ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Março 2005 - Volume 12  - Número 1

EDITORIAL

1 - A Acta Fisiátrica agora é digital

Acta Fisiátrica is now digital

Marcelo Riberto

Acta Fisiátr.2005;12(1):7



Palavras-chave:

ARTIGO ORIGINAL

2 - Avaliação de um manual de exercícios domiciliares para pacientes externos de um ambulatório de bloqueio neuromuscular

Evaluation of a manual of home exercises for outpatients from a neuromuscular block program

Márcia de Menezes Paranhos Figueiredo; Márcia Cristina Catarino Barbosa; Maria Cecília Santos Moreira

Acta Fisiátr.2005;12(1):7-10

O Acidente Vascular Encefálico (AVE) constitui um grande desafio ao processo de reabilitação por ocasionar, dentre os sintomas secundários, a hemiplegia espástica com hipertonia, redução de força e flexibilidade muscular e alterações osteoarticulares que dificultam a funcionalidade dos pacientes acometidos. Neste contexto, a intervenção fisioterapêutica deve ser freqüente e contínua para minimizar as complicações inerentes a esta enfermidade. O enfoque deste trabalho visou em analisar a aplicabilidade de um programa de exercícios domiciliares para pacientes externos do Ambulatório de Bloqueio Neuromuscular Periférico da Divisão de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (DMR) baseando-se na capacidade dos pacientes e cuidadores em assimilar e compreender a necessidade de executar os exercícios prescritos após a infiltração de toxina botulínica tipo A (TBA). Participaram deste estudo 30 pacientes que não realizavam tratamento na DMR, portadores de hemiplegia espástica após AVE isquêmico ou hemorrágico que foram submetidos à infiltração de TBA nos membros inferiores. O manual proposto continha 13 exercícios e o fisioterapeuta assinalava quais deveriam ser realizados, de acordo com a musculatura infiltrada, com intervalo de tempo especificado a serem executados diariamente. Os exercícios foram demonstrados para esclarecimento de dúvidas pré-existentes. Após 1 mês, os pacientes retornaram ao ambulatório e respondiam um questionário composto por 10 questões que coletavam dados sobre a aplicabilidade do manual de exercícios domiciliares como recurso terapêutico. A partir dos resultados obtidos, constatou-se que o programa foi efetivo pela didática do manual ser compreensível, possibilitando que a maioria dos pacientes realizasse os exercícios ativamente, favorecendo no processo educacional dos pacientes e cuidadores em relação aos cuidados à saúde. No entanto, verificou-se que alguns sujeitos apresentaram dificuldade em executar os exercícios que solicitavam a utilização do membro superior comprometido, sendo sugerido por eles, a inclusão de exercícios complementares que favoreçam a prática da cinesioterapia com a autonomia de execução. Conclui-se que para que o manual seja mais eficiente, é necessária a inserção de diferentes métodos de execução a fim de contemplar todos os pacientes com AVE respeitando o padrão motor apresentado e seus respectivos déficits funcionais.

Palavras-chave: Hemiplegia, espasticidade, exercícios fisioterapêuticos, educação em saúde, toxina botulínica tipo A.

3 - Avaliação da dor e função de pacientes com lombalgia tratados com um programa de Escola de Coluna

Evaluation of pain level and function on low back pain patients treated with Back School program

Eliana Zeraib Caraviello; Sílvia Wasserstein; Therezinha Rosane Chamlian; Danilo Masiero

Acta Fisiátr.2005;12(1):11-14

As dores lombares incidem em cerca de 80% da população em algum momento de sua vida, sendo, portanto, um grande problema de saúde pública. O diagnóstico diferencial das doenças da coluna vertebral é bastante amplo, mas sabe-se que boa parte das afecções está relacionada a posturas e movimentos corporais inadequados. Criou-se, portanto, a Escola de Coluna como opção de tratamento a estes pacientes. Neste trabalho avaliamos a dor e a incapacidade funcional dos pacientes, antes e após freqüentarem a Escola de Coluna, através do questionário de Roland-Morris e da Escala Visual Analógica de Dor. Estudamos 30 pacientes no período de maio a novembro de 2004, sendo 86,7% do sexo feminino, com idade média de 48,1 anos, de baixa escolaridade e com excesso de peso (70%). A maioria dos pacientes apresentou melhora da dor (56,7%) e da função (60%) após o término do programa de reabilitação.

