ISSN 0104-7795 Versão Impressa
ISSN 2317-0190 Versão Online

Logo do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Articles in Press

Características do perfil de indivíduos amputados atendidos em um instituto de reabilitação

Characteristics of the profile of amputated individuals attended at a rehabilitation institute


Daniela Mitiyo Odagiri Utiyama, Heyriane Martins dos Santos, Leticia Gori Alves del Papa, Nadja Moreira da Silva, Viviane Caroline Sales, Denise Vianna Machado Ayres, Linamara Rizzo Battistella, Fábio Marcon Alfieri


Utiyama DMO, Santos HM, Papa LGA, Silva NM, Sales VC, Ayres DVM, et al. Características do perfil de indivíduos amputados atendidos em um instituto de reabilitação. Acta Fisiátr. 2019;26(1):[article in press]


Objetivo: Apresentar características do perfil de indivíduos amputados unilaterais na fase pré protética atendidos em um instituto de reabilitação hospitalar. Método: Estudo retrospectivo a partir dos registros dos prontuários dos pacientes amputados do Instituto de Medicina Física e Reabilitação da Universidade de São Paulo que realizaram reabilitação hospitalar na instituição. Foram analisados os prontuários de julho de 2015 até novembro de 2018. Nestes prontuários foram coletadas as informações sobre: idade, gênero, tipo de lesão, tempo da lesão, etiologia da lesão, mobilidade funcional por meio do teste Timed Up and Go (TUG), equilíbrio/funcionalidade por meio do teste Amputee Mobility Predictor (AMP), capacidade de caminhar por meio do teste de caminhada de 2 minutos (TC2Min). Análises descritivas foram feitas para avaliar as características demográficas e clínicas dos pacientes. Resultados: A média de idade foi de 43,59±16,52 anos, com tempo de amputação de 21,9±32,7 meses. Houve predominância do gênero masculino e a etiologia traumática e amputação transfemoral foram as mais prevalentes. Os dados clínicos encontrados foram: tempo de execução do teste TUG: 18,7 segundos, da AMP: 31,2 pontos, TC2Min: 111,2 metros.  Conclusão: Na fase pré-protética, a origem traumática foi predominante, sendo a maioria do gênero masculino. A amputação transfemoral foi superior às demais. O tempo médio da amputação até a internação é quase de dois anos. Os testes clínicos embora apresentem bons resultados, mostram a necessidade de serem aprimoradas as questões como, por exemplo, a mobilidade funcional que é condizente com risco de quedas nestes indivíduos.


Palavras-chave: Amputados, Pacientes Internados, Serviços de Reabilitação

 

O fenol como agente neurolítico no tratamento da espasticidade focal e multifocal

Phenol as a neurolithic agent in the treatment of focal and multifocal spasticity


Dayrin Vanessa Tarazona Carvajal, Natália de Oliveira Silva, Lucas Soiti Maeda, Marcelo Riberto


Carvajal DVT, Silva NO, Maeda LS, Riberto M. O fenol como agente neurolítico no tratamento da espasticidade focal e multifocal. Acta Fisiátr. 2019;26(1):[article in press]


A síndrome piramidal ocorre nas lesões do sistema nervoso central que afetam as vias corticoespinhais e são definidas pela tríade de fraqueza muscular, aumento dos reflexos miotáticos e espasticidade, que é definida pelo aumento involuntário da resistência ao movimento passivo cuja intensidade varia com a velocidade do movimento. Quando a espasticidade interfere na funcionalidade do paciente, dificultando o movimento ativo, causando dor ou dificultando a prestação de cuidados por terceiros, há necessidade de iniciar seu tratamento. Para o tratamento da espasticidade generalizada ou de grandes porções do corpo, a intervenção medicamentosa ocorre por via oral ou intratecal, conforme os recursos disponíveis, mas efeitos colaterais de intensidade variável e indesejáveis podem ocorrer, especialmente o comprometimento da atenção ou da consciência, que prejudicam o processo de reabilitação. O tratamento focal da espasticidade utiliza a toxina botulínica ou os bloqueios nervosos com fenol ou álcool. Este artigo revisa a literatura sobre as técnicas mais adequadas para realizar a neurólise com fenol. Os bloqueios neuromusculares com fenol são um tratamento efetivo, de ação imediata, baixo custo, duração prolongada e de poucos efeitos adversos quando são respeitados os cuidados regulares de aplicação.


Palavras-chave: Fenol, Espasticidade Muscular, Bloqueio Nervoso, Terapêutica

 

Uso da terapia por ondas de choque para o tratamento do linfedema associado ao câncer de mama: uma revisão sistemática

Use of shockwave therapy for the treatment of lymphedema associated to breast cancer: a systematic review


Otávio Augusto Bagatini, Camila Bertin, Maria Lucia Costacurta Guarita, Fernando Hong, Gilson Tanaka Shinzato, Marta Imamura, Chirstina May Moran de Brito, Linamara Rizzo Battistella


Bagatini OA, Bertin C, Guarita MLC, Hong F, Shinzato GT, Imamura M, et al. Uso da terapia por ondas de choque para o tratamento do linfedema associado ao câncer de mama: uma revisão sistemática. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


O linfedema associado ao câncer de mama é causa de prejuízo significativo da qualidade de vida deste grupo de pacientes e constitui complicação frequente das intervenções necessárias nesse tipo de câncer. Sabe-se que o tratamento utilizado no linfedema associado ao câncer de mama envolve a Terapia Física Complexa (TFC), cuja eficácia é limitada e não atua diretamente na patogênese dessa comorbidade. Conforme já demonstrado em alguns estudos, o uso da Terapia por Ondas de Choque (TOC) demonstra-se potencialmente benéfico para reduzir o linfedema pela indução de neoangiogênese e linfangiogênese. Objetivo: Avaliar o impacto da TOC no tratamento do linfedema associado ao câncer de mama comparado ao uso da TFC. Métodos: Foram utilizadas as seguintes bases de dados: PubMed/MedLine; BIREME; LILACS; The Cochrane Library e EMBASE, e através de busca manual de artigos. Adotou-se o método de pesquisa PICO e os descritores Meshs ajustados conforme a respectiva base de dados. Resultados: Foram encontrados um total de 262 artigos e selecionados por leitura do título ou resumo um total de 17 estudos. Seis foram excluídos por serem duplicatas, totalizando 11 artigos eleitos para verificação dos critérios de inclusão. Destes, nenhum artigo atendeu ao delineamento da metodologia proposta para esta revisão. Três deles se destacaram por se aproximarem mais da temática proposta e foram discutidos. Conclusão: É necessária a realização de estudos com qualidade metodológica adequada para avaliar o potencial benefício do uso da TOC, visando contribuir para a composição de um tratamento mais eficaz, seguro e que atue na patogênese da doença.


Palavras-chave: Linfedema Relacionado a Câncer de Mama, Tratamento por Ondas de Choque Extracorpóreas, Drenagem Linfática Manual, Reabilitação

 

A influência do tratamento intensivo com suporte de peso corporal na função motora de crianças com paralisia cerebral

Effects of intensive treatment with body weight support in children with cerebral paralysis


Geison Sebastião Reitz, Milena Julia Chirolli, Mariana Neis Assunção, Patricia Vieira de Souza Crippa, Suzana Matheus Pereira, Helio Roesler


Reitz GS, Chirolli MJ, Assunção MN, Crippa PVS, Pereira SM, Roesler H. A influência do tratamento intensivo com suporte de peso corporal na função motora de crianças com paralisia cerebral. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


Objetivo: Analisar os efeitos de um tratamento intensivo por meio do suporte de peso corporal em crianças com paralisia cerebral. Métodos: Participaram do estudo 10 crianças com paralisia cerebral, GMFCS nível IV ou V, idade entre 4 a 9 anos. Onde foram realizadas sessões diárias com suporte de peso corporal em esteira ergométrica com auxílio de terapeutas para executar o padrão de marcha mais próximo da normalidade, com pontos chaves em joelho e tornozelo com duração de 30 minutos de tratamento e intervalo de 24 horas, por um período de 10 dias. Para fins de avaliação pré e pós-intervenção, utilizando a escala de medição da função motora grossa GMFM, e da flexibilidade pelo Flexiteste. Resultados: Foi possível constatar um aumento relevante na função motora grossa dos sujeitos, onde o domínio Deitar e Rolar obteve maior pontuação, com um aumento de 10,77%. Sentar demonstrou aumento de 3,80%, Engatinhar e Ajoelhar 6,43% e o domínio Em Pé 3,45%. Relativo ao Flexiteste, a média entre os sujeitos relatou aumento expressivo de 4,2 pontos. Já em análise individual, percebe-se que 3 indivíduos obtiveram aumento de score de 6 pontos. Conclusão: Um protocolo intensivo de curta duração é capaz de trazer ganhos de flexibilidade e motores rápidos a crianças que possuem quadro de paralisia cerebral.


