ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Número atual: Setembro 2010 - Volume 17  - Número 3

EDITORIAL

1 - Mudança dos critérios Qualis!

Adagmar Andriolo; Alfredo José Afonso Barbosa; Arnaldo José Hernandez; Aroldo F. Camargos; Benedito Barraviera; Bogdana Victoria Kadunc; et al.

Acta Fisiátr. 2010;17(3):92-93



ARTIGO ORIGINAL

2 - Uma abordagem qualitativa das interações entre os domínios da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

A qualitative approach of interactions between the domains of the International Classification of Functionality, Disability, and Health

Alexandra de Lima; Carina Souza Viegas; Maria Elizarda Machado de Paula; Fabiana Caetano Martins Silva; Rosana Ferreira Sampaio

Acta Fisiátr. 2010;17(3):94-102

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) baseia-se no modelo biopsicossocial e permite a compreensão dos processos de funcionalidade e incapacidade através da interação dos seus componentes. O objetivo deste estudo foi analisar as inter-relações entre os domínios da CIF, descrevendo o processo de funcionalidade e de incapacidade a partir da percepção do indivíduo. Utilizou-se abordagem qualitativa com realização de entrevistas e de grade de vida, construídas a partir dos domínios da CIF, aplicadas a 11 pacientes, seguida por preenchimento de um diário de atividades semanais. A maioria dos entrevistados fez ou faz uso de produtos e tecnologias como bengalas, prótese ou órteses, e não teve dificuldade na aquisição dos mesmos através do SUS. Os fatores pessoais que se destacaram foram as formas de enfrentamento da nova condição de saúde e a ressignificação de suas vidas. Durante as entrevistas, a importância do suporte social, sobretudo aquele oferecido pelos familiares e amigos, as barreiras encontradas na utilização do transporte público, além do acesso aos serviços de saúde e benefícios da Previdência Social foram ressaltados. A elaboração de estratégias foi um tema que aponta para a reorganização do cotidiano e que os entrevistados desenvolveram para minimizar as dificuldades vivenciadas em seu dia-a-dia. A análise das entrevistas permitiu confirmar a existência de interação entre os componentes da CIF. Este modelo mostrou-se uma ferramenta importante para compreender o processo de funcionalidade e incapacidade humana a partir da subjetividade e individualidade do paciente, bem como para elaborar intervenções e nortear políticas públicas e pesquisas na área de saúde.

Palavras-chave: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, Pessoas com Deficiência, Apoio Social, Políticas Públicas de Saúde

3 - Relações entre bem-estar subjetivo e mobilidade e independência funcional por função de grupo de faixas etárias e de gêneros em idosos

Relationships between subjective well-being, mobility, and independence as a function of age bracket and gender among the elderly

Giovana Sposito; Maria José D'Elboux Diogo; Fernanda Aparecida Cintra; Anita Liberalesso Neri; Maria Elena Guariento; Maria da Luz Rosário de Sousa

Acta Fisiátr. 2010;17(3):103-108

Este estudo teve como objetivo investigar as associações de bemestar subjetivo, a independência nas atividades cotidianas e as medidas de mobilidade e flexibilidade de membros inferiores em idosos em acompanhamento ambulatorial, em relação a grupos etários e de gêneros. Foram avaliados 125 idosos de ambos os gêneros com idade igual ou superior a 60 anos. Os instrumentos utilizados foram: Medida da Independência Funcional (MIF) para avaliar as atividades cotidianas, Short Physical Performance Battery (SPPB) para o desempenho físico, Bem-estar Subjetivo (BES) para satisfação com a vida. Os resultados revelaram que mulheres têm pior desempenho físico e menor independência funcional do que os homens. Os idosos mais velhos tiveram pior pontuação no desempenho físico e são mais dependentes nas atividades de vida diária que os idosos mais jovens. Entretanto eles são mais satisfeitos com vida do que os demais. Os resultados sugerem que indivíduos mais velhos e mulheres têm maior limitação funcional. Entretanto os idosos mais velhos apresentam maior satisfação com a vida.