Palavras-chave: Lombalgia, escola de coluna, reabilitação, incapacidade, dor.

4 - A terapia de restrição como forma de aprimoramento da função do membro superior em pacientes com hemiplegia

Constraint-induced therapy as an approach to the improvement of upper limb in stroke patients

Marcelo Riberto; Heloisa Moreira Monroy; Harumi Nemoto Kaihami; Priscilla Pereira dos Santos Otsubo; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2005;12(1):15-19

A terapia de restrição consiste na imobilização do membro superior não comprometido de pacientes hemiplégicos em decorrência de acidente vascular cerebral (AVC) como forma de estímulo ao uso do membro superior que teve a sua força reduzida. Experimentos realizados em algumas amostras específicas de pacientes mostram resultados promissores com essa abordagem. Este estudo teve o objetivo verificar seu efeito numa amostra de pacientes hemiplégicos em processo de reabilitação. Foram selecionados pacientes com AVC há mais de 6 meses que se encontravam em processo de reabilitação e possuíssem força para extensão da mão e dedos de pelo menos 10º de forma voluntária. A aplicação da restrição foi associada a 6 horas de terapia multidisciplinar diariamente em dias de semana e orientada a manutenção das atividades nos finais de semana. Para avaliação dos resultados foram usados os seguintes instrumentos: medida de independência funcional (MIF), teste motor de Wolf (TMW), escala de avaliação das deficiências do AVC (EADAVC) e dinamometria de preensão. Observou-se ganho estatisticamente significante na MIF (108,5 ± 6,4 versus 113 ± 7,3, p = 0,02) e TMW (10,5 ± 6,4s versus 6,5 ± 3,7s, p = 0,006), mas não na EADAVC (56,7 ± 4,4 versus 59,4 ± 8,4, p = 0,16) ou Dinamometria de pressão (16,2 ± 4,5 kgf versus 16,3 ± 5,4 kgf, p = 0,98). A conclusão deste estudo é que a aplicação da técnica de restrição do membro superior em pacientes hemiplégicos pode resultar em ganhos agudamente, indicando um caminho alternativo na abordagem das suas incapacidades.

Palavras-chave: hemiplegia, reabilitação, terapia de restrição, avaliação funcional, incapacidade, neuroplasticidade

RELATO DE CASO

5 - Utilização do suporte de peso corporal em solo no treino de marcha do lesado medular

Use of body weight support over ground in gait training of the spinal cord injuried patient

Caroline Del Vecchio de Faria; Maria Cecília dos Santos Moreira; Márcia Cristina Catarino Barbosa; Lívia Maria Santos Sabbag

Acta Fisiátr.2005;12(1):21-25

O presente trabalho consiste na utilização do suspensor de peso corporal (SPC) como recurso a ser empregado quando o paciente lesado medular alcança a fase de preparação para a marcha, pois permite o treino com a descarga gradativa de peso sobre o solo, proporcionando a adaptação do paciente à atividade, com menor gasto energético.
OBJETIVO: Demonstrar a utilização do suporte de peso corporal como recurso auxiliar no treino de marcha inicial do lesado medular e apontar o ganho funcional, representado pela distância/tempo percorrida, associado ao gasto energético e à freqüência cardíaca.
SUJEITO: Paciente vítima de acidente automobilístico em 2003, com diagnostico de lesão medular completa, nível T7 hipotônica.
PROCEDIMENTO: O treinamento de marcha com o suspensor de peso corporal constou de 21 sessões com duração de 30 minutos, 2 vezes por semana. Um teste ergoespirométrico foi realizado antes e após o treinamento.
RESULTADOS: O paciente apresentou redução da pressão arterial de 150/100 mmHg para 120/80 mmHg, aumento da distância percorrida de 30 m para 70 m, considerável redução do tempo de duração de cada volta e redução da FC de repouso e das FC de pico. Considerando os coeficientes físicos relacionados, freqüência cardíaca média por volta e tempo total de realização do teste, houve expressiva melhora no desempenho físico do paciente.

