉTODOS: Foram selecionados aleatoriamente 14 sujeitos com hemiparesia decorrente de acidente vascular cerebral. A escala de Desempenho Físico de Fugl-Meyer, a escala de Equilíbrio de Berg, a escala de Categorias de Deambulação Funcional e uma avaliação da cadência foi utilizada como instrumento de medida. Foram realizadas quatro avaliações com os sujeitos da pesquisa, a primeira (controle) realizada antes e a segunda (pré-tratamento) depois do tratamento fisioterápico tradicional, a terceira (pós-tratamento) após o treinamento de marcha com SPP em esteira ergométrica associado ao FES (20 sessões), e há quarta (retenção), trinta dias após o término do tratamento.
RESULTADOS: O treinamento proposto apresentou melhora significativa (p-valor >0,05) na velocidade da marcha, na cadencia, no equilíbrio e no nível de comprometimento motor, mantendo os resultados após 30 dias.
CONCLUSÃO: O treinamento de marcha com SSP em esteira ergométrica associado ao FES é eficaz na reabilitação da marcha em hemiparéticos.

Palavras-chave: acidente cerebrovascular, estimulação elétrica, marcha, teste de esforço

8 - Variação da independência funcional em idosos hospitalizados relacionada a variáveis sociais e de saúde

Variation in functional independence in hospitalized elderly related to social and health variables

Kozue Kawasaki; Maria José D'Elboux Diogo

Acta Fisiátr.2007;14(3):164-169

O processo de envelhecimento, as doenças crônicas não transmissíveis e as hospitalizações podem causar declínio funcional em idosos. Alguns fatores podem potencializar esse comprometimento funcional como gênero, número de internações, presença de acompanhante e medicações em uso.
OBJETIVO: Identificar a variação da capacidade funcional em idosos no decorrer da hospitalização e relacionar a diferença com variáveis sociais e de saúde.
MÉTODO: Estudo realizado no hospital universitário do município de Campinas, SP, com 28 idosos de ambos os sexos, internados para tratamento clínico, com idade média de 68 anos. Foi aplicado o instrumento de Medida da Independência Funcional (MIF) na internação, durante a hospitalização, na alta e um mês após retorno ao domicílio. Foi calculada a variação dos valores da MIF dos momentos de avaliação, expressados por meio de deltas, e a correlação com as variáveis: gênero, internação anterior, presença de acompanhante e medicações.
RESULTADOS: Houve diferença significativa nos deltas relacionados ao período de alta hospitalar e retorno no domicílio (p=0,0010), e ao período da admissão a alta hospitalar (p<0,0001), na MIF total e nos seus domínios, demonstrando declínio funcional durante o período de hospitalização e recuperação funcional após retorno ao domicílio.O gênero, internações anteriores e presença de acompanhante não influenciaram significativamente a capacidade funcional dos idosos hospitalizados, contudo o aumento do número de medicações prescritas entre a admissão e a alta apresentou uma correlação moderada (r=0,5059) e muito significativa (p=0,0071) com o declínio funcional nesse período.
CONCLUSÃO: Observou-se um declínio funcional nos idosos hospitalizados, sendo mais significativa nos idosos que tiveram aumento no número de medicações prescritas durante a hospitalização.

Palavras-chave: avaliação da deficiência, hospitalização, idoso, qualidade de vida, atividades cotidianas

9 - Elaboração, aplicação e avaliação de um programa de ensino de adaptação ao meio aquático para idosos

Design, application and assessment of an educational pool-therapy adaptation program for the elderly

Juliana Monteiro Candeloro; Fátima Aparecida Caromano

Acta Fisiátr.2007;14(3):170-175

Este artigo apresenta um programa de ensino, elaborado especificamente para este estudo, com quatro sessões, visando o aprendizado de habilidades que garantam independência motora (adaptação ao meio aquático) durante a imersão para pessoas idosas. A adaptação ao meio aquático é pré-requisito para o desenvolvimento da intervenção hidroterapêutica, devido ao receio apresentado por estas pessoas para a realização de atividades em meio aquático, comum nesta população, quando iniciam atividades de hidroterapia. Foram sujeitos deste estudo 18 mulheres, com idade entre 65 e 70 anos. Avaliou-se o desempenho na realização de dez atividades motoras treinadas com base em um roteiro previamente elaborado e pesquisou-se também a pressão arterial e a freqüência cardíaca, como indicadores do estresse provocado pela realização de atividades na água. A avaliação foi realizada pelo pesquisador e por um observador independente, e foi atribuído as notas 1, 2, e 3 para cada atividade motora. Encontrou-se que, o grupo apresentou 89,7% do aproveitamento esperado, na realização das atividades motoras propostas ao final do programa, associado com diminuição da pressão arterial da primeira para a quarta sessão. Concluiu-se que o programa de ensino de adaptação ao meio aquático proposto foi suficiente para produzir alterações nas repostas motoras dos participantes que apresentaram independência no meio aquático e, para estabilizar os níveis de pressão arterial e freqüência cardíaca.

