ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Dezembro 2008 - Volume 15  - Número 4

ARTIGO ORIGINAL

1 - Impacto da asma sobre a postura corporal de crianças entre 8 e 14 anos analisada pela biofotogrametria

Asthma impact on body posture in children aged 8 to 14 years analyzed by Biophotogrammetry

Denise da Vinha Ricieri; Jecilene Rosana Costa; Nelson A. Rosário Filho

Acta Fisiátr. 2008;15(4):214-219

Comparar a postura do tronco entre asmáticos e não-asmáticos medidos em fotogramas digitais.
MÉTODO: Ângulos referentes aos principais eixos posturais de nivelamentos e alinhamentos do tronco de 50 crianças entre 8 e 14 anos, nas vistas anterior e posterior, foram medidos sistematicamente no programa CorelDraw-12®. Os resultados foram tratados num estudo descritivo geral, comparando gêneros/GR, e num estudo caso-controle, comparando a postura entre asmáticos/AS e não-asmáticos/NA. Na vista anterior mediu-se o nivelamento da pelve/NP e ombros/NO, e alinhamentos do tórax/ATX e onfálico/AXO; na vista posterior foram registrados o nivelamento das escápulas/NE, e alinhamentos da coluna superior/CS e inferior/CI. Os resultados foram interpretados a partir de corolários específicos, e considerados significantes resultados para p<0,05.
RESULTADOS: A constatação estatística de uma distribuição normal dos registros permitiu a aplicação de testes paramétricos. Não houve diferença entre gêneros (GR = p>0,05), mas o perfil postural global do grupo AS mostrou-se melhor que para NA (p<0,05).
CONCLUSÕES: A abordagem pela Rotina Postural Biofotogramétrica/RPB mostrou-se instrumentalmente efetiva. Sugere-se uma coorte prospectiva entre sujeitos de AS para esclarecer a suspeita de que, na asma, a persistência da sobrecarga muscular e padrão respiratório vicariante perpetuam-se em compensações posturais, mais evidentes numa fase mais adulta.

Palavras-chave: postura, avaliação, asma, fotogrametria

2 - Tarefas orientadas e biofeedback: efeitos na transferência de peso em hemiparéticos

Task-orienting and biofeedback: effects on weight-bearing in hemiparetic subjects

Fernanda Trípoli; Sofia Rael Moreira; Telma Dagmar Oberg; Núbia Maria Freire Vieira Lima

Acta Fisiátr. 2008;15(4):220-224

Indivíduos hemiparéticos apresentam assimetria na distribuição do peso corpóreo em ortostatismo, limitando-os em suas atividades de vida diária. O reconhecimento desta assimetria e capacidade de redistribuição de peso constituem um importante aspecto para reabilitação. O objetivo foi analisar a transferência de peso durante tarefas orientadas e após feedbacks em hemiparéticos. Foram recrutados 28 indivíduos hemiparéticos, sendo avaliados por 2 balanças digitais nas tarefas com pés afastados 20 cm e olhos abertos, membro inferior afetado à frente, membro inferior afetado atrás, privação visual, feedback auditivo e feedback visual. Houve aumento de 11.36% do peso no membro afetado na tarefa de membro para trás, 4.54% após uso do feedback visual, 45.45% após feedback auditivo. Em contraste, houve redução da transferência de peso no membro afetado de 4.54% na tarefa de privação visual e 6.81% na posição de passo à frente (p<0.001). Observou-se que a utilização de feedback externo (espelho e comando verbal do terapeuta) e a tarefa de membro parético para trás foram efetivas na redistribuição de peso entre os membros inferiores na hemiparesia.

