ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Abril 1999 - Volume 6  - Número 1


ARTIGO ORIGINAL

Avaliação isocinética de rotadores externos e internos do ombro de atletas sobre cadeira de rodas e indivíduos sedentários - estudo comparativo


Thamar de Bruyn Ferraz Fernandes1; Gilson Tarraka Shinzato2

DOI: 10.5935/0104-7795.19990001

1. Médica fisiatra - ex-residente da Divisão de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
2. Médico assistente da Divisão de Medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.




INTRODUÇÃO

O efeito do desequilibrio muscular na performance e na gênese de lesões em atletas vem adquirindo interesse crescente. Esse desequilíbrio muscular tem sido identificado como ocorrência comum e induzido pelo treino. Recentemente, tem-se sugerido que esse causaria o aumento do risco de lesões nos atletas. 5

Há muitas pesquisas a esse respeito na literatura direcionadas ao joelho. Pouco se tem a respeito do ombro, alvo de lesões freqüentes em esportistas 4. Os poucos trabalhos que se tem a esse respeito constam de estudos isocinéticos em atletas de beisebol, natação, tênis e pólo aquático. Esses demonstram alterações importantes no equilíbrio muscular dos ombros dos atletas estudados quando comparados a grupos-controle, em especial o fortalecimento excessivo de rotadores internos em relação a rotadores externos e de adutores em relação a abdutores. O possível papel desse desequilíbrio muscular no desenvolvimento de dores, tendinites, síndromes do impacto e subluxações anteriores tem sido sugerido e estudado.

A alta incidência de lesões de ombro em usuários de cadeira de rodas, em especial atletas de cadeira de rodas é bem-documentada 1,2,5,10,13,14,19, porém pouco se estudou a respeito da causa dessas lesões, da prevenção e do tratamento bem como do possível desequilíbrio muscular que possa estar presente nessa população.

O objetivo deste trabalho é investigar se o desequilíbrio muscular no ombro também ocorre nos atletas de cadeira de rodas, assim como em outros atletas, em especial a relação entre musculatura rotadora interna e externa, estabelecendo uma comparação com um grupo-controle de indivíduos sedentários.


MATERIAL E MÉTODO

O método de avaliação escolhido foi o teste isocinético, por ser um teste de desempenho muscular máximo em toda a amplitude de movimento, mantendo-se a velocidade angular constante. É o método mais completo e mais abrangente que dispomos atualmente para a avaliação aqui proposta.

Dez jogadores de basquete sobre cadeira de rodas, integrantes da equipe da Divisão de Medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, foram submetidos a teste isocinético no dinamômetro de marca Cybex modelo 6000 para rotação interna e externa de ambos os ombros. Dez indivíduos sedentários, ou seja, sem prática esportiva com freqüência maior a uma vez por semana durante os últimos seis meses, foram submetidos ao mesmo teste, como grupo-controle. Todos os indivíduos testados eram do sexo masculino, sem queixa de dores nos ombros, sendo a média de idade de 28,8 (21 a 41 anos) no grupo dos atletas e de 29,7 (26 a 35 anos) no grupo-controle.

Todos foram submetidos ao teste isocinético após aquecimento, composto de dez minutos de movimentos ativos livres de rotação interna e externa de ombros. Eram, então, posicionados em decúbito dorsal horizontal na maca UBXT (Upper Body Exercise andl Testing Table), componente do Cybex 600e, em abilução de 9CP de ombro e flexão de 90º de cotovelo, ficando antebraço e punho em posição neutra. Essa foi a posição escolhida para avaliação, uma vez que a experiência clínica demonstra ser de freqüência relativamente comum à detecção de déficits e dores no ombro em posição de W de abilução, déficits esses nãodetectáveis em posição neutra. Além disso, optamos pelo uso da maca por razões técnicas, uma vez que não é possível o posicionamento do dinamômetro alinhado ao ombro dos atletas na altura da cadeira de rodas, assim como a estabilização adequada do paciente. Na maca, essa estabilização foi feita por meio de duas faixas com velcro que envolviam os indivíduos ao longo do tronco e da cintura pélvica.

Já posicionado para o teste, o indivíduo era submetido a exercícios de alongamento da musculatura envolvida, com o auxílio da alavanca do aparelho, pelo método da inibição recíproca, descrita por Fischer 9.

Todos os indivíduos foram testados isocineticamente nas velocidades angulares de 60º, 180º e 240º por segundo, todas precedidas de três repetições para treino. Foram realizados quatro movimentos máximos a 60º/s e cinco movimentos máximos a 180º/s e 24º/s, com intervalos de trinta segundos para descanso entre a realização do movimento em cada velocidade. Não foi realizada a correção para a gravidade, pois na posição escolhida esta pouco interfere.

As variáveis analisadas foram torque máximo, ou peak torque, ou seja, máxima força multiplicada pela distância da alavanca, tanto em valor absoluto (PT) quanto em relação ao peso corporal (PT%BW), método esse adequado para comparações clínicas entre indivíduos diferentes, assim como para dados normativos.

