ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Abril 1997 - Volume 4  - Número 1

EDITORIAL

1 - Estamos na Internet

Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr. 1997;4(1):5



2 - A Fisiatria na UFRJ

Isabel Loureiro Maior

Acta Fisiátr. 1997;4(1):6



ARTIGO ORIGINAL

3 - Avaliação crítica do acompanhamento dos pacientes com bexiga neurogênica e propostas de tratamento

Cristiane Hernandes da Silva; Eugênio Dumont de Paiva Borges

Acta Fisiátr. 1997;4(1):7-13

O presente estudo tem por objetivo avaliar como é realizado o acompanhamento dos pacientes com bexiga neurogênica secundária à lesão medular. Foram analisados 37 pacientes, 26 (70,3%) do sexo masculino e 11 (29,7%) do sexo feminino que estiveram internados no Hospital Ampiara no período de maio/1994 a maio/1995. Apesar das infecções urinárias baixas terem sido freqüentes, não observamos uma grande incidência de outras complicações relacionadas com o trato urinário nesses pacientes. O manejo vesical foi investigado em todos os casos, notamos a importância das manobras de esvaziamento (Tapping, Crede ou Valsalva) e do cateterismo intermitente como forma de prevenir o aparecimento de complicações do trato urinário alto. Diante da pouca sintomatologia desses pacientes, desenvolvemos um protocolo para melhor seguimento e tratamento do lesado medular com bexiga neurogênica.

Palavras-chave: Lesado medular. Bexiga neurogênica. Infecção do trato urinário.

4 - Estudo do reflexo H do músculo semitendinoso em pessoas normais

Elizabete Tsubomi Saito; José Brenha Ribeiro Sobrinho

Acta Fisiátr. 1997;4(1):14-16

Desde o início da década de 50, com o advento da eletroneuromiografia clínica, passou-se a utilizar rotineiramente o reflexo miotático para avaliação dos segmentos proximais dos nervos e raízes nervosas. O objetivo deste trabalho é pesquisar se os músculos isquiotibiais apresentam reflexo H de modo constante e de fácil obtenção e saber qual seu significado e valor propedêutico. Foram escolhidos seis pacientes com exame clínico neurológico normal, para testarmos o reflexo H captado no músculo semitendinoso com estimulação do nervo ciático próximo ao ponto motor proximal do mesmo. Todos os pacientes apresentaram o reflexo H com constância no valor da latência, indicando que talvez este teste possa ser usado como indicativo de lesão de raiz L5 no futuro.

Palavras-chave: Eletroneuromiografia. Reflexo H. Músculo semitendinoso.

ARTIGO DE REVISÃO

5 - Uso da toxina botulínica tipo A no manejo dos membros inferiores espásticos em crianças com paralisia cerebral. Relato de 4 casos

Neuza Sayuri Habu; Tae Mo Chung; Linamara Rizzo Battistella; Carlos Alberto Santos; Jeane Cintra Peixoto de Vasconcelos; Carla Paschoal Corsi Ribeiro; Cristiane Araújo Lima; Fátima Aparecida de Lima; Nilza Cecília M. Madureira

Acta Fisiátr. 1997;4(1):17-25

Para o uso da toxina botulínica tipo A, foram selecionadas quatro crianças com paralisia cerebral, com idades entre 4 a 7 anos, apresentando diparesia espástica de membros inferiores dinâmicos, com deformidades redutíveis e sem comprometimento ortopédico. De acordo com o protocolo, após a injeção, todas foram submetidas a fisioterapia diária, que consistiu no alongamento dos músculos injetados, fortalecimento dos antagonistas, treino de marcha e uso de órtese noturno. Uma das crianças foi submetida ao gesso seriado.
Durante três meses, houve avaliação mensal, verificando-se a amplitude articular, tônus muscular, comprimento da passada e da largura durante a deambulação e o ortostatismo.
RESULTADO: ganho significativo na amplitude articular em todos os pacientes, redução de tônus e uma melhora no padrão de marcha e ortostatismo.

Palavras-chave: Espasticidade. Toxina Botulínica tipo A. Paralisia Cerebral.

6 - Dor central em pacientes com traumatismo raquimedular: proposta de um protocolo terapêutico

Paulo Alberto Nucera; Ana Luisa M. Baptista; Luis Eduardo M. Quintas; Simone Lino Mello

Acta Fisiátr. 1997;4(1):26-30

Foram analisados aleatoriamente e escolhidos 28 prontuários da Unidade de Traumatismo Raquimedular (TRM) da Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação de maneira retrospectiva, a fim de comparar com a literatura as condutas terapêuticas físicas e farmacológicas utilizadas no tratamento da dor central causada por TRM no ano de 1995-1996 com o objetivo de expor dados epidemiológicos gerais e propor um protocolo simplificado de tratamento. Após aplicação de um questionário na forma de entrevista voluntária, os grupos que receberam tratamento físico e farmacológico foram analisados estatisticamente, assim como a resposta clínica de cada método terapêutico. A dor central foi encontrada em 34% dos pacientes. A etiologia principal foi projétil de arma de fogo (53,5%), o nível de lesão mais acometido foi o torácico-baixo (43%) e o tipo de dor mais relatado foi queimor (43%). Aespasticidade foi evidenciada em 64% dos casos, sendo que 71,5% foram submetidos a cirurgias. Em relação aos tratamentos realizados a amitriptilina, clomipramina, carbamazepina, TENS, cinesioterapia tiveram índices de melhora de 60%, 87,5%, 50%, 80% e 83%, respectivamente. Quanto ao tratamento farmacológico e físico não houve diferença significativa entre os grupos (p > 0,05). Por outro lado, quando a análise foi realizada intragrupo, evidenciamos que apenas a clomipramina apresentou uma resposta clínica estatisticamente comprovada (p < 0,002), provavelmente devido a nossa amostragem limitada (n=28). Assim, propomos os seguintes protocolos terapêuticos: (1) clomipramina + TENS + cinesioterapia; (2) amitriptilina + TENS + cinesioterapia; (3) carbamazepina + TENS + cinesioterapia.

Palavras-chave: Dor central. Traumatismo raquimedular. Etiologia. Tratamento.

ARTIGO DE ATUALIZAÇÃO

7 - Ergoespirometria computadorizada ou calorimetria indireta: um método não invasivo de crescente valorização na avaliação cardiorrespiratória ao exercício

Paulo Roberto Santos Silva; Angela Romano; Paulo Yazbek Jr.; José Roberto Cordeiro; Linamara Rizzo Battistelia

Acta Fisiátr. 1997;4(1):31-43



Palavras-chave: Ergoespirometria. Análise de Troca Gasosa. Exercício Físico

PONTO DE VISTA

8 - A hipoterapia na medicina de reabilitação

Luiz Antônio de Arruda Botelho

Acta Fisiátr. 1997;4(1):44-46



CARTAS

11 - Cartas ao Editor

R. E. de Araújo Leitão

Acta Fisiátr. 1997;4(1):49



COMUNICADO OFICIAL

12 - Comunicado Oficial

Antonio Celso Nunes Nassif

Acta Fisiátr. 1997;4(1):50



Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1