Palavras-chave: hidroterapia, envelhecimento, educação especial, educação em saúde

ARTIGO DE REVISÃO

10 - Avaliação da função muscular em doença arterial obstrutiva periférica: a utilização da dinamometria isocinética

Assessment of muscular function in peripheral arterial obstructive disease with the use of isokinetic dynamometry

Lucas Caseri Câmara; José Maria Santarém; Nelson Wolosker; Julia Maria D'Andréa Greve; Wilson Jacob Filho

Acta Fisiátr.2007;14(3):176-180

Indivíduos com doença arterial obstrutiva periférica apresentam perda funcional, principalmente em membros inferiores, gerando prejuízo da capacidade de caminhada. Os testes de caminhada são rotineiramente utilizados para avaliação e seguimento desses pacientes. Em pacientes idosos, com comorbidades e limitações associadas à claudicação intermitente, torna-se difícil a avaliação pela caminhada, principalmente nos casos de doença bilateral com acometimento desigual, onde o membro mais afetado limita a avaliação do menos afetado. A avaliação muscular isocinética é uma metodologia alternativa aos testes de caminhada para avaliar de forma individualizada as perdas funcionais geradas pela doença nos diferentes grupamentos musculares em territórios isquêmicos.

Palavras-chave: doenças vasculares periféricas, fadiga muscular, força muscular

Número atual: Dezembro 2007 - Volume 14  - Número 4

ARTIGO ORIGINAL

1 - Classificação neurofisiológica da Síndrome do Túnel do Carpo

Neurophysiological classification of the Carpal Tunnel Syndrome

Fabrício Nunes Carvalho; Armando Pereira Carneiro; Régis Resende Paulinelli; Tanise Nunes Carvalho

Acta Fisiátr.2007;14(4):190-195

O objetivo deste trabalho foi avaliar a correlação clínica da escala neurofisiológica da Síndrome do Túnel do Carpo (STC). As mãos foram classificadas em 6 graus: mínimo/grau 1 (teste comparativo/segmento curto alterado, conduções sensitiva e motora normais), leve/grau 2 (condução sensitiva alterada, condução motora normal), moderada/grau 3 (conduções sensitiva e motora alteradas, amplitude sensitiva normal), moderada/grau 4 (conduções sensitiva e motora alteradas, amplitude sensitiva baixa), grave/grau 5 (condução sensitiva ausente, condução motora alterada) e extremo/grau 6 (conduções sensitiva e motora ausentes). Foi realizado um estudo prospectivo em 400 mãos com STC. Foram classificadas 56 mãos (14,0%) como grau 1, 109 mãos (27,3%) como grau 2, 129 mãos (32,3%) como grau 3, 78 mãos (19,5%) como grau 4, 22 mãos (5,5%) como grau 5 e 6 mãos (1,5%) como grau 6. Houve uma correlação positiva significativa (p<0,01) da escala neurofisiológica da STC com a idade dos pacientes, o tempo de duração da STC, a freqüência de relato de história clássica de STC e a freqüência dos sintomas dor noturna, parestesia e dormência. Também houve uma correlação positiva significativa entre a freqüência do sinal de Tinel, hipoestesia no 2° dedo, fraqueza e hipotrofia dos músculos tenares com a escala neurofisiológica da STC.