Os dados obtidos foram comparados quanto à relação entre membro dominante e não-dominante, rotadores externos e rotadores internos, entre os grupos de atletas e de sedentários.


RESULTADOS

Os resultados obtidos de cada grupo estão descritos nas tabelas 1 e 2. A análise comparativa foi realizada nas medidas encontradas na velocidade angular de 60º/s, por encontrar os maiores níveis de torque e, portanto, maior consistência dos dados. As médias de peak torque (PT), assim como de peak torque corrigido para o peso corpóreo (PT%BW), estão demonstradas na tabela 3. A diferença entre o membro dominante e nãodominante em relação a força não foi significante, mas se compararmos a relação entre rotadores externos e internos (RE/RI), entre os mesmos membros dominante e não-dominante, encontramos uma diferença maior (Tabela 4). Também, se compararmos essa mesma relação entre os grupos de atletas e de sedentários, encontramos diferenças estatisticamente significantes (Tabela 4). Fato constatado por nós que não correspondeu ao esperado, de acordo com a literatura, foi a relação força RE/RI entre os membros dominante e nãodominante dos indivíduos sedentários, em especial o valor de 86,3 do membro dominante, que deveria ser menor.










DISCUSSÃO

Não foi surpresa encontrarmos o grupo de atletas de cadeira de rodas como visivelmente mais forte que o grupo de sedentários. Os membros superiores são seu modo de locomoção e transferências no dia-a-dia, além do treino de basquete entre 6 e 10 horas semanais.

Burnham e cols. 2, comparando atletas de cadeira de rodas com atletas normais encontrou dados semelhantes aos encontrados neste trabalho, no qual a diferença entre membros dominante e não-dominante não foi significativa, enquanto os atletas de cadeira de rodas se mostraram com força estatisticamente significante maior que os atletas normais. Porém, quando comparados em relação ao equilíbrio muscular RE/RI, a diferença não foi significante, ao contrário dos nossos achados. Isso provavelmente se explica pelo grupo-controle de Burnham ser composto por atletas, enquanto o nosso é composto por sedentários.

Powers e cols. 19 também realizaram estudos com lesados medulares, porém a força dos membros superiores foi comparada entre tetraplégicos, paraplégicos e indivíduos normais, por meio de medidas isométricas e não isocinéticas. Seus achados foram pouco controversos, pois o grupo mais forte foi o de indivíduos normais, não esperado, enquanto o grupo mais fraco obviamente foi o de tetraplégicos.

Trabalhos para dados normativos para ombros foram realizados por Ivey e cols. 10, Murray e cols. 19, Davies 6 e Cahalan e cols. 3 Ivey e cols avaliaram isocineticamente a força dos ombros de 18 homens e 13 mulheres atletas com idade média de 27 anos. A relação força de RE/RI foi de aproximadamente 2:3 nas velocidades angulares de 600/s e 1800/s, valores estes próximos dos encontrados por Murray e Davies, que descreveram a força dos rotadores externos como sendo aproximadamente 63% da força de rotadores internos. Esses valores são um pouco diferentes dos encontrados por este trabalho. Isso se deve provavelmente pela posição do ombro estudada, que nos estudos citados acima foi próxima da posição neutra e que neste trabalho foi de 900 de abdução, em que a relação tende a ser menor devido à melhor performance dos rotadores externos.

A posição de 900 de abdução vem sendo bastante utilizada, em especial nos estudos realizados com atletas ditos "arremessadores", sendo eles os pitchers de beisebol 16,18,19, tenistas 4,12,20 e jogadores de pólo aquático 15.

Chandler e cols. 4, estudando isocineticamente os ombros de 24 tenistas colegiais, encontraram diminuição da relação força RE/RI à custa especialmente do fortalecimento excessivo de rotadores internos do membro dominante, fato este confirmado por Kennedy 12, quando no estudo isocinético de forças concêntrica e excêntrica de RE e RI de ombros de tenistas profissionais e Ellenbecker 7, quando no estudo isocinético de tenistas competidores juvenis.

McMaster e cols. 15, ao estudar jogadores de pólo aquático, encontraram desequilíbrio importante entre RE e RI, devido, mais uma vez, ao fortalecimento excessivo de rotadores internos, assim como de adutores em relação aos abdutores, dados também encontrados em trabalhos realizados com pitchers de beisebol 5,16,21. Em geral, os autores não encontraram diferenças significantes na relação força RE/RI entre os membros dominante e não-dominante, assim como em nosso trabalho. Porém, quando comparados valores de força absoluta (PT), essa diferença entre os membros passa a ser significante.

Em todos os trabalhos aqui revisados, inclusive nos dados normativos e assim como neste estudo, foi notado que a relação RE/RI diminui à medida que se aumenta a velocidade angular.