Palavras-chave: Atividade Motora, Marcha, Paralisia Cerebral, Fisioterapia

 

Mensuração da força muscular dos extensores do tronco em diferentes velocidades angulares no dinamômetro isocinético em uma pessoa após traumatismo crânio encefálico: relato de caso

Muscle strength of trunk extensors measurement in different angular velocity in an isokinetic dynamometer an individual post traumatic brain injury: case report


Rita de Cássia Montelli, Adilson Gonçalves, Tania Cristina Duran, Katia Lina Miyahara, Cristiane Gonçalves Mota, Gilson Tanaka Shinzato


Montelli RC, Gonçalves A, Duran TC, Miyahara KL, Mota CG, Shinzato GT. Mensuração da força muscular dos extensores do tronco em diferentes velocidades angulares no dinamômetro isocinético em uma pessoa após traumatismo crânio encefálico: relato de caso. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


Objetivos: Avaliar a velocidade de movimento de extensão do tronco, em três fases angulares, dentro do intervalo de movimento de 15 graus por segundo (º/s) a 60º/s, em uma pessoa com dupla hemiparesia, após traumatismo crânio encefálico. Métodos: A amostra foi composta por um participante do sexo masculino, idade 18 anos, com dupla hemiparesia predominante à direita, limitação de amplitude de movimento de quadril e joelho direito após TCE causado por acidente automobilístico. A força muscular dos extensores do tronco foi verificada por meio da avaliação isocinética, em um dinamômetro da marca Cybex® modelo 6000. O programa de treinamento isocinético foi realizado duas vezes por semana, em sessões de 60 minutos, durante 35 semanas no Serviço de Condicionamento Físico - IMREA HCFMUSP, unidade Vila Mariana, São Paulo / SP. Resultados: Após 10 sessões, o pico do torque apresentou aumento de 193,0% e 160,0% na força muscular concêntrica dos extensores do tronco realizada em velocidade angular de 15 e 30 graus por segundo respectivamente e, após 70 sessões, a melhora apresentada foi de 102% para velocidade angular de 60 graus por segundo. Conclusão: O treinamento isocinético pode contribuir para melhora da força muscular dos extensores do tronco de um adulto jovem com sequela neurológica após traumatismo crânio-encefálico, contribuindo para melhora do equilíbrio, diminuição de dores e de riscos de futuras lesões musculoesqueléticas.


Palavras-chave: Lesões Encefálicas Traumáticas, Força Muscular, Dinamômetro de Força Muscular

 

Métodos de avaliação da composição corporal em pessoas com amputação de membros

Methods of assessing body composition in people with limb amputation


Orcizo Francisco Silvestre, Jessica Reis Buratti, Rafael Ribeiro Mattosinho, Mariane Borges, José Irineu Gorla


Silvestre OF, Buratti JR, Mattosinho RR, Borges M, Gorla JI. Métodos de avaliação da composição corporal em pessoas com amputação de membros. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


Objetivo: Identificar quais métodos foram utilizados para avaliar a composição corporal de indivíduos com amputação de membros a partir da revisão da literatura. Método: Para atingir o objetivo definido, utilizou-se as bases de dados Pubmed e Scielo, através dos descritores (em combinação com amputação) composição corporal, massa gorda e massa magra de 1986 a 2019. Resultados: Os artigos encontrados passaram pela inclusão e critérios de exclusão e 17 artigos, todos utilizando medidas antropométricas (massa corporal e estatura), seguidas de densitometria óssea (DXA) e espessura das dobras cutâneas. Pode-se observar, também, que a maioria dos estudos está focada no aspecto saúde, com foco em nutrição e fatores de risco. Conclusão: Através desta revisão, observou-se que os métodos antropométricos foram utilizados principalmente para avaliar a composição corporal em indivíduos com amputação de membros, seguida de densitometria óssea. No entanto, os estudos eram escassos e muitos procedimentos não eram tão claros para inviabilizar uma análise mais cuidadosa. Além disso, faltam estudos longitudinais e, principalmente, na área do desempenho esportivo nessa população, indicando uma lacuna importante a ser explorada.


Palavras-chave: Composição Corporal, Antropometria, Amputação

 

Tratamento da dor crônica na osteoartrite do quadril com neurólise do nervo obturador com fenol Quadfen1

Treatment of chronic osteoarthritic hip pain with phenol neurolysis of the obturator nerve Quadfen1


Chiara Maria Thá Crema, Luiza Previato Trevisan Magario, Ana Paula Bertole Cirino dos Santos, Marcelo Riberto


Crema CMT, Magario LPT, Santos APBC, Riberto M. Tratamento da dor crônica na osteoartrite do quadril com neurólise do nervo obturador com fenol Quadfen1. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


Objetivo: Descrever os resultados do tratamento de pacientes com OA grave do quadril por meio da aplicação de fenol no nervo obturatório. Método: Nove pacientes com OA de quadril resistente ao tratamento conservador que se apresentaram consecutivamente ao nosso serviço foram submetidos à aplicação de fenol no nervo obturatório com localização por meio de eletroestimulação e avaliados quanto a intensidade de dor pela escala visual analógica (EVA), dolorimetria de pressão e qualidade de vida pelo Haris Hip Score (HHS) após 01, 02 e 06 meses. Resultados: Foram selecionados 12 pacientes que preenchiam os critérios de inclusão e exclusão, destes, 3 foram excluídos após não conseguirem mais comparecer para as avaliações. Os valores médios de EVA variaram de 8,2 ±.0,9 na medida basal para 6,6 ± 1,7 ao final de um mês, 6,5 ± 1,7 ao final de dois meses e 7,3 ± 1 com 06 meses (p=0,0094). Quanto ao HHS, os valores foram 33,27 ± 2,9; 39,2 ± 6,4; 40,2 ± 8,1 e 38,8 ± 9,7, na avaliação final. Conclusão: A aplicação de Fenol em RAO pode ser uma alternativa no tratamento da OA de quadril grave em pacientes com restrições à realização de ATQ, pois implica em redução da dor e melhora da qualidade de vida.


Palavras-chave: Osteoartrite do Quadril, Dor, Reabilitação, Terapêutica, Fenol, Qualidade de Vida

 

Função respiratória em pacientes com estenose lombar: uma análise comparativa

Respiratory function in patients with lumbar stenosis: A comparative analysis


Cláudia Valéria de Melo Pereira Chaves, Vera Lúcia dos Santos Alves, Robert Meves, Maria Fernanda Silber Caffaro


Chaves CVMP, Alves VLS, Meves R, Caffaro MFS. Função respiratória em pacientes com estenose lombar: uma análise comparativa. Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


The degenerative diseases of the spine are conditions involving the loss of structure and normal function of the spine and may lead to the worsening of functional capacity, decreased exercise tolerance, and reduced quality of life because of neurogenic claudication and chronic low-back pain. The choice for arthrodesis occurs due to the presence of evolutionary neurological injury, or intractable pain. Objective: To analyze and compare spirometric values and respiratory muscle strength in patients with lumbar stenosis. Method: Cross-sectional study with 38 patients of both genders, divided into a group of 19 operated patients and another group of 19 patients awaiting surgery, aged between 50 and 80 years, who were evaluated by spirometry and manovacuometry.  Results: In our study, lung function was observed to be consistent with the expected standards, considering that the group of operated patients performed better in both spirometry and manovacuometry. Conclusion: Operated patients showed improvement in lung function as compared to non-operated patients.


