ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Agosto 2000 - Volume 7  - Número 2

ARTIGO ORIGINAL

1 - Técnicas de relaxamento no contexto da psicoterapia de pacientes com queixas de dor crônica e fibromialgia - uma proposta

The Relaxation Technics in Psycotherapy for Patients with Cronic Pain: A Proposal of Treatment

Luiz Paulo Marques de Souza; Maria Cristina Rizzi Forgione; Vera Lúcia Rodrigues Alves

Acta Fisiátr. 2000;7(2):56-60

O presente artigo consiste em uma revisão bibliográfica a respeito do fenômeno da dor realizada no Serviço de Psicologia da Divisão de Medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. Os autores iniciam definindo o conceito de dor e suas diferenciações, abordando os aspectos psicológicos e sociais que desencadeiam ou acompanham os fenômenos álgicos. É também comentada a possível correlação entre o desenvolvimento das síndromes álgicas crônicas - como a fibromialgia - e as disfunções psicossomáticas. O artigo, da mesma forma, propõe que as técnicas de recondicionamento psicofísico, também chamadas de relaxamento, venham a ser empregadas no contexto psicoterápico de pacientes com queixas de dores crônicas. Por meio delas, procura-se o restabelecimento do tônus muscular dos indivíduos e promover uma melhora na qualidade de vida, uma vez que oferecem, por conseqüência, bem-estar físico e mental.

Palavras-chave: Dor crônica. Fibromialgia. Relaxamento. Psicoterapia.

2 - Avaliação cinética e cinemática da marcha de adultos do sexo masculino

Kinetic and kinematic evaluation of male adults gait

Tae Mo Chung

Acta Fisiátr. 2000;7(2):61-67

A avaliação cinética e cinemática da marcha de 44 voluntários adultos do sexo masculino, com idades entre 18 e 40 anos, sem lesões no sistema musculoesquelético, foi realizada pelo sistema computadorizado tridimensional Motion Analysis. Foram selecionados os dados relativos a seis percursos de cada indivíduo, em que se podia observar cada pé efetuar isoladamente o apoio completo na plataforma de força com sincronia de movimento. O padrão de marcha desse grupo foi caraterizado por uma velocidade média de 116,46 cm/s ± 9,43 cm/s no membro inferior direito e 116,61 cm/s ± 9,81 cm/s no membro inferior esquerdo, diferenças que não foram estatisticamente significantes. Observou-se uma correlação direta existente entre o comprimento do passo e da passada com o comprimento dos membros inferiores, assim como entre a velocidade da caminhada e o comprimento da passada. Não houve diferença significante entre os dados cinéticos e cinemáticos obtidos e aqueles relatados na literatura, exceto quanto ao parâmetro velocidade de caminhada, que foi menor.

Palavras-chave: Analise de marcha. Cinética. Cinemática. Padrões normais.

3 - Níveis de lactato sanguíneo, em futebolistas profissionais, verificados após o primeiro e o segundo tempos em partidas de futebol

Lactate blood levels in professional socer players after end of the first and second half in soccer matches

Paulo Roberto Santos Silva; Luís Antonio Inarra; José Roberto Rivelino Vidal; Alexandre Augusto Ribeiro Barros Oberg; Alcides Fonseca Jr.; Carla Dal Maso Nunes Roxo; Gilberto Silva Machado; Alberto Azevedo Alves Teixeira