Palavras-chave: Suporte de peso corporal; treino de marcha; traumatismo da medula espinhal

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

6 - Medicina e Arte: observações para um diálogo interdisciplinar

Art and Science: notes to an interdisciplinary dialogue

Alfredo Jorge Cherem

Acta Fisiátr.2005;12(1):26-32

Partindo de métodos não invasivos, algumas especialidades médicas encontram-se envolvidas com a questão do diagnóstico e avaliação da incapacidade provocada pelos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. O que se espera das mesmas é que desenvolvam conhecimentos próprios e singulares, mas em interlocução com outras áreas, devendo-se salientar o fato de que, a partir de concepções exclusivamente técnicas, os especialistas nem sempre reconhecem que a medicina é uma ciência que durante um longo período foi também uma arte. Daí que atentar para esse elo pode resultar num alargamento do próprio horizonte interdisciplinar. Relacionando medicina e arte, o presente texto pretende contribuir para que o entendimento do especialista seja enriquecido através da história dos sinais e sintomas que insidem sobre o corpo. Tais conhecimentos, vindos desde o renascimento e legados pelos artistas como Leonardo Da Vinci, Miguelangelo e Vesálio permitem reconhecer, ainda que por via aparentemente distante e indireta, um meio para que nos tornemos mais atentos e criteriosos na observação de detalhes. Transitando do histórico para o exame físico do paciente, até chegar a uma diagnóstico preciso, o médico poderá reduzir ao mínimo necessário a solicitação de exames complementares e a recomendação de práticas invasivas.

Palavras-chave: Arte, fisiatria, história da medicina, anatomia

Número atual: Agosto 2005 - Volume 12  - Número 2

ARTIGO ORIGINAL

1 - Comparação do ganho de flexibilidade isquiotibial com diferentes técnicas de alongamento passivo

Comparison of hamstring flexibility gain with different techniques of static stretching

Cristiane Bonvicine; Claus Gonçalves; Fernando Batigália

Acta Fisiátr.2005;12(2):43-47

Embora vários estudos tenham investigado os efeitos dos exercícios na amplitude de movimento e rigidez articular, a duração ideal do alongamento ainda não foi determinada. Este estudo objetivou comparar os efeitos de duas diferentes técnicas de alongamento muscular isquiotibial repetitivo passivo quanto ao ganho de amplitude de movimento, durante quatro semanas. Foram estudadas 30 mulheres, voluntárias, de mesma faixa etária, divididas em dois grupos de quinze. Foi realizada a goniometria da flexão de quadril de ambos os membros inferiores das 30 voluntárias. O grupo estudado recebeu uma sessão de alongamento sustentado por 60 segundos no membro inferior direito e 2 sessões de alongamento de 20 segundos, com intervalo de 10 segundos, no membro inferior esquerdo. As outras 15 participantes constituíram o grupo controle e não receberam nenhuma intervenção. A comparação do ganho de alongamento entre os grupos foi realizada pelo teste t de Student (amostras de distribuição normal), teste t para amostras variáveis (amostras de distribuição não normal), e teste t pareado (para a comparação entre as duas sessões de alongamento). O ganho de alongamento no membro inferior direito no grupo tratado foi significativo (p<0.001), assim como o ganho de alongamento no membro inferior esquerdo (p<0.001). A variação da amplitude de movimento no grupo controle não foi significante (p=0,80). O ganho de amplitude de movimento foi maior no membro inferior direito (p=0,001). O ganho de amplitude de movimento para a musculatura isquiotibial mostrou ser maior em sessões de alongamento passivo de uma série de 60 segundos cada.

Palavras-chave: fisioterapia, amplitude de movimento, alongamento, terapia por exercício.

2 - Avaliação dos sintomas de disfunção miccional em crianças e adolescentes com paralisia cerebral

Evaluation of voiding dysfunction symptoms in children and adolescents with cerebral palsy

