ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Março 2005 - Volume 12  - Número 1

EDITORIAL

1 - A Acta Fisiátrica agora é digital

Acta Fisiátrica is now digital

Marcelo Riberto

Acta Fisiátr. 2005;12(1):7



ARTIGO ORIGINAL

2 - Avaliação de um manual de exercícios domiciliares para pacientes externos de um ambulatório de bloqueio neuromuscular

Evaluation of a manual of home exercises for outpatients from a neuromuscular block program

Márcia de Menezes Paranhos Figueiredo; Márcia Cristina Catarino Barbosa; Maria Cecília Santos Moreira

Acta Fisiátr. 2005;12(1):7-10

O Acidente Vascular Encefálico (AVE) constitui um grande desafio ao processo de reabilitação por ocasionar, dentre os sintomas secundários, a hemiplegia espástica com hipertonia, redução de força e flexibilidade muscular e alterações osteoarticulares que dificultam a funcionalidade dos pacientes acometidos. Neste contexto, a intervenção fisioterapêutica deve ser freqüente e contínua para minimizar as complicações inerentes a esta enfermidade. O enfoque deste trabalho visou em analisar a aplicabilidade de um programa de exercícios domiciliares para pacientes externos do Ambulatório de Bloqueio Neuromuscular Periférico da Divisão de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (DMR) baseando-se na capacidade dos pacientes e cuidadores em assimilar e compreender a necessidade de executar os exercícios prescritos após a infiltração de toxina botulínica tipo A (TBA). Participaram deste estudo 30 pacientes que não realizavam tratamento na DMR, portadores de hemiplegia espástica após AVE isquêmico ou hemorrágico que foram submetidos à infiltração de TBA nos membros inferiores. O manual proposto continha 13 exercícios e o fisioterapeuta assinalava quais deveriam ser realizados, de acordo com a musculatura infiltrada, com intervalo de tempo especificado a serem executados diariamente. Os exercícios foram demonstrados para esclarecimento de dúvidas pré-existentes. Após 1 mês, os pacientes retornaram ao ambulatório e respondiam um questionário composto por 10 questões que coletavam dados sobre a aplicabilidade do manual de exercícios domiciliares como recurso terapêutico. A partir dos resultados obtidos, constatou-se que o programa foi efetivo pela didática do manual ser compreensível, possibilitando que a maioria dos pacientes realizasse os exercícios ativamente, favorecendo no processo educacional dos pacientes e cuidadores em relação aos cuidados à saúde. No entanto, verificou-se que alguns sujeitos apresentaram dificuldade em executar os exercícios que solicitavam a utilização do membro superior comprometido, sendo sugerido por eles, a inclusão de exercícios complementares que favoreçam a prática da cinesioterapia com a autonomia de execução. Conclui-se que para que o manual seja mais eficiente, é necessária a inserção de diferentes métodos de execução a fim de contemplar todos os pacientes com AVE respeitando o padrão motor apresentado e seus respectivos déficits funcionais.

Palavras-chave: Hemiplegia, espasticidade, exercícios fisioterapêuticos, educação em saúde, toxina botulínica tipo A.

3 - Avaliação da dor e função de pacientes com lombalgia tratados com um programa de Escola de Coluna

Evaluation of pain level and function on low back pain patients treated with Back School program

Eliana Zeraib Caraviello; Sílvia Wasserstein; Therezinha Rosane Chamlian; Danilo Masiero

Acta Fisiátr. 2005;12(1):11-14

As dores lombares incidem em cerca de 80% da população em algum momento de sua vida, sendo, portanto, um grande problema de saúde pública. O diagnóstico diferencial das doenças da coluna vertebral é bastante amplo, mas sabe-se que boa parte das afecções está relacionada a posturas e movimentos corporais inadequados. Criou-se, portanto, a Escola de Coluna como opção de tratamento a estes pacientes. Neste trabalho avaliamos a dor e a incapacidade funcional dos pacientes, antes e após freqüentarem a Escola de Coluna, através do questionário de Roland-Morris e da Escala Visual Analógica de Dor. Estudamos 30 pacientes no período de maio a novembro de 2004, sendo 86,7% do sexo feminino, com idade média de 48,1 anos, de baixa escolaridade e com excesso de peso (70%). A maioria dos pacientes apresentou melhora da dor (56,7%) e da função (60%) após o término do programa de reabilitação.

Palavras-chave: Lombalgia, escola de coluna, reabilitação, incapacidade, dor.