Palavras-chave: Arthrodesis, Muscle Strength, Spirometry

 

Perfil da resiliência em indivíduos com amputação de membro inferior

Profile of resilience in individuals with lower limb amputation


Maressa Gonçalves da Paz, Juliana Caldas Souza, Fernanda Miranda Oliveira


Paz MG, Souza JC, Oliveira FM. Perfil da resiliência em indivíduos com amputação de membro inferior. Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


Objetivo: Identificar o perfil sociodemográfico dos amputados de membro inferior bem como, os níveis e os fatores da resiliência. Método: Trata-se de um estudo descritivo, quantitativo e transversal. Os dados foram coletados através de um questionário semiestruturado após aprovação pelo Comitê de Ética e Pesquisa. O período de coleta foi entre Setembro a Novembro de 2017 no ambulatório do Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação de Goiânia - Goiás. Os dados foram apresentados em frequências, média e desvio padrão. Resultados: Verificou-se que os indivíduos resilientes tinham amputação acima do joelho (44%), de etiologia traumática (30,1%), não receberam orientação após a amputação (41,5%) e utilizam as muletas como principal dispositivo auxiliar na locomoção (49%). Houve uma predominância da resiliência moderada 33 (62,2%) e de respostas do tipo concordo para os fatores I e III da escala de resiliência. Para o fator II houve semelhança nas respostas do tipo nem concordo e nem discordo e do tipo concordo. Discussão: Amputação acima do nível do joelho, etiologia traumática e ausência de orientação quanto aos cuidados com o coto foram predominantes nos indivíduos resilientes tais características estão associadas a um maior grau de incapacidade, cuidados inadequados com o coto, stress e depressão. Acredita-se que condições adversas pode influenciar positivamente a resiliência graças a capacidade de ajustamento e adaptação do indivíduo. Conclusão: A resiliência moderada evidencia que os amputados possuem estratégias de enfretamento positivas, porém e necessário realizar programas de treinamento a fim de promover melhor independência e determinação.


Palavras-chave: Amputação, Extremidade Inferior, Reabilitação, Resiliência Psicológica

 

Perfil epidemiológico e funcional de pacientes com diagnóstico de esclerose múltipla em Manaus, Amazonas

Epidemiological and functional profile of patients diagnosed with multiple sclerosis in Manaus, Amazonas


Luciana Moreira de Sousa, Edinangela Silva de Oliveira, Nisi Alessandra de Carvalho Sousa, Guilherme Peixoto Tinoco Arêas, Fernando Zanela da Silva Arêas


Sousa LM, Oliveira ES, Sousa NAC, Arêas GPT, Arêas FZS. Perfil epidemiológico e funcional de pacientes com diagnóstico de esclerose múltipla em Manaus, Amazonas. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


A esclerose múltipla (EM) é uma doença imuno-mediada, inflamatória, caracterizada por repetidos episódios de desmielinização. Objetivo: Traçar o perfil epidemiológico e funcional dos pacientes com Esclerose Múltipla atendidos em um Hospital de Referência de Manaus-AM. Método: Foram selecionados 80 prontuários para triagem e posterior aplicação da escala de Medida de Independência Funcional (MIF). Resultado: Foram incluídos no estudo 32 pacientes, 23 do sexo feminino (74%) cuja média de idade era de 35 (± 12) anos verificando uma relação entre mulheres e homens de 2.5. O tempo de diagnóstico médio para os homens foi de 7.8 anos e para as mulheres de 5,3 anos. A média do escore na escala de MIF Total foi de 110,9 (± 17,5). Conclusão: As características epidemiológicas estão em consonância com a maioria dos estudos semelhantes, mas carecem de mais estudos voltados para a avaliação da funcionalidade de indivíduos com EM.


Palavras-chave: Esclerose Múltipla, Registros Médicos, Estudos Epidemiológicos

 

Análise da assimetria de força de preensão manual entre os sexos

Analysis of the asymmetry of hand gripping force between the sexes


Lidiane Aparecida Fernandes, Mateus Gonçalves Bruno, Guilherme Menezes Lage, Cíntia de Oliveira Matos, Paula Carolina Leite Walker, Tércio Apolinário Souza


Fernandes LA, Bruno MG, Lage GM, Matos CO, Walker PCL, Souza TA. Análise da assimetria de força de preensão manual entre os sexos. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


É da natureza dos seres humanos apresentarem preferências na realização de tarefas do dia-a-dia. Esta preferência está associada à lateralidade. Um dos campos de estudo sobre a lateralidade é a assimetria lateral, que está presente tanto na dimensão da preferência quanto no desempenho. Objetivo: Este estudo teve como objetivo comparar a assimetria de força de preensão manual entre os sexos, e identificar se há associação entre assimetria de desempenho e assimetria de preferência. Método: A amostra foi composta por 50 estudantes universitários que realizaram teste de força de preensão manual máxima. Resultados: Os resultados indicaram que o os homens apresentaram valores absolutos maiores, maior índice de assimetria e menor consistência quando comparados às mulheres. Além disso, a mão preferida apresentou valores maiores de força em ambos os sexos.  Conclusão:  Em linhas gerais, sugere-se que fatores genéticos, sociais, culturais e sexo influenciam o comportamento motor dos indivíduos e, consequentemente, as assimetrias de desempenho.


Palavras-chave: Força Muscular, Lateralidade Funcional, Dinamômetro de Força Muscular

 

Incapacidades físicas em pessoas que concluíram a poliquimioterapia para hanseníase em Vitória da Conquista, Bahia, Brasil

Physical disabilities after multidrug therapy for leprosy in Vitória da Conquista, Bahia State, Brazil


Martha Cerqueira Reis, Marcos Túlio Raposo, Carlos Henrique Morais de Alencar, Alberto Novaes Ramos Júnior, Jorg Heukelbach


Reis MC, Raposo MT, Alencar CHM, Ramos Júnior AN, Heukelbach J. Incapacidades físicas em pessoas que concluíram a poliquimioterapia para hanseníase em Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


Objetivo: Estimar a prevalência de incapacidades físicas e fatores associados, em pessoas que concluíram a poliquimioterapia (PQT) para hanseníase. Métodos: Realizou-se estudo transversal (n=222) no município de Vitória da Conquista-Bahia-Brasil, incluindo casos de hanseníase notificados de 2001-2014. As incapacidades físicas foram avaliadas por meio de aplicação de instrumento e avaliação do grau de incapacidade (GI) e do escore olho-mão-pé (OMP). Resultados: A prevalência de incapacidades físicas foi de 64,8% (n=144), e de GI 2 foi de 17,1% (n=38). As incapacidades físicas associaram-se de forma significante com analfabetismo (RP = 1,27; IC 95% = 1,05-1,54), classificação operacional multibacilar (RP = 1,26; IC 95% = 1,01-1,57), ocorrência de episódios reacionais (RP =1,41; IC 95% = 1,14-1,74) e dor/espessamento neural (RP = 1,3; IC 95% = 1,02-1,64). Houve piora do GI em 34 (32,1%) dos casos, considerando o momento do diagnóstico à alta. Conclusões: As incapacidades físicas, inclusive as com deformidades, constituem um importante problema no contexto individual e coletivo dos casos que seguem no pós-alta da PQT. Ressalta-se a necessitando de maior monitoramento e cuidado longitudinal, no sentido de prevenir sequelas específicas da doença.


Palavras-chave: Pessoas com Deficiência, Doenças Negligenciadas, Hanseníase

 

Avaliação termográfica e adaptação à prótese de amputados de membros inferiores: um olhar qualitativo

Thermographic evaluation and adaptation to the prosthesis of people with lower limb amputation: a qualitative approach


Soraia Cristina Tonon da Luz, Amanda Reinert Silva, Gesilni Júlia da Silva Honório, Kadine Priscila Bender dos Santos, Ruy Luiz Lorenzetti Branco, Tayla Siqueira Ruy


Luz SCT, Silva AR, Honório GJS, Santos KPB, Branco RLL, Ruy TS. Avaliação termográfica e adaptação à prótese de amputados de membros inferiores: um olhar qualitativo. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


Objetivo: Avaliar qualitativamente características do mapa termográfico do coto membro inferior íntegro e adaptação à prótese de pacientes amputados de membros inferiores. Método: Pesquisa qualitativa, do tipo descritiva e exploratória. Amostra foi composta por cinco indivíduos amputados de membros inferiores, de ambos os sexos, com os níveis transtibial e transfemural, idade entre 18 e 65 anos, alfabetizados e protetizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Foi realizada anamnese e avaliação termográfica analisando qualitativamente o membro íntegro e coto aplicado o questionário Prothesis Evaluation Questionnaire (PEQ). Resultados: As imagens termográficas dos indivíduos transfemurais apresentaram no membro residual aumento da temperatura em região inguinal, podendo ser devido à fricção do encaixe superior da prótese. Em toda amostra percebeu-se diminuição da temperatura na extremidade inferior do coto, apontando uma possível redução de vascularização desta região. No PEQ o domínio fortemente mais citado como desfavorável para os participantes foi o de mobilidade, principalmente nas questões de subida e descida de escadas, subida e descida de morros íngremes e andar sobre lugares escorregadios. A transpiração dentro do encaixe e o inchaço do membro residual também foram queixas bem citadas pelos participantes. Conclusão: As questões de maior impacto à adaptação da prótese foram a mobilidade, transferência caraterísticas relacionadas ao edema, sensação de peso e desconforto térmico do membro residual na região do encaixe protético. A termografia evidenciou maiores valores de temperatura do membro íntegro, assim como aumento de temperatura na região do encaixe da prótese e redução de temperatura na extremidade do coto.


