ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Dezembro 2007 - Volume 14  - Número 4

ARTIGO ORIGINAL

1 - Classificação neurofisiológica da Síndrome do Túnel do Carpo

Neurophysiological classification of the Carpal Tunnel Syndrome

Fabrício Nunes Carvalho; Armando Pereira Carneiro; Régis Resende Paulinelli; Tanise Nunes Carvalho

Acta Fisiátr. 2007;14(4):190-195

O objetivo deste trabalho foi avaliar a correlação clínica da escala neurofisiológica da Síndrome do Túnel do Carpo (STC). As mãos foram classificadas em 6 graus: mínimo/grau 1 (teste comparativo/segmento curto alterado, conduções sensitiva e motora normais), leve/grau 2 (condução sensitiva alterada, condução motora normal), moderada/grau 3 (conduções sensitiva e motora alteradas, amplitude sensitiva normal), moderada/grau 4 (conduções sensitiva e motora alteradas, amplitude sensitiva baixa), grave/grau 5 (condução sensitiva ausente, condução motora alterada) e extremo/grau 6 (conduções sensitiva e motora ausentes). Foi realizado um estudo prospectivo em 400 mãos com STC. Foram classificadas 56 mãos (14,0%) como grau 1, 109 mãos (27,3%) como grau 2, 129 mãos (32,3%) como grau 3, 78 mãos (19,5%) como grau 4, 22 mãos (5,5%) como grau 5 e 6 mãos (1,5%) como grau 6. Houve uma correlação positiva significativa (p<0,01) da escala neurofisiológica da STC com a idade dos pacientes, o tempo de duração da STC, a freqüência de relato de história clássica de STC e a freqüência dos sintomas dor noturna, parestesia e dormência. Também houve uma correlação positiva significativa entre a freqüência do sinal de Tinel, hipoestesia no 2° dedo, fraqueza e hipotrofia dos músculos tenares com a escala neurofisiológica da STC.

Palavras-chave: mão, síndrome do túnel carpal, eletromiografia

2 - Efeito de um programa de reabilitação multidisciplinar para homens portadores de fibromialgia: estudo aleatorizado controlado

Effects of a multidisciplinary rehabilitation program for men with fibromyalgia: controlled randomized study

