ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Dezembro 2004 - Volume 11  - Número 3

EDITORIAL

1 - Editorial

Marcelo Riberto

Acta Fisiátr. 2004;11(3):0



ARTIGO ORIGINAL

2 - Comparação de picos de pressão em assento flexível em portadores de lesão medular e indivíduos normais: uma avaliação por interface de pressão

Comparison of peak pressure in flexible cushions in spinal cord injured and normal subjects: an interface pressure evaluation

Ana Raquel da Silva Kochhann; Nívea Canali, Marcos Antônio Pineda Serafim

Acta Fisiátr. 2004;11(3):95-100

As úlceras por pressão (UP) são complicações freqüentes em pacientes com lesão medular (LM). Estratégias de prevenção objetivam reduzir a magnitude ou duração da pressão, fricção e cisalhamento entre a pele e superfície de suporte. Para medir a eficácia destas superfícies utilizam-se medidas de interface de pressão. O objetivo deste estudo é determinar os índices de interface de pressão em assento flexível em pacientes lesados medulares. Um estudo transversal com 103 indivíduos com LM e 101 pessoas sadias foi realizado com o mapeamento dos picos de pressão por meio de um sistema de interface sensível em cadeira de rodas padrão, com almofada flexível. Dados antropométricos foram obtidos pelo exame físico para o cálculo do índice de massa corpórea (IMC). Os resultados confirmam os elevados índices de interface de pressão na amostra de pacientes com LM. Com o aumento do IMC em indivíduos não lesados medulares há uma diminuição dos picos de pressão, ou seja, melhor distribuição da força. Na amostra de pacientes com LM, observou-se que apesar do aumento do IMC, a maioria dos indivíduos mantém elevados índices de pressão na posição sentada. Não é possível contestar os estudos que relacionam picos de pressão, lesão medular e peso, pois na amostra estudada, indivíduos obesos ou com sobrepeso apresentam pequena representação.

Palavras-chave: Lesão medular/complicações; úlcera por pressão/prevenção e controle.

3 - Confiabilidade do teste palpatório e da unidade de biofeedback pressórico na ativação do músculo transverso abdominal em indivíduos normais

Reliability analysis of palpation test and biofeedback pressoric unit on the activation of transversus abdominis muscle in normal individuals

Leonardo Oliveira Pena Costa; Lucíola da Cunha Menezes Costa; Ricardo Lopes Cançado; Warley de Melo Oliveira; Paulo Henrique Ferreira

Acta Fisiátr. 2004;11(3):101-105

O objetivo deste artigo foi investigar a confiabilidade intra-examinador do teste palpatório e da Unidade de Biofeedback Pressórico (UBP), StabilizerÒ, na ativação do músculo Transverso Abdominal (TrA) em indivíduos assintomáticos. Foi realizado um estudo no desenho teste-reteste com um intervalo de sete dias entre as coletas em vinte e nove voluntários utilizando os dois testes. Os resultados indicaram uma confiabilidade substancial do teste palpatório (ICC= 0,70) e moderada do teste UBP (ICC= 0,50), houve uma correlação positiva e significativa entre os dois testes (0,990 p<0,01). Conclui-se que o teste palpatório e a UBP são ferramentas confiáveis para avaliar a ativação do TrA e que esta metodologia de análise pode ser empregada em tratamentos e estudos clínicos.

Palavras-chave: Biofeedback pressórico, transverso abdominal, confiabilidade

4 - Estudo sobre a qualidade de vida de pacientes hemiplégicos por acidente vascular cerebral e de seus cuidadores

A study about quality of life in hemiplegic stroke patients and their caregivers

Tomas Yoshio Makiyama; Linamara Rizzo Battisttella; Júlio Litvoc; Lourdes C. Martins

Acta Fisiátr. 2004;11(3):106-109

A hemiplegia é a paralisia de um hemicorpo, em geral resultante de acidente vascular cerebral (AVC). Apesar do crescente interesse no estudo da qualidade de vida nas diversas condições de saúde, pouca atenção tem sido direcionada a sua avaliação sistemática nestes pacientes. O Objetivo deste estudo foi verificar o impacto do acidente vascular cerebral sobre a qualidade de vida de pacientes e seus cuidadores. A aplicação do questionário SF-36 permitiu completar um estudo transversal incluindo 66 indivíduos com hemiplegia, 43 cuidadores e 91 controles emparelhados pela idade, tipo de moradia e pela região habitada. Entre os cuidadores verificou-se idade menor em relação à dos pacientes e maior freqüência de indivíduos do sexo feminino. Os diversos domínios de qualidade de vida avaliados pelo SF-36 não apresentaram diferenças estatisticamente significantes entre os grupos de pacientes e cuidadores. Porém, o grupo controle apresentou resultados estatisticamente significantes e melhores, quando comparados aos grupos de pacientes e cuidadores, exceto em relação ao domínio Dor. Este estudo permitiu evidenciar o decréscimo da qualidade de vida de pessoas com seqüelas de AVC e seus cuidadores, quando comparados com outras pessoas de idade semelhante que moram nas mesmas condições.

Palavras-chave: hemiplegia, epidemiologia, acidente cerebrovascular, reabilitação, qualidade de vida, cuidadores.