Cássia Maria Carvalho Abrantes do Amaral; João Tomás de Abreu Carvalhaes

Acta Fisiátr.2005;12(2):48-53

Avaliar as disfunções do trato urinário inferior (DTUI) em pacientes com paralisia cerebral (PC) e sua relação com variáveis como: diagnóstico neurológico, idade, sexo, realização ou não de pré-natal durante o período gestacional, peso ao nascimento, deambulação, fala, cognitivo, constipação intestinal e história de infecção do trato urinário (ITU), além de verificar, entre os casos estudados, a presença de bexiga neurogênica.
MÉTODOS: Estudo transversal que avaliou 100 pacientes com idade entre 2 e 18 anos completos com diagnóstico de PC que compareceram em consulta pediátrica no ambulatório de pediatria da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), sem deficiência mental (DM) grave através de avaliação psicológica de QI, entrevista pediátrica e estudo urodinâmico.
RESULTADOS: Após a avaliação de 100 casos de PC entre crianças e adolescentes de 2 a 18 anos, foram verificados 30 casos de pacientes com sintomas urinários, 11 destes com quadros urológicos de bexiga neurogênica. Entre as variáveis analisadas, apenas a média de idade (9,35 anos) apresentou relação estatisticamente significativa com a presença de sintomas urinários.
CONCLUSÃO: As crianças e adolescentes com PC apresentaram sintomas de disfunções do trato urinário independente das variáveis analisadas, exceto pela idade, o que pode estar relacionado talvez à menor gravidade de seus quadros de DM e deficiência motora. Entre os pacientes com sintomas urinários, 11 apresentaram estudos urodinâmicos compatíveis com bexiga neurogênica (36,67%). O diagnóstico dos sintomas de disfunção do trato urinário precoce tem como objetivo evitar possíveis alterações do trato urinário superior, além de significar um tratamento preventivo para estes pacientes, proporcionando uma melhora de qualidade de vida e ajudando no processo de sua reabilitação e incorporação à sociedade.

Palavras-chave: Trato Urinário, Paralisia Cerebral, Crianças e Adolescentes, Bexiga Neurogênica, Qualidade de Vida.

3 - Impacto da hospitalização na independência funcional do idoso em tratamento clínico

The impact of hospitalization on functional independence of elderly in clinical units

Kozue Kawasaki; Maria José D'Elboux Diogo

Acta Fisiátr.2005;12(2):55-60

O objetivo geral deste trabalho foi avaliar a independência funcional de idosos hospitalizados em unidades de clínica médica. O estudo foi realizado em um hospital universitário do município de Campinas, SP, com 28 idosos de ambos os sexos, internados para tratamento clínico, com idade média de 68 anos. Foi utilizado o instrumento de Medida da Independência Funcional (MIF) no momento da internação, durante o período de hospitalização, no momento da alta e um mês após a alta hospitalar. Foi possível observar uma diminuição nos valores da MIF total e seus domínios durante a hospitalização, quando comparado a admissão (média: 109,2±14,0), a alta (média: 97,8±19,4) e um mês após o retorno ao domicílio (média: 114,4±14,1), com diferença significativa (p<0,05)nos valores da MIF da alta hospitalar ao domicílio, e da admissão a alta hospitalar, na MIF total e nos seus domínios. Durante a internação, houve declínio dos escores das tarefas da MIF de autocuidado, de controle da urina, de transferência, de locomoção e de resolução de problemas. Conclusão: os resultados mostraram a ocorrência de declínio da independência funcional durante o período de hospitalização e recuperação funcional após retorno ao domicílio.

Palavras-chave: idoso, hospitalização, independência funcional, medida de independência funcional, atividades de vida diária.

4 - Independência funcional de pacientes com lesão medular

Funcitional Independence of spinal cord injured patients

Marcelo Riberto; Paulo Potiguara Novazzi Pinto; Hatsue Sakamoto; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr.2005;12(2):61-66

Conhecer a apresentação dos pacientes com lesão medular em termos de independência funcional permite aos serviços de reabilitação estruturarem-se para atenderem às demandas dessa população de forma mais eficiente. Com o objetivo de descrever tal padrão de funcionalidade, 150 relatórios de alta de pacientes com lesão medular de dois centros de reabilitação no período de 2000 a 2003 foram consultados para obtenção de dados clínicos, demográficos e da medida de independência funcional. Homens corresponderam a 72% da amostra, com média de idade de 33,8 ± 14,2 anos, sendo 21,3% dos casos devido a lesões não-traumáticas. Entre as lesões traumáticas, 30,5% em nível cervical, 52,5% torácicas e 17% lombares. O período médio de lesão foi de 22,6 ± 46,7 meses. No início do programa de reabilitação, Escadas (11,2%) e Vestir a metade inferior do corpo (24%) foram as tarefas nas quais menos pacientes apresentavam independência funcional, enquanto Alimentação (68,4%) e Higiene pessoal (51,6%) apresentaram maior independência. O período decorrido desde a instalação da lesão esteve diretamente associado a ao valor da MIF motora no início da reabilitação, confirmando a impressão clinica de que mesmo sem a orientação profissional os pacientes com lesão medular desenvolvem algum grau de independência funcional em virtude das necessidades enfrentadas no dia-a-dia. O atendimento de reabilitação ao paciente com lesão medular deve ser o mais precoce possível a fim de propiciar a aquisição de melhor desempenho em menor tempo e de formas mais apropriadas, pois por vezes a independência atingida faz-se às custas de comprometimento de segurança ou maior custo energético.