4 - A terapia de restrição como forma de aprimoramento da função do membro superior em pacientes com hemiplegia

Constraint-induced therapy as an approach to the improvement of upper limb in stroke patients

Marcelo Riberto; Heloisa Moreira Monroy; Harumi Nemoto Kaihami; Priscilla Pereira dos Santos Otsubo; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr. 2005;12(1):15-19

A terapia de restrição consiste na imobilização do membro superior não comprometido de pacientes hemiplégicos em decorrência de acidente vascular cerebral (AVC) como forma de estímulo ao uso do membro superior que teve a sua força reduzida. Experimentos realizados em algumas amostras específicas de pacientes mostram resultados promissores com essa abordagem. Este estudo teve o objetivo verificar seu efeito numa amostra de pacientes hemiplégicos em processo de reabilitação. Foram selecionados pacientes com AVC há mais de 6 meses que se encontravam em processo de reabilitação e possuíssem força para extensão da mão e dedos de pelo menos 10º de forma voluntária. A aplicação da restrição foi associada a 6 horas de terapia multidisciplinar diariamente em dias de semana e orientada a manutenção das atividades nos finais de semana. Para avaliação dos resultados foram usados os seguintes instrumentos: medida de independência funcional (MIF), teste motor de Wolf (TMW), escala de avaliação das deficiências do AVC (EADAVC) e dinamometria de preensão. Observou-se ganho estatisticamente significante na MIF (108,5 ± 6,4 versus 113 ± 7,3, p = 0,02) e TMW (10,5 ± 6,4s versus 6,5 ± 3,7s, p = 0,006), mas não na EADAVC (56,7 ± 4,4 versus 59,4 ± 8,4, p = 0,16) ou Dinamometria de pressão (16,2 ± 4,5 kgf versus 16,3 ± 5,4 kgf, p = 0,98). A conclusão deste estudo é que a aplicação da técnica de restrição do membro superior em pacientes hemiplégicos pode resultar em ganhos agudamente, indicando um caminho alternativo na abordagem das suas incapacidades.

Palavras-chave: hemiplegia, reabilitação, terapia de restrição, avaliação funcional, incapacidade, neuroplasticidade

RELATO DE CASO

5 - Utilização do suporte de peso corporal em solo no treino de marcha do lesado medular

Use of body weight support over ground in gait training of the spinal cord injuried patient

Caroline Del Vecchio de Faria; Maria Cecília dos Santos Moreira; Márcia Cristina Catarino Barbosa; Lívia Maria Santos Sabbag

Acta Fisiátr. 2005;12(1):21-25

O presente trabalho consiste na utilização do suspensor de peso corporal (SPC) como recurso a ser empregado quando o paciente lesado medular alcança a fase de preparação para a marcha, pois permite o treino com a descarga gradativa de peso sobre o solo, proporcionando a adaptação do paciente à atividade, com menor gasto energético.
OBJETIVO: Demonstrar a utilização do suporte de peso corporal como recurso auxiliar no treino de marcha inicial do lesado medular e apontar o ganho funcional, representado pela distância/tempo percorrida, associado ao gasto energético e à freqüência cardíaca.
SUJEITO: Paciente vítima de acidente automobilístico em 2003, com diagnostico de lesão medular completa, nível T7 hipotônica.
PROCEDIMENTO: O treinamento de marcha com o suspensor de peso corporal constou de 21 sessões com duração de 30 minutos, 2 vezes por semana. Um teste ergoespirométrico foi realizado antes e após o treinamento.
RESULTADOS: O paciente apresentou redução da pressão arterial de 150/100 mmHg para 120/80 mmHg, aumento da distância percorrida de 30 m para 70 m, considerável redução do tempo de duração de cada volta e redução da FC de repouso e das FC de pico. Considerando os coeficientes físicos relacionados, freqüência cardíaca média por volta e tempo total de realização do teste, houve expressiva melhora no desempenho físico do paciente.

Palavras-chave: Suporte de peso corporal; treino de marcha; traumatismo da medula espinhal

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

6 - Medicina e Arte: observações para um diálogo interdisciplinar

Art and Science: notes to an interdisciplinary dialogue

Alfredo Jorge Cherem

Acta Fisiátr. 2005;12(1):26-32

Partindo de métodos não invasivos, algumas especialidades médicas encontram-se envolvidas com a questão do diagnóstico e avaliação da incapacidade provocada pelos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. O que se espera das mesmas é que desenvolvam conhecimentos próprios e singulares, mas em interlocução com outras áreas, devendo-se salientar o fato de que, a partir de concepções exclusivamente técnicas, os especialistas nem sempre reconhecem que a medicina é uma ciência que durante um longo período foi também uma arte. Daí que atentar para esse elo pode resultar num alargamento do próprio horizonte interdisciplinar. Relacionando medicina e arte, o presente texto pretende contribuir para que o entendimento do especialista seja enriquecido através da história dos sinais e sintomas que insidem sobre o corpo. Tais conhecimentos, vindos desde o renascimento e legados pelos artistas como Leonardo Da Vinci, Miguelangelo e Vesálio permitem reconhecer, ainda que por via aparentemente distante e indireta, um meio para que nos tornemos mais atentos e criteriosos na observação de detalhes. Transitando do histórico para o exame físico do paciente, até chegar a uma diagnóstico preciso, o médico poderá reduzir ao mínimo necessário a solicitação de exames complementares e a recomendação de práticas invasivas.

Palavras-chave: Arte, fisiatria, história da medicina, anatomia

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1