Palavras-chave: acidente cerebral vascular, paresia, peso corporal, reabilitação

3 - Correlação do déficit de equilíbrio, comprometimento motor e independência funcional em indivíduos hemiparéticos crônicos

Correlation of balance deficit, motor impairment and functional independence in patients with chronic hemiparesis

Eliza Regina Ferreira Braga Machado de Azevedo; Lydianna Silveira de Macedo; Marcelo Fabiano Novaes Paraízo; Telma Dagmar Oberg; Núbia Maria Freire Vieira Lima; Enio Walker Azevedo Cacho

Acta Fisiátr. 2008;15(4):225-228

OBJETIVO: Verificar as correlações entre o déficit de equilíbrio e o comprometimento motor nas atividades funcionais de pacientes hemiparéticos crônicos após AVE.
METODOLOGIA: 24 pacientes hemiparéticos crônicos após AVE foram selecionados e avaliados através da Medida de Independência Funcional (MIF), da Escala de Equilíbrio de Berg (EEB), do Índice do Andar Dinâmico (IAD) e do Protocolo de Desempenho Físico da Fugl-Meyer (FM).
RESULTADOS: EEB apresentou moderada correlação com a MIF (r= 0.6457, p= 0.0007), subescala de equilíbrio (r= 0.5070, p= 0.0114) e extremidade inferior da FM (r= 0.5728, p=0.0034) e IAD (r= 0.6453, p= 0.0007). A MIF também apresentou moderada correlação com IAD (r=0.5449, p= 0.0059) e subescala equilíbrio da FM (r= 0.6107, p= 0.0015). Entretanto, foi observada fraca correlação entre a MIF e a subescala de extremidade inferior da FM (r= 0.1515, p= 0.4797).
CONCLUSÃO: O déficit de equilíbrio se correlacionou ao nível de independência funcional na hemiparesia crônica. Entretanto, não houve relação entre o comprometimento motor e a independência funcional.

Palavras-chave: acidente cerebral vascular, hemiparesia, equilíbrio musculosquelético, transtornos motores, autonomia pessoal

4 - Avaliação da funcionalidade dos trabalhadores com LER/DORT: a construção do Core Set da CIF para LER/DORT

Evaluation of the functionality of workers with Repetitive Strain Injury (RSI)/ Work-related musculoskeletal disorders (MSDs): the construction of the ICF Core Set for RSI/MSDs

Mônica Angelim Gomes de Lima; Robson da Fonseca Neves; Márcia Oliveira Staffa Tironi; Ana Márcia Duarte Nunes Nascimento; Francesca de Brito Magalhães

Acta Fisiátr. 2008;15(4):229-235

O presente artigo apresenta o Core set da CIF para LER/DORT e seu processo de construção. Trata-se de um relato de experiência da elaboração de um Core Set a partir de uma abordagem interdisciplinar. O Core set da CIF para LER/DORT foi elaborado por meio de consensos sucessivos entre especialistas do campo da saúde do trabalhador em seis etapas, que envolveram desde a aproximação e estudo da CIF, leitura, discussão até a eleição de códigos e comparação com os core sets de dor generalizada e de depressão. Para o componente 'funções do corpo' foram escolhidos códigos relacionados aos aspectos: funções mentais, sensoriais, de dor e neuromusculoesqueléticas e relacionadas ao movimento. Para 'estruturas do corpo' foram escolhidos códigos relacionados aos aspectos: estruturas do sistema nervoso e relacionadas ao movimento. Para 'atividade e participação' foram escolhidos códigos relacionados à: mobilidade, cuidado pessoal, vida doméstica, relações e interações interpessoais e áreas principais da vida. Para 'fatores ambientais' foram escolhidos códigos relacionados à: apoio e relacionamentos, atitudes e serviços, sistemas e políticas. O componente ambiente foi o mais limitado para a descrição dentro do contexto do trabalho. Este artigo apresenta o esforço de construção de um core set, a partir de uma abordagem interdisciplinar, viável à aplicação no processo de tratamento e reabilitação de trabalhadores com LER/DORT e poderá contribuir para inserir o Brasil na discussão internacional que trata das conseqüências do adoecimento humano a partir do modelo sócio-médico, deslocando o debate científico e a produção de políticas públicas do contexto da deficiência/incapacidade para o contexto da saúde.