Palavras-chave: mão, síndrome do túnel carpal, eletromiografia

2 - Efeito de um programa de reabilitação multidisciplinar para homens portadores de fibromialgia: estudo aleatorizado controlado

Effects of a multidisciplinary rehabilitation program for men with fibromyalgia: controlled randomized study

Liliana Lourenço Jorge; Luis Carlos Onoda Tomikawa; Sueli S H Jucá

Acta Fisiátr.2007;14(4):196-203

INTRODUÇÃO: A fibromialgia (FM) é uma condição caracterizada por dor crônica generalizada, acompanhada de distúrbios do sono, fadiga e uma miríade de outros sintomas, com prevalência de 10% de homens. As diferenças de percepção de dor entre sexos e de apresentação da fibromialgia têm sido estudadas, suspeitando-se de influências genéticas, diferenças hormonais, metabólicas, cognitivo- comportamentais, emocionais. Fibromiálgicos possuem queixas menos objetivas, menos de distúrbio de sono, fadiga e dor generalizada. Há poucas evidências sobre características, prognóstico, método terapêutico e evolução da doença entre homens. Objetivos: Avaliar a eficácia de um programa multidisciplinar de reabilitação para pacientes do sexo masculino, em idade produtiva, portadores de fibromialgia e estudar as características desta doença em homens.
MÉTODO: Vinte e cinco homens com diagnóstico de fibromialgia foram convidados. Dez foram utilizados e alocados aleatoriamente em um dos dois grupos definidos para o presente estudo. O grupo tratamento consistiu em orientação ambulatorial e um programa de reabilitação com duração de 2 meses, realizado por meio de aulas e terapias por: médico fisiatra, assistente social, psicóloga, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, enfermeira, nutricionista e educador físico. O grupo controle realizou tratamento padrão focado na orientação ambulatorial e para realização de atividades físicas na comunidade. A ambos os grupos foi realizado prescrição de medicamentos preconizados para fibromialgia. As medidas de avaliação foram: Escala Visual Analógica de Dor, SF 36, FIQ. Além disso, um protocolo padronizado foi preenchido por autor cegado, verificando presença de distúrbios depressivos de memória e de sono e situação profissional. As coletas de dados foram realizadas em 3 momentos: antes da intervenção, após e 4 meses depois da anterior. Foi realizada a análise estatística com testes não paramétricos e descritivos.
RESULTADOS: O grupo Tratamento apresentou melhora da EVA após a intervenção, mas que não se manteve no seguimento posterior. Houve diferença estatisticamente significante no domínio Dor da FIQ, domínios Dor, Saúde Mental e Vitalidade da SF 36, com melhora no grupo Tratamento à avaliação após. Não houve manutenção do benefício à avaliação final, 6 meses após a intervenção. As médias de idade foram 50,6 (Controle) e 44,2 (Tratamento), apresentaram alta taxa de afastamento no trabalho, depressão e distúrbio de sono, com valores constantes nas 3 avaliações. O número de pontos dolorosos não variou nos 3 momentos de avaliação.
CONCLUSÕES: O programa de reabilitação tende a beneficiar homens portadores de fibromialgia a curto prazo, sendo que os efeitos sejam perdidos 6 meses após a intervenção. Tais achados são compatíveis com a literatura. São necessários novos estudos para verificar a efetividade do programa, avaliada por um seguimento mais prolongado e com amostragem adequada. A fibromialgia masculina e suas características específicas devem ser exploradas de modo aprofundado em outras pesquisas, especialmente verificando particularidades de apresentação clínica, comportamento evolutivo e aspectos sociais do paciente portador, já que tais elementos são fundamentais para a definição do programa ideal para homens. Recomendam-se estudos comparativos sobre reabilitação de homens e mulheres.

Palavras-chave: fibromialgia, dor, reabilitação, homens, qualidade de vida, equipe de assistência ao paciente

3 - Desenvolvimento de um protocolo para avaliação de pacientes com úlceras de pressão através da telemedicina e imagens digitais

Development of a protocol for the assessment of patients with pressure ulcers through telemedicine and digital images

Tamara Rodrigues Pato; Cristianne Akie Kavamoto; Marcelo Riberto; Andréa Thomaz; Verônica Magalhães Raimundo; Kátia Lina Myahara; Elizabete Tsubomi Saito; Patricia Canteruccio Pontes Vianna; Marcelo Alves Mourão; Ana Cristina Ferreira Garcia; Anita Weigand Castro; Daniel Rubio Souza; Maurício Pedreira Paixão; Chao Lung Wen; Linamara Rizzo Batistella