5 - Comparação de dois tipos de mouse por meio de eletroneuromiografia de superfície

Comparison of two types of computer mice by surface electromyography

Marcelo Riberto; Maria Inês Paes Lourenção; José Augusto Lopes

Acta Fisiátr. 2004;11(3):111-116

O mouse é um periférico muito usado em informática, todavia seu uso por tempo prolongado pode levar a sobrecarga da musculatura do antebraço resultados em quadros dolorosos. Este estudo teve como objetivo verificar se um novo mouse, com desenho que respeita leis biomecânicas da mão e punho, estaria associado a menor sobrecarga muscular que um modelo convencional. Vinte usuários habituais de computador sadios participaram de um estudo do tipo cross-over, no qual a atividade muscular dos músculos trapézio, extensor do carpo e flexor do polegar foi captada por meio de eletroneuromiografia de superfície durante a realização de atividades simples como jogar paciência por 10 minutos e deslocar-se numa planilha.Também foram aplicados questionários sobre aparecimento de sintomas em membros superiores após o uso de cada mouse. Por meio da integração do sinal elétrico nos períodos de tempo da captação, o esforço muscular pode ser quantificado para processamento estatístico. Apenas em extensores do carpo foi observada redução estatisticamente significante da solicitação muscular, mesmo assim, apenas ao jogar Paciência. O posicionamento do punho proporcionado pelo mouse em teste facilitou a manutenção dessa articulação em posição de preparo para o acionamento dos botões do mouse reduzindo a atividade muscular. Seu uso rotineiro pode ser uma estratégia para a prevenção de dores em membros superiores de usuários de computadores e para o controle sintomático naqueles que já apresentam alguma lesão local.

Palavras-chave: biomecânica, ergonomia, periféricos de computador, eletromiografia, esforço físico.

6 - Análise do ritmo lombar e pélvico durante a flexoextensão da coluna vertebral em duas condições de simulação de levantamento de carga em policiais militares saudáveis

Analysis of the lumbar and pelvic rhythm during trunk flexion-extension in two load lifting conditions simulated in healthy policemen

Claudia de Oliveira e Silva; Linamara Rizzo Battistella; Christiane Akie Kavamoto; José Augusto Fernandes Lopes; Jeane Cintra Peixoto de Vasconcelos

Acta Fisiátr. 2004;11(3):117-124

O objetivo deste estudo foi correlacionar a atividade muscular e cinemática do movimento lombar e pélvico durante a flexo-extensão da coluna lombar em duas condições diferentes: com joelhos estendidos e flexionados (durante o agachamento).
CASUÍSTICA E MÉTODOS: trinta e seis policiais militares jovens do sexo masculino do Regimento de Cavalaria da Policia Militar de São Paulo foram recrutados, porém apenas dezenove voluntários (22,9 ± 2,3 anos) preenchiam os critérios de inclusão de ausência de história de dor lombar e ou deformidades na coluna vertebral. Foram realizadas análises tridimensionais com marcadores retro-refletivos nas apófises espinhosas de L1, L3 e S1, espinhas ilíacas ântero-superiores, trocânteres maiores, fulcros laterais dos joelhos e maléolos laterais, de ambos os movimentos acima combinados, além da eletromiografia dinâmica de superfície dos músculos extensores lombares, isquiotibiais, retos abdominais e retos anteriores da coxa.
RESULTADOS: durante os movimentos com os joelhos estendidos, a atividade dos músculos extensores lombares foi sincronizada com os isquiotibiais e alternou com os retos abdominais. Ocorreu contração dos músculos reto abdominal em 15 indivíduos durante o final da flexão do tronco, enquanto que em quatro não houve atividade destes músculos. A atividade dos extensores lombares decresceu até cessar antes do término da flexão total. O agachamento revelou a substituição do padrão de ativação de dupla onda pela atividade contínua dos músculos extensores lombares.
DISCUSSÃO: variações intra e interindivíduos foram observadas e podem influenciar nos exames. Nossos resultados refletiram as diferenças no padrão de ativação muscular no ritmo lombar pélvico nas 2 diferentes condições estudadas.
CONCLUSÃO: o ritmo lombar-pélvico esteve presente nos dois movimentos estudados com participação ativa dos músculos isquiotibiais e paraespinhais

Palavras-chave: biomecânica; cinemática; coluna vertebral; eletromiografia; região lombossacra.

RELATO DE CASO

7 - O efeito da terapia de biofeedback por eletromiografia de superfície na flexão de joelho da marcha hemiparética

The effects of biofeedback therapy by surface electromyography on knee flexion in hemiparetic gait

Priscila Garcia Lopes; Jeane Cintra P. de Vasconcelos; Arquimedes de Moura Ramos; Maria Cecília S. Moreira; José Augusto Fernandes Lopes; Cristianne Akie Kavamoto

Acta Fisiátr. 2004;11(3):125-131

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da terapia de biofeedback por eletromiografia (EMG) de superfície na flexão de joelho na marcha hemiparética. Foi avaliado um paciente do sexo masculino, 58 anos com hemiparesia esquerda, após acidente vascular encefálico (AVE) e 11 meses de lesão. Foi realizada avaliação física e análise observacional da marcha, seguida da avaliação tridimensional da marcha no Laboratório de Análise do Movimento da Divisão de Medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (DMR HC FMUSP), pré e pós intervenção terapêutica. Foram realizadas 12 sessões de biofeedback por EMG de superfície durante sete semanas. Os resultados mostraram melhora na simetria da marcha, com diminuição da circundução do quadril esquerdo, redução da obliqüidade pélvica durante todo o ciclo da marcha, diminuição da abdução do quadril no contato inicial e balanço médio à direita e aumento da dorsiflexão esquerda durante a fase de balanço. Embora o enfoque inicial tenha sido o movimento de flexão de joelho, os resultados demonstraram melhoras globais na marcha, como o aumento da dorsiflexão e a diminuição da circundução do quadril no membro inferior parético. Isso pode ser explicado pelo fato do treinamento ter sido realizado dentro de uma atividade funcional, a marcha. A terapia de biofeedback por EMG de superfície parece ser uma técnica promissora no tratamento de pacientes com alterações da marcha após AVE.

Palavras-chave: hemiplegia, biofeedback, marcha.

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1