Palavras-chave: classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde, transtornos traumáticos cumulativos, trabalhadores

5 - Efetividade da acupuntura para alívio da dor e ganho funcional em espondilite anquilosante: ensaio clínico controlado e randomizado

Efficacy of Acupuncture in pain relief and function improvement in Ankylosing Spondylitis: a randomized controlled trial

Liliana Lourenço Jorge; Marta Imamura; André Tadeu Sugawara; Chien Hsin Fen

Acta Fisiátr. 2008;15(4):236-240

A espondilite anquilosante (EA) é uma doença inflamatória crônica que acarreta seqüelas osteomusculares, déficit funcional e dor. Apesar do crescente número de pacientes buscando acupuntura como opção terapêutica para analgesia, há poucos trabalhos verificando sua eficácia em ensaios controlados. O objetivo deste estudo é avaliar a eficácia da acupuntura para alívio da dor espinhal em pacientes com EA. Estudo piloto randomizado duplo-cego, placebo-controlado na Divisão de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. Dez portadores de dor espinhal secundária à EA foram estudados para se verificar o efeito de dez sessões de acupuntura clássica, duas vezes por semana, contra eletroacupuntura placebo. A avaliação da intervenção antes e após incluiu medida da dor espinhal, mobilidade espinhal (teste de Schober, distância dedos-chão, distância occipício-parede e expansibilidade torácica), inflamação (BASDAI, proteínas de fase aguda), avaliação subjetiva do paciente e função (BASFI). Acupuntura clássica não foi melhor que placebo nas medidas de saída. Contudo, o Effect Size para alívio da dor foi 2,04 para acupuntura e 1,09 para placebo, ambos considerados comparáveis aos tratamentos padrão para EA. Pelo teste do Sinal, ambas as intervenções mostraram resultado significante. Acupuntura não é melhor que placebo para o alívio da dor em pacientes com EA. A resposta relevante no grupo placebo fornece evidência do efeito benéfico da relação médico-paciente no alívio da dor em pacientes com EA. O estudo está registrado com o número ISRCTN02971192 em http://isrctn.org.

Palavras-chave: espondilite anquilosante, acupuntura, dor

6 - Dor musculoesquelética na atenção primária à saúde em uma cidade do Vale do Mucuri, nordeste de Minas Gerais

Musculoskeletal pain in primary health care in a town of the Mucuri Valley, northeastern Minas Gerais, Brazil

Quirino Cordeiro; Marcelo El Khouri; Carlos Eduardo Corbett

Acta Fisiátr. 2008;15(4):241-244

A dor musculoesquelética é um problema de saúde pública, devido à sua alta prevalência, alto custo e impacto negativo que pode causar na qualidade de vida dos pacientes e também de seus familiares. A dor musculoesquelética é um quadro clínico importante no atendimento aos pacientes da atenção primária à saúde. Assim, o objetivo do presente estudo foi investigar a freqüência de dor musculoesquelética como razão para consulta médica na atenção primária à saúde, na cidade de Serra dos Aimorés, localizada na região nordeste do estado de Minas Gerais, no Vale do Mucuri, Brasil, e tentar correlacionar tal quadro clínico às variáveis de gênero e idade. Dentre todas as queixas clínicas referidas como razão para consulta médica, a dor musculoesquelética foi a mais prevalente entre os 1.306 pacientes investigados, sendo encontrada em 139 deles (10,64%). A análise estatística dos dados encontrou associação significante entre gênero masculino e presença de queixa de dor musculoesquelética. Em relação à faixa etária, pôde-se observar um aumento na freqüência de queixa de dor musculoesquelética, conforme a idade avançava. No entanto, não foi encontrada diferença estatisticamente significante, quando a população, dividida por faixa etária, foi analisada. Tais achados reforçam a importância de adequada avaliação e tratamento dos quadros de dor musculoesquelética pelas equipes da atenção primária à saúde. Importância especial deve ser dada a algumas populações específicas, como os idosos. Ademais, há que se atentar também para a diferença existente entre pacientes do sexo masculino e feminino.

Palavras-chave: dor, epidemiologia, saúde pública

ARTIGO DE REVISÃO

7 - A influência do fortalecimento muscular no desempenho motor do membro superior parético de indivíduos acometidos por Acidente Vascular Encefálico

The influence of muscle strengthening on upper limb motor performance in stroke subjects

Geraldo Fabiano de Souza Moraes; Lucas Rodrigues Nascimento; Adam Edwards Glória; Luci Fuscaldi Teixeira-Salmela; Célia Maria Rocha e Paiva; Thiago de Arruda Teixeira Lopes; Shelley Caroline Pereira; Daniela Matos Garcia de Oliveira; Aline Cristina de Souza; Edênia Santos Garcia de Oliveira