Palavras-chave: Idoso, Atividades Cotidianas, Qualidade de Vida

4 - Efeito da exposição cirúrgica de nervos e músculos no teste neurofisiológico em ratos

The effect of surgical exposure of nerves and muscles in neurophysiologic tests on rats

Elisangela Jeronymo Stipp-Brambilla; Adriana Maria Romão; José Antonio Garbino; Manoel Henrique Salgado; Fausto Viterboz

Acta Fisiátr. 2010;17(3):109-111

O estudo neurofisiológico, na modalidade da eletroneuromiografia (ENMG), determina e quantifica a integridade de componentes da unidade motora. Os principais dados fornecidos pelo exame eletroneuromiográfico são os estudos de condução nervosa motora, sensitiva e eletromiografia. No entanto, vários fatores podem interferir sobre a resposta nervosa à eletroestimulação, tais como: idade, sexo, temperatura, umidade e outros. O objetivo deste trabalho foi verificar o efeito da exposição cirúrgica dos nervos ciático, fibular comum, tibial e do músculo tibial cranial no teste neurofisiológico em ratos. Foram utilizados 20 ratos, Wistar, machos com aproximadamente 80 dias, divididos em dois grupos. No grupo normal o exame foi realizado sem a exposição cirúrgica do nervo fibular. No grupo cirúrgico houve a exposição do nervo fibular comum. Com o modelo experimental utilizado, concluiu-se que o teste neurofisiológico realizado em animais com nervos e músculos expostos cirurgicamente é viável, uma vez que a alteração da temperatura do animal não interferiu significativamente nos valores dos parâmetros eletrofisiológicos observados. Além disso, a exposição de nervos e músculos permite estimular um ponto exato no nervo alvo.

Palavras-chave: Neurofisiologia, Eletromiografia, Nervo Ciático/cirurgia, Nervo Fibular/cirurgia, Ratos

5 - Estudo do tratamento da lombalgia crônica por meio da Escola de Postura

Study of chronic low back pain treatment using the Back School

Andrea Tobo; Marcelo El Khouri; Quirino Cordeiro; Moisés da Cunha Lima; Carlos Alexandrino de Brito Junior; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr. 2010;17(3):112-116

O objetivo do presente trabalho foi analisar a resposta ao tratamento dos pacientes com dor lombar crônica, atendidos pela "Escola de Postura" do IMREA-HCFMUSP. Os questionários utilizados para avaliação da resposta terapêutica foram a escala "Oswestry Low Back Pain Disability Questionnaire", a Escala Visual Analógica (EVA), e um diagrama corporal de dor. A amostra foi composta por 43 pacientes com lombalgia crônica encaminhados, avaliados e tratados pela Escola de Postura. Observou-se que os indivíduos que concluíram a Escola apresentaram melhora significativa com relação às três escalas de avaliação aplicadas. Cabe ressaltar que o período de estudo de avaliação da Escola de Postura foi de dois meses, sendo que os resultados não possibilitam afirmar que tal método terapêutico também é eficaz em longo prazo. Mais estudos, quantitativos e qualitativos, devem ser realizados de modo a oferecer subsídios à equipe multiprofissional da Escola que permitam operar mudanças e ampliar recursos terapêuticos no tratamento de pacientes com lombalgia crônica.

Palavras-chave: Dor Lombar, Qualidade de Vida, Questionários, Resultado de Tratamento

6 - Medo do idoso em sofrer quedas recorrentes: a marcha como fator determinante da independência funcional

Fear among the elderly of suffering recurring falls: the gait as a determining factor of functional independence

Adriana Arruda Barbosa Rezende; Iris Lima e Silva; Fabrício Bruno Cardoso; Heron Beresford