Palavras-chave: Amputação, Membros Artificiais, Termografia, Análise Qualitativa

 

Orientações sobre transferências na redução da intensidade da dor lombar crônica de cuidadores familiares em um ambulatório de cuidados paliativos: estudo piloto

Guidelines on transfers in the reduction of chronic low back pain intensity of family caregivers in a palliative care ambulatory: pilot study


Andressa da Silva Gomes, Juraci Aparecida Rocha, Guilherme Rodrigues dos Santos, Ricardo Tavares de Carvalho


Gomes AS, Rocha JA, Santos GR, Carvalho RT. Orientações sobre transferências na redução da intensidade da dor lombar crônica de cuidadores familiares em um ambulatório de cuidados paliativos: estudo piloto. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


Objetivo: Avaliar a eficácia de uma estratégia de orientações verbal e escrita sobre transferências na redução da dor lombar em cuidador familiar de pacientes em cuidados paliativos; o impacto no desempenho das tarefas diárias do cuidador antes e após a intervenção e se a adesão às orientações resultou em melhora clínica significativa da dor e do desempenho nas atividades. Método: Trata-se de ensaio clínico piloto, realizado no ambulatório de cuidados paliativos do HCFMUSP. Foram avaliados 4 cuidadores familiares divididos em dois grupos. O grupo intervenção recebeu orientação verbal e escrita e o grupo controle apenas orientação verbal. A análise dos dados foi realizada através de medida de proporção e análise de significância estatística pelo teste exato de Fisher. A correlação entre as variáveis será realizada através de regressão logística. Resultados: Houve dificuldade no recrutamento com influência direta no tamanho reduzido da amostra. Os resultados preliminares sobre a eficácia da intervenção para redução de dor e aumento de desempenho em cuidadores familiares não demonstraram significância estatística. A análise descritiva de aderência às recomendações aponta para uma tendência promissora quanto à viabilidade da intervenção educativa. Conclusão: A relevância deste ensaio piloto deve-se a avaliação preliminar do tempo necessário para se recrutar um número adequado de participantes e a tendência de boa aderência à intervenção. A dificuldade de recrutamento de pacientes em final de vida é previsível devido ao tempo reduzido de sobrevida e a complexidade do cuidado. A eficácia da intervenção somente poderá ser demonstrada com o ajuste do tamanho da amostra.


Palavras-chave: Cuidadores, Movimentação e Reposicionamento de Pacientes, Dor Lombar, Cuidados Paliativos

 

Adaptação transcultural da Trinity Amputation and Prosthesis Experience Scales - Revised (TAPES-R): avaliação dos processos psicossociais envolvidos no ajuste à amputação e à prótese

Transcultural adaptation of the Trinity Amputation and Prosthesis Experience Scales - Revised (TAPES-R): evaluation of psychosocial processes involved in adjustment to amputation and prosthesis


Denise Regina Matos, Juliana Fákir Naves, Tereza Cristina Cavalcanti Araujo


Matos DR, Naves JF, Araujo TCC. Adaptação transcultural da Trinity Amputation and Prosthesis Experience Scales - Revised (TAPES-R): avaliação dos processos psicossociais envolvidos no ajuste à amputação e à prótese. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


A literatura aponta ausência de instrumentos específicos para avaliação clínica e pesquisa direcionada a pessoas com amputação, sendo a escala TAPES-R relevante para análise dos aspectos psicossociais nessa população. Esta escala foi desenvolvida para avaliar os processos envolvidos na adaptação à amputação de membros inferiores e à prótese. Este instrumento abrange 33 itens organizados em três domínios - ajustamento psicossocial, restrição de atividade e satisfação com prótese, além de questões relacionadas com a dor do membro fantasma e do membro residual. Objetivo: Realizar adaptação transcultural da escala TAPES-R para aplicação na população brasileira. Método: A adaptação transcultural foi realizada em cinco etapas: tradução, tradução reversa, síntese das avaliações, avaliação por comitê de especialistas e teste final na população. Foi realizada a comparação entre as versões original e traduzida em relação às equivalências semântica, idiomática, cultural e conceitual. A versão final foi aplicada em 116 sujeitos amputados de membros inferiores. Resultados: Houve clareza quanto à compreensão do instrumento pelos participantes, indicando que o mesmo esteja apropriado à realidade do público-alvo na população brasileira. Amputação acima de joelho e tempo de uso da prótese abaixo de 10 horas/dia estão associados a pior ajustamento e menor satisfação com a prótese. Conclusão: O uso da escala TAPES-R permitiu avaliar a percepção dos indivíduos acerca da experiência com a amputação e prótese, possibilitando o uso clínico para avaliação de resultados voltados para a reabilitação de pacientes com amputação de membro inferiores. Serão desenvolvidos novos estudos para a continuidade de validação do instrumento.


Palavras-chave: Amputação, Ajustamento Emocional, Membros Artificiais, Qualidade de Vida

 

Perfil neuropsicológico de pacientes com amputação maior de membros inferiores por etiologia vascular

Neuropsychological aspects of a population of patients with vascular lower extremity amputations


Claudia Vohringer Pessoa, Sergio Paik, Gabriela Paixão Correia, Isadora Di Natale Nobre, Adriana Cristina Guimarães Pardini, Sheila McNeill Ingham


Pessoa CV, Paik S, Correia GP, Nobre IDN, Pardini ACG, Ingham SM. Perfil neuropsicológico de pacientes com amputação maior de membros inferiores por etiologia vascular. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


Objetivo: O estudo objetivou traçar um perfil neuropsicológico breve de pacientes com amputação maior de membros inferiores por etiologia vascular e investigar a existência de correlações dos aspectos cognitivos com fatores sociodemográficos e clínicos. Método: Trata-se de um estudo transversal descritivo, realizado em um centro de reabilitação física de São Paulo - Brasil, em que foram aplicados: um instrumento de avaliação neuropsicológica breve (Neupsilin), um questionário de caracterização da amostra próprio e a Escala de Ansiedade e Depressão Hospitalar (HAD). Resultados: O desempenho cognitivo foi pior em funções que requerem habilidades aritméticas (42,2% dos pacientes com desempenho abaixo do esperado); percepção (46,3% dos pacientes abaixo do esperado); funções executivas, notadamente nas tarefas praxia construtiva (40,6% abaixo do esperado) e fluência verbal (35,9% abaixo do esperado), e linguagem (31,2% abaixo do esperado). Conclusão: O perfil cognitivo dos pacientes deste estudo revelou dificuldades relevantes das funções cognitivas avaliadas, especialmente em funções diretamente relacionadas à funcionalidade do paciente.


Palavras-chave: Neuropsicologia, Cognição, Testes Psicológicos, Doença Arterial Periférica, Amputação

 

Resultados de um programa de condicionamento físico para indivíduos com hemiplegia após acidente vascular encefálico: comparação de dois métodos de intervenção

Results of a physical fitness training for individuals with hemiplegia after stroke: Comparison of two methods of intervention


Cristiane Vieira Cardoso, Leonardo Danelon Cruz, Cristiane Gonçalves Mota, Katia Lina Miyahara, Livia Maria dos Santos Sabbag


Cardoso CV, Cruz LD, Mota CG, Miyahara KL, Sabbag LMS. Resultados de um programa de condicionamento físico para indivíduos com hemiplegia após acidente vascular encefálico: comparação de dois métodos de intervenção. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


Objetivo: Comparar os resultados obtidos na força muscular de membros inferiores e capacidade funcional de pessoas com sequelas neurológicas após Acidente Vascular Encefálico, obtidos por meio de dois métodos de intervenção: uso de faixas elásticas e aparelhos de musculação. Métodos: 14 pessoas idades 58,5±9,4 (07 Grupo A; 07 Grupo B) participaram do programa de exercícios (grupo A intervenção com faixas elásticas e grupo B intervenção em aparelhos de musculação). Resultados: Houve aumento da força muscular, melhora do equilíbrio dinâmico e na capacidade funcional em sentar e levantar da cadeira para ambos os grupos. Conclusão: Exercícios físicos realizados com uso de faixas elásticas trazem benefícios para essas pessoas, tanto quanto os realizados em aparelhos de musculação.