Palavras-chave: Lesão medular, incapacidade, independência funcional, reabilitação, atividades de vida diária.

5 - Influência da transferência reto-femoral na excursão dos joelhos em pacientes com paralisia cerebral

The influence of rectus femoris transfer on knee range of motion of cerebral palsy patients

Anny Michelly Paquier Binha; Adriana Rosa Lovisotto Cristante; Gláucia Somensi de Oliveira Alonso; Mauro César Morais Filho; Yara Juliano

Acta Fisiátr.2005;12(2):67-71

A marcha com o joelho rígido é um padrão comum na paralisia cerebral e a etiologia, em muitos casos, é a espasticidade do músculo reto-femoral. A transferência deste músculo para flexor de joelho tem sido usada como tratamento, porém com resultados variados. Para avaliar a efetividade deste procedimento, vinte e oito pacientes com paralisia cerebral tipo diparesia espástica, submetidos à transferência do reto-femoral, foram estudados retrospectivamente. No subgrupo A (n=16), os pacientes não usavam órteses ou auxiliares para marcha e enquanto que no subgrupo B (n=12) sim. Foi considerado como critério de inclusão a realização da análise computadorizada da marcha antes e após cirurgia. O objetivo foi avaliar o efeito do tratamento no arco de movimento dos joelhos (cinemática) e na qualidade de vida dos pacientes (questionário). Resultados mostraram aumento do arco de movimento dos joelhos para os dois subgrupos (p=0,006 para o A e p=0,045 para B). A avaliação subjetiva (questionário) demonstrou alto nível de satisfação após tratamento apesar dos familiares responderem que quase não houve mudanças nas atividades de vida diária. Os resultados sugerem ser necessário uma investigação adicional para identificar outros fatores que poderiam alterar os resultados e que, um instrumento mais objetivo, como o GMFM é uma opção melhor para avaliação funcional.

Palavras-chave: Paralisia cerebral, análise de marcha, articulação do joelho, amplitude articular, transferência reto-femoral.

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

6 - Identidade, é possível esquecê-la?

Identity, is it possible to forget it?

Sandra Regina Schewinsky

Acta Fisiátr.2005;12(2):72-76

O presente trabalho tem como objetivo uma reflexão sobre as dificuldades e sofrimentos impingidos à pessoa que apresenta prejuízos de memória, principalmente no tocante a sua identidade, em função de um acometimento mórbido cerebral que acarretou déficits cognitivos, além da instalação da Hemiplegia. Para adentrar este percurso utilizarei o referencial teórico da Psicologia Sócio-Histórica, pois o indivíduo desenvolve-se com suas peculiaridades e singularidades em um processo dialético na interação com o meio e com o outro. Será discutido porque os déficits de memória podem ser tão dramáticos, interferindo na consciência, na atividade, afetividade e identidade da pessoa. Finalmente como o atendimento de reabilitação pode facultar o processo de metamorfose da identidade do paciente.

Palavras-chave: Memória, Identidade, Teoria Sócio-Histórica, Hemiplegia, Reabilitação.

Número atual: Dezembro 2005 - Volume 12  - Número 3

EDITORIAL

1 - A revista científica como instrumento de atualização profissional

Marcelo Riberto

Acta Fisiátr.2005;12(3):0



Palavras-chave: Memória, Identidade, Teoria Sócio-Histórica, Hemiplegia, Reabilitação.