Acta Fisiátr.2007;14(4):204-209

INTRODUÇÃO: As úlceras de pressão são complicações freqüentes em pacientes com lesão medular. Estas precisam de um diagnóstico precoce e um acompanhamento rigoroso para que não evoluam para um quadro mais grave e para não retardar o processo de reabilitação. Infelizmente, não é sempre que o paciente consegue acesso a um centro especializado no tratamento de feridas e, por isso, a telemedicina pode ser útil nesses casos.
OBJETIVO: Avaliar a eficácia de um protocolo de avaliação de úlceras de pressão através de fotografias digitais.
MÉTODOS: Selecionamos 15 pacientes, totalizando 33 úlceras. Os pacientes foram avaliados por 2 médicos fisiatras presenciais, separadamente, que no momento do exame, preencheram a primeira parte do protocolo (dados clínicos do paciente) e tiraram as fotografias. Estas foram encaminhadas aos médicos fisiatras à distância, que avaliaram as feridas através das fotos e dos dados enviados pelo médico presencial. Comparamos as semelhanças e diferenças das avaliações entre os dois médicos presenciais, entre presencial e a distancia e entre os dois médicos à distância nos quesitos grau, necrose, infecção, fístula, secreção, aspecto da borda e do fundo e conduta. A Análise estatística se baseou nos cálculos de Kappa, intervalo de confiança e P valor.
RESULTADOS: Encontramos os maiores valores de Kappa quando comparamos as avaliações presenciais. Para necrose, grau e infecção, os kappas Avaliação Presencial (P) x Avaliação à distância (D) foram substantial e moderate. No item conduta, o Kappa variou de fraco a almost perfect. Nas avaliações das bordas, fundo, secreção e fístula foram encontradas divergências.
CONCLUSÃO: O protocolo é eficaz para avaliar necrose, grau e infecção das úlceras. Existe dificuldade no uso do método para avaliar o aspecto de borda, fundo, secreção e fístula. Houve maior satisfação com o método para úlceras de pressão grau I e II.

Palavras-chave: traumatismos da medula espinal, úlcera de pressão, diagnóstico por imagem, telemedicina

4 - Estudo da hidroterapia em pacientes com síndrome pós-laminectomia - uma opção terapêutica?

Hydrotherapy study in patients with "failed back surgery syndrome" - a therapeutic option?

Vítor Manuel Presa Varandas Moreira; Sónia Tizon; Tânia Pereira; Isabel Marques; Filipe José Ribeiro Antunes

Acta Fisiátr.2007;14(4):210-213

O presente estudo foi realizado para avaliar a eficácia da hidroterapia na "síndrome pós-laminectomia". Oito participantes foram designados para um grupo de exercícios aquáticos. A medicação analgésica foi descontinuada durante o estudo. Os parâmetros de avaliação incluíram o escore da Escala Visual Analógica (EVA) e a mobilidade da coluna vertebral. Os pacientes foram avaliados em condições basais e ao final do período de seguimento de seis semanas. Os resultados mostraram que a hidroterapia teve um impacto positivo nos resultados da dor lombar crônica pós-cirúrgica. Após seis semanas de hidroterapia, sem medicação analgésica, a mobilidade geral da coluna melhorou e a dor lombar diminuiu. Concluímos que exercícios na água podem ter um impacto positivo no resultado da síndrome da falência da cirurgia lombar, provavelmente sendo uma das poucas medidas bem sucedidas no tratamento desse tipo de paciente.

Palavras-chave: back pain, pain measurement, hydrotherapy, rehabilitation

5 - Análise da confiabilidade entre-examinadores de dois instrumentos que mensuram a amplitude de movimento de flexão da coluna lombar

Analysis of the interexaminer reliability of two clinical tests to measure the flexion range of motion of the lumbar spine

José Carlos Taveira de Souza Filho; Ana Carolina do Vale Abras; Maíra Teixeira Carvalho; Miliany Graziele Fonseca Souza; André Taveira de Souza, Leonardo Oliveira Pena Costa

Acta Fisiátr.2007;14(4):214-218

INTRODUÇÃO: A mensuração da amplitude de movimento de flexão da coluna lombar é uma prática clínica comum. Vários são os métodos para tais medidas, destacando-se entre elas duas ferramentas clínicas: o Inclinômetro Back Range of Motion II (BROM II) e a Régua Flexível.
MÉTODOS: O objetivo desse estudo foi analisar a confiabilidade entre-examinadores para as medidas de flexão da coluna lombar utilizando o BROM II e a Régua Flexível. Trinta e sete estudantes de Fisioterapia foram examinados num design teste-reteste duplo-cego
RESULTADOS: Os resultados mostraram confiabilidade moderada para as medidas com o BROM II [CCI (2,1) 0,71 (IC 95% 0,49-0,84) p<0,000] e pobre para a Régua Flexível [CCI(2,1) 0,37 (IC 95% 0,06-0,62) p<0,012]. Conclusão: Conclui-se que o BROM II apresentou confiabilidade suficiente para sua utilização na prática clínica.