Acta Fisiátr. 2008;15(4):245-248

Após o acidente vascular encefálico, mais de 80% dos sobreviventes apresentam hemiparesia e a fraqueza muscular é citada como uma importante deficiência responsável pela redução do uso funcional do membro superior parético. Nesse contexto, evidências científicas sugerem o treinamento resistido como um importante componente dos programas de reabilitação. Estudos relacionados à recuperação destes indivíduos apresentam fundamentação que apóia a utilização do treinamento resistido para a recuperação da função do membro superior parético. Entretanto, esta modalidade de treinamento pode não resultar em benefícios para todos os indivíduos hemiparéticos e seus efeitos estariam condicionados ao nível de acometimento inicial do indivíduo. Ainda não há resultados conclusivos sobre a influência do fortalecimento muscular no desempenho motor do membro superior parético, o que sugere a aplicação do treinamento resistido como intervenção terapêutica complementar à reabilitação funcional. O objetivo deste estudo foi analisar, por meio de revisão bibliográfica, a influência do fortalecimento muscular no desempenho motor dos membros superiores de indivíduos.

Palavras-chave: acidente cerebral vascular, hemiparesia, extremidade superior, desenvolvimento muscular.

8 - Capacidade funcional do idoso: formas de avaliação e tendências

Elderly functional capacity: types of assessment and trends

Fabiano Marques Camara; Alessandra Galve Gerez; Maria Luiza de Jesus Miranda; Marilia Velardi

Acta Fisiátr. 2008;15(4):249-256

A avaliação da capacidade funcional (CF) dos idosos pode detectar possível risco de dependência futura, estabelecer níveis de morbidade de mortalidade, além de poder balizar intervenções direcionadas aos idosos. Dessa forma, o objetivo desse estudo foi, através de uma pesquisa bibliográfica, identificar os testes mais utilizados e o potencial de cada prova para identificação do nível de CF do idoso. O exame da literatura mostrou que CF tem sido determinada em abordagens gerais, que objetivam traçar o perfil funcional através de um único teste, como as propostas dos testes caminhada e de mobilidade. Por outro lado, pode-se determinar a CF mediante a avaliação de componentes específicos como os testes de equilíbrio, força e marcha. Geralmente, as propostas descritas seguem a idéia de que uma ação funcional, realizada de maneira mais rápida, remete ao potencial funcional do idoso. No entanto, mediante as limitações das quantificações apontadas pelos estudos, observou-se a tendência da avaliação funcional em utilizar analises qualitativas, que objetivam determinar o padrão de movimento, como uma outra via da compreensão da CF do idoso. Além disso, notou-se que a avaliação da CF tem sido indicada e desenvolvida também para aqueles que não apresentam comprometimento funcional aparente e não somente para os idosos evidentemente mais frágeis.

Palavras-chave: aptidão física, testes de aptidão, idoso

9 - Atualização de conhecimentos sobre a prática de exercícios resistidos por indivíduos idosos

Knowledge update on the practice of resistance exercises by older individuals

Lucas Caseri Câmara; José Maria Santarém; Wilson Jacob Filho

Acta Fisiátr. 2008;15(4):257-262

A associação da piora da condição funcional e aumento de comorbidades em idades mais avançadas, faz do atual envelhecimento populacional um quadro que merece atenção crescente por parte do profissional médico. Este profissional está certamente entre os mais questionados sobre recomendações de atividades físicas adequadas para pessoas idosas ou debilitadas. No entanto, a formação generalista não têm abrangido aspectos atuais relacionados à fisiologia do exercício e prescrição de atividades físicas adequadas para estas populações. Exercícios resistidos têm ganhado crescente importância na comunidade científica como forma de exercícios seguros e eficazes, trazendo benefícios de caráter preventivo e terapêutico para pessoas idosas ou debilitadas. Assim, objetivando que mais indivíduos possam se beneficiar da recomendação de exercícios resistidos, fez se necessária uma atualização destes conhecimentos para o profissional médico.