Palavras-chave: Hemiplegia, Exercício, Força Muscular

 

Avaliação do alinhamento de joelhos e retropés em mulheres com e sem dor patelofemoral durante o exercício de agachamento

Knee and rearfoot alignment´s assessment in womans with and without patellofemoral pain during squat exercise


Letícia Ruebenich de Quadros, Eduardo Sehnem, Carlos Leandro Tiggemann


Quadros LR, Sehnem E, Tiggemann CL. Avaliação do alinhamento de joelhos e retropés em mulheres com e sem dor patelofemoral durante o exercício de agachamento. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


O agachamento, considerado um movimento biomecânico complexo em função de exigir alinhamento dinâmico, é um exercício frequentemente praticado. Se executado de forma errada, pode tornar-se fator de risco para lesões osteomioarticulares, como a dor patelofemoral. Objetivo: Avaliar o alinhamento dos joelhos e do retropé durante o exercício de agachamento em mulheres com e sem dor patelofemoral. Método: Foram selecionadas 25 mulheres, com idade entre 19 e 37 anos, praticantes de musculação há no mínimo seis meses, que referissem dor no joelho durante atividades funcionais. A amostra foi recrutada em quatro academias do Vale do Taquari. Após a aplicação de um Questionário, que abordou intensidade e comportamento da dor patelofemoral, as voluntárias foram divididas em dois grupos: 14 com dor patelofemoral e 11 sem dor patelofemoral. Foi filmada a execução do exercício de agachamento e do Step Down Test, para avaliar o alinhamento dos joelhos e retropé nestas atividades funcionais. Resultados: Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva, teste t Student e Correlação de Pearson, com um nível de significância de p < 0,05. Não houve diferença entre as variáveis, comparando-se o grupo com e sem dor patelofemoral. As participantes com maiores valores angulares de valgismo estático tendem a apresentar a mesma característica durante o teste Step Down. Conclusão: É necessária uma abordagem avaliativa individualizada, com a divisão em subgrupos, de acordo com a etiologia da dor. Questiona-se a classificação das alterações biomecânicas como causa ou efeito da dor patelofemoral e das compensações realizadas.


Palavras-chave: Síndrome da Dor Patelofemoral, Pé Chato, Treinamento de Resistência

 

Associação de força de preensão palmar e osteoporose avaliada por densitometria óssea (DXA) em idosos quilombolas: um estudo seccional

Association between handgrip strength and osteoporosis assessed by bone densitometry in elderly quilombolas: a sectional study


Luiz Sinésio Silva Neto, Fabiane Aparecida Canaan Rezende, Daniella Pires Nunes, Erika da Silva Maciel, Andreia Travassos, Neila Barbosa Osório


Neto LSS, Rezende FAC, Nunes DP, Maciel ES, Travassos A, Osório NB. Associação de força de preensão palmar e osteoporose avaliada por densitometria óssea (DXA) em idosos quilombolas: um estudo seccional. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


Objetivo: Verificar a associação de força de preensão palmar e osteoporose em idosos quilombolas. Método: Trata-se de um estudo seccional com 70 participantes (idade 65,58 ± 6.67 anos) de ambos os sexos. A densidade mineral óssea (DMO), massa muscular (MM) e o percentual de gordura foram analisados pela absortometria de raios-x de dupla energia (DXA) e a força de preensão palmar (FPP) por meio do dinamômetro de mão. O ponto de coorte adotado para identificação de osteoporose foi o da Organização Mundial de Saúde (OMS). A identificação do status da sarcopenia foi realizado para caraterização da amostra e para o diagnóstico foi utilizado os critérios propostos pelo European Working Group on Sarcopenia in Older People (EWGSOP). A FPP foi associada positivamente e significativamente com a DMO. Resultados: A osteopenia foi identificada em 42,8% da amostra e a osteoporose em 20%, sem diferença entre as frequências segundo o sexo (p = 0,161). Conclusão: Nos idosos quilombolas a baixa FPP esteve positivamente associada com baixa DMO. Portanto, sugerindo que a FPP pode ser considerada um fator de risco importante de estado ósseo em idosos quilombolas.

 


Palavras-chave: Força Muscular, Densitometria, Osteoporose, Grupo com Ancestrais do Continente Africano, Idoso

 

Tecnologias assistivas: aspectos que influenciam na assiduidade e no abandono dos recursos

Assistive technologies: aspects influencing assurance and abandonment of resources


Marciane Montagner Missio, Luise Ferreira de Queiroz


Missio MM, Queiroz LF. Tecnologias assistivas: aspectos que influenciam na assiduidade e no abandono dos recursos. Acta Fisiátr. 2018;25(4):[article in press]


As tecnologias assistivas são recursos utilizados para potencializar habilidades funcionais e proporcionar autonomia e independência. Pessoas com deficiência possuem a garantia de acesso a esses recursos, com prescrição de profissionais dos serviços de reabilitação do Sistema Único de Saúde (SUS). Objetivo: Verificar aspectos envolvidos com a adesão e abandono de órteses, próteses e cadeiras de rodas. Método: Trata-se de um estudo transversal, os dados foram coletados através de uma entrevista estruturada que questiona o processo de prescrição, benefícios e continuidade ou abandono de uso dos equipamentos. A população do estudo foi de indivíduos de 18 a 80 anos que receberam tecnologias assistivas dispensadas no período de janeiro a dezembro de 2017 através de um Centro Especializado em Reabilitação, município de Santa Maria - RS. Resultados: Em 2017 foram dispensadas 400 equipamentos, sendo entrevistadas 31 pessoas desse quantitativo, pois muitos dos beneficiados não residem no município, não consentindo em participar. As 31 pessoas receberam 38 equipamentos, sendo 6 cadeiras motorizadas, 13 manuais, 8 próteses de membro inferior, 1 de membro superior, 7 órteses de membro inferior e 3 de membro superior. Destes equipamentos, 20 continuam sendo utilizados e 18 foram abandonados. Os benefícios mais relatados foram a melhor estabilidade e a facilitação do deslocamento propiciada pelos recursos. Conclusão: A maioria dos beneficiários foram adultos e idosos, sendo que a cadeira manual e a prótese de membro inferior foram os equipamentos mais dispensados. Foi verificado que houve significativo número de abandono sugerindo que ocorreram inadequações no momento da prescrição, resultando no abandono.


Palavras-chave: Aparelhos Ortopédicos, Membros Artificiais, Cadeiras de Rodas, Terapia por Exercício, Terapia Ocupacional

 

Resultados de um programa de exercício físico combinado na força muscular e capacidade funcional de um indivíduo com síndrome Pós-Poliomielite: relato de caso

Effects of a combined exercise program in muscle strength and functional capacity in a individual with Postpoliomyelitis syndrome: case report


Cristiane Gonçalves Mota, Susana Cristina Oliveira Silva, Barbara Vilar Teixeira, Fernanda Melo Oliveira, Cristiane Vieira Cardoso


Mota CG, Silva SCO, Teixeira BV, Oliveira FM, Cardoso CV. Resultados de um programa de exercício físico combinado na força muscular e capacidade funcional de um indivíduo com síndrome Pós-Poliomielite: relato de caso. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


A Poliomielite Anterior Aguda (PAA) é uma patologia causada por um enterovírus, que predominantemente prejudica os neurônios motores inferiores, o que causa a paralisia muscular flácida e assimétrica, principalmente nos membros inferiores e que, tardiamente causa sintomas neuromusculares e declínio funcional denominados como Síndrome Pós-Poliomielite (SPP). Objetivo: Aplicar um programa de exercícios combinado e verificar os resultados na força muscular e capacidade funcional de um indivíduo idoso, com SPP. Métodos: A amostra foi composta por 1 mulher, idade 66 anos, com SPP, hipertensão arterial sistêmica, dislipidemia, hipotireoidismo. A força muscular foi mensurada por meio do teste de 7 - 10 repetições máximas (RM). A distância percorrida ao pedalar foi realizada por meio do Teste 12 minutos adaptado e o equilíbrio dinâmico foi avaliado por meio do Timed up & Go Test. Os exercícios foram realizados em 2 séries de 10 repetições, com intensidade de 60% de 1 RM, por 24 semanas. Resultados: Após 24 semanas, a força muscular de MMII apresentou aumento de 333,3% e a força de MMSS 216,5%. O equilíbrio dinâmico melhorou 34,3%. A distância percorrida ao pedalar aumentou 11,8%. Conclusão: Os dados por nós obtidos sugerem que pessoas com SPP, mesmo que idosas, poderão se beneficiar de um programa de exercícios para aumento da força muscular e melhora da capacidade funcional, porém é importante que outros estudos sejam desenvolvidos para verificar esses resultados em um número maior de pessoas.