Palavras-chave: amplitude de movimento articular, região lombossacral, validade dos testes /instrumentação

6 - Preditores de independência funcional em idosos portadores de insuficiência cardíaca

Predictors of functional independence in elderly patients with heart failure

Fátima Ayres de Araújo Scattolin; Roberta Cunha Rodrigues Colombo; Maria José D'Elboux Diogo

Acta Fisiátr.2007;14(4):219-225

OBJETIVO: Identificar preditores da independência funcional em idosos portadores de Insuficiência Cardíaca (IC).
MÉTODO: Estudo exploratório, descritivo, transversal, de campo e correlacional do qual participaram 146 idosos com IC em tratamento ambulatorial em dois serviços de referência do Estado de São Paulo. Para a coleta dos dados foram utilizados dois instrumentos: Caracterização Sociodemográfica e Clínica e a Medida de Independência Funcional (MIF). Foram realizadas análises estatísticas descritivas, de comparação (Teste de Kruskal-Wallis) e Análise de Regressão Univariada e Múltipla.
RESULTADOS: Houve distribuição homogênea entre os sexos, sendo 52,0% homens, idade média de 68,6 (±6,9) anos, com 3,4 (±2,8) anos de estudo. A caracterização clínica evidenciou idosos com média de 3,9 (±1,7) co-morbidades, sintomáticos, com média de 3,5 (±1,4) sintomas, com predominância das CF-NYHA I e II e com FEVE rebaixada (67,0%) - média de 0,46 (±0,17). Foram constatados escores médios elevados na MIF indicando independência funcional nos idosos estudados. A comparação entre escores da MIF e CF-NYHA evidenciou que a MIF diminuiu na medida em que houve progressão da CF-NYHA. A análise de regressão múltipla mostrou que as variáveis CF-NYHA, escolaridade e idade > 80 anos foram preditoras da MIF no idoso com IC, explicando 35,0% da variabilidade da MIF.
CONCLUSÃO: As variáveis, CF-NYHA, idade superior a 80 anos e maior nível de escolaridade foram preditoras da independência funcional, o que aponta para a relevância de intervenções que privilegiem a detecção e/ ou controle de perdas funcionais advindas da senescência, bem como a manutenção do status funcional no idoso com IC.

Palavras-chave: cardiopatias, idoso, atividades cotidianas

7 - A hidroginástica como meio para manutenção da qualidade de vida e saúde do idoso

Hydrogymnastics as a means for the maintenance of the elderly's quality of life and health

Clarissa Stefani Teixeira; Érico Felden Pereira; Angela Garcia Rossi

Acta Fisiátr.2007;14(4):226-232

Evidências científicas apontam para os importantes benefícios da prática de atividades físicas para os idosos, considerando sua mobilidade, saúde física e mental e qualidade de vida. A hidroginástica tem sido apontada como uma alternativa para inserção dos idosos nas práticas corporais e para a promoção de um estilo de vida mais ativo e saudável, mas, que, ainda carece de maiores investigações sobre seu real efeito sobre a saúde e a qualidade de vida dessa população e principalmente, metodologias de trabalho para esse fim. Desta forma, esta pesquisa bibliográfica objetivou realizar uma busca de estudos sobre hidroginástica para a terceira idade, discutindo e apresentando seus resultados, buscando relações com a promoção da saúde e qualidade de vida dessa população. As leituras nos permitiram vislumbrar que a hidroginástica favorece o desenvolvimento de algumas importantes qualidades físicas como resistência cardiorrespiratória, força e flexibilidade. Como qualquer outra forma de exercitação, deve ser praticada de forma contínua, principalmente, considerando indivíduos na terceira idade e pode também ser unida a atividades de relaxamento e recreação. As relações da prática da hidroginástica com a saúde dos idosos nos estudos analisados consideraram principalmente o desempenho em testes motores o que remete a necessidade de estudos que analisem também as repercussões dessas práticas sobre a qualidade de vida enquanto uma percepção de bem estar dos idosos.

