ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Abril 2000 - Volume 7  - Número 1

ARTIGO ORIGINAL

1 - Encontro marcado: o adolescente deficiente físico e as relações humanas

Maria Cristina Vitti Vieira; Vera Lúcia Rodrigues Alves

Acta Fisiátr. 2000;7(1):9-12

Trata-se de uma exposição acerca da intervenção psicoterápica realizada com um grupo de dez adolescentes portadores de deficiência física de uma instituição de reabilitação. Foram enfocadas questões referentes à sexualidade e à deficiência. Nesse processo, foi demonstrado que, por trás das dúvidas, das dificuldades e dos conflitos, existia uma inquietação permanente por parte dos adolescentes e dos pais. Com respeito ao medo de não serem "encontrados" e amados pelo outro, percebeu-se que, subjacente a esse receio, havia também preconceitos, valores morais e padrões de beleza física advindos dos filhos e dos pais que poderiam dificultar as relações mais próximas. No decorrer dos atendimentos, foi se desenhando uma silhueta baseada no respeito e na ética que permitiu algumas reflexões sobre as relações humanas e o desenvolvimento pessoal de cada membro do grupo.

2 - Tratamento conservador da síndrome do impacto subacromial: estudo em 21 pacientes

Marcos Giordano; Vincenzo Giordano; Lúcia Helena B. Giordano; José Noberto Giordano

Acta Fisiátr. 2000;7(1):13-19

A síndrome do impacto subacromial é um distúrbio cada vez mais observado na prática clínica. Dentre as modalidades de tratamento, o fisioterápico é dos mais recomendados. Dessa forma, objetivou-se avaliar a eficácia do tratamento conservador fisioterápico da síndrome do impacto subacromial utilizando-se protocolo adotado na Clínica de Ortopedia e Fisiatria Dr. Giordano Ltda. Foram estudados, prospectivamente, 21 pacientes (28 ombros com diagnóstico de síndrome do impacto subacromial), 16 mulheres (76,2%) e 5 homens (23,8%) com idade média de 58,9 anos (variando de 42 a 79 anos). O lado esquerdo esteve envolvido isoladamente em 9 pacientes (42,9%) e o direito em 5 (23,8%). Em 7 pacientes (33,3%), o acometimento foi bilateral. O tratamento foi indicado imediatamente após o diagnóstico ser firmado e consistiu inicialmente (fase aguda) de diatermia com ondas curtas (20 minutos), irradiação com laser de baixa energia (gálio-arsênico) (5 minutos), estimulação elétrica transcutânea (20 minutos) e cinesioterapia (exercícios de Codman), com sessões realizadas três vezes por semana. Passada a fase aguda, foram acrescentados exercícios visando ao ganho de amplitude de movimentos e ao fortalecimento muscular.
Os resultados foram avaliados segundo os critérios adotados pela Sociedade Americana de Cirurgiões do Ombro e do Cotovelo e dos 28 ombros envolvidos. Em 7 (25%), os resultados foram considerados excelentes; em 17 (60,7%), bons; em 3 (10,7%), regulares; e em 1 (3,6%), ruim.
Concluiu-se que o protocolo utilizado é eficiente e pode ser adotado para o tratamento da síndrome do impacto subacromial.

Palavras-chave: Síndrome do impacto subacromial. Tratamento fisioterápico.

