ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Abril 2004 - Volume 11  - Número 1

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

1 - A barbárie do preconceito contra o deficiente - todos somos vítimas

The barbarism in the prejudice against the handicapped - we are all victims

Sandra Regina Schewinsky

Acta Fisiátr. 2004;11(1):7-11

O presente artigo refere-se a reflexões tanto sobre o preconceito em relação às pessoas portadoras de deficiência física, como sobre o sofrimento do preconceituoso. Baseia-se na perspectiva da Teoria Crítica, de acordo com os autores: Adorno, Horkheimer e Crochík. Inicialmente, haverá uma breve retrospectiva histórica em relação às ações preconceituosas e cruéis contra as pessoas portadoras de deficiência e sua posterior relação com a atualidade. Preconiza-se que o preconceito é um fenômeno psicológico que se dá no processo de socialização, discorre, sobre o sofrimento, crueldade e vergonha. Ressalta, por fim, a necessidade de uma compreensão crítica para melhorar as condições individuais e sociais de vida.

Palavras-chave: Preconceito, discriminação social, pessoas portadoras de deficiência, teoria crítica.

ARTIGO ORIGINAL

2 - Análise do desempenho funcional em pacientes portadores de doença de Parkinson

Analysis of functional peformance in patients with Parkinson's disease

Fátima Goulart; Clarissa Cardoso dos Santos; Luci Fuscaldi Teixeira-Salmela; Francisco Cardoso

Acta Fisiátr. 2004;11(1):12-16

A Doença de Parkinson (DP) é uma doença degenerativa e progressiva do sistema nervoso central, caracterizada, principalmente, por alterações motoras.
OBJETIVO: avaliar o desempenho funcional e a qualidade de vida de parkinsonianos nos estágios inicial e intermediário da doença.
METODOLOGIA: 20 pacientes (60,8±9,7 anos) com Hoehn e Yahr entre 1 e 3 foram avaliados e comparados com 20 indivíduos saudáveis (63,5±6,3 anos). O Perfil de Atividade Humana (PAH), a velocidade da marcha (m/s) e a velocidade para subir/descer escadas (degraus/minuto) foram usados para avaliar o desempenho funcional e o Perfil de Saúde de Nottingham para avaliar a qualidade de vida.
RESULTADOS: foram observadas diferenças significativas no PAH (p=0,000) e na velocidade da marcha (p=0,05), demonstrando pobre aptidão física e lentidão da marcha dos pacientes com DP.
CONCLUSÃO Os resultados demonstraram que alterações da performance funcional estão presentes desde fases iniciais da DP e não apenas na fase avançada.

Palavras-chave: Doença de Parkinson, desempenho funcional, qualidade de vida, fisioterapia.

3 - Análise da qualidade de vida em pacientes de Escola de Postura

Analysis of quality of life in Back School patients

Sofia Helena Kuckartz Cesar; Carlos Alexandrino de Brito Júnior; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr. 2004;11(1):17-21

Qualidade de vida é a percepção individual de um bem estar físico, mental e social, podendo ser influenciada pelo aparecimento de várias condições de saúde. Entre elas, destaca-se a lombalgia, devido ao elevado número de casos encontrados na população, com seu padrão característico de alterações neurológicas e biomecânicas. Através do questionário SF-36 (Short Form Health Survey) composto por 8 domínios, permite-se mensurar o quanto uma doença consegue interferir sobre a qualidade de vida do indivíduo. O trabalho foi desenvolvido através de estudo retrospectivo, com o objetivo de avaliar a evolução dos parâmetros do questionário SF- 36. Foram acompanhados 154 pacientes da Escola de Postura da DMR-USP, portadores de lombalgia, em um seguimento de 4 meses, no período de Setembro de 2001 a Setembro de 2003. Os domínios dor, estado geral de saúde, vitalidade, limitação dos aspectos físicos e saúde mental apresentaram tendência favorável quando confrontados os resultados da avaliação inicial em relação aquelas obtidas nas reavaliações de 1 mês e/ou 4 meses.

Palavras-chave: Qualidade de vida. Dor lombar. Escola de postura.

4 - Dor crônica sob a ótica dos pacientes da Escola de Postura da DMR HC FMUSP

Cronic pain as seen by Back School patients at DMR HC FMUSP

Erineide Souza de Oliveira; Maria Luisa Barca Gazetta; Arlete Camargo de Melo Salimene

Acta Fisiátr. 2004;11(1):22-26

A Escola de Postura é apontada na literatura mundial, como importante meio terapêutico para amenizar as dores na coluna vertebral, melhorando a qualidade de vida das pessoas assoladas por essa afecção. Este estudo objetivou conhecer a representação social que os pacientes integrantes da Escola de Postura da DMR-HCFMUSP têm sobre a dor crônica na coluna vertebral, verificando os impactos que ocorrem em suas relações sociais. A identificação dessas construções mentais oferece subsídios aos profissionais da equipe para aprimorar o programa educativo elaborado para a Escola de Postura. O estudo foi realizado por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, com dados coletados com os protocolos de avaliação do serviço social da DMR, específicos para este programa. O universo da pesquisa constituiu-se de 51 pacientes que participaram da escola de postura de outubro de 2001 a abril de 2002. Constatamos que as representações sociais da dor crônica da coluna estão associadas ao isolamento social, a limitação, diminuição da capacidade de produção e da virilidade a possível perda de espaço social e profissional. Essas representações interferem significativamente na aceitação e seguimento das orientações recebidas e em compartilhar com os membros dos grupos sociais nos quais participa sua condição de "pessoa com uma doença limitante", podendo gerar conflitos quando do desempenho de papéis sociais.