Liliana Lourenço Jorge; Luis Carlos Onoda Tomikawa; Sueli S H Jucá

Acta Fisiátr. 2007;14(4):196-203

INTRODUÇÃO: A fibromialgia (FM) é uma condição caracterizada por dor crônica generalizada, acompanhada de distúrbios do sono, fadiga e uma miríade de outros sintomas, com prevalência de 10% de homens. As diferenças de percepção de dor entre sexos e de apresentação da fibromialgia têm sido estudadas, suspeitando-se de influências genéticas, diferenças hormonais, metabólicas, cognitivo- comportamentais, emocionais. Fibromiálgicos possuem queixas menos objetivas, menos de distúrbio de sono, fadiga e dor generalizada. Há poucas evidências sobre características, prognóstico, método terapêutico e evolução da doença entre homens. Objetivos: Avaliar a eficácia de um programa multidisciplinar de reabilitação para pacientes do sexo masculino, em idade produtiva, portadores de fibromialgia e estudar as características desta doença em homens.
MÉTODO: Vinte e cinco homens com diagnóstico de fibromialgia foram convidados. Dez foram utilizados e alocados aleatoriamente em um dos dois grupos definidos para o presente estudo. O grupo tratamento consistiu em orientação ambulatorial e um programa de reabilitação com duração de 2 meses, realizado por meio de aulas e terapias por: médico fisiatra, assistente social, psicóloga, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, enfermeira, nutricionista e educador físico. O grupo controle realizou tratamento padrão focado na orientação ambulatorial e para realização de atividades físicas na comunidade. A ambos os grupos foi realizado prescrição de medicamentos preconizados para fibromialgia. As medidas de avaliação foram: Escala Visual Analógica de Dor, SF 36, FIQ. Além disso, um protocolo padronizado foi preenchido por autor cegado, verificando presença de distúrbios depressivos de memória e de sono e situação profissional. As coletas de dados foram realizadas em 3 momentos: antes da intervenção, após e 4 meses depois da anterior. Foi realizada a análise estatística com testes não paramétricos e descritivos.
RESULTADOS: O grupo Tratamento apresentou melhora da EVA após a intervenção, mas que não se manteve no seguimento posterior. Houve diferença estatisticamente significante no domínio Dor da FIQ, domínios Dor, Saúde Mental e Vitalidade da SF 36, com melhora no grupo Tratamento à avaliação após. Não houve manutenção do benefício à avaliação final, 6 meses após a intervenção. As médias de idade foram 50,6 (Controle) e 44,2 (Tratamento), apresentaram alta taxa de afastamento no trabalho, depressão e distúrbio de sono, com valores constantes nas 3 avaliações. O número de pontos dolorosos não variou nos 3 momentos de avaliação.
CONCLUSÕES: O programa de reabilitação tende a beneficiar homens portadores de fibromialgia a curto prazo, sendo que os efeitos sejam perdidos 6 meses após a intervenção. Tais achados são compatíveis com a literatura. São necessários novos estudos para verificar a efetividade do programa, avaliada por um seguimento mais prolongado e com amostragem adequada. A fibromialgia masculina e suas características específicas devem ser exploradas de modo aprofundado em outras pesquisas, especialmente verificando particularidades de apresentação clínica, comportamento evolutivo e aspectos sociais do paciente portador, já que tais elementos são fundamentais para a definição do programa ideal para homens. Recomendam-se estudos comparativos sobre reabilitação de homens e mulheres.

Palavras-chave: fibromialgia, dor, reabilitação, homens, qualidade de vida, equipe de assistência ao paciente

3 - Desenvolvimento de um protocolo para avaliação de pacientes com úlceras de pressão através da telemedicina e imagens digitais

Development of a protocol for the assessment of patients with pressure ulcers through telemedicine and digital images

Tamara Rodrigues Pato; Cristianne Akie Kavamoto; Marcelo Riberto; Andréa Thomaz; Verônica Magalhães Raimundo; Kátia Lina Myahara; Elizabete Tsubomi Saito; Patricia Canteruccio Pontes Vianna; Marcelo Alves Mourão; Ana Cristina Ferreira Garcia; Anita Weigand Castro; Daniel Rubio Souza; Maurício Pedreira Paixão; Chao Lung Wen; Linamara Rizzo Batistella

Acta Fisiátr. 2007;14(4):204-209

INTRODUÇÃO: As úlceras de pressão são complicações freqüentes em pacientes com lesão medular. Estas precisam de um diagnóstico precoce e um acompanhamento rigoroso para que não evoluam para um quadro mais grave e para não retardar o processo de reabilitação. Infelizmente, não é sempre que o paciente consegue acesso a um centro especializado no tratamento de feridas e, por isso, a telemedicina pode ser útil nesses casos.
OBJETIVO: Avaliar a eficácia de um protocolo de avaliação de úlceras de pressão através de fotografias digitais.
MÉTODOS: Selecionamos 15 pacientes, totalizando 33 úlceras. Os pacientes foram avaliados por 2 médicos fisiatras presenciais, separadamente, que no momento do exame, preencheram a primeira parte do protocolo (dados clínicos do paciente) e tiraram as fotografias. Estas foram encaminhadas aos médicos fisiatras à distância, que avaliaram as feridas através das fotos e dos dados enviados pelo médico presencial. Comparamos as semelhanças e diferenças das avaliações entre os dois médicos presenciais, entre presencial e a distancia e entre os dois médicos à distância nos quesitos grau, necrose, infecção, fístula, secreção, aspecto da borda e do fundo e conduta. A Análise estatística se baseou nos cálculos de Kappa, intervalo de confiança e P valor.
RESULTADOS: Encontramos os maiores valores de Kappa quando comparamos as avaliações presenciais. Para necrose, grau e infecção, os kappas Avaliação Presencial (P) x Avaliação à distância (D) foram substantial e moderate. No item conduta, o Kappa variou de fraco a almost perfect. Nas avaliações das bordas, fundo, secreção e fístula foram encontradas divergências.
CONCLUSÃO: O protocolo é eficaz para avaliar necrose, grau e infecção das úlceras. Existe dificuldade no uso do método para avaliar o aspecto de borda, fundo, secreção e fístula. Houve maior satisfação com o método para úlceras de pressão grau I e II.