Acta Fisiátr. 2000;7(2):68-74

O objetivo desse estudo foi verificar o envolvimento do metabolismo anaeróbio lático por meio de medidas de lactato sanguíneo em futebolistas profissionais imediatamente após o término do primeiro e do segundo tempos, em partidas de futebol. Foram avaliados 26 jogadores, todos do sexo masculino e pertencentes ao Departamento de Futebol Profissional da Associação Portuguesa de Desportos de São Paulo. O grupo foi composto por 4 laterais, 13 meio-campistas e 9 atacantes. A idade variou de 18 a 33 anos, o peso de 56,5 kg a 78,5 kg e a estatura de 164 cm a 185 cm. A escolha dos futebolistas durante os procedimentos foi aleatória. Foi utilizado um analisador de lactato portátil (modelo Accusport®, Boehringer Mannheim®, GER). Os seguintes resultados foram verificados: a média de lactato em todos os jogadores verificados ao final do primeiro e do segundo tempos das partidas analisadas foi de 7,1 mM ± 0,6 mM e 5,7 mM ± 1,3 mM (p < 0,05). Quando divididos por posição, os laterais apresentaram respectivamente: 6,9 mM ± 2,9 mM e 4,7 mM ± 3,0 mM; os meiocampistas: 6,4 mM ± 1,8 mM e 5,6 mM ± 1,2 mM e os atacantes: 7,7 mM ± 1,8 mM e 7,2 ± 2,1 mM. Quando comparamos a produção de lactato pelas posições, somente houve diferença estatística significante (p < 0,05) no segundo tempo entre os atacantes 7,2 mM ± 2,1 mM e os meio-campistas 5,6 mM ± 1,2 mM, respectivamente.
CONCLUSÃO: Fatores subjetivos como grau de movimentação, recuperação rápida e disposição constante na partida, relacionados a fatores primários como atividade glicolítica reduzida e a diminuição da concentração de glicogênio muscular, motivados por pouco treinamento anaeróbio lático específico e/ou uma dieta deficiente, são evidências que podem explicar, em parte, porque o lactato sanguíneo no segundo tempo tem sido freqüentemente mais baixo quando comparado ao término do primeiro tempo em uma partida de futebol.

Palavras-chave: Jogadores de futebol. Lactato sanguíneo. Partidas de futebol. Primeiro e segundo tempos. Medicina esportiva.

RELATO DE CASO

4 - Bloqueio do nervo obturador como proposta terapêutica analgésica para osteoartrose de coxofemoral - técnica simplificada

Obturator nerve blockage as an analgesic proposal for hip osteoarthritis - a simplified technique

Milene Ferreira e Silva; Danilo Masiero; Therezinha Rosane Chamlian; Silvia Wasserstein

Acta Fisiátr. 2000;7(2):75-77

Apresentar uma nova abordagem terapêutica na dor por osteoartrose de quadril por meio de uma técnica simplificada de bloqueio do nervo obturador; com a vantagem de ser mais fácil, rápida e com menor risco que a técnica descrita em literatura. Será enfatizada também a necessidade de um tratamento global, nos casos de dor crônica. Sendo aqui relatado o caso clínico da primeira paciente a ser submetida a esse procedimento a qual apresentou grande melhora do quadro álgico (com base na escala visual analógica) e funcional (segundo relatos da paciente).

Palavras-chave: Osteoartrose. Quadril. Bloqueio nervoso. Dor. Nervo obturador.

ESTUDO PRELIMINAR

5 - Avaliação da dor no ombro em paciente com acidente vascular cerebral

Shoulder pain evaluation in stroke patients

Cláudia de Oliveira e Silva; Marcelo Riberto; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr. 2000;7(2):78-83

O objetivo desse estudo preliminar é avaliar as causas de dor no ombro de pacientes hemiplégicos, bem como verificar a ocorrência e a evolução do tratamento da síndrome dolorosa miofascial (SDMF). Para isso, seis pacientes hemiplégicos (cinco espásticos grau II, segundo Ashworth e um flácido) com idade: 55, 85 +/- 1, 50 anos, tempo de AVC de 6, 85 +/- 2, 54 meses, e queixas de dor no ombro paralisado há 13, 33 +/- 1, 69 semanas, foram submetidos a um protocolo de avaliação qualitativa (questionário de MacGuill simplificado e quantitativa por meio da escala visual analógica - EVA e dolorimetria de pressão), além da avaliação goniométrica ativa e passiva do ombro. Todos os pacientes apresentaram à palpação muscular, SDMF associada e foram infiltrados com lidocaína a 1% em pontos-gatilho (PGs) intramusculares. As queixas predominantes foram dor em queimor em quatro, peso em três e incaracterística em dois. Nenhum paciente referiu queixas de formigamento, choque, adormecimento e agulhadas. Quatro pacientes foram infiltrados em PGs na musculatura posterior do ombro, um em bíceps e outro em peitoral maior. Não houve melhora significativa na evolução dolorimétrica de pressão e na goniometria após a infiltração desses PGs (p > 0,05). Nesse estudo, diagnosticamos por meios clínicos e/ou radiológicos (RX e USG): um paciente com capsulite adesiva, um com tendinite bicipital e outro com tendinite no supra-espinhal. Não se diagnosticou subluxação na articulação glenoumeral, nem sinais clínicos de lesão nervosa periférica.

Palavras-chave: Dor. Ombro. Hemiplegia. Cintura escapular. Acidente vascular cerebral.

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1