Palavras-chave: Escola de Postura. Representação Social. Serviço Social.

ARTIGO DE REVISÃO

5 - Perspectivas diagnósticas e terapêuticas da osteoporose após lesão medular

Diagnostic and therapeutic perspectives in osteoporosis after spinal cord injury

Christina May Moran de Brito; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr. 2004;11(1):28-33

A osteoporose é uma das reconhecidas complicações da lesão medular, mas restam dúvidas quanto à totalidade de mecanismos fisiopatológicos envolvidos e tratamento efetivo. Grande parte da perda óssea ocorre na fase aguda, com estabilização cerca de doze a dezesseis meses após. A perda óssea afeta todos os segmentos, mas é mais intensa naqueles paralisados e em áreas ricas em osso trabecular. Mecanismos envolvidos não são totalmente esclarecidos, mas englobam não só a perda da tensão mecânica, mas também fatores neurovasculares e alterações estruturais do colágeno. Tanto marcadores bioquímicos quanto estudos com o uso da histomorfometria óssea evidenciam aumento da reabsorção óssea em detrimento da formação óssea. Estudos com o uso da densitometria óssea evidenciam dissociação entre a perda a nível da coluna e quadril, com maior perda a nível do quadril e de membros inferiores, achado considerado típico e marcante deste grupo de pacientes. Como conseqüência, o aumento da incidência de fraturas que se situa entre 1 e 7%, sendo muitas vezes decorrentes de traumas mínimos. Trabalhos com ortostatismo e cinesioterapia não demonstraram benefício significativo no que diz respeito à redução da perda de massa óssea e trabalhos com estimulação elétrica funcional apresentam resultados divergentes, parecendo resultar em algum benefício local. O uso de medicação anti-reabsortiva parece constituir opção promissora, sobretudo na fase aguda, mas estudos são ainda necessários para avaliar a sua efetividade, ou seja, a redução da incidência de fraturas.

Palavras-chave: lesão medular, osteoporose, densidade mineral óssea, paraplegia, tetraplegia

RELATO DE CASO

6 - A importância do tratamento das síndromes dolorosas no traumatismo cranioencefálico

Treatment of painful syndromes in traumatic brain injury

André Tadeu Sugawara; Liliana L. Jorge ; Chien Hsin Fen ; Marta Imamura; Wu Tu Hsing

Acta Fisiátr. 2004;11(1):34-38

Segundo o modelo do National Center for Medical Rehabilitation Research, a doença crônica (como o traumatismo cranioencefálico) deve ser observada por meio de 5 eixos - a fisiopatologia, a deficiência observável (a hemiparesia), a limitação funcional (incapacidade para tarefa especifica), incapacidade para realização de atividades de vida diária, e limitação social. Levando em conta que tais aspectos sejam interrelacionados, a abordagem interdisciplinar é o método de escolha da prática da Medicina de Reabilitação. O objetivo do presente relato é confirmar a interferência da dor na reabilitação do traumatismo cranioencefálico (TCE), cuja importância muitas vezes é minimizada, apesar de crescentes estudos acerca da etiopatogenia e tratamento da dor no TCE. Foi realizado acompanhamento de uma paciente vítima de TCE na Divisão de Medicina Física do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em 2002, para quem diversas modalidades analgésicas foram propostas, além da aplicação de questionário funcional e sobre qualidade de vida, com melhora observada em todas as medidas. É necessária análise crítica dos instrumentos de medida de saúde, na medida em que neles se observa alta capacidade para detecção de habilidades motoras e baixa eficiência em detectar melhora da funcionalidade devido aos ganhos nos campos psicoafetivos e sociais, que são diretamente relacionado à experiência dolorosa.

Palavras-chave: Traumatismos cerebrais, dor, qualidade de vida, acupuntura, reabilitação

7 - Miopatia por corticosteróide

Steroid myopathy

Fabrício Nunes Carvalho; Rafael José Soares Dias; Armando Pereira Carneiro

Acta Fisiátr. 2004;11(1):39-42

O uso crônico de corticosteróide está relacionado com o aparecimento de miopatia que é potencialmente reversível com a descontinuação destas drogas. O objetivo deste artigo consiste em alertar os médicos sobre esta possível complicação da corticoterapia, pois trata-se de uma doença reversível e que pode simular um agravamento da patologia para a qual o corticosteróide está sendo utilizado. Faremos o relato de 2 pacientes que usaram corticosteróide por longo período e que vieram ao nosso consultório para realização de eletroneuromiografia, cuja queixa principal era fraqueza muscular e o estudo eletroneuromiográfico foi compatível com miopatia.

Palavras-chave: miopatias, corticosteróides, eletromiografia

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1