Acta Fisiátr. 2010;17(3):117-121

As quedas trazem repercussões psicológicas, como o medo de cair, podendo desencadear prejuízos consideráveis na autonomia do idoso. O objetivo deste estudo, efetuado com 60 idosas, sedentárias, com idades entre 68 e 70 anos, com relatos de quedas, cadastradas no Programa "Idoso Feliz" na cidade do Rio de Janeiro/RJ, foi identificar o medo de sofrer quedas recidivantes no relato de pessoas idosas. Inicialmente foi feito um questionamento acerca da ocorrência de quedas no grupo participante da pesquisa. Em seguida, uma entrevista por meio da Falls Efficacy Scale-International-Brasil para avaliar o grupo com relação à preocupação em cair durante a prática de 16 atividades diárias. Foi também avaliado o perfil da marcha dinâmica utilizando-se o teste de Índice de Marcha Dinâmica. O tratamento estatístico se concentrou na análise descritiva por meio da estimativa de medidas de localização (mínimo, máximo e média) e medidas percentuais e os resultados mostraram que a freqüência das quedas aumentou proporcionalmente com a idade. Em relação à preocupação das idosas em cair, 40,11% não referiu preocupação, 30% relatou um pouco de preocupação, 25,33% moderada preocupação e 4,6% muita preocupação. As atividades para as quais se mostraram mais preocupadas foram: tomar banho, andar em superfícies escorregadias ou irregulares, andar em um local onde haja multidão e sair para eventos sociais. Na avaliação do índice de marcha dinâmica a maioria da população teve um resultado considerado preditivo de quedas, já que todas as idosas perfizeram menos que 19 pontos. Pôde-se concluir que a maioria da população investigada apresentou preocupação, mesmo que pouca ou moderada, em sofrer quedas recorrentes na prática de atividades da vida diária, atividades físicas e atividades sociais, especialmente quando estas requerem força muscular e equilíbrio. Isto pode ser justificado, em parte, pelo insatisfatório índice da marcha dinâmica detectado, o que faz subentender-se a presença de anormalidades naquela função biomecânica.

Palavras-chave: Idoso, Acidentes por Quedas, Marcha, Atividades Cotidianas

7 - O olhar do usuário sobre o acolhimento em um serviço de reabilitação

The client's perspective regarding their welcoming at a rehabilitation clinic

Sirlaine Vieira da Cruz; Liliane Dias Ribeiro; Lúcia Helena de Assis Cabral; Rosana Ferreira Sampaio

Acta Fisiátr. 2010;17(3):122-125

Dentre as novas medidas de atenção aos usuários propostos na Política Nacional de Humanização, destaca-se o acolhimento, que consiste na busca constante do reconhecimento das necessidades dos usuários e das formas possíveis de satisfazê-las. Estudos têm demonstrado a importância de um atendimento humanizado, onde a escuta do usuário torna-se um valioso instrumento para avaliar a efetividade do serviço oferecido à determinada população. O objetivo deste estudo foi descrever, a partir da perspectiva dos usuários, como é realizado o acolhimento em um serviço de reabilitação da mão e analisar os fatores mais relevantes. Foi adotada abordagem qualitativa e o recurso metodológico utilizado foi a entrevista semiestruturada onde os usuários foram questionados em relação ao acolhimento, considerando suas três dimensões: acesso, postura e técnica. A análise de conteúdo foi o método escolhido e consistiu em ordenação, classificação e análise final dos resultados. Participaram do estudo 12 usuários de um hospital público da cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. Os usuários consideraram que um bom acolhimento refere-se à forma mais humanizada de ser recebido, isto é, com atenção, educação e carinho. A comunicação entre terapeuta e usuário demonstrou ser importante para se criar um vínculo entre ambos, construindo uma relação de confiança, gerando a satisfação do usuário e favorecendo a evolução do tratamento. Evidenciouse que realizar um bom acolhimento é um valioso instrumento terapêutico para o profissional de reabilitação. Apresentar boa capacidade de escuta e mostrar-se sensível às necessidades do usuário ajuda na redução dos medos e ansiedades naturais no início da reabilitação, facilitando todo o processo.

Palavras-chave: Serviços de Reabilitação, Terapia Ocupacional, Traumatismos da Mão, Acolhimento

8 - Terapia com caixa de espelhos na síndrome dolorosa regional complexa tipo I

Mirror box therapy in the complex regional pain syndrome type I

Ana Teresa Gaspar; André Castro; Filipe Antunes

Acta Fisiátr. 2010;17(3):126-129

A Síndrome dolorosa regional complexa (SDRC) tipo I é um quadro de dor neuropática, que afeta, sobretudo as extremidades dos membros após evento traumático e/ou período de imobilização, na ausência de lesão nervosa. Para além da dor, as características clínicas incluem alterações vasomotoras regionais e freqüentemente limitação da mobilidade da extremidade envolvida. Não está totalmente esclarecida a sua causa e existem poucos consensos em relação ao tratamento ideal. A caixa de espelhos é uma modalidade terapêutica baseada no feedback visual, como forma de construção de uma nova imagem mental do membro afetado, promovendo a reorganização cortical. Esta técnica tem sido utilizada na recuperação motora ou no controlo da dor em situações como o acidente vascular cerebral e o SDRC tipo I.