Palavras-chave: exercício, levantamento de peso, terapia por exercício

RELATO DE CASO

10 - Análise da eficiência do treinamento com dinamômetro isocinético no desempenho muscular dos dorsiflexores de um paciente hemiparético espástico, após infiltração de Toxina Botulínica Tipo A: estudo de caso

Efficiency analysis of isokinetic dynamometer training in ankle extensor muscle performance in a spastic hemiparetic patient after Type A Botulinum Toxin treatment - case report

Gemal Emanuel Pirré; Carolina Rodini; Luana Talita Diniz Ferreira; Jeane Peixoto Cintra Vasconcelos; Maria Cecília dos Santos Moreira

Acta Fisiátr. 2008;15(4):263-266

O acidente vascular encefálico (AVE) encontra-se como um dos principais problemas de saúde em todo mundo, tornando-se Brasil responsável por 17% dos casos de doenças cardiovasculares. Em decorrência disto o paciente apresenta desordens física, psicoafetiva, cognitiva e a espasticidade que dificulta a atividade motora voluntária, provocando redução na força muscular, influenciando diretamente na independência e funcionalidade. A toxina botulínica tipo A (TBA) além de proporcionar um relaxamento da musculatura espástica, promove possibilidade de reajuste de um padrão funcional e associado a isso está a utilização do dinamômetro isocinético, o qual possibilita após algumas sessões, redução da hipertonia e o treinamento da musculatura antagonista. Baseando-se nestas informações, o presente estudo tem como objetivo analisar a eficiência do treinamento com dinamômetro isocinético no desempenho muscular dos dorsiflexores espásticos de paciente com seqüela de AVE após infiltração de TBA. Foi realizado um estudo de caso, sujeito do sexo masculino, hemiparético à direita, que realizou 10 sessões de treino no Cybex Humac Norm®, com uma avaliação pré e pós-treinamento e logo após a primeira infiltração de TBA. O resultado deste estudo demonstrou melhora na força, trabalho total, torque e potência da musculatura em treinamento excêntrico dos dorsiflexores e diminuição do déficit de força muscular entre os membros inferiores. Concluiu-se que a TBA com seu efeito relaxante sobre musculatura espástica possibilitou uma reeducação neuromuscular e melhora do controle motor seletivo, permitindo o aperfeiçoamento do desempenho muscular dos dorsiflexores por meio da dinamometria isocinética em baixas velocidades angulares, tanto do modo excêntrico quanto concêntrico. Torna-se necessário, com a escassez de dados na literatura, um estudo mais abrangente, com maior número de sujeitos e grupo controle.

Palavras-chave: Toxina Botulínica Tipo A, hemiparesia, espasticidade muscular

CARTA AO EDITOR

11 - Estudo comparativo entre a Escala de Equilíbrio de Berg, o Teste Timed Up & Go e o Índice de Marcha Dinâmico quando aplicadas em idosos hígidos

Comparative study of the Berg Balance Scale, Timed Up & Go Test and Dynamic Gait Index applied to healthy elderly individuals

Carolina Rodini; Luana Talita Diniz Ferreira; Gemal Emanuel Pirré; Marisa Hino; Fabio Marcon Alfieri ; Marcelo Riberto ; Maria Cecília dos Santos Moreira

Acta Fisiátr. 2008;15(4):267-268

Os distúrbios do equilíbrio compõem um dos fatores etiológicos centrais das quedas e da instabilidade em idosos, podendo levar a incapacidade funcional e dependência e, por isso vêm sendo utilizados como marcadores de fragilidade. Considerando que a prevenção e a reabilitação do declínio do equilíbrio em idosos requerem o desenvolvimento de protocolos de pesquisa adequados para se medir a função do equilíbrio, este trabalho teve como objetivo analisar e comparar a eficácia de três instrumentos de avaliação utilizados para identificar o risco de queda em idosos. Para isso, a Escala de equilíbrio de Berg (EEB), o Teste Timed Up & Go (TUG) e o Índice de Marcha Dinâmico (IMD) foram aplicados em sete idosos hígidos. A análise dos resultados revelou que as escalas utilizadas são de fácil aplicação e entendimento, não havendo necessidade de treinamento do avaliador. No entanto, como as três escalas avaliam aspectos distintos, foi possível identificar, na população avaliada, risco de queda aumentado em quatro idosos apenas por meio do IMD.

Palavras-chave: idoso, marcha, equilíbrio musculosquelético, postura, escalas

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1