ARTIGO ORIGINAL

2 - Avaliação da neuropatia periférica: correlação entre a sensibilidade cutânea dos pés, achados clínicos e eletroneuromiográficos

Evaluation of diabetic neuropathy: correlation between cutaneous sensibility in the feet, clinical and eletroneuromyographic findings

Ary Souza; Caio Augusto de Souza Nery; Lúcia Helena Soares Camargo Marciano; José A. Garbino

Acta Fisiátr.2005;12(3):87-93

OBJETIVO: Avaliar a eficácia dos monofilamentos de Semmes-Weinstein no diagnóstico e prognóstico do pé com neuropatia diabética.
MÉTODO: Estudo prospectivo em 35 pacientes diabéticos tipo II. Os pacientes foram submetidos a um protocolo contendo anamnese, levantamento das queixas, exames clínicos, estudo neurofisiológico e pesquisa da sensibilidade cutânea nos pés.
RESULTADO: Pôde-se constatar bom grau de concordância entre os monofilamentos de Semmes-Weinstein e o estudo neurofisiológico. Os monofilamentos de Semmes-Weinstein se revelaram sensíveis para detectar pacientes com algum tipo de alteração.
DISCUSSÃO: constatou-se bom grau de coincidência entre os monofilamentos de Semmes-Weinstein e o estudo neurofisiológico expresso pelo coeficiente de correlação de Spearman (r= 0,677). Os monofilamentos de Semmes-Weinstein demonstraram ser eficazes na detecção de alterações da sensibilidade cutânea, observando-se que 91% dos pacientes apresentaram variações entre os graus 2 e 5. O estudo neurofisiológico detectou 69% dos pacientes na faixa de 2 a 5 graus. A maior diferença entre os dois métodos ficou evidenciada nos pacientes sem comprometimento (grau 1), demonstrando uma sensibilidade mais elevada dos monofilamentos de Semmes-Weinstein. O estudo também mostrou uma boa correlação entre o comprometimento clínico dos pacientes com os déficits neurológicos medidos pelos monofilamentos de Semmes-Weinstein.
CONCLUSÃO: os monofilamentos de Semmes-Weinstein são confiáveis para diagnosticar a neuropatia diabética dos pés. Há correlação entre os achados neurofisiológicos e os critérios clínicos obtidos com os monofilamentos. Os monofilamentos de Semmes-Weinstein ajudam na avaliação do prognóstico e evolução do pé diabético e podem ser utilizados com segurança na avaliação dos pés com neuropatia periférica.

Palavras-chave: diabetes mellitus, neuropatia, prevenção, eletroneuromiografia avaliação clínica

3 - Efeitos do treinamento aeróbio na qualidade de vida e na capacidade funcional de indivíduos hemiparéticos crônicos

Effects of aerobic training on quality of life and functional capacity of chronic stroke survivors

Regina Márcia Faria de Moura; Renata Cristina Magalhães Lima; Diana Cunha Lage; Emiliana Alcântara Alves Amaral

Acta Fisiátr.2005;12(3):94-99

Indivíduos com seqüela do acidente vascular cerebral (AVC) apresentam, na maioria das vezes, um alto custo energético durante a realização das atividades e apesar das evidências dessa alteração após o AVC, poucos são os autores que têm investigado os efeitos do treinamento aeróbio.
OBJETIVO: Avaliar os efeitos de um treinamento aeróbio na capacidade funcional e na qualidade de vida (QDV) de indivíduos com seqüelas decorrentes do AVC na fase crônica.
CASUÍSTICA E MÉTODO: Foram avaliados dois participantes, um do sexo masculino e um do feminino, que foram recrutados na Clínica Escola do Centro Universitário Newton Paiva, em Belo Horizonte/MG. A capacidade funcional foi avaliada pelo Teste de Caminhada de 6 minutos e a percepção da QV pelo instrumento Perfil de Saúde de Nottingham (PSN), aplicados antes da intervenção, na 10ª, 20ª, 30ª e 40ª sessões.
RESULTADOS E DISCUSSÃO: A redução tanto da distância quanto da velocidade de caminhada estão geralmente associadas a alterações de equilíbrio, fraqueza muscular e descondicionamento físico. Neste estudo houve aumento da distância caminhada dos dois participantes sugerindo melhora da capacidade funcional. Também houve redução no escore do PSN que também sugere uma melhor QV após o protocolo de reabilitação.
CONCLUSÃO: Os participantes do estudo apresentaram melhora da capacidade funcional e alteraram positivamente a percepção da QV após programa de treinamento aeróbio. Para generalização dos resultados para a população com seqüelas decorrentes do AVC na fase crônica são necessários estudos com casuística maior.