Palavras-chave: traumatismos da medula espinal, úlcera de pressão, diagnóstico por imagem, telemedicina

4 - Estudo da hidroterapia em pacientes com síndrome pós-laminectomia - uma opção terapêutica?

Hydrotherapy study in patients with "failed back surgery syndrome" - a therapeutic option?

Vítor Manuel Presa Varandas Moreira; Sónia Tizon; Tânia Pereira; Isabel Marques; Filipe José Ribeiro Antunes

Acta Fisiátr. 2007;14(4):210-213

O presente estudo foi realizado para avaliar a eficácia da hidroterapia na "síndrome pós-laminectomia". Oito participantes foram designados para um grupo de exercícios aquáticos. A medicação analgésica foi descontinuada durante o estudo. Os parâmetros de avaliação incluíram o escore da Escala Visual Analógica (EVA) e a mobilidade da coluna vertebral. Os pacientes foram avaliados em condições basais e ao final do período de seguimento de seis semanas. Os resultados mostraram que a hidroterapia teve um impacto positivo nos resultados da dor lombar crônica pós-cirúrgica. Após seis semanas de hidroterapia, sem medicação analgésica, a mobilidade geral da coluna melhorou e a dor lombar diminuiu. Concluímos que exercícios na água podem ter um impacto positivo no resultado da síndrome da falência da cirurgia lombar, provavelmente sendo uma das poucas medidas bem sucedidas no tratamento desse tipo de paciente.

Palavras-chave: back pain, pain measurement, hydrotherapy, rehabilitation

5 - Análise da confiabilidade entre-examinadores de dois instrumentos que mensuram a amplitude de movimento de flexão da coluna lombar

Analysis of the interexaminer reliability of two clinical tests to measure the flexion range of motion of the lumbar spine

José Carlos Taveira de Souza Filho; Ana Carolina do Vale Abras; Maíra Teixeira Carvalho; Miliany Graziele Fonseca Souza; André Taveira de Souza, Leonardo Oliveira Pena Costa

Acta Fisiátr. 2007;14(4):214-218

INTRODUÇÃO: A mensuração da amplitude de movimento de flexão da coluna lombar é uma prática clínica comum. Vários são os métodos para tais medidas, destacando-se entre elas duas ferramentas clínicas: o Inclinômetro Back Range of Motion II (BROM II) e a Régua Flexível.
MÉTODOS: O objetivo desse estudo foi analisar a confiabilidade entre-examinadores para as medidas de flexão da coluna lombar utilizando o BROM II e a Régua Flexível. Trinta e sete estudantes de Fisioterapia foram examinados num design teste-reteste duplo-cego
RESULTADOS: Os resultados mostraram confiabilidade moderada para as medidas com o BROM II [CCI (2,1) 0,71 (IC 95% 0,49-0,84) p<0,000] e pobre para a Régua Flexível [CCI(2,1) 0,37 (IC 95% 0,06-0,62) p<0,012]. Conclusão: Conclui-se que o BROM II apresentou confiabilidade suficiente para sua utilização na prática clínica.