Palavras-chave: motor activity, aging, quality of life

ARTIGO DE REVISÃO

8 - Fatores limitadores à reabilitação da musculatura do assoalho pélvico em pacientes com incontinência urinária de esforço

Limiting factors in pelvic floor rehabilitation of patients with stress urinary incontinence

Mônica Faria Felicíssimo; Márcia Mendonça Carneiro; Elza Lúcia Baracho Lotti de Souza; Vitória Gomes Alipio; Márcia Rodrigues Costa Franco; Rafaela Grossi; Oliveira e Silva; Agnaldo Lopes Silva Filho

Acta Fisiátr.2007;14(4):233-236

A reabilitação da musculatura do assoalho pélvico tem sido preconizada por diversos autores como uma terapia de primeira linha para o tratamento da incontinência urinária de esforço. Apresenta vantagens por ser não invasiva, de baixo custo e sem efeitos colaterais. Porém, fatores como aderência, motivação, compreensão da terapia e deficiência esfincteriana podem interferir nos resultados dessa abordagem terapêutica. A fim de se conhecer o impacto dos fatores citados acima e se investigar o efeito de cada um destes na intervenção fisioterápica foi feita uma revisão da literatura.

Palavras-chave: incontinência urinária por estresse, assoalho pélvico, reabilitação

RELATO DE CASO

9 - Efeitos da reabilitação precoce no desfecho da reabilitação pós-acidente vascular encefálico (AVE) em mulheres com mais de 65 anos e sua correlação com a gravidade do deficit neurológico inicial

Effects of early rehabilitation on the outcome of cerebro-vascular insult rehabilitation in women over 65 in correlation with initial neurological deficit gravity

Ljubica Nikcevic; Milan Savic; Nevenka Zaric; Dejan Nikolic; Aleksandra Plavsic; Natasa Mujovic

Acta Fisiátr.2007;14(4):237-241

Este trabalho visa examinar os efeitos da reabilitação precoce, a curto e longo prazo, no desfecho do acidente vascular encefálico (AVE) em mulheres com mais de 65 anos; estabelecer a correlação entre o impacto da gravidade do déficit neurológico na predição dos resultados do tratamento de Reabilitação e, ainda, investigar a possibilidade do acompanhamento de parâmetros individuais da Medição de Independência Funcional (MIF) na predição do desfecho da reabilitação do AVE. Atualmente, o AVE é a terceira maior causa de mortalidade na população mundial, bem como a maior causa de invalidez permanente. No cenário atual, as doenças cardiovasculares e cerebrovasculares - que antes eram tidas como exclusivas da população masculina - têm afetado também as mulheres. Por outro lado, observamos uma correlação linear entre o envelhecimento e a ocorrência destas doenças. Concluímos que a implantação do método de reabilitação precoce conduz a uma aceleração significativa do processo de tratamento e recuperação após o AVE em mulheres com mais de 65 anos. Concluímos também que certos parâmetros da MIF, por apresentarem o mesmo padrão de evolução, podem ser utilizados na predição da recuperação global do paciente.

Palavras-chave: acidente cerebrovascular, idoso, mulheres, reabilitação

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

10 - A história da deficiência, da marginalização à inclusão social: uma mudança de paradigma

The history of disability, from marginalization to social inclusion: a change in paradigm

Kátia Monteiro De Benedetto Pacheco; Vera Lucia Rodrigues Alves

Acta Fisiátr.2007;14(4):242-248

Este artigo pretende contribuir com uma reflexão mais crítica dos indivíduos em relação ao preconceito existente à pessoa com deficiência. Assim, descreve-se o percurso histórico desta população, ressaltando as diferentes posturas como: marginalização, assistencialismo, educação, reabilitação, integração e inclusão social, para melhor compreensão dos valores que muitas vezes podemos estar reproduzindo sem nenhum questionamento crítico e coerente, pois nos foram transmitidos no processo de socialização. Conclui-se que quando o processo de reabilitação está baseado no paradigma de inclusão, este poderá trazer maior possibilidade para que o indivíduo reflita sobre os valores que a cultura pode ter com relação à deficiência e, assim, se torne um agente de mudança no contexto social.

Palavras-chave: pessoas portadoras de deficiência/história, reabilitação, preconceito, meio social

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1