Com os resultados encontrados neste estudo, podemos concluir que o desequilíbrio muscular no ombro, assim como em atletas normais, está presente nos atletas sobre cadeira de rodas. O grupo de atletas mostrou-se isocineticamente mais forte na rotação externa e interna de ombro em todas as velocidades estudadas. Realmente é preciso que questionemos o papel desse desequilíbrio muscular na gênese das lesões do ombro, e, sendo assim, que estejamos alertas à sua ocorrência para que possamos prevenir possíveis lesões.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BLOOMQUIST L.E. - Injuries to athletes with physically disabilities- prevention implications. Physician Sports Med 14(9):97-105,1986.

2. BURNHAM R. S., MAY L., NELSON E., STEADWARD R., REID D. C. - Shoulder pain in wheelchair athletes: the role of muscular imbalance. Am I Sports Med 21:238-42,1993.

3. CAHALAN T. D., JOHNSON M. E., CHAO E. Y. S. - Shoulder strength analysing using the Cybex II isokinetic dynamometer. Clin Orth Rel Res 271:249-57,1991.

4. CHANDLER T. J., KIBLER W. B., STRACENER E. C., ZIEGLER A. N., PACE B. - Shoulder strength power, and endurance in college tennis players. Am J Sports Med 20:455-7,1992.

5. COOK E.E., GRAY V.L., SAVINAR-NOGUE E., et al. - Shoulder antagonistic strength ratios: a comparison between college-level baseball pitchers and non-pitchers. J Orthop Sports Phys Ther 8:451-61,1987.

6. DAVIES G. J. - A compendium of isokinetics in clinical usage. Lacrosse, Wl. S & S Publishers, 1984.

7. ELLENBECKER T. S. - Shoulder internal and external rotation strength and range of motion of highly skilled junior tennis player. Isokinetics Exerc Sci 2:65-72,1992.

8. FERRARAM. S., DAVIS R. W. - Injuries to elite wheelchair athletes. Paraplegia 28:335-41,1990.

9. FISCHER A. A. - Diagnosis and management of chronic pain in physical medicine and rehabilitation. In: Ruskin Ap, Current Therapy in Physiatry. Philadelphia. WB Saunders, 123-45,1984.

10. HOEBERICS J. H., VERSTAPPEN F. T. J. - Muscle soreness in wheelchair basketballers. Int J Sports Med 5(suppl):177-9,1984.

11. IVEY F. M., CALHOUN J. H., RUSCHE K., BIERSHENK J. - Isokinetic testing of shoulder strength: normal valutes. Arch Phys Med Rehabil 66:384-6,1985.

12. KENNEDY K., ALTCHEK D. W., GLICK 1. V. - Concentric and eccentric isokinetic rotator cuff Iatios in skilled tennis players. Isokinetics Exerc, Sci 3:155-9, 1993.

13. MARTINEZ S. F. - Medica concerns among wheelchair road racers. Physician Sports Med 17(2):63-8,1989.

14. MCCORMACK D. A. R., REID D. C., STEADWARD R. D., et al. - Injuries profiles in wheelchair athletes: results of a retrospective survey. Clin J Sports Med 1:35-40,1991.

15. MCMASTER W. C., LONG S. C., CAIOZZO V. J. - lsokinetic torque imbalance in the rotator cuff of the elite water polo player. Am J Sports Med 19:72-5,1991.

16. MIKESKY A. E., EDWARDS J. E., WIGGLESWORTH J. K., KUNKEL S. - Eccentric and concentric strength of the shoulder and arm muscuiature in collegiate baseball pitchers. Am J Sporis Med 23:63 8-42, 1995.

17. MPHIL R. C. S., SIU O. T., CHIN M., CHAN K. - Bilateral isokinetic variables of the shoulder: a prediction model for young men. Br J Sp Med 29:105-9,1995.

18. MURRAY M. P., GORE D. R., GARDNER G. M., et al. - Shoulder motion and muscle strength of normal men and women in two age groups. Clin Orthop 192:268-73,1985.

19. POWERS C. M., NEWSAN C. J., GRONLEY J. K., FONTAINE C. A., PERRY J. - Isometric shoulder torque in subjects; with spinal cord injury. Arch Phys Med Rehabil 75:761-5,1994.

20. SHINZATO G. T., BATISTELLA L. R. - Exercício isocinético - sua utilização para avaliação e reabilitação músculo-esquelética. Âmbito Med Desportiva 1:11-8,1996.

21. WILK K. E., ANDREWS J. R., ARRIGO C. A., et al. - The strength characteristics of internal and external rotator muscles in professional baseball pitchers. Am J Sports Med 21:61-6,1993.

Apoio

Logo Medicina USP Logo Instituto Oscar Freire Logo HC FMUSP

Patrocinadores

Logo Fundação Medicina USP Logo Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação Logo Inovation for pacient care Logo Allergan

Revista Credenciada

Revista Associada

Logo Sistema Integrado de Biblioteca s Universidade de São Paulo Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2019 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1