Palavras-chave: Acidente vascular cerebral, condicionamento aeróbio, reabilitação, qualidade de vida.

ARTIGO DE REVISÃO

4 - Esclerose Múltipla e Exercício Físico

Multiple sclerosis and Exercise

Otávio Luis Piva da Cunha Furtado; Maria da Consolação Gomes Cunha Fernandes Tavares

Acta Fisiátr.2005;12(3):100-106

A esclerose múltipla é uma doença neurológica crônica de origem desconhecida, caracterizada por lesões axonais e áreas de desmielinização do sistema nervoso central. Nessa doença, a incapacidade física e uma série de sintomas estão relacionados ao comprometimento de sistemas funcionais e ao desuso. O tratamento geralmente inclui o uso de imunomoduladores e imunossupressores, que são capazes de retardar, mas não interromper sua progressão. Nas duas últimas décadas, programas incluindo exercícios de fortalecimento muscular, exercícios aeróbios, atividades em meio aquático e ioga têm se mostrado seguros e eficazes para pessoas com esclerose múltipla. A partir de revisão bibliográfica, discutiremos essas pesquisas e seu impacto em aspectos relevantes da doença como as alterações da força muscular, fadiga, espasticidade, depressão e a reação anormal ao calor.

Palavras-chave: Esclerose múltipla, exercício físico, atividade física, reabilitação.

RELATO DE CASO

5 - A influência da negligência unilateral no desempenho de atividades de vida cotidiana - relato de 3 casos

The influence of unilateral negligence in the performance of activities of daily living - report of 3 cases

Denise Rodrigues Tsukimoto; Gabriela Antunes Valester

Acta Fisiátr.2005;12(3):108-114

A negligência unilateral é descrita como uma limitação na habilidade de direcionar, responder ou orientar-se frente a estímulos apresentados no lado oposto ao da lesão cerebral, freqüentemente se manifestando através de sistemas sensoriais variados, incluindo os sistemas visual, somatosensorial e auditivo e é diagnosticada quando esta habilidade diminuída não pode ser atribuída a déficits motores ou sensitivos. O objetivo deste estudo é analisar e discutir as implicações deste acometimento influenciando o desempenho das atividades de vida cotidiana, através da realização de três relatos de caso e análise da atividade de alimentação, resultando no desenvolvimento de uma versão inicial de um protocolo para análise de atividade específica para quadros de negligência unilateral.

Palavras-chave: Terapia Ocupacional, atividades de vida diária, desempenho psicomotor, acidente vascular encefálico, negligência hemi-espacial, avaliação e desempenho de tarefas, avaliação ecológica.

6 - Avaliação objetiva da síndrome dolorosa miofascial: uso da termografia antes e após tratamento associando mesoterapia a bloqueio anestésico

Myofascial syndrome objective evaluation: thermography before and after treatment with mesotherapy and trigger-point injections

Luciane Fachin Balbino; Luiz Rosa Vieira

Acta Fisiátr.2005;12(3):115-117

A Síndrome miofascial é um diagnóstico comum em pacientes com dor segmentar. As queixas costumam ser inespecíficas; o uso da técnica de Fischer associando algometria de pressão e técnicas especiais de palpação auxiliam a identificar os pontos gatilhos ativos. A mesoterapia (intradermoterapia) mostra-se muitas vezes mais eficaz quando associada às técnicas de bloqueio paraespinal e bloqueio de pontos gatilhos com lidocaína. O resultado deste tratamento pode ser documentado através da termografia, além dos meios clínicos já citados. O padrão de cores (vermelho a verde, no caso da imagem colorida ou tons de cinza na imagem em preto e branco) indica gradiente de temperatura. Neste estudo, descrevemos o caso clinico de uma paciente feminina, de 54 anos de idade, com queixa de dor severa em região cervical, referida ao membro superior direito. A mesma foi tratada com mesoterapia associada a bloqueio paraespinal e bloqueio de pontos-gatilho ativos e o resultado deste tratamento foi avaliado clinicamente e pela termografia 25 minutos após e 03 dias após o tratamento. Os autores concluíram que a termo

Palavras-chave: Myofascial pain syndrome; thermography; pain evaluation; mesotherapy analgesic injection.

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1