Palavras-chave: síndrome pós-poliomielite, idoso, força muscular, exercicio

 

Musicoterapia no processo de reabilitação de pacientes com amputação

Music therapy in the reabilitation process with amputation patients


Maristela Pires da Cruz Smith, Vera Lucia Rodrigues Alves


Smith MPC, Alves VLR. Musicoterapia no processo de reabilitação de pacientes com amputação. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


A visão de totalidade do homem - homem como ser social - sugere que as ações reabilitadoras, aplicadas a pacientes acometidos por síndromes que os incapacitam fisicamente -  como amputações de membros do corpo - mostram-se eficazes resultando numa melhora, e mais rápida readaptação do sujeito, a novas formas de 'estar no mundo', mesmo vivenciando um estigma social de "pessoa diferente". No estudo em questão trabalhou-se com os pressupostos epistemológicos da Psicologia Social Crítica, que foram demonstrados por meio de técnicas da Musicoterapia, pois se esperava que a prática de sessões de musicoterapia poderia facilitar a expressão da música interna dos sujeitos, conteúdo este narrado por meio de palavras, que foram transformadas em palavras cantadas e, posteriormente, em canções compostas. A participação dos envolvidos no trabalho clínico foi conjunta, isto é, entre a pesquisadora, autora deste projeto, e cada um dos 5 pacientes participantes, atendidos individualmente, já que se tratou de uma pesquisa-ação-participativa. As análises de discurso das narrativas de histórias de vida, foram feitas com base nas categorias que fundamentam a Psicologia Social Crítica. Os registros foram feitos a partir de observações do comportamento sonoro-musical dos pacientes, aplicando-se o "Modelo de Registro de Reações Sonoro-Rítmico-Musicais, Corpóreo-Vocais e Comportamentais", tanto para o registro objetivo, quanto para as interpretações musicais subjetivas, tendo como referência teórica principal a 'identidade como metamorfose'.


Palavras-chave: Pessoas com Deficiência, Amputados, Musicoterapia

 

Inclusão social no mercado de trabalho de pacientes amputados em processo de reabilitação

Social inclusion in the labor market of amputees in the process of rehabilitation


Regina Hanashiro, Viviane Duarte Correia, Andre Tadeu Sugawara


Hanashiro R, Correia VD, Sugawara AT. Inclusão social no mercado de trabalho de pacientes amputados em processo de reabilitação. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


Objetivo: Conhecer o processo de inclusão social no mercado de trabalho, do paciente amputado, e identificar alterações socioeconômicas, após o processo de reabilitação, além de contribuir para o levantamento de dados socioeconômicos acerca da pessoa com deficiência. Método: Pesquisa retrospectiva, quantitativa e qualitativa, sob a perspectiva dialética. Os dados foram obtidos por meio do Protocolo de Avaliação Social Institucional e relatórios sociais dos pacientes amputados, que passaram pelo ambulatório, após alta do processo em um Centro de Reabilitação no município de São Paulo, no período de abril a setembro de 2016. Resultados: Os sujeitos da pesquisa (23) foram, em sua maioria do gênero masculino (20), em idade ativa (média simples de 39,5 anos), com nível de escolaridade no ensino médio (9). A maioria (21) absteve das atividades laborais. Após a instalação da deficiência, houve queda na renda familiar. Inicialmente, (17) usufruem de benefícios previdenciários, (1) benefício assistencial, e (4) estão em processo de solicitação de benefício. Durante o tratamento reabilitativo, houve redução dos benefícios previdenciários (de 17 para 15), aumento nos benefícios assistenciais (3), (1) aguarda concessão de benefício, e 3 obtiveram alta do INSS. Conclusão: Os resultados apontam que os pacientes amputados sofrem alterações socioeconômicas, após a instalação da deficiência, decorrentes à abstenção as atividades laborais e rebaixamento na renda, apontando para a importância da proteção previdenciária e assistencial. Fatores como idade, escolaridade e quantidade de internações favoreceram o retorno dos pacientes amputados no mercado de trabalho.


Palavras-chave: Pessoas com Deficiência, Amputação, Mercado de Trabalho, Readaptação ao Emprego

 

Motivação de idosos com doença de Parkinson submetidos ao treino funcional, exercício aeróbico e exergame

Motivation of elderly with Parkinson''s disease submitted to functional training, aerobic exercise and exergame


Sara Roza Gomes, Karen Valadares Trippo, Daniela Oliveira Guimarães, Jamary Oliveira Filho, Daniel Dominguez-Ferraz


Gomes SR, Trippo KV, Guimarães DO, Filho JO, Dominguez-Ferraz D. Motivação de idosos com doença de Parkinson submetidos ao treino funcional, exercício aeróbico e exergame. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


Recomenda-se que pacientes com doença de Parkinson (DP) realizem exercícios físicos durante toda a vida. O exercício deve retardar a progressão da doença e motivar o paciente. Objetivo: Verificar e comparar a motivação de idosos com DP submetidos ao treinamento funcional, exercício em bicicleta estacionária e com o exergame. Método: Ensaio clínico randomizado foi desenvolvido em um centro de referência. O grupo 1 (G1) foi formado por participantes que realizaram treinamento funcional, o grupo 2 (G2) foi tratado em bicicleta estacionária e o grupo 3 (G3) foi submetido ao exergame Xbox 360 com sensor Kinect. Ao final dos treinamentos, foi realizada uma entrevista para avaliar a motivação dos participantes em relação às intervenções as quais foram submetidos. Para cada pergunta existiam quatro opções de respostas: não estava motivado, estava pouco motivado, estava motivado e estava muito motivado. As variáveis foram sumarizadas em mediana e intervalo interquartil e em frequências absolutas e relativas. O teste de Chi-quadrado de Pearson foi usado na inferência estatística. O nível de significância adotado foi de 5% (p<0,05). Participaram do estudo 53 idosos com DP. Resultados: Muitos participantes relataram que o exercício (G1: 72%, G2: 53%, G3: 44%) e o fisioterapeuta (G1: 83%, G2: 76%, G3: 94%) foram muito motivadores. Apenas dois participantes do G2 classificaram o exercício como não motivador. No entanto, nenhuma diferença significativa foi encontrada entre os três grupos. Conclusão: Os indivíduos idosos com DP consideraram o treinamento funcional, o exercício em bicicleta e o exergame como modalidades motivadoras de treinamento.


Palavras-chave: Doença de Parkinson, Exercício, Motivação, Modalidades de Fisioterapia, Idoso

 

Testosterona e acidente vascular encefálico isquêmico

Testosterone and ischemic stroke


Lucas Caseri Camara, Aécio Flávio Teixeira Gois


Camara LC, Gois AFT. Testosterona e acidente vascular encefálico isquêmico. Acta Fisiátr. 2018;25(3):[article in press]


Níveis de testosterona sérica já foram relacionados a piora de fatores hematológicos, função e envelhecimento vascular, contribuindo potencialmente para formação de trombos. Com o envelhecimento, dados epidemiológicos mostram declínio dos níveis de testosterona, prejuízo da função vascular e aumento das incidências de doenças vasculares, como o AVE. Objetivo: Descrever estudos que abordaram a potencial relação dos níveis de testosterona com a prevenção, apresentação clínica e prognóstico do AVE. Métodos: Uma pesquisa e seleção de artigos foi conduzida em três diferentes bases de dados (MEDLINE, SCIELO, LILACS) utilizando termos relacionados a testosterona e AVE (inglês e português), filtrada para estudos em humanos. Apenas estudos que abordaram algum aspecto da relação entre testosterona e AVE foram incluídos para discussão no presente estudo. Resultados: A busca resultou em 12 estudos relevantes para análise e discussão (7 observacionais, 3 transversais, 2 experimentais). Estudos observacionais verificaram um papel protetor da testosterona na incidência de AVE. Estudos transversais verificaram alterações endocrinológicas, como o hipogonadismo, na fase aguda do AVE, bem como melhor apresentação clínica (gravidade, tamanho da lesão). Estudos experimentais controlados verificaram benefícios clínicos e funcionais da suplementação de testosterona em pacientes em reabilitação. Conclusão: Apesar dos potenciais diversos benefícios destacados de níveis mais altos de testosterona no AVE, mais estudos que abordem de forma sistematizada o papel da testosterona em aspectos preventivos, de apresentação clínica, e de reabilitação e prognóstico serão bem vindos, para melhor manejo e otimização do tratamento do AVE.


Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral, Androgênios, Testosterona, Reabilitação

 

Análise dos parâmetros espaço-temporais da marcha em indivíduos com disfunção neurológica tratados com prática mental: uma revisão sistemática

Analysis of spatiotemporal gait parameters in individuals with neurological dysfunction treated with mental practice: a systematic review


Taís Arcanjo Maropo Silva, Liliane Pereira Silva, Patrícia Fernanda Faccio, Kássia Maria Clemente da Silva, Andryelle Rayane de Vasconcelos Arruda, Letícia do Nascimento Silva, Carla Cabral dos Santos Accioly Lins, Maria das Graças Wanderley de Sales Coriolano


Silva TAM, Silva LP, Faccio PF, Silva KMC, Arruda ARV, Silva LN, et al. Análise dos parâmetros espaço-temporais da marcha em indivíduos com disfunção neurológica tratados com prática mental: uma revisão sistemática. Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


A habilidade da marcha após uma patologia neurológica muitas vezes é prejudicada e limitada a curtas distâncias, sendo o tempo de caminhada, o comprimento do passo e a cadência inferiores às pessoas sem patologias ou deficiências conhecidas. Atualmente a prática mental vem sendo combinada ao contexto clínico, na reabilitação de pacientes com sequelas neurológicas, principalmente pós-Acidente Vascular Cerebral. Objetivo: Analisar os efeitos da prática mental, associada ou não a outras estratégias de intervenção, nos parâmetros espaço-temporais da marcha de pessoas com doenças neurológicas. Métodos: Trata-se de uma revisão sistemática da literatura sobre os parâmetros espaciais da marcha em pacientes com disfunção neurológica tratados com prática mental. As bases de dados pesquisadas foram Pubmed/Medline LILACS, Scopus, Web of Science e Cochrane. Resultados: A maioria dos estudos apresentou o Acidente Vascular cerebral como disfunção neurológica, seguidos de Doença de Parkinson, Lesão medular e Esclerose múltipla.  Os estudos selecionados apresentaram protocolos de prática mental associado à fisioterapia combinado ou não com outras estratégias de tratamento no grupo experimental dentre elas estimulação magnética transcraniana e estimulação auditiva rítmica. Dentre os parâmetros espaço-temporais da marcha a velocidade foi o parâmetro mais avaliado e o comprimento da passada o menos avaliado. Conclusão: A prática mental apresentou efeitos positivos nos parâmetros tempo, velocidade e cadência da marcha de pacientes com AVC. Poucos estudos limitam a interpretação dos resultados para Doença de Parkinson, Esclerose múltipla e Lesão medular.


Palavras-chave: Fisioterapia, Marcha, Manifestações Neurológicas

 

Resultados de um programa de exercícios físicos para indivíduos com hemiplegia pós acidente vascular encefálico

Effects physical training program for individuals with hemiplegia after stroke


Leonardo Danelon Cruz, Cristiane Vieira Cardoso, Cristiane Gonçalves Mota, Pablo Magno Silveira, Katia Lina Miyahara, Tamira Terao, Livia Maria Sabbag


Cruz LD, Cardoso CV, Mota CG, Silveira PM, Miyahara KL, Terao T, et al. Resultados de um programa de exercícios físicos para indivíduos com hemiplegia pós acidente vascular encefálico. Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


A recuperação das sequelas neurológicas pode ocorrer de maneira espontânea, porém parte da recuperação depende de estímulo motor. O exercício físico é um método importante para a reabilitação e promoção da saúde em indivíduos que sofreram AVE. Objetivo: Verificar os resultados obtidos na força muscular global e em equilíbrio dinâmico, em indivíduos com hemiplegia pós AVE, que participaram de um programa de exercícios físicos. Métodos: Participaram do estudo 29 indivíduos, com média de idade de 57 anos. Foram analisados, retrospectivamente, dados dos prontuários de pacientes com diagnóstico de hemiplegia após AVE do IMREA HCFMUSP, participantes de programa de exercícios no serviço de Condicionamento Físico, período de setembro de 2011 a julho de 2013. Resultados: Observou-se aumento significativo em força muscular (p<0,05) em todas as musculaturas envolvidas no teste de 10 RM. O maior ganho de força foi no grupo dos isquiotibiais (65,85%) e a musculatura com menor ganho de força foi tríceps braquial, com 31,34%. A média total de ganho de força foi de 45,20%. O tempo de realização dos testes Timed Up and Go (TUG) e Teste de Sentar e Levantar (TSL) foi menor ao término do programa, o que significa que os pacientes melhoraram a capacidade de realizar as mesmas funções avaliadas inicialmente. Conclusão: Este estudo mostrou que o treinamento resistido é muito importante para as pessoas com sequelas de hemiplegia pós AVE, por melhorar a capacidade funcional como o equilíbrio dinâmico, além de contribuir em suas atividades cotidianas com o aumento da força muscular global.


Palavras-chave: Hemiplegia, Exercício, Força Muscular, Equilíbrio Postural

 

Considerações sobre instituições de reabilitação para crianças e adolescentes com deficiência no município do Rio de Janeiro

Considerations about rehabilitation institutions for children and adolescents with disabilities in the city of Rio de Janeiro


Livia Rangel Lopes Borgneth, Alice Yuriko Shinohara Hassano, Luciane Gaspar Guedes, Márcia Gonçalves Ribeiro


Borgneth LRL, Hassano AYS, Guedes LG, Ribeiro MG. Considerações sobre instituições de reabilitação para crianças e adolescentes com deficiência no município do Rio de Janeiro. Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


Discussão a partir da pesquisa "Estudo da oferta e análise de programas de reabilitação para a população infanto-juvenil com deficiência no Município do Rio de Janeiro". Objetivo: Ampliar conhecimento sobre as instituições que oferecem reabilitação para a população de crianças e adolescentes com deficiência. Método: Estudo descritivo tipo inquérito, por questionário, especificamente preparado para este fim. Resultados: A amostra composta por 7 (12,6%) instituições de ensino, 16 (29,6%) instituições pertencentes ao Sistema Único de Saúde (SUS) e 31 (57,41%) representam: 11 organizações não governamentais, 15 filantrópicas e 5 privadas conveniadas com o SUS e/ou Sistema único de Assistência Social (SUAS), mostrando que a maior parte dos atendimentos não ocorre na rede pública. Este dado sugere rotatividade de profissionais por falta de estabilidade e consequente descontinuidade de tratamento. Maioria das organizações, fora a rede pública, tem convênio com o SUAS, cuja missão é regular e organizar serviços, programas e benefícios socioassistenciais, o que pode levar ao não aproveitamento de avanços técnicos na área da saúde. Avaliações médicas especializadas e recursos como óculos, cadeira de rodas, andadores, mostraram não ser de fácil obtenção. Conclusão: Esta população quando reabilitada tem ampliada sua condição para participação ativa na sociedade, com consequente redução de custo e aumento do capital social é uma realidade. Ampliar conhecimentos sobre a gestão em reabilitação está se tornando cada vez mais premente, visto que avanços científicos e tecnológicos aliados a constantes conquistas sociais viabilizam, cada vez mais, inserção de pessoas que antes estariam restritas a uma vida de exclusão social.