3 - Em busca de evidência para a prática médica diária

Andréa D. Furlan

Acta Fisiátr. 2000;7(1):20-28

O médico não tem tempo para estudar e manter-se atualizado na medida que seria necessário. No entanto, a medicina tem evoluído com uma velocidade espantosa e práticas atuais são substituídas por novas muito mais rapidamente nos últimos anos. O que fazer diante de problemas clínicos e questionamentos sobre eficácias de tratamentos? O médico tem várias opções, e uma delas é procurar as respostas em revisões da literatura. Entretanto, nem todas as revisões da literatura são bem feitas ou têm resultados confiáveis. A maioria representa a opinião pessoal dos autores e não há uma metodologia para a sua realização. Ultimamente, têm sido publicadas revisões sistemáticas da literatura, em que os autores delimitam uma questão específica para, então, buscar todos os estudos que respondam a essa pergunta. Uma revisão sistemática da literatura deve conter: objetivos, métodos, análise de qualidade de cada estudo incluído, resultados, conclusões e discussão. O médico precisa ter acesso a esses tipos de revisão e aprender a avaliar a sua qualidade. Um dos critérios recomendados é o que foi desenvolvido por Oxman e Guyatt. A Cochrane Collaboration tem desenvolvido métodos e técnicas para a realização de revisões com o mínimo de erros e opiniões pessoais, sendo, portanto, uma das maiores fontes de revisões da literatura de boa qualidade atualmente.

Palavras-chave: Revisões sistemáticas. Cochrane Collaboration. Medicina baseada em evidências.

4 - Estudo ergométrico evolutivo de portadoras de fibromialgia primária em programa de treinamento cardiovascular supervisionado

Lívia Maria dos Santos Sabbag; Maristela Palácios Dourado; Paulo Yasbek Júnior; Neil F. Novo; Helena Hideko Seguchi Kaziyama; Margarida Harumi Miyazaki; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr. 2000;7(1):29-34

Fibromialgia é uma síndrome dolorosa crônica caracterizada por dor musculoesquelética generalizada1,2,3,4,5. Na última década, o exercício físico tornou-se promissor como opção terapêutica da síndrome6,7,8,9,10,11,12,13,14.
OBJETIVO: avaliação ergométrica prospectiva de portadoras de fibromialgia primária (FP) em programa de treinamento cardiovascular supervisionado (TCS).
Treze mulheres, média de idade de 48,9 anos, portadoras de FP, submeteram-se a teste ergométrico (TE) em esteira rolante, protocolo de Ellestad, no tempo zero, 3º e 6º meses de TCS. Os critérios de interrupção do TE foram cansaço e dor. Para o TCS, foi estabelecida uma faixa de 60% a 70% da freqüência cardíaca (FC) máxima, calculada pelo método de Karvonen. A assiduidade foi superior a 80% de 72 sessões, 3 vezes por semana, com duração de 60 minutos. Realizada a avaliação subjetiva da dor muscular e analisadas as variáveis do TE. Análise estatística: variância dos postos de Friedman e teste de comparações múltiplas15.
RESULTADOS: no 3º mês, houve aumento significativo da resposta cronotrópica. No 3º e 6º meses, foram significativos: aumento do tempo de exercício, capacidade funcional, trabalho total e diminuição da FC carga máxima comum. Não houve diferença significante da ΔPAS, duplo produto (DP), DP carga máxima comum e %FC máxima. Comparadas com o final do TE do tempo zero, a maior porcentagem de pacientes atingiu cargas mais elevadas e a mesma intensidade de dor no 3º e 6º meses de TCS.
CONCLUSÃO: a partir do 3º mês de TCS, as portadoras de FP apresentaram maior tolerância à dor muscular e ao esforço, melhora da capacidade funcional cardiovascular e muscular periférica.

Palavras-chave: Fibromialgia. Teste ergométrico. Exercício físico.

ARTIGO DE REVISÃO E AVALIAÇÃO

5 - Neuropatia diabética: fisiopatologia, clínica e eletroneuromiografia

Rafael José Soares Dias; Armando Pereira Carneiro

Acta Fisiátr. 2000;7(1):35-44

A neuropatia afeta a maioria dos diabéticos de longa evolução. Sua melhor compreensão é de fundamental importância na formação de um correto raciocínio clínico. As principais vias fisiopatológicas conhecidas, a apresentação clínica e os achados eletrofisiológicos são revisados por meio de pesquisa na MedLine e alguns dados pessoais são apresentados. O conhecimento da fisiopatologia, da clínica e da eletrofisiologia são essenciais para uma abordagem crítica e racional dessa heterogênea e complexa patologia.

Palavras-chave: Neuropatia diabética. Fisiopatologia. Eletrofisiologia.

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1