ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Agosto 1998 - Volume 5  - Número 2

ARTIGO ORIGINAL

1 - Análise crítica de parâmetros de qualidade de vida de pacientes com fibromialgia

José Eduardo Martinez; Iulo S. Barauna Filho; Karen Kubokawa; Isabela S. Pedreira; Luciana A. Machado; Guilhermo Cevasco

Acta Fisiátr. 1998;5(2):116-120

OBJETIVO - Determinar quais sintomas ou distúrbios funcionais correlacionam-se com o impacto da fibromialgia (FM) na qualidade de vida de pacientes do sexo feminino.
CASUÍSTICA - 26 mulheres que preencheram os critérios de classificação de fibromialgia do Colégio Americano de Reumatologia.
MATERIAL E MÉTODOS - Estudo transversal para análise dos seguintes parâmetros: intensidade da dor (escala analógica numérica de dor - 0 a 10 - END); intensidade de fadiga (escala analógica numérica de fadiga - 0 a 10 - ENF); no de pontos dolorosos/gatilho; capacidade funcional (Health Assessment Questionnaire - 0 a 3 - HAQ); qualidade do sono (Postsleep Inventory - 0 a 120 - PSI); intensidade de sintomas depressivos (Beck Depression Inventory - 0 a 60 - BDI); e qualidade de vida global (Fibromyalgia Impact Questionnaire - 0 a 100 - FIQ). Os parâmetros foram analisados através do Coeficiente de Correlação de Spearman.
RESULTADOS - Houve correlação estatisticamente significante entre a qualidade de vida global (FIQ) e intensidade da dor (END), intensidade da fadiga (ENF) e capacidade funcional (HAQ). Houve correlação fraca com a qualidade do sono (PSI). Não se observou correlação entre o FIQ e a depressão (BDI). Por sua vez, a capacidade funcional (HAQ) correlaciona-se fortemente com a intensidade da dor e da fadiga. Não houve correlação entre o HAQ e o BDI.
CONCLUSÃO - O impacto na qualidade de vida da fibromialgia correlaciona-se fortemente com a intensidade da dor, fadiga e decréscimo da capacidade funcional.

Palavras-chave: Fibromialgia. Qualidade de vida. Dor crônica.

2 - Perfil de limiares ventilatórios durante o exercício e o consumo de oxigênio de pico verificado em jogadoras de futebol

Paulo Roberto Santos Silva; Adilson Andrade; Wilson Oliveira Riça; Ana Maria Visconti; Fernando Miele da Ponte; Emídio Valenti Tavares; Albertina Fontana Rosa; Solange Basílio da Costa; José Roberto Cordeiro

Acta Fisiátr. 1998;5(2):121-127

Foram avaliadas trinta e sete jogadoras de futebol, com média de idade de 21,5 ± 5,9 anos, peso de 57,0 ± 8,3 kg, estatura de 161 ± 7 cm e índice de massa corpórea de 21,8 ± 2,1 kg/m2. Todas as atletas foram submetidas à avaliação espirométrica e metabólica, por meio de um sistema computadorizado de análise de gases expirados da marca SensorMedics, modelo Vmax 29C. A resposta cardiovascular foi verificada por meio de um eletrocardiógrafo computadorizado da marca HeartWare, modelo 6.4. A capacidade física máxima foi avaliada através de teste realizado em esteira rolante da marca Inbramed, modelo ATL-10.100, utilizando-se protocolo escalonado contínuo. Os seguintes parâmetros fisiológicos e os resultados encontrados foram: no Limiar Ventilatório Um (LV1): VO2 = 30,5 ± 3,7 mlO2.kg-1.min-1; % VO2 = 64 ± 7%; velocidade de corrida = 8,1 ± 0,3 km.h-1; FC = 154 ± 9 bpm. No Limiar Ventilatório Dois (LV2): VO2 = 40,9 ± 4,5 mlO2.kg-1.min-1; % VO2 = 85,7 ± 4,9 %; velocidade de corrida = 11,4 ± 1,1 km.h-1; FC = 179 ± 7 bpm. O VO2 de pico foi de 47,4 ± 4,1 mlO2.kg-1.min-1. Concluindo, a verificação de limiares ventilatórios e a potência aeróbia em jogadoras de futebol são parâmetros fisiológicos de grande importância, pois permitem ampliar suas aplicações práticas, qualificando, controlando e desenvolvendo de modo mais adequado e objetivo o treinamento físico dessas atletas.

Palavras-chave: Limiares ventilatórios. Consumo de oxigênio de pico. Futebolistas. Femininas. Medicina esportiva.

Apoio

Logo Medicina USP Logo Instituto Oscar Freire Logo HC FMUSP

Patrocinadores

Logo Fundação Medicina USP Logo Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação Logo Inovation for pacient care Logo Allergan

Revista Credenciada

Revista Associada

Logo Sistema Integrado de Biblioteca s Universidade de São Paulo Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2019 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1