Palavras-chave: Centros de Reabilitação, Serviços de Reabilitação, Pessoas com Deficiência, Criança

 

Protocolo de assistência do Serviço de Condicionamento Físico para indivíduos com doenças neuromusculares e musculoesqueléticas

Assistance Protocol Physical Conditioning Department for individuals with neuromuscular and musculoskeletal diseases


Cristiane Vieira Cardoso, Cristiane Gonçalves Mota, Isabel Cristina da Silva Prado Sampaio, Livia Maria dos Santos Sabbag


Cardoso CV, Mota CG, Sampaio ICSP, Sabbag LMS. Protocolo de assistência do Serviço de Condicionamento Físico para indivíduos com doenças neuromusculares e musculoesqueléticas. Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


O condicionamento físico supervisionado por profissionais de Educação Física inserido em um programa de reabilitação para pacientes com distúrbios neuromusculares e musculoesqueléticos visa o aumento da força muscular, melhora da coordenação motora, equilíbrio dinâmico, capacidade aeróbia, capacidade funcional e da aptidão física voltada à saúde. Trata-se de importante intervenção para prevenir e atenuar a sinergia entre a perda de função física e a exacerbação de várias comorbidades que comprometem a independência funcional, modificar fatores de risco, aumentar a qualidade de vida e longevidade com redução da mortalidade. O objetivo desse artigo é apresentar o protocolo de assistência do Serviço de Condicionamento Físico do Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IMREA-HCFMUSP), elaborado para que a intervenção de exercícios físicos seja adequada, respeitando o perfil e limitações físicas desses pacientes, bem como na observação de seus marcadores clínicos.


Palavras-chave: doenças neuromusculares, doenças musculoesqueléticas, exercicio, aptidao fisica

 

Confiabilidade das mensurações de testes isocinéticos para articulação do tornozelo 

Reliability of isokinetic test measurements for ankle joint 


Natália Mariana Silva Luna, Angelica Castilho Alonso, Daniele Eliezer, Marilia Simões Lopes Quintana, Gabriela Borin, Fernanda Botta Tarallo, Alexandra Carolina Canônica, Julia Maria D'Andréa Greve


Luna NMS, Alonso AC, Eliezer D, Quintana MSL, Borin G, Tarallo FB, et al. Confiabilidade das mensurações de testes isocinéticos para articulação do tornozelo . Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


O teste isocinético do tornozelo tem uma grande relevância, já que é possível estabelecer protocolos com velocidades e modos de contração semelhantes aos das atividades funcionais e esportivas. Desta forma, são necessários estudos que mostram a confiabilidade desta ferramenta para auxiliarem na prevenção de lesões do tornozelo. Objetivo: Elaborar uma revisão de literatura sobre estudos que abordaram a confiabilidade de testes isocinéticos da articulação do tornozelo. Métodos: A busca na literatura foi realizada nas bases de dados Pubmed, Lilacs, Pedro, Scielo, Scopus e Cochrane com os descritores científicos ankle e isokinetic e reliability. Foram identificados 34 artigos, 4 foram excluídos por não estudarem humanos e 27 foram incluídos (10 referentes à confiabilidade de testes isocinéticos para inversores e eversores do tornozelo e 17 referentes à confiabilidade de testes para flexores-plantares e dorsiflexores). Resultados: A confiabilidade da avaliação isocinética dos flexores-plantares e dorsiflexores tem sido descrita para diferentes dinamômetros, posições, modos e populações. Os valores de coeficientes de correlação intraclasse variam de 0,55-0,98; e a de eversores e inversores, variam de 0,54-0,99, classificados na faixa de satisfatório a excelente. Conclusão: Os protocolos isocinéticos da articulação do tornozelo devem ser elaborados de acordo com a musculatura recrutada e com a população (com presença ou não de patologia).  


Palavras-chave: Tornozelo, Isocinética, Confiabilidade

 

Qualidade de vida e avaliação antropométrica de professores de uma rede privada de ensino

Quality of life and nutritional status of teachers a private network of education


Marcia Maria Hernandes de Abreu de Oliveira Salgueiro, Bruna Andrade Freitas, Keliane Galdino Silva, Gislene Kauffman Furgêncio, Leslie Andrews Portes, Nyvian Alexandre Kutz


Salgueiro MMHAO, Freitas BA, Silva KG, Furgêncio GK, Portes LA, Kutz NA. Qualidade de vida e avaliação antropométrica de professores de uma rede privada de ensino. Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


Objetivo: Avaliar a associação entre a qualidade de vida (QV) e parâmetros antropométricos e de docência, de professores de uma rede privada de ensino de São Paulo. Métodos: Estudo transversal descritivo com 107 professores, utilizando-se dois questionários autoaplicáveis, abordando aspectos sociodemográficos, variáveis da docência e de QV. Após o preenchimento, foram submetidos às medidas de peso, estatura, índice de massa corporal (IMC) e circunferência da cintura (CC). Resultados: Tinham idade média de 38,2 ±8,6 anos, 78,5% do sexo feminino, 78,5% casados, 74,8% pertencente à classe B. Todos possuíam ensino superior completo, 64,5% até 10 anos de atuação, 88,8% trabalhavam mais de 20h/semana, 44,9% atuavam em dois turnos ou mais, 55,1% encontravam-se com excesso de peso, 71,1% em risco para doença metabólica e 84,1% consideravam sua QV boa ou muito boa. Nenhuma das variáveis antropométrica, tempo de docência, carga horária e classe econômica, correlacionarem-se significantemente à QV. Correlações fracas, mas significantes, foram observadas entre o tempo de docência e IMC e CC (r=0,26 e r=-0,22, p<0,05). Contudo, verificou-se significante associação (p<0,05) da QV (<71pontos: 35,6±7,9anos vs. 71pontos: 40,0±9,0anos) com a idade, do IMC (<25kg/m2: 59,0 7,4kg vs. 25kg/m2: 80,3 15,0kg) com o peso e a circunferência da cintura (<25kg/m2: 80,6±6,9cm vs. 25kg/m2: 95,9±10,5cm). Conclusão: Embora a percepção da QV seja satisfatória, ela não se relacionou às variáveis antropométricas, sociodemográficas e de docência. Porém, o tempo de docência relacionou-se significantemente ao IMC e à CC.

 


Palavras-chave: Qualidade de Vida, Antropometria, Docentes

 

Qualidade de vida em pacientes adultos com paralisia cerebral

Quality of life in adult patient with cerebral palsy


Anny Michelly Paquier Binha, Valeria Cassefo Silveira, Ana Paula Oliveira Mendes


Binha AMP, Silveira VC, Mendes APO. Qualidade de vida em pacientes adultos com paralisia cerebral. Acta Fisiátr. 2018;25(2):[article in press]


Paralisia cerebral (PC) é um grupo de desordens permanentes do desenvolvimento motor/postural atribuídas a distúrbios não progressivos que ocorrem no encéfalo imaturo. Diversos fatores interferem na qualidade de vida desses pacientes e com o aumento da longevidade é importante prevenir/intervir precocemente. Objetivo: Verificar como pacientes adultos com PC auto-avaliam sua condição de saúde e correlacionar com fatores que interferem em sua qualidade de vida. Método: Aplicado questionário de triagem para avaliação de qualidade de vida dos pacientes (CDC HRQOL-4) e preenchido protocolo de avaliação utilizando o prontuário. A coleta de dados foi realizada entre 13 de março e 30 de junho de 2016. Resultados: Foram atendidos 349 pacientes e 66 pacientes que obedeciam aos critérios de inclusão responderam ao questionário. A idade média geral foi de 26,5 anos. A divisão por sexo foi igual; a idade máxima foi de 52 anos. Predomínio de pacientes com diparesia espástica para ambos os sexos. Entre as mulheres, 77,5% não estava praticando nenhuma atividade. No geral, 19,7% referiram alguma dor crônica e 31,8% tiveram queixa de alteração de humor. Na auto-avaliação sobre a saúde em geral, 25,8% referiu estar excelente e apenas 10,6% regular. Conclusão: Os pacientes adultos com PC atendidos no ambulatório da AACD Ibirapuera são predominantemente adultos jovens, solteiros e que estão vivendo com seus familiares. Referem ter uma saúde muito boa/excelente e menos de 20% convive com alguma dor crônica. Em relação às alterações de humor, mais de um terço referiu ter estresse, tristeza ou ansiedade.


Palavras-chave: paralisia cerebral, qualidade de vida, Adulto

 

Apoio

Logo Medicina USP Logo Instituto Oscar Freire Logo HC FMUSP

Patrocinadores

Logo Fundação Medicina USP Logo Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação Logo Inovation for pacient care Logo Allergan

Revista Credenciada

Revista Associada

Logo Sistema Integrado de Biblioteca s Universidade de São Paulo Logo Associação Brasileira de Editores Científicos

©2019 Acta Fisiátrica - Todos os Direitos Reservados

Logo Acta Fisiátrica

Logo GN1