Palavras-chave: Síndromes da Dor Regional Complexa, Extremidade Superior, Terapêutica, Terapia

TENDÊNCIAS E REFLEXÕES

9 - Sobre o processo de triagem em centros de reabilitação

The triage process in rehabilitation centers

Marcelo Riberto; Sueli Satie Hamada Jucá; Margarida Harumi Miyazaki; Linamara Rizzo Battistella

Acta Fisiátr. 2010;17(3):130-133

O processo de triagem em centros de reabilitação consiste numa avaliação das condições do paciente potencial usuário dos serviços prestados nessas unidades do sistema de saúde. Em geral ela ocorre no primeiro contato com a equipe clínica. Por meio de agendamento, o paciente é submetido a entrevista com um médico, um assistente social e um psicólogo num só momento, onde são verificadas as condições clínicas, aspectos de dinâmica de relacionamento e psicopatológicos, bem como requisitos sociais para participação regular e supervisionada nas atividades propostas. O objetivo do processo de triagem não é obstruir o acesso de qualquer pessoa aos serviços disponíveis, mas sim direcionar o potencial usuário para a forma mais ágil de atendimento ou mais apropriada às suas necessidades. Ao final do processo de triagem o paciente pode ser eleito para intervenção multiprofissional em vários dias da semana, outras alternativas de intervenção, seja terapêuticas ou de orientação, com recrutamento de número diferente de profissionais ou contatos semanais. Considerando a realidade de reabilitação no Brasil, que não contempla a internação, pode-se esperar um aproveitamento integral do programa de reabilitação somente em condições otimizadas. Os recursos para reabilitação não são ilimitados, assim, a sua otimização é necessária e o processo de triagem viabiliza o melhor aproveitamento desses recursos, e uma distribuição mais justa e ética dos mesmos.

Palavras-chave: Centros de Reabilitação, Administração em Saúde, Triagem, Pessoas com Deficiência/reabilitação

ARTIGO DE REVISÃO

10 - Técnicas de avaliação proprioceptiva do ligamento cruzado anterior do joelho

Techniques of proprioceptive evaluation of the anterior cruciate knee ligament

Angélica Castilho Alonso; Guilherme Carlos Brech; Julia Maria D'Andréa Greve

Acta Fisiátr. 2010;17(3):134-140

O joelho apresenta pouca estabilidade, em virtude de sua forma anatômica, ao mesmo tempo em que possui grande flexibilidade, e por essas razões, sua função depende das estruturas musculares e ligamentares. Uma lesão na articulação pode causar alterações nas informações sensoriais mantidas pelos mecanorreceptores. Com o aumento do interesse por atividades esportivas, bem como a vulnerabilidade e complexidade anatômica do joelho justificam um aumento crescente do número de pacientes com lesões ligamentares, principalmente do ligamento cruzado anterior (LCA). Entretanto qual é a melhor forma de avaliar a propriocepção do joelho?
OBJETIVO: Desta forma este estudo teve como objetivo identificar as técnicas de avaliação proprioceptivas do LCA do joelho, e se existe a melhor técnica.
MÉTODOS: Foi realizada uma revisão de literatura, tendo como critérios de inclusão os estudos publicados em revistas científicas indexadas, que se referiam a instrumentos de avaliação e/ou mensuração da propriocepção do joelho.
DISCUSSÃO: De acordo com a literatura revisada, existem diferentes técnicas de avaliação da propriocepção do LCA, dentre elas: estudos morfológicos anatômicos; avaliação neurofisiológica; e avaliação clínica que é dividida em três subtipos: a) sentido da posição estática; b) cinestesia; e c) equilíbrio postural. Ainda que a propriocepção seja importante no resultado final de um tratamento que envolva uma lesão ligamentar, sua avaliação ainda é uma dificuldade.
CONCLUSÃO: O método ideal deve ter alta sensibilidade e especificidade, além de boa reprodutibilidade e precisão. Porém não houve consenso na literatura referente à melhor técnica e os resultados são contraditórios, apesar da avaliação do equilíbrio ser uma técnica moderna e utilizada nos grandes centros de pesquisa, não é possível isolar o sistema proprioceptivo dos outros sistemas: visual e vestibular.

Palavras-chave: Propriocepção, Equilíbrio Postural, Ligamento Cruzado Anterior, Avaliação

Revista Associada

Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2017 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1