Palavras-chave: amplitude de movimento articular, região lombossacral, validade dos testes /instrumentação

6 - Preditores de independência funcional em idosos portadores de insuficiência cardíaca

Predictors of functional independence in elderly patients with heart failure

Fátima Ayres de Araújo Scattolin; Roberta Cunha Rodrigues Colombo; Maria José D'Elboux Diogo

Acta Fisiátr. 2007;14(4):219-225

OBJETIVO: Identificar preditores da independência funcional em idosos portadores de Insuficiência Cardíaca (IC).
MÉTODO: Estudo exploratório, descritivo, transversal, de campo e correlacional do qual participaram 146 idosos com IC em tratamento ambulatorial em dois serviços de referência do Estado de São Paulo. Para a coleta dos dados foram utilizados dois instrumentos: Caracterização Sociodemográfica e Clínica e a Medida de Independência Funcional (MIF). Foram realizadas análises estatísticas descritivas, de comparação (Teste de Kruskal-Wallis) e Análise de Regressão Univariada e Múltipla.
RESULTADOS: Houve distribuição homogênea entre os sexos, sendo 52,0% homens, idade média de 68,6 (±6,9) anos, com 3,4 (±2,8) anos de estudo. A caracterização clínica evidenciou idosos com média de 3,9 (±1,7) co-morbidades, sintomáticos, com média de 3,5 (±1,4) sintomas, com predominância das CF-NYHA I e II e com FEVE rebaixada (67,0%) - média de 0,46 (±0,17). Foram constatados escores médios elevados na MIF indicando independência funcional nos idosos estudados. A comparação entre escores da MIF e CF-NYHA evidenciou que a MIF diminuiu na medida em que houve progressão da CF-NYHA. A análise de regressão múltipla mostrou que as variáveis CF-NYHA, escolaridade e idade > 80 anos foram preditoras da MIF no idoso com IC, explicando 35,0% da variabilidade da MIF.
CONCLUSÃO: As variáveis, CF-NYHA, idade superior a 80 anos e maior nível de escolaridade foram preditoras da independência funcional, o que aponta para a relevância de intervenções que privilegiem a detecção e/ ou controle de perdas funcionais advindas da senescência, bem como a manutenção do status funcional no idoso com IC.

Palavras-chave: cardiopatias, idoso, atividades cotidianas

7 - A hidroginástica como meio para manutenção da qualidade de vida e saúde do idoso

Hydrogymnastics as a means for the maintenance of the elderly's quality of life and health

Clarissa Stefani Teixeira; Érico Felden Pereira; Angela Garcia Rossi

Acta Fisiátr. 2007;14(4):226-232

Evidências científicas apontam para os importantes benefícios da prática de atividades físicas para os idosos, considerando sua mobilidade, saúde física e mental e qualidade de vida. A hidroginástica tem sido apontada como uma alternativa para inserção dos idosos nas práticas corporais e para a promoção de um estilo de vida mais ativo e saudável, mas, que, ainda carece de maiores investigações sobre seu real efeito sobre a saúde e a qualidade de vida dessa população e principalmente, metodologias de trabalho para esse fim. Desta forma, esta pesquisa bibliográfica objetivou realizar uma busca de estudos sobre hidroginástica para a terceira idade, discutindo e apresentando seus resultados, buscando relações com a promoção da saúde e qualidade de vida dessa população. As leituras nos permitiram vislumbrar que a hidroginástica favorece o desenvolvimento de algumas importantes qualidades físicas como resistência cardiorrespiratória, força e flexibilidade. Como qualquer outra forma de exercitação, deve ser praticada de forma contínua, principalmente, considerando indivíduos na terceira idade e pode também ser unida a atividades de relaxamento e recreação. As relações da prática da hidroginástica com a saúde dos idosos nos estudos analisados consideraram principalmente o desempenho em testes motores o que remete a necessidade de estudos que analisem também as repercussões dessas práticas sobre a qualidade de vida enquanto uma percepção de bem estar dos idosos.

Palavras-chave: motor activity, aging, quality of life

ARTIGO DE REVISÃO

8 - Fatores limitadores à reabilitação da musculatura do assoalho pélvico em pacientes com incontinência urinária de esforço

Limiting factors in pelvic floor rehabilitation of patients with stress urinary incontinence

Mônica Faria Felicíssimo; Márcia Mendonça Carneiro; Elza Lúcia Baracho Lotti de Souza; Vitória Gomes Alipio; Márcia Rodrigues Costa Franco; Rafaela Grossi; Oliveira e Silva; Agnaldo Lopes Silva Filho

Acta Fisiátr. 2007;14(4):233-236

A reabilitação da musculatura do assoalho pélvico tem sido preconizada por diversos autores como uma terapia de primeira linha para o tratamento da incontinência urinária de esforço. Apresenta vantagens por ser não invasiva, de baixo custo e sem efeitos colaterais. Porém, fatores como aderência, motivação, compreensão da terapia e deficiência esfincteriana podem interferir nos resultados dessa abordagem terapêutica. A fim de se conhecer o impacto dos fatores citados acima e se investigar o efeito de cada um destes na intervenção fisioterápica foi feita uma revisão da literatura.

Palavras-chave: incontinência urinária por estresse, assoalho pélvico, reabilitação

RELATO DE CASO

9 - Efeitos da reabilitação precoce no desfecho da reabilitação pós-acidente vascular encefálico (AVE) em mulheres com mais de 65 anos e sua correlação com a gravidade do deficit neurológico inicial

Effects of early rehabilitation on the outcome of cerebro-vascular insult rehabilitation in women over 65 in correlation with initial neurological deficit gravity

Ljubica Nikcevic; Milan Savic; Nevenka Zaric; Dejan Nikolic; Aleksandra Plavsic; Natasa Mujovic

Acta Fisiátr. 2007;14(4):237-241

Este trabalho visa examinar os efeitos da reabilitação precoce, a curto e longo prazo, no desfecho do acidente vascular encefálico (AVE) em mulheres com mais de 65 anos; estabelecer a correlação entre o impacto da gravidade do déficit neurológico na predição dos resultados do tratamento de Reabilitação e, ainda, investigar a possibilidade do acompanhamento de parâmetros individuais da Medição de Independência Funcional (MIF) na predição do desfecho da reabilitação do AVE. Atualmente, o AVE é a terceira maior causa de mortalidade na população mundial, bem como a maior causa de invalidez permanente. No cenário atual, as doenças cardiovasculares e cerebrovasculares - que antes eram tidas como exclusivas da população masculina - têm afetado também as mulheres. Por outro lado, observamos uma correlação linear entre o envelhecimento e a ocorrência destas doenças. Concluímos que a implantação do método de reabilitação precoce conduz a uma aceleração significativa do processo de tratamento e recuperação após o AVE em mulheres com mais de 65 anos. Concluímos também que certos parâmetros da MIF, por apresentarem o mesmo padrão de evolução, podem ser utilizados na predição da recuperação global do paciente.

Palavras-chave: acidente cerebrovascular, idoso, mulheres, reabilitação

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

10 - A história da deficiência, da marginalização à inclusão social: uma mudança de paradigma

The history of disability, from marginalization to social inclusion: a change in paradigm

Kátia Monteiro De Benedetto Pacheco; Vera Lucia Rodrigues Alves

Acta Fisiátr. 2007;14(4):242-248

Este artigo pretende contribuir com uma reflexão mais crítica dos indivíduos em relação ao preconceito existente à pessoa com deficiência. Assim, descreve-se o percurso histórico desta população, ressaltando as diferentes posturas como: marginalização, assistencialismo, educação, reabilitação, integração e inclusão social, para melhor compreensão dos valores que muitas vezes podemos estar reproduzindo sem nenhum questionamento crítico e coerente, pois nos foram transmitidos no processo de socialização. Conclui-se que quando o processo de reabilitação está baseado no paradigma de inclusão, este poderá trazer maior possibilidade para que o indivíduo reflita sobre os valores que a cultura pode ter com relação à deficiência e, assim, se torne um agente de mudança no contexto social.

Palavras-chave: pessoas portadoras de deficiência/história, reabilitação